A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ARISTÓTELES.. Aristóteles representa o apogeu do pensamento filosófico grego, e o mesmo se pode dizer para a filosofia do direito. Após sua morte, durante.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ARISTÓTELES.. Aristóteles representa o apogeu do pensamento filosófico grego, e o mesmo se pode dizer para a filosofia do direito. Após sua morte, durante."— Transcrição da apresentação:

1 ARISTÓTELES.

2 Aristóteles representa o apogeu do pensamento filosófico grego, e o mesmo se pode dizer para a filosofia do direito. Após sua morte, durante toda a Antiguidade e a Idade Média, suas reflexões jusfilosóficas foram tidas como o mais alto patamar de ideias sobre o direito e o justo já construídas.

3 ALUNO DE PLATÃO.

4 A acentuada tendência platônica a uma construção filosófica ideal passa a ser amenizada no pensamento de Aristóteles, na medida em que a experiência é elemento fundamental de sua reflexão. Filho de médico, desde a infância em contato com a empiria nos casos clínicos, Aristóteles construiu sua filosofia tendo por base as realidade que se apresentavam ao seu estudo.

5 Professor de Alexandre – o Grande.

6 Foi ao mesmo tempo Filósofo; - Físico; - Biólogo; - Músico; - Professor; - Político;

7 CONHECIMENTO Aristóteles discorda de Platão e procura uma outra forma de definir o conhecimento. Antes de qualquer coisa, ele rejeita a proposta de que existem dois mundos, o sensível e o inteligível. Para ele podemos obter o conhecimento através de observações concretas, feitas no mundo real.

8 causasPara Aristóteles, o verdadeiro conheci- mento é o conhecimento das causas, que pode superar o engano e explicar as mutações que ocorrem no mundo. substância comoEle utiliza a noção de substância como o suporte de todos os atributos, como aquilo que é em si mesmo.

9 O SER E A SUBSTÂNCIA O conceito de ser não pode ser reduzido a um gênero, menos ainda a uma espécie. As várias coisas que são ditas exprimem significados diversos do ser, mas, ao mesmo tempo, todas elas implicam a referência a algo uno, que é a substância. Portanto, o centro unificador dos significados do ser é a substância (ousía). A substância, é o princípio em relação ao qual todos os outros significados subsistem.

10 Dentre os atributos que compõem uma substância, podemos destacar: ESSENCIAL a)aquilo que é ESSENCIAL; ACIDENTAL b)aquilo que é ACIDENTAL. Se tomarmos o homem como exemplo, veremos que ele tem propriedades que são acidentais, isto é, que podem variar (altura, peso, idade, aparência) e uma propriedade que não varia, ou seja, que é essencial: o homem é um ser racional.

11 Mas e a questão do devir, do movimento, da mutação dos seres? MATÉRIAFORMA Para explicá-la, Aristóteles recorre às noções de MATÉRIA e FORMA. Por matéria ele define o princípio indeter-minado de que o mundo físico é composto Forma é aquilo que faz com que uma coisa seja o que é. Apesar de mudar com o tempo, é através dela que conseguimos reconhecer as coisas e organizá-las.

12 ATO POTÊNCIAAinda para explicar a questão do movi-mento, Aristóteles propõe os conceitos de ATO e POTÊNCIA. Potência significa ausência de perfeição, a capacidade de se tornar alguma coisa. Por exemplo: - A semente de laranja lançada na terra tem a potência de tornar-se uma laranjeira. - O filhote de gato guarda em si a capacidade de tornar-se adulto e procriar.

13 Os ciclos que compõem a vida de cada ser vão se atualizando, isto é, a potência dentro deles vai se realizando. ATOO que Aristóteles chama de ATO constitui cada uma das etapas pelas quais a potência vai se atualizando. Todo ser tende a tornar atual a forma que tem em si mesmo como potência. Portanto, o movimento é a passagem da potência para o ato.

