A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

BELO HORIZONTE - 2004 ALVENARIA DE VEDAÇÃO COMUM X GESSO ACARTONADO Ana Manuela Nogueira Daniel Dornelas Denise Jabour Ricardo Luís Flores Rodrigo Campos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "BELO HORIZONTE - 2004 ALVENARIA DE VEDAÇÃO COMUM X GESSO ACARTONADO Ana Manuela Nogueira Daniel Dornelas Denise Jabour Ricardo Luís Flores Rodrigo Campos."— Transcrição da apresentação:

1 BELO HORIZONTE ALVENARIA DE VEDAÇÃO COMUM X GESSO ACARTONADO Ana Manuela Nogueira Daniel Dornelas Denise Jabour Ricardo Luís Flores Rodrigo Campos Rodrigues Solange Mendes CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL Professor Dalmo Lúcio

2 ALVENARIA Alvenaria, pelo dicionário da língua portuguesa, é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Alvenaria, pelo dicionário da língua portuguesa, é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Modernamente se entende por alvenaria, um conjunto coeso e rígido, de tijolos ou blocos (elementos de alvenaria) unidos entre si por argamassa. Modernamente se entende por alvenaria, um conjunto coeso e rígido, de tijolos ou blocos (elementos de alvenaria) unidos entre si por argamassa.

3 IMPORTÂNCIA HISTÓRICA DA ALVENARIA IMPORTÂNCIA HISTÓRICA DA ALVENARIA Principal material estrutural de edifícios ao longo de 4000 anos de civilização. Principal material estrutural de edifícios ao longo de 4000 anos de civilização. No início do século xx a construção em alvenaria perdeu a condição de principal estrutura suporte, com o surgimento de edifícios de grande altura, mantendo porém sua supremacia nos edifícios de um e dois pavimentos. No início do século xx a construção em alvenaria perdeu a condição de principal estrutura suporte, com o surgimento de edifícios de grande altura, mantendo porém sua supremacia nos edifícios de um e dois pavimentos. Está progressivamente reassumindo a sua condição histórica como estrutura suporte (ex. recentes de UK, Itália e França). Está progressivamente reassumindo a sua condição histórica como estrutura suporte (ex. recentes de UK, Itália e França).

4 IMPORTÂNCIA HISTÓRICA DA ALVENARIA IMPORTÂNCIA HISTÓRICA DA ALVENARIA No entanto, não perdeu a condição de principal material para vedação do edifício, principalmente nas vedações externas. No entanto, não perdeu a condição de principal material para vedação do edifício, principalmente nas vedações externas. Estima-se que a produção anual de blocos e tijolos no mundo é de 400 bilhões de unidades, o que o caracteriza como o material de construção de maior produção mundial. Estima-se que a produção anual de blocos e tijolos no mundo é de 400 bilhões de unidades, o que o caracteriza como o material de construção de maior produção mundial. A produção mundial de blocos e tijolos está crescendo. A produção mundial de blocos e tijolos está crescendo.

5 ELEMENTO DE ALVENARIA Tijolos de Barro Cozido Tijolos de Barro Cozido –Tijolo comum; –Tijolo furado; –Tijolo laminado. Tijolos de Solo Cimento Tijolos de Solo Cimento Blocos de Concreto. Blocos de Concreto. Tijolo de solo cimento comum

6 CLASSIFICAÇÃO DOS COMPONENTES DE ALVENARIA (SEGUNDO NORMA ISO) Dimensão; Dimensão; Percentual de vazios; Percentual de vazios; Material; Material; Resistência à compressão. Resistência à compressão.

7 AS CARACTERÍSTICAS DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO DEPENDEM Das características dos componentes de alvenaria (blocos e tijolos); Das características dos componentes de alvenaria (blocos e tijolos); Das características da junta de argamassa endurecida; Das características da junta de argamassa endurecida; Da interação entre os blocos e a junta endurecida de argamassa. Da interação entre os blocos e a junta endurecida de argamassa.

8 ELEVAÇÃO DA ALVENARIA Paredes de Tijolos Maciços Paredes de Tijolos Maciços Paredes com Bloco de Concreto Paredes com Bloco de Concreto Parede de Tijolos Furados Parede de Tijolos Furados Assentamento do tijolo

9 ARGAMASSA - PREPARO E APLICAÇÃO As argamassas, junto com os elementos de alvenaria, são os componentes que formam a parede de alvenaria não armada, sendo a sua função: As argamassas, junto com os elementos de alvenaria, são os componentes que formam a parede de alvenaria não armada, sendo a sua função: –unir solidamente os elementos de alvenaria –distribuir uniformemente as cargas –vedar as juntas impedindo a infiltração de água e a passagem de insetos, etc...

10 Preparo da Argamassa Manualmente Preparo da Argamassa com Betoneira

11 VANTAGENS COMPETITIVAS DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO Boa a excelente durabilidade (excelente resistência a agentes agressivos ); Boa a excelente durabilidade (excelente resistência a agentes agressivos ); Baixos custos inicial e de manutenção; Baixos custos inicial e de manutenção; Excelente comportamento frente à ação do fogo (resistência, efeito barreira, incombustabilidade); Excelente comportamento frente à ação do fogo (resistência, efeito barreira, incombustabilidade); Regular a bom desempenho térmico; Regular a bom desempenho térmico; Estabilidade, indeformabilidade; Estabilidade, indeformabilidade;

12 VANTAGENS COMPETITIVAS DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO Boa estanqueidade à água (quando revestida); Boa estanqueidade à água (quando revestida); Facilidade de composição de elementos de qualquer forma e dimensão; Facilidade de composição de elementos de qualquer forma e dimensão; Sem limitações de uso em relação às condições ambientais); Sem limitações de uso em relação às condições ambientais); Se necessário, pode ser 100% reaproveitável; Se necessário, pode ser 100% reaproveitável; Maior aceitação pelo usuário e pela sociedade (o sonho da casa de alvenaria). Maior aceitação pelo usuário e pela sociedade (o sonho da casa de alvenaria).

