A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Metodologia de Extensão Rural. 2 Extensão Rural É um processo de Educação inclusiva, e desenvolvida no ambiente heterogêneo, onde convivem agricultores.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Metodologia de Extensão Rural. 2 Extensão Rural É um processo de Educação inclusiva, e desenvolvida no ambiente heterogêneo, onde convivem agricultores."— Transcrição da apresentação:

1 1 Metodologia de Extensão Rural

2 2 Extensão Rural É um processo de Educação inclusiva, e desenvolvida no ambiente heterogêneo, onde convivem agricultores familiares, pequenos, médios e grandes, que apresentam níveis diferenciados tanto em grau de instrução, como em aspectos relacionados á inovação de tecnologias e mudanças comportamentais. Diferentes níveis sócio-econômicos e grandes variações nos aspectos físicos das propriedades rurais, onde o extensionista precisa aprender a lidar com tudo isso. É um processo educacional, do intercâmbio do produtor como cidadão e profissional da agricultura com o extensionista. Essa relação dialógica define a filosofia de trabalho da Extensão Rural.

3 3 O Extensionista É um instrumento de comunicação, que utiliza metodologia própria para o desenvolvimento da extensão rural. É um educador informal no meio rural e urbano. É um agente de desenvolvimento que tem a função de apoiar os produtores rurais e suas famílias na resolução dos problemas relacionados aos aspectos socioeconômicos da atividade.

4 4 Comunicação A Extensão Rural para melhor se comunicar com seu público, os produtores rurais / suas famílias e lideranças, desenvolveu e adaptou métodos e meios de comunicação.

5 5 Metodologia na extensão rural Metodologia é o estudo e a sistematização dos métodos adaptáveis ao trabalho de Extensão Rural. Método: É a maneira de ensinar, processo de ensino. Na comunicação e Extensão Rural, o extensionista necessita conhecer, selecionar planejar e utilizar corretamente os métodos e os meios e em função do público, dos objetivos e do assunto a ser transmitido

6 6 Classificação dos Métodos QUANTO AO ALCANCE. Individual. Grupal. Massal QUANTO AO EFEITO. Motivacional. Ensinamento técnico (Prático) QUANTO AO USO. Simples (não exige outro método). Complexo (combinação de métodos)

7 Métodos de Alcance Individual Atingem diretamente indivíduos isolados em cada ação, são importantes para conhecer a realidade rural local; Com exceção do contato tem que ser planejado; É um método considerado economicamente caro. Métodos: contato, visita, UO, entrevista; 7

8 Métodos de Alcance Grupal Os métodos de alcance grupal tem abrangência maior pois atingem diretamente grupos de pessoas; São importantes porque estimulam a participação e a organização rural; Possibilitam a troca de experiências e soluções de problemas comuns; Exigem planejamento; Métodos: curso, excursão, caminhada, dia de campo, RI, RD, UD, DR, concurso, workshop, encontro, torneio,etc. 8

9 Métodos de Alcanse Massal Os métodos de alcance massal, atingem indiretamente o público de um modo geral; São importantes para formar opinião pública, transmitir informações, repassar técnicas simples, motivar a mudança de comportamentos; Exigem planejamento; Métodos: campanha, semana, exposição, rádio, teleconferência. 9

10 Recomendações Seleção, escolha e combinação e dos métodos – Analisar o perfil do público – Definir tipo de mensagem – Conhecer o ambiente 10

11 Publicações Educativas Material impresso, ilustrado ou não, motivacional, instrutivo usado na Extensão Rural, para disseminar informações ao produtor e sua família. Folder Cartaz Folheto Informe técnico Boletim técnico Folha solta Manual Volante Carta circular 11

12 Publicações Educativas Outdoor Faixas Placas Indicativas Serviço de Som Mídia Rádio Jornal Revista Televisão Internet 12

13 Publicações Técnicas Especializadas Apostilas Revistas Livros Técnicos Manuais de Tecnologias Jornais 13

14 Métodos Contato - CT Visita com Informação - VI Visita com Demonstração - VD Curso Excursão Dia de Campo Dia Especial Reunião com Informação - RI Reunião com Demonstração - RD Unidade Demonstrativa -UD Unidade de Observação -UO 14

15 Métodos Demonstração de Resultado - DR Convenção / Encontro Concurso / Torneio Mutirão Campanha Semana Semana Tecnológica Exposição Feira Educativa Feira do produtor Territórios APL( Arranjo Produtivo Local) 15

16 Métodos Seminário Simpósio Clínica tecnológica Propriedade referência Teleconferência Workshop Oficinas Internet Treinamento à distância 16