14 No mundo físico, vemos que as coisas estão de um modo AGORA, mas dali a pouco se modificarão. Isto não significa que o mundo da experiência é falso ou não merece confiança. Significa que ele tem características próprias, ALGUMAS FIXAS, OUTRAS MUTÁVEIS, e tais características devem ser entendidas dentro de uma lógica interna que pode ser explicada.

15 O mundo físico pode ser conhecido sem que recorramos a outro mundo, como fez Platão. Os conceitos de ATO e POTÊNCIA e MATÉRIA e FORMA levam Aristóteles a formular a teoria das 4 causas, a fim de explicar os diversos tipos de movimento. São elas: a) causa material; b) causa eficiente; b) causa formal e) causa final.

16 Exemplo 1: A ESTÁTUA - A causa material é o mármore (isto é, do que a coisa é feita); - A causa eficiente é o próprio escultor (aquilo com que a coisa é feita); - A causa formal é a forma da estátua, seus contornos, sua aparência (aquilo que a coisa vai ser) - A causa final envolve a finalidade da estátua (aquilo para o qual a coisa é feita)

17

18 TEORIA DO CONHECIMENTO ARISTOTÉLICA: A ideia de formular um filosofia primeira (prima filosofia), ou seja, uma teoria do ser em geral; A filosofia primeira não é a primeira na ordem do conhecer, já que nosso ponto de partida é o conhecimento sensível; Porém, uma tal teoria buscaria as causas mais universais e distantes dos sentidos;

19 Ela serviria de base à ciência, pois esta se refere ao ser usando conceitos como identidade, gênero, espécie, oposição, possibilidade, necessidade etc. Mas nenhuma ciência examina tais conceitos. O objetivo da prima filosofia (ou metafísica), é estudar o ser e suas propriedades.

20 Todos os homens tem o desejo de conhecer. Mas há diferentes graus de conhecimento. 1) Há o conhecimento pela mera experiência, 2) Há o conhecimento de uma arte objetivando realizações práticas. 3) Mas há, além disso, um conhecimento que não tem NENHUMA UTILIDADE, BUSCADO PELO INTERESSE DELE MESMO. METAFÍSICA

21 A ciência de conhecimento desinteressado é a CIÊNCIA BUSCADA ou ainda a FILOSOFIA PRIMEIRA, METAFÍSICA. Ela é a CIÊNCIA DOS PRIMEIROS PRINCÍPIOS E DAS PRIMEIRAS CAUSAS

22 Ela concerne ao SER ENQUANTO TAL, ao SER ENQUANTO SER. As ciências especiais isolam uma esfera particular do ser e investigam os atributos do ser naquela esfera... Mas a metafísica investiga O SER EM SI MESMO E SEUS ATRIBUTOS ESSENCIAIS.

23 Em busca dessa ciência, Aristóteles começa considerando as 4 CAUSAS: 1) FORMAL: FORMA, IDÉIA, ESSÊNCIA. 2) MATERIAL: OBJETO. 3) EFICIENTE: FONTE DE MOVIMENTO. 4) FINAL: FINALIDADE. Exemplo: O artífice tem uma peça de mármore (causa material). A estátua deverá ser de Vênus (causa formal). Ele intenciona construir uma estátua para o templo de Apolo (causa final). Ele a modela com o martelo e o cinzel (causa eficiente). TODA A REALIDADE É MUTÁVEL, ISTO É TEM UM FIM

24 Todo objeto em movimento requer uma causa movente atual, então o mundo requer um PRIMEIRO MOVENTE (primo motor). Ele é primeiro não no sentido temporal, pois para Aristóteles o MOVIMENTO É ETERNO.