13 DESVANTAGENS DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO Imagem de ser antimoderna e perdulária; Imagem de ser antimoderna e perdulária; Necessidade de revestimentos adicionais para ter textura lisa; Necessidade de revestimentos adicionais para ter textura lisa; Deficiente na limpeza e higienização (deve ser recoberta por película impermeável à água); Deficiente na limpeza e higienização (deve ser recoberta por película impermeável à água); Domínio técnico centrado na mão de obra executora (com elevado consumo de mão de obra); Domínio técnico centrado na mão de obra executora (com elevado consumo de mão de obra); No Brasil, a maioria dos problemas patológicos pós ocupação ocorre nas vedações; No Brasil, a maioria dos problemas patológicos pós ocupação ocorre nas vedações; Se houver necessidade de reparos na rede hidrosanitária, não tem como evitar a quebradeira. Se houver necessidade de reparos na rede hidrosanitária, não tem como evitar a quebradeira.

14 GESSO ACARTONADO – DRY WALL O uso de chapas de gesso na construção civil começou nos Estados Unidos, no início do século passado, e passou a ser utilizado em larga escala a partir de 1920, espalhando-se por todo o mundo. Hoje, cerca de 95% das residências americanas utilizam paredes, forros e revestimentos em chapas de gesso. Na Europa, está presente na construção civil, há mais de 70 anos sendo, portanto considerado uma tecnologia totalmente consolidada. No Brasil, o emprego da tecnologia teve início em 1972 com a fabricação das primeiras chapas de gesso. Porém, a produção em escala industrial é relativamente recente. O uso de chapas de gesso na construção civil começou nos Estados Unidos, no início do século passado, e passou a ser utilizado em larga escala a partir de 1920, espalhando-se por todo o mundo. Hoje, cerca de 95% das residências americanas utilizam paredes, forros e revestimentos em chapas de gesso. Na Europa, está presente na construção civil, há mais de 70 anos sendo, portanto considerado uma tecnologia totalmente consolidada. No Brasil, o emprego da tecnologia teve início em 1972 com a fabricação das primeiras chapas de gesso. Porém, a produção em escala industrial é relativamente recente.

15 CONSUMO DE CHAPAS (em m2 por habitante/ano) Ano Referência: 2000

16 PROCESSO Chapas de Gesso São paredes constituídas por chapas de gesso acartonado, pré- fabricadas a partir da gipsita natural, fixadas em uma estrutura de aço galvanizado. Seu uso é exclusivo para vedações internas não estruturais em área secas e úmidas.

17 TIPOS DE CHAPAS DE GESSO ACARTONADO Chapas Standard (ST) para paredes destinadas a áreas secas. Chapas Standard (ST) para paredes destinadas a áreas secas. Chapas Resistentes à Umidade (RU) para paredes destinadas a ambientes sujeitos à ação da umidade, por tempo limitado (de forma intermitente). Chapas Resistentes à Umidade (RU) para paredes destinadas a ambientes sujeitos à ação da umidade, por tempo limitado (de forma intermitente). Chapas Resistentes ao Fogo (RF) para paredes com exigências especiais de resistência ao fogo. Chapas Resistentes ao Fogo (RF) para paredes com exigências especiais de resistência ao fogo. ST RU RF

18 EXECUÇÃO E MONTAGEM Marcação de paredes e colocação de perfis estruturais paredes com altura elevada. Colocação de isolamento térmico e acústico. Passagem de tubulações Tratamento de juntas após fechamento da parede.

19 VANTAGENS COMPETITIVAS DO DRY WALL Grande agilidade para montagem e execução; Grande agilidade para montagem e execução; Facilidade de composição de elementos específicos de projeto (lembrar dos shafts verticais e horizontais); Facilidade de composição de elementos específicos de projeto (lembrar dos shafts verticais e horizontais); Acessos facilitados para eventuais reparos nas redes elétricas e hidrosanitárias); Acessos facilitados para eventuais reparos nas redes elétricas e hidrosanitárias); Bom desempenho térmico (clv); Bom desempenho térmico (clv); Bom desempenho acústico (clv); Bom desempenho acústico (clv);

20 DESVANTAGENS DO DRY WALL Limitação de uso em relação às condições ambientais; Limitação de uso em relação às condições ambientais; O custo para pequenas obras é maior, se comparado ao da alvenaria convencional; O custo para pequenas obras é maior, se comparado ao da alvenaria convencional; Requer uma mão de obra mais qualificada; Requer uma mão de obra mais qualificada; Cuidados especiais no transporte das placas; Cuidados especiais no transporte das placas; Medidas específicas para se dependurar objetos (quadros, suportes de tv). Medidas específicas para se dependurar objetos (quadros, suportes de tv).

21 EXEMPLO COMPARATIVO


Carregar ppt "BELO HORIZONTE - 2004 ALVENARIA DE VEDAÇÃO COMUM X GESSO ACARTONADO Ana Manuela Nogueira Daniel Dornelas Denise Jabour Ricardo Luís Flores Rodrigo Campos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google