17 Contato - CT É um método não planejado de comunicação de alcance individual; Ocorre em situações imprevistas para o Extensionista em diferentes locais; Obter orientação técnica e/ou informação. Vantagens: Não exigir deslocamento do extensionista; Permite a transmissão de informações e Orientações técnicas simples; Permite a divulgação dos trabalhos da Unidade Limitações, Realização... 17

18 Visita Método de comunicação individual e ação planejada Visita com informação Visita com demonstração Visita para levantamentos Pré-Requisitos: Sendo a visita um método de custo bastante elevado, exige que o extensionista considere: A conveniência na utilização da visita em relação a outros métodos; As informações e/ou anotações que possui sobre o público a ser visitado, como: interesse, necessidade, oportunidade; Distância e a possibilidade de realizar outras ações na mesma comunidade ou rota 18

19 Visita Objetivos: Conhecer a realidade rural; Introduzir, reforçar ou melhorar novas técnicas ou práticas; Obter a cooperação do público. Vantagens: Eficaz na introdução de novas técnicas ou práticas; Permitir a assistência técnica especializada; Facilita a obtenção da cooperação e participação. Limitações: Custo elevado; Alcance restrito; Concentração de visitas nas mesmas pessoas. Planejamento, Realização, Avaliação 19

20 Reunião 20 Tipos de Reunião: – Reunião com informação. – Reunião com demonstração.

21 Reunião Método planejado, de comunicação grupal e ação planejada Antes de planejar uma reunião, seja de informação técnica, seja de dinamização ou de demonstração, o extensionista precisa considerar: O estágio, as necessidades e os interesses do público a ser atingido; Os objetivos a serem alcançado com a ação; A conveniência em utilizar a reunião, em relação a outros métodos; 21

22 Reunião Objetivos: Introduzir práticas desconhecidas; Melhorar o uso das práticas já utilizadas; Proporcionar oportunidades à troca de experiências, decisões e ações grupais; Planejar, racionalmente, as ações a serem desenvolvidas; Desenvolver lideranças nos grupos; Motivar para adoção ou melhoria de práticas ou tecnologias, recomendadas e adequadas ao nível do grupo 22

23 Reunião Vantagens: Racionalizar custo/benefício no atendimento; Possibilita a organização e a dinamização de grupos nas comunidades rurais Facilita informação técnica; Favorece a introdução de outros métodos, simples e complexos, de comunicação grupal; Dá oportunidade ao extensionista de conhecer os reais problemas e aspirações da população, e assessorar na busca de soluções dos problemas. Limitações: Pouca oportunidade de atender interesses individuais; Exige preparo do extensionista. Planejamento / Organização / Realização / Avaliação 23

24 Excursão A Excursão é um método planejado, de comunicação grupal, utilizado em extensão rural, para levar um grupo de pessoas homogêneas em interesses e condições de adoção, a visitar locais com bons trabalhos; Pré – requisitos Antes de programar uma excursão, os extensionistas precisam ponderar: Quanto ao método Quanto ao publico 24

25 Excursão Quanto às condições locais: o possível impacto; a condução correta da prática a ser mostrada; deslocamento, alojamento e refeições; a receptividade do colaborador (produtor ou outro); a época oportuna à excursão; a coerência entre a excursão, as atividades programadas pela Unidade Local e a continuidade da assistência técnica; a segurança do extensionista na coordenação da excursão e/ou assessoramento regional. 25

26 Excursão Objetivos: Melhor aproveitamento das práticas, das tecnologias e das experiências bem sucedidas, dentro e fora da área de ação; Conhecer alternativas viáveis nas soluções de problemas dos produtores; Despertar o interesse em inovações rentáveis; Estimular a participação grupal na discussão e soluções de problemas comuns. Vantagens: Ampliar os horizontes dos excursionistas; Conhecer práticas e tecnologias recomendadas, em condições semelhantes às suas para aprendizagem e adoção. 26

27 EXCURSÃO Limitações : Exige deslocamento; Exigem recurso para transporte, alojamento e refeições; Exige organização; Exige local apropriado e colaboradores. Planejamento Avaliação 27

28 Dia de Campo Método planejado, de comunicação grupal e de grande efeito motivacional e demonstrativo, utilizado em Extensão Rural para mostrar, em um dia, uma ou mais práticas agropecuárias tecnicamente recomendáveis. Pré – requisitos: Antes de qualquer iniciativa, o extensionista deverá analisar, ponderando sobre os seguintes aspectos: Quanto ao método Verificar se o Dia de Campo é o melhor método Quanto ao público Selecionar o púbico específico. 28

29 Dia de Campo Objetivos Mostrar resultados práticos Permitir comparações Troca de experiências Entrosamento do técnico com os produtores Divulgar os trabalhos da EMATER Vantagens Abrangência, motivação para adoção, envolvimento das lideranças, autoridades... Limitações Exige eficiente organização, público heterogêneo e numeroso, custo elevado, exige local e colaboradores adequados 29

30 Dia de Campo Planejamento – Reunião da equipe local e lideranças para decisão e planejamento, assunto, número de estações Organização – Formar comissões, escolher/visitar o local do DC, preparar o local, preparar material técnicos e equipamentos, divulgação Realização – inscrever e orientar os participantes na chegada, formar grupos, encaminhar às estações. Encerramento – Reunir os participantes após a passagem pelas estações, em local apropriado para o encerramento 30

31 DIA ESPECIAL Destina-se a comemorar, inaugurar, iniciar ou estimular determinados programas ou ações de caráter social, cívico ou de uma ação comunitária.

