A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA FISIOTERAPIA / TRAUMATOLOGIA Trauma da Coluna Dorsal, Lombar e Sacra Aula 6/2010 Prof. Carlos Victor Mendes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA FISIOTERAPIA / TRAUMATOLOGIA Trauma da Coluna Dorsal, Lombar e Sacra Aula 6/2010 Prof. Carlos Victor Mendes."— Transcrição da apresentação:

1

2 UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA FISIOTERAPIA / TRAUMATOLOGIA Trauma da Coluna Dorsal, Lombar e Sacra Aula 6/2010 Prof. Carlos Victor Mendes

3 Coluna Toracolombar /Trauma ANATOMIA ANATOMIA Vertebras Toráccicas: 12 Vertebras Toráccicas: 12 Vertebras Lombares: 5 Vertebras Lombares: 5

4 Diagnóstico Trauma tem melhor entendido e tratado por Trauma tem melhor entendido e tratado por Novos conhecimentos da biomecânica Melhores exames de imagem Melhores exames de imagem Novos materiais e instrumentais Novos materiais e instrumentais

5 Coluna Toracolombar /Trauma As três principais funções da Coluna Verteral: As três principais funções da Coluna Verteral: Sustentação do aparelho Locomotor Sustentação do aparelho Locomotor Proteção da Medula Espinhal, cauda equina, raizes espinhas por meio dos foramens e do canal vertebral Proteção da Medula Espinhal, cauda equina, raizes espinhas por meio dos foramens e do canal vertebral Mobilidade por meio das facetas articulares Mobilidade por meio das facetas articulares

6 Coluna Toracolombar /Trauma A Coluna Toraco Lombar é dividida em três segmentos: A Coluna Toraco Lombar é dividida em três segmentos: Toráccico= T1 a 10 Toráccico= T1 a 10 Tóraco Lombar = T11 a L1 Tóraco Lombar = T11 a L1 Lombar = L2 a L5 Lombar = L2 a L5 Tem duas duplas curvas sagitais: Cifose dorsal e Lordose Lombar Tem duas duplas curvas sagitais: Cifose dorsal e Lordose Lombar

7 Coluna Toracolombar /Trauma Na Coluna Toráccica são iguais os: Na Coluna Toráccica são iguais os: Diâmetro do Canal Vertebral Diâmetro do Canal Vertebral Elementos neurais e ósseos (conteúdo) Elementos neurais e ósseos (conteúdo) Na Lombar: Na Lombar: Maior diâmetro do Canal Vertebral Maior diâmetro do Canal Vertebral Maior diferença entre o elemento neural e o conteúdo (ósseo) Maior diferença entre o elemento neural e o conteúdo (ósseo)

8 Coluna Toracolombar /Trauma Segmento Toráccico Segmento Toráccico É um segmento rígido É um segmento rígido canal medular canal medular Potencial de forças na região leva a vulnerabilidade Potencial de forças na região leva a vulnerabilidade 40% das fraturas levam a lesões neurológicas 40% das fraturas levam a lesões neurológicas

9 Coluna Toracolombar /Trauma Na Transição Tóracolombar, aumenta o espaço discal, e a forma anatômica das facetas articulares de frontal para sagital pois não recebem mais costelas Na Transição Tóracolombar, aumenta o espaço discal, e a forma anatômica das facetas articulares de frontal para sagital pois não recebem mais costelas

10 Coluna Toracolombar /Trauma Estabilidade da Coluna depende: Estabilidade da Coluna depende: Configuração dos corpos vertebrais Configuração dos corpos vertebrais Dos discos intervertebrais Dos discos intervertebrais Das facetas articulares Das facetas articulares Dos ligamentos intervertebrais Dos ligamentos intervertebrais Atenção: O lig. Posterior é forte na flexão mas não resiste quando associados a ações de flexão-rotação Atenção: O lig. Posterior é forte na flexão mas não resiste quando associados a ações de flexão-rotação

11 Coluna Toracolombar /Trauma EPIDEMIOLOGIA Lesões Toracolombares são frequentes. Lesões Toracolombares são frequentes. Com lesão neurológicas: 50 /1 milhão Com lesão neurológicas: 50 /1 milhão Jovens 15 a 29 anos, M>F Jovens 15 a 29 anos, M>F

