A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Proteção ao Complexo Dentina - Polpa Proteção ao Complexo Dentina - Polpa TARCISIO A. PAES JUNIOR.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Proteção ao Complexo Dentina - Polpa Proteção ao Complexo Dentina - Polpa TARCISIO A. PAES JUNIOR."— Transcrição da apresentação:

1 Proteção ao Complexo Dentina - Polpa Proteção ao Complexo Dentina - Polpa TARCISIO A. PAES JUNIOR

2 Aspectos histológicos do complexo dentina-polpa POLPA DENTAL TARCISIO A. PAES JUNIOR Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

3 TARCISIO A. PAES JUNIOR Proteção ao Complexo Dentina-Polpa DENTINA TIPOS DE DENTINA - Primária - formada antes da erupção dental. - Secundária - por estímulos externos (alimentação, mudanças de temperatura, ação da bochecha e língua). - Terciária - reacional, formada a partir de agentes externos (cárie, restaurações, traumas) TIPOS DE DENTINA - Primária - formada antes da erupção dental. - Secundária - por estímulos externos (alimentação, mudanças de temperatura, ação da bochecha e língua). - Terciária - reacional, formada a partir de agentes externos (cárie, restaurações, traumas)

4 TARCISIO A. PAES JUNIOR Proteção ao Complexo Dentina-Polpa DENTINA REPARADORA

5 TARCISIO A. PAES JUNIOR Proteção ao Complexo Dentina-Polpa DENTINA Teoria Hidrodinâmica - movimentação do fluido dentinário pressiona as terminações nervosas causando a sensação dolorosa. Teoria Hidrodinâmica - movimentação do fluido dentinário pressiona as terminações nervosas causando a sensação dolorosa. FATORES QUE CAUSAM AGRESSÃO AO TECIDO PULPAR: - CAPACIDADE REATIVA DO ORGANISMO - FATORES QUÍMICOS - FATORES FÍSICOS FATORES QUE CAUSAM AGRESSÃO AO TECIDO PULPAR: - CAPACIDADE REATIVA DO ORGANISMO - FATORES QUÍMICOS - FATORES FÍSICOS

6 Proteção ao Complexo Dentina-Polpa RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS ANESTESIA ANESTESIA PREPARO CAVITÁRIO (calor gerado ao dente) PREPARO CAVITÁRIO (calor gerado ao dente) TARCISIO A. PAES JUNIOR -Qualidade das brocas -Refrigeração das Turbinas -Vibração -Cuidados relativos ao desgaste dental -Qualidade das brocas -Refrigeração das Turbinas -Vibração -Cuidados relativos ao desgaste dental

7 TARCISIO A. PAES JUNIOR Qualidade das brocas Proteção ao Complexo Dentina-Polpa Brocas desgastas após o uso após o uso Brocas desgastas após o uso após o uso Superfície de brocas confeccionadas por dois sistemas distintos Superfície de brocas confeccionadas por dois sistemas distintos

8 TARCISIO A. PAES JUNIOR Refrigeração das Turbinas Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

9 TARCISIO A. PAES JUNIOR Vibração Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

10 TARCISIO A. PAES JUNIOR Cuidados relativos ao desgaste dental Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

11 RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS LIMPEZA CAVITÁRIA LIMPEZA CAVITÁRIA TARCISIO A. PAES JUNIOR -Fenol, PMCF, Nitrato de Prata -Álcool e Clorofórmio -Água Oxigenada ou Peridrol -Fenol, PMCF, Nitrato de Prata -Álcool e Clorofórmio -Água Oxigenada ou Peridrol -Tergentol -Suspensão de Ca(OH) 2 em água destilada -Sol.digluc. de chlorexidina a 2% -Sol. fluoreto de sódio a 1,27% -Tergentol -Suspensão de Ca(OH) 2 em água destilada -Sol.digluc. de chlorexidina a 2% -Sol. fluoreto de sódio a 1,27% Contra-indicadosContra-indicados IndicadosIndicados Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

12 RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS LIMPEZA CAVITÁRIA LIMPEZA CAVITÁRIA TARCISIO A. PAES JUNIOR Proteção ao Complexo Dentina-Polpa Remoção parcial da camada de smear layer

13 RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS SECAGEM DA CAVIDADE SECAGEM DA CAVIDADE TARCISIO A. PAES JUNIOR Bolinhas de algodão ou curtos jatos de ar, o uso de ar por 10s ou mais causam desorganização da camada odontoblástica Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

14 RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS MATERIAIS DE MOLDAGEM MATERIAIS DE MOLDAGEM PROVISÓRIOS PROVISÓRIOS TARCISIO A. PAES JUNIOR -Godiva -Siliconas de Polimerização por Condensação -Godiva -Siliconas de Polimerização por Condensação Aspectos desfavoráveis do uso da RAAQ: - liberação de monômero - exotermia de polimerização Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