32 Curso Método planejado de alcance grupal com o objetivo de capacitar ou especialisar pessoas Pré-requisitos – Se o método é o apropriado, quanto ao objetivo, ao público, ao local, época e interesse. Objetivo – Capacitar ou especializar pessoas – Capacitar grupo homogêneo em técnicas e práticas Vantagens – Facilita troca de experiência entre técnicos e público – Permite maior integração entre órgãos e entidades – Atinge maior número de pessoas com economia de tempo e recursos. 32

33 Curso Limitações – Exige local adequado – Envolve recursos e deslocamento – Exige instrutores qualificados Planejamento – Selecionar: conteúdo, participantes, local, meios e métodos, instrutores, recursos – Definir coordenador e elaborar programação Organização – Divulgação do curso, inscrever e mobilizar os participantes, facilitadores e lideranças – Providenciar recursos financeiros, materiais e equipamentos, alojamento e alimentação. Avaliação – Dos instrutores, do conteúdo, do material utilizado 33

34 Demonstrações Tipos:.Demonstração de Prática –DP.Demonstração de Resultados – DR Conceito:. É um método planejado, individual ou grupal, técnico e social. ·Objetivo:. Execução da técnica/prática de maneira correta, na propiedade/residência. 34

35 Demonstração Prática Utilização: Ensinar na prática como dever ser executada. Vantagens: Individual e grupal (homens, mulheres e jovens), desenvolve habilidades, melhora a aprendizagem, maior segurança ao técnico e produtor. Exigência: Preparação técnica, local e época adequados, público homogêneo. Fases: 1- Planejamento 2- Ensaio 3- Repetição 4- Avaliação 35

36 Demonstração Prática Ter conhecimento, habilidade e segurança, seguir o plano, treinar bem, materiais/equipamentos ao alcance dos participantes. Local, data e horário:. Adequados á prática e a presença dos participantes. Realização. · O extensionista/demonstrador deve:. Chegar antes dos participantes, seguir o plano, nome, profissão, empresa, prática, justificativas, materiais equipamentos, passos e pontos chaves, resumo dos pontos mais importantes 36

37 Demonstração Prática Repetição: - Após o extensionista, alguns participantes devem repetir, passo a passo. O extensionista observa o aprendizado, fazendo perguntas sobre pontos importantes da demonstração. Avaliação: - O extensionista/demonstrador avaliar em relação a: - Desenpenho do demonstrador, qualidade, alcance dos objetivos, adequação dos materiais/equipamentos, número e seleção dos participantes e impacto da prática demonstrada. 37

38 Convenção/Encontro Método em que grupo de pessoas se reúne para discutir problemas de interesse comuns. Utiliza a combinação de outros métodos, como: palestras, fóruns, painel, grupo de trabalho... Objetivo Discussão de problemas, como resolver, estabelecendo as linhas de ações necessárias. Planejamento / Organização Constituir a comissão organizadora Fazer o planejamento Divulgar, convidar os participantes Escolher o local, palestrantes, material... 38

39 Unidades Tipos: Unidade Demonstrativa - UD Unidade de Observação - UO 39

40 Torneio Leiteiro Objetivo: É um método planejado, grupal, da pecuária leiteira,mudanças nas técnicas adotadas pelos produtores, divulgaçào da propriedade, rebanho e proprietário, difusão de novas tecnologias, integração de produtores e autoridades, promoção da pecuária leiteira do município. 40

41 Torneio Leiteiro Vantagens: Melhoria da produtividade e produção; Divulgação do trabalho da Extensão Rural; Entrosamento entre produtores, orgãos, técnicos e autoridades; Intercâmbio técnico e social; Divulgação do trabalho da Extensão Rural 41

42 Data do Torneio Os participantes devem programar o nascimento das crias próximo ao início do torneio; Sessenta dias antes- Visitar os produtores, a fim de motiva-los, realizando as incrições dos animais. O participante deve ter receptividade, na adoção de novas técnologias e infraestrutura mínima de rebanho e intalações. Trinta dias antes- Promover reuniões com produtores, firmas comerciais, autoridades, órgãos técnicos, órgãos de classe, secretário municipal de agricultura, cooperativa, sindicato rural, associações, etc. Para esta reunião enviar cartas circulares e convites, divulgar a reunião através de rádio, jornal 42