25 Deus FORMA o mundo, mas não como causa eficiente e sim por ATRAÇÃO, COMO A SUA CAUSA FINAL, como OBJETO INSPIRADOR DE AMOR E DESEJO! A inteligência de cada esfera espiritual deseja imitar a mais perfeita e aproximar-se dela o mais possível. O PRIMO MOTOR é PURO ATO, se fosse potência ele mudaria e ele por é por definição IMUTÁVEL. Ele precisa ser IMATERIAL, pois materialidade envolve possibilidade de sofrer ação e mudança. Ele é primeiro no sentido de: SUPREMO, INCRIADO,IMÓVEL

26 Posto que todo móvel é movido necessariamente por algo (assim, uma coisa que se move em movimento local por outra em movimento) e, por sua vez, esse motor é movido por outro móvel e este por outro e assim sucessivamente, é necessário que haja um primeiro motor (...)(Física). O PRIMEIRO MOTOR MÓVEL

27 A metafísica estuda a substância imutável, (a verdadeira natureza do ser está no imutável mais do que no mutável). Deve haver pelo menos UM ser imutável que causa o movimento, mas que permaneça IMÓVEL, isso sendo mostrado pela impossibilidade de uma infinita série de fontes de movimento. Possuindo a completa natureza do ser esse MOTOR IMÓVEL deve ser DIVINO. As substâncias em: 1) Mutáveis - Ciências 2) Imutáveis - Metafísica

28

29 DIVISÃO DAS CIÊNCIAS As ciências práticas são referentes às ações que têm seu início e seu termo no próprio sujeito agente. São as ações morais. As ciências poiéticas são relativas às ações, que têm seu início no sujeito, mas são dirigidas a produzir algo fora do próprio sujeito. As ciências teoréticas são diferentes, porque não se referem à ação nem à produção, mas têm como fim o puro conhecimento como tal.

30 O TEMA DA JUSTIÇA E DA ÉTICA Para Aristóteles a justiça, definida como virtude, é o foco das atenções da ciência prática, intitulada ética. A investigação do justo é uma primeira premissa para a ação conforme a justiça. A política compete traçar as normas suficientes e adequadas para orientar a atividade da polis, e dos sujeitos que a compõe, para a realização palpável do Bem Comum. Os princípios éticos estão condicionados ao exame do caso particular

31 JUSTIÇA COMO VIRTUDE A justiça é uma virtude e como tal um justo meio. Somente a educação ética, ou seja, a criação do hábito do comportamento deliberado pela reta razão, pode construir o comportamento virtuoso. Ethos significa hábito, reiteração da prática virtuosa. A ciência prática que cuida da conduta humana, tem esta tarefa de elucidar e tornar realizável, factível, a harmonia do comportamento humano individual e social.

32 Justiça é então uma virtude, um habitus, isto é, um modo de agir constante e deliberado. Distinção entre ação justa e homem justo. Ação justa não são coisas justas (estas estão na lei ou na natureza). Buscar as ações justas deve ser um habitus. Por isso justiça não é só um habitus, mas uma to também.

33 Então, o juiz para Aristóteles não é aquele que tem a posse da justiça, mas aquele que a faz atuar, ligando-a a uma pessoa. Por isso, o fim do Estado é formar os cidadãos, capacitando-os a cumprir boas ações.

34 Virtude para Aristóteles é o agir de modo deliberativo, como determina o homem prudente. Justiça é o ponto de equilíbrio que somente o homem prudente é capaz de determinar – sem excessos e sem lacunas.

35 Ainda, para Aristóteles, uma terceira característica da justiça pode ser entendida como uma disposição em razão da qual o homem justo é definido como apto a executar, pela escolha deliberada do que é justo. Então, homem justo não é aquele que apenas cumpre ações justas, mas sim aquele que as executa voluntariamente.

36 AMIZADE E JUSTIÇA A amizade (philía) é o liame que mantém a coesão de todas as cidades-estado. O homem alheio ao convívio social, ou é uma besta ou é um deus. A mais genuína forma de justiça é uma espécie de amizade. A amizade entre pessoas virtuosas é a mais desinteressada, a mais excelente e a mais perfeita manifestação do sentimento de amizade que se possa conceber. O grau de justiça está mais presente onde maior a proximidade e a afeição.

37

38


Carregar ppt "ARISTÓTELES.. Aristóteles representa o apogeu do pensamento filosófico grego, e o mesmo se pode dizer para a filosofia do direito. Após sua morte, durante."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google