15 RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS Infiltração marginal Infiltração marginal TARCISIO A. PAES JUNIOR Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

16 RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS MATERIAIS DE FORRAMENTO E CIMENTAÇÃO MATERIAIS DE FORRAMENTO E CIMENTAÇÃO TARCISIO A. PAES JUNIOR > Hidróxido de Cálcio - -ação bactericida - -favorece a reparação - -usado como agente forrador - -cimentação temporária - -tem baixa resistência a compressão - -solubilidade média - -promove neutralização dos ácidos - -não estimula exclusivamente formação ou deposição de dentina terciária > Hidróxido de Cálcio - -ação bactericida - -favorece a reparação - -usado como agente forrador - -cimentação temporária - -tem baixa resistência a compressão - -solubilidade média - -promove neutralização dos ácidos - -não estimula exclusivamente formação ou deposição de dentina terciária Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

17 RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS MATERIAIS DE FORRAMENTO E CIMENTAÇÃO MATERIAIS DE FORRAMENTO E CIMENTAÇÃO TARCISIO A. PAES JUNIOR > Óxido de Zinco e Eugenol - -é pouco irritante ao órgão pulpar - -excelente cimento temporário - -ação higroscópica - -têm baixa resistência à compressão > Óxido de Zinco e Eugenol - -é pouco irritante ao órgão pulpar - -excelente cimento temporário - -ação higroscópica - -têm baixa resistência à compressão > Policarboxilato de Zinco - -não é irritante à polpa - -tem grande adesão ao esmalte e boa á dentina > Policarboxilato de Zinco - -não é irritante à polpa - -tem grande adesão ao esmalte e boa á dentina Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

18 RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS MATERIAIS DE FORRAMENTO E CIMENTAÇÃO MATERIAIS DE FORRAMENTO E CIMENTAÇÃO TARCISIO A. PAES JUNIOR > Fosfato de Zinco - -fácil manipulação - -largamente utilizado em cimentações definitivas - -alta resistência à compressão - -ph baixo, contra-indicado em cavidades profundas sem forramento - -média solubilidade > Fosfato de Zinco - -fácil manipulação - -largamente utilizado em cimentações definitivas - -alta resistência à compressão - -ph baixo, contra-indicado em cavidades profundas sem forramento - -média solubilidade Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

19 RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS MATERIAIS DE FORRAMENTO E CIMENTAÇÃO MATERIAIS DE FORRAMENTO E CIMENTAÇÃO TARCISIO A. PAES JUNIOR > Ionômero de Vidro - -grande adesão ao esmalte e à dentina - -libera flúor - -propicia bom selamento marginal - -relativa solubilidade inicial - -baixa resistência à tensão - -pouco tempo de trabalho > Ionômero de Vidro - -grande adesão ao esmalte e à dentina - -libera flúor - -propicia bom selamento marginal - -relativa solubilidade inicial - -baixa resistência à tensão - -pouco tempo de trabalho Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

20 RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS MATERIAIS DE FORRAMENTO E CIMENTAÇÃO MATERIAIS DE FORRAMENTO E CIMENTAÇÃO TARCISIO A. PAES JUNIOR > Cimentos Resinosos - -indicado para cimentação de restaurações estéticas de resina e cerâmica puras. - -associados a adesivos de última geração propiciam boa adesão à esmalte e dentina. - -têm boa adesão a peças metálicas. > Cimentos Resinosos - -indicado para cimentação de restaurações estéticas de resina e cerâmica puras. - -associados a adesivos de última geração propiciam boa adesão à esmalte e dentina. - -têm boa adesão a peças metálicas. Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

21 RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS Quanto à cimentação Quanto à cimentação TARCISIO A. PAES JUNIOR Verificar condições de vitalidade pulpar antes da cimentação Verificar condições de vitalidade pulpar antes da cimentação final da prótese. final da prótese. Verificar condições de vitalidade pulpar antes da cimentação Verificar condições de vitalidade pulpar antes da cimentação final da prótese. final da prótese. Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

22 RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS OCLUSÃO OCLUSÃO TARCISIO A. PAES JUNIOR É essencial que a distribuição dos contatos oclusais dê-se de modo equilibrado e condizente com o esquema oclusal determinado para cada caso. É essencial que a distribuição dos contatos oclusais dê-se de modo equilibrado e condizente com o esquema oclusal determinado para cada caso. Proteção ao Complexo Dentina-Polpa

23 Grato pela atenção! TARCISIO A. PAES JUNIOR

24

25 Grato pela atenção!


Carregar ppt "Proteção ao Complexo Dentina - Polpa Proteção ao Complexo Dentina - Polpa TARCISIO A. PAES JUNIOR."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google