12 Coluna Toracolombar /Trauma EPIDEMIOLOGIA Causas das Lesões: Causas das Lesões: Traumatismos: Traumatismos: Esportes Esportes Queda de altura Queda de altura Acidentes de auto Acidentes de auto Acidentes na indústria e construção civil Acidentes na indústria e construção civil Politraumatismo (sempre c/ L.Neurológica) Politraumatismo (sempre c/ L.Neurológica) Tumores Tumores Infeccões e Lesões Degenerativas Infeccões e Lesões Degenerativas

13 Coluna Toracolombar /Trauma EPIDEMIOLOGIA 2/3 das Farturas ocorrem na transição 2/3 das Farturas ocorrem na transição T11 – L2 T11 – L2 Depois : L2 a L5 Depois : L2 a L5 Das Torácccicas 50% T12 Das Torácccicas 50% T12 Das Lombares 60% L1 Das Lombares 60% L1

14 Coluna Toracolombar /Trauma EPIDEMIOLOGIA As fraturas de T1 a T9 são ESTÁVEIS, só sendo instáveis com fraturas de arcos costais As fraturas de T1 a T9 são ESTÁVEIS, só sendo instáveis com fraturas de arcos costais Abaixo de T10 são INSTÁVEIS Abaixo de T10 são INSTÁVEIS As junções Toracolombares T11,T12,L1 são altamente INSTÁVEIS As junções Toracolombares T11,T12,L1 são altamente INSTÁVEIS

15 Coluna Toracolombar /Trauma MECANISMOS DE FRATURA Mecanismos são: Mecanismos são: FLEXÃO FLEXÃO TRAÇÃO TRAÇÃO COMPRESSÃO VERTICAL COMPRESSÃO VERTICAL CISALHAMENTO CISALHAMENTO AVULSÃO AVULSÃO ASSOCIAÇÃO DESTES MECANISMOS ASSOCIAÇÃO DESTES MECANISMOS

16 MECANISMOS DE LESÕES

17

18

19

20 Coluna Toracolombar /Trauma MECANISMOS DE FRATURA FLEXÃO: É O MAIS COMUM. FLEXÃO: É O MAIS COMUM. O mecanismo de flexão produz: fratura do corpo por compressão, sem luxação, ou fratura dos elementos posterior, pois o eixo de flexão está sempre no centro do corpo O mecanismo de flexão produz: fratura do corpo por compressão, sem luxação, ou fratura dos elementos posterior, pois o eixo de flexão está sempre no centro do corpo

21 Coluna Toracolombar /Trauma MECANISMOS DE FRATURA FLEXÃO : FLEXÃO : ESTÁVEL sem lesão ligamentar. ESTÁVEL sem lesão ligamentar. INSTÁVEL com lesão ligamentar interespinhais, supra-espinhais e interapofisários INSTÁVEL com lesão ligamentar interespinhais, supra-espinhais e interapofisários O GRAU DE ACHATAMENTO PODE INDICAR A INSTABILIDADE, MAS EM GERAL É SEM LESÃO NEUROLÓGICA O GRAU DE ACHATAMENTO PODE INDICAR A INSTABILIDADE, MAS EM GERAL É SEM LESÃO NEUROLÓGICA

22 Coluna Toracolombar /Trauma MECANISMOS DE FRATURA COMPRESSÃO VERTICAL: COMPRESSÃO VERTICAL: Pode ser : Pode ser : Fratura dos platôs – compressão do disco Fratura dos platôs – compressão do disco Fratura do meio p/ anterior Fratura do meio p/ anterior Retropulsão com dano medular Retropulsão com dano medular

23 Coluna Toracolombar /Trauma MECANISMOS DE FRATURA FLEXÃO COM ROTAÇÃO: FLEXÃO COM ROTAÇÃO:

24 Coluna Toracolombar /Trauma PROGNÓSTICO DAS LESÕES As lesões tem prognósticos e dependem de: As lesões tem prognósticos e dependem de: Do nível acometido Do nível acometido Do tipo de Fratura Do tipo de Fratura Da lesão ligamentar inicial Da lesão ligamentar inicial Da eficácia do método de tratamento inicial Da eficácia do método de tratamento inicial