43 Torneio Leiteiro Comissões: Coordenadora ou central; Estatutária (regulamento); Fiscalização; Divulgação; Prêmios; Encerramento; Técnica Fazer as inscrições dos participantes; Estabelecer valor da taxa de inscrição; Marcar data de encerramento das inscrições. Certificação, Avaliação Final. 43

44 Semana Semana: Especial e Tecnológica Semana Especial: O que é: Período de atividades, onde são utilizados um conjunto de métodos- reunião, painel, cursos, etc. –Visualização, mapeamento participativo. A semana visa abordar,de modo participativo, questões sociais, econômicas, ambientais, de interesse de uma comunidade 44

45 Semana Especial Objetivos: Estimular a comunidade, município ou território a refletir sobre temas que afetam significativamente a vida das pessoas, promovendo debates e apresentação de propostas. Aplicação: É realizado quando se deseja dar destaque especial a um tema específico e envolver um número maior de pessoas no debate de consciência e formulação de proposições. 45

46 Semana Especial Tempo estimado: Entre 2 e 5 dias, denpendendo do número de atividades definidas pelos participantes. Preparação: Decidir com os participantes, sobre o(s) tema(s) á epoca de realização, os contéudos a serem priorizados, o(s) local(ais) do evento junto ao público. Eleger uma comissão organizadora, composta agricultores(as) familiares, extensionistas e colaboradores, deverá elaborar um plano de ação, organizar e definir os papéis de seus membros. 46

47 Semana Especial Preparação: O plano deve conter as responsabilidades dos envolvidos e prazos, definidos em reunião, com o grupo participante. Matriz de planejamento sugerida: 47 O QUE FAZER ONDEQUANTORESPOSÁVEL obs

48 Semana Especial Execução: Assegurar a participação diversificada de público: agricultores(as) familiares, jovens, idosos, crianças, professores, políticos, técnicos de outras instituições, etc. Avaliação: Realizar com os participantes e organizadores, os impactos do evento e as propostas apresentadas 48

49 Semana Tecnológica É uma concentração de esforços, de treinamentos teóricos e práticos de capacitação, num curto espaço de tempo atendendo as demandas; Uso de tecnologias de produção e de práticas de processamento e industrialização artesanal de matéria-prima; O treinamento é direcionado para a elevação econômica da produtividade de lavouras, criações, pomares, processamento e comercialização dos produtos, consolidando a elevação da renda dos produtores; 49

50 Semana Tecnológica Este tipo de evento impulsiona a profissionalização, ainda que informal dos produtores, recompondo renda familiar, gerando empregos. Objetivos: Interiorizar a realização de eventos Proporcionar aos produtores e suas famílias, conhecimento referente aos cultivos, criações, industrialização, comercialização e administração rural; 50

51 Semana Tecnológica Objetivos: Elevar a renda familiar com a comercialização, de produtos industrializados na propriedade; Melhorar a alimentação e a qualidade de vida das familias rurais. Metas: Quantitativa e qualitativa, pois depende de recursos internos e externo. Executores: É realizada em parceria com as Prefeituras Municípais, Camaras de Vereadores e vários segmentos da sociedade. 51

52 Semana Tecnológica Recursos financeiros: Da EMATER, Prefeituras Municipais e demais parceiros interessados pela realização; Os recursos financeiros estão relacionados ao número de cursos (agropecuários e processamento de alimentos) a serem realizados e número de treinandos participantes. 52

53 Semana Tecnológica Cursos e Palestras: São aqueles já demandados pelos produtores ao escritório da EMATER; A EMATER disponibiliza vários cursos em diversas áreas. Palestras técnicas de interesse dos produtores, destinadas ao público que não participaram dos cursos e para os que participaram dos cursos, realizadas geralmente no último dia da Semana. 53

54 Semana Tecnológica Estratégia; Solenidade de encerramento dos cursos, participação de Autoridades Municípais e Estaduais. Entrega certificados e degustação de produtos confeccionados; Fazer avaliação entre todos os parceiros executores. 54

55 55

56 56

57 Auxilios Auditoriais Álbum seriado Publicação educativa Carta circular Data show Cartaz Convite Som volante Tarjetas Flipchart 57 Filme Folder Apostila Faixa Jornal Rádio Televisão Revista Portal Out door

58 Muito obrigado! 58


Carregar ppt "1 Metodologia de Extensão Rural. 2 Extensão Rural É um processo de Educação inclusiva, e desenvolvida no ambiente heterogêneo, onde convivem agricultores."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google