25 Coluna Toracolombar /Trauma SEQUELAS Cifoses pós trauma ( a mais comun) Cifoses pós trauma ( a mais comun) Retificação da Lordose lombar Retificação da Lordose lombar Escoliose, Escoliose, Instabilidade Instabilidade Estenose do Canal Lombar Estenose do Canal Lombar Dor incapacitante crônica Dor incapacitante crônica Déficit neurológico Déficit neurológico

26 Coluna Toracolombar /Trauma Grau de deformidade, nível e gravidade da lesão inicial, e método de tratamento. Grau de deformidade, nível e gravidade da lesão inicial, e método de tratamento.

27 Coluna Toracolombar /Trauma CLASSIFICAÇÕES DE DENNIS: COLUNA ANTERIOR,MÉDIA,POSTERIOR DE DENNIS: COLUNA ANTERIOR,MÉDIA,POSTERIOR

28 Coluna Toracolombar /Trauma CLASSIFICAÇÕES DE DENNIS: COLUNA ANTERIOR DE DENNIS: COLUNA ANTERIOR Comprometem: Comprometem: Ligamento Longitudinal anterior, porção anterior do anel fibroso, metade anterior do corpo vertebral Ligamento Longitudinal anterior, porção anterior do anel fibroso, metade anterior do corpo vertebral

29 Coluna Toracolombar /Trauma CLASSIFICAÇÕES DE DENNIS: COLUNA MÉDIA DE DENNIS: COLUNA MÉDIA Comprometem: Comprometem: Ligamento Longitudinal posterior, porção posterior do anel fibroso, metade posterior do corpo vertebral Ligamento Longitudinal posterior, porção posterior do anel fibroso, metade posterior do corpo vertebral

30 Coluna Toracolombar /Trauma CLASSIFICAÇÕES DE DENNIS: COLUNA POSTERIOR DE DENNIS: COLUNA POSTERIOR Comprometem: Comprometem: Pedículos, facetas articulares, lâmina, processo espinhoso, Ligamento supra e interespinhais Pedículos, facetas articulares, lâmina, processo espinhoso, Ligamento supra e interespinhais

31 Coluna Toracolombar /Trauma CLASSIFICAÇÕES TIPO GERZBEIN TIPO GERZBEIN DE GERZBEIN que associou a anatomia aos mecanismos de fratura. DE GERZBEIN que associou a anatomia aos mecanismos de fratura. Ou seja a forma com a energia que a produziu. Ou seja a forma com a energia que a produziu. Tres tipos: A/ B/ C Tres tipos: A/ B/ C

32 Coluna Toracolombar /Trauma CLASSIFICAÇÕES DE GERZBEIN (AO) DE GERZBEIN (AO) A= Forças de compressão axial sobre o corpo vertebral. Elementos posteriores integros. Não há translação dos corpos. A= Forças de compressão axial sobre o corpo vertebral. Elementos posteriores integros. Não há translação dos corpos.

33 Coluna Toracolombar /Trauma CLASSIFICAÇÕES DE GERZBEIN (AO) DE GERZBEIN (AO) B= Envolvem os elementos anteriores e posteriores da coluna vertebral, e o mecanismo é forças de TRAÇÃO. Ocorre rotura dos elementos posteriores quando além de tração existe FLEXÃO B= Envolvem os elementos anteriores e posteriores da coluna vertebral, e o mecanismo é forças de TRAÇÃO. Ocorre rotura dos elementos posteriores quando além de tração existe FLEXÃO

34 Coluna Toracolombar /Trauma CLASSIFICAÇÕES DE GERZBEIN (AO) DE GERZBEIN (AO) C= Ocorre nos elementos anteriores e posteriores com forças rotacionais envolvidas. C= Ocorre nos elementos anteriores e posteriores com forças rotacionais envolvidas. É UMA LESÃO DAS MAIS INSTÁVEIS.(os palnos sagital, vertical e axial são envolvidos) É UMA LESÃO DAS MAIS INSTÁVEIS.(os palnos sagital, vertical e axial são envolvidos)

35

36

37

38 Coluna Toracolombar /Trauma EXAME FÍSICO NA LESÃO Examinar no caso de suspeita de instabilidade no local onde se encontra a dor. Evitar remoções Examinar no caso de suspeita de instabilidade no local onde se encontra a dor. Evitar remoções Inspeção geral Inspeção geral Palpação cuidadosa Palpação cuidadosa Testes de sensibilidade Testes de sensibilidade Teste do Nível da Lesão pelos reflexos e musculares Teste do Nível da Lesão pelos reflexos e musculares Reflexos profundos: Bulbocavernoso, Babinski, peri-anal, Reflexo Superficial abdominal, reflexo cremastérico Reflexos profundos: Bulbocavernoso, Babinski, peri-anal, Reflexo Superficial abdominal, reflexo cremastérico

39 Coluna Toracolombar /Trauma EXAME FÍSICO NA LESÃO Reflexos profundos: Bulbocavernoso Reflexos profundos: Bulbocavernoso

40 Coluna Toracolombar /Trauma EXAME FÍSICO NA LESÃO Reflexos profundos: Reflexo abdominal superficial Verifica a integridade de T7 e L2 (Neurônio Motor Inferior Reflexos profundos: Reflexo abdominal superficial Verifica a integridade de T7 e L2 (Neurônio Motor Inferior

41 Coluna Toracolombar /Trauma EXAME FÍSICO NA LESÃO Reflexos profundos: Reflexo cremastérico superficial integridade do Nível T 2 e L1. Testa Lesão do Neurônio Motor superior. Reflexos profundos: Reflexo cremastérico superficial integridade do Nível T 2 e L1. Testa Lesão do Neurônio Motor superior.

42 Coluna Toracolombar /Trauma EXAME FÍSICO NA LESÃO Reflexos profundos: BABINSKI Lesão do neurônio motor superior Reflexos profundos: BABINSKI Lesão do neurônio motor superior

43 Coluna Toracolombar /Trauma EXAME FÍSICO NA LESÃO DORSAL / DERMATOMOS MAIS IMPORTANTES DORSAL / DERMATOMOS MAIS IMPORTANTES

44 Coluna Toracolombar /Trauma EXAME FÍSICO NA LESÃO DORSAL LOMBAR SACRO. DERMATOMOS MAIS IMPORTANTES DORSAL LOMBAR SACRO. DERMATOMOS MAIS IMPORTANTES

45 Coluna Toracolombar /Trauma EXAME FÍSICO NA LESÃO DERMATOMOS SENSITIVOS MAIS IMPORTANTES LOMBAR/SACRO DERMATOMOS SENSITIVOS MAIS IMPORTANTES LOMBAR/SACRO

46 LOMBAR / SACRO DERMATOMOS MAIS IMPORTANTES

47 Lesão L4

48 Lesão L5

49 Lesão S1

50

51

52

53

54

55 TRATAMENTOS Dependem da região anatômica afetada, do estado neurológico, da estabilidade da coluna, e estado geral do paciente Dependem da região anatômica afetada, do estado neurológico, da estabilidade da coluna, e estado geral do paciente Pode ser conservador ou ciurugico Pode ser conservador ou ciurugico Conservador: Conservador: Diminuicão do corpo com menos 50% da área Diminuicão do corpo com menos 50% da área Ligamentos íntegros Ligamentos íntegros Cifose (DORSAL)menor que 30 graus na fratura Cifose (DORSAL)menor que 30 graus na fratura

56 Coluna Toracolombar /Trauma TRATAMENTOS / ACESSOS DORSAIS E LOMBARES DORSAIS E LOMBARES

57

58

59

60

61

62

63

64

65

66

67

68

69


Carregar ppt "UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA FISIOTERAPIA / TRAUMATOLOGIA Trauma da Coluna Dorsal, Lombar e Sacra Aula 6/2010 Prof. Carlos Victor Mendes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google