A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Roberto Cabral de Mello Borges Instituto de Informática UFRGS 2008 INF 043 - Interação Homem-Computador Parte 5.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Roberto Cabral de Mello Borges Instituto de Informática UFRGS 2008 INF 043 - Interação Homem-Computador Parte 5."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Roberto Cabral de Mello Borges Instituto de Informática UFRGS 2008 INF Interação Homem-Computador Parte 5

2 Ergonomia de Hardware Teclado –tipos e disposição das teclas –sensibilidade e eco Monitor de Vídeo –tipos e padrões –cores no vídeo –fatores humanos ligados ao visual do monitor –Fontes em textos de monitores Mobília da Estação de Trabalho –cadeira –mesa Condições Ambientais –temperatura, umidade, iluminação, som e cores do ambiente.

3 Ergonomia do Ambiente

4 Algumas recomendações básicas: –Posição sentada »O indivíduo sentado em uma posição de 90º não é mais considerada como a mais saudável »Em termos de ambiente de trabalho, conforto e saúde devem ser sinônimos »Se o indivíduo não se sente confortável, provavelmente está sentando e trabalhando de maneira incorreta Ergonomia de Ambientes

5 –Maior capacidade de ajustes não quer dizer necessariamente maior ergonomia »Produtos devem ser ajustáveis dentro de um limite de operação seguro para evitar que um usuário não treinado se arrisque »A posição do teclado, mouse, monitor e copy holder normalmente é determinada pelo espaço disponível na mesa. Ergonomia de Ambientes

6 Alguns itens a serem lembrados –O ambiente afeta o comportamento »A disposição correta dos componentes no ambiente de trabalho encoraja o usuário a assumir uma postura segura, de baixos riscos »O ambiente deve ser projetado para minimizar o risco para os usuários. Por exemplo, em fábricas, engenheiros estudam o desempenho de tarefas de cada operário para determinar a execução das tarefas de maneira mais eficiente e segura. Por que não fazer o mesmo para os escritórios? Ergonomia de Ambientes

7 –Movimentação é fator crítico »Posturas fixas (estáticas) são inerentemente perigosas »Segundo Dainoff, qualquer posição fixa, não importa o quão próxima da posição ótima, gerará fadiga muscular »É importante projetar a flexibilidade para permitir ao usuário trocar facilmente de posição »O movimento melhora a circulação, torna a espinha e as juntas flexíveis »O constante movimento não é o objetivo aqui, entretanto, trocas freqüentes de posição são vitais para a boa saúde Ergonomia de Ambientes

8 –Minimizar posturas extremas »Posturas neutras, que significam uma manutenção mínima de atividade muscular são sinônimos de saúde e conforto »Posturas extremas, tais como ombros curvados e pulsos distendidos devem ser evitados »Manter a simetria do corpo, principalmente no que diz respeito à espinha »Não ficar sentado por longos períodos em posturas inclinadas ou torcidas Ergonomia de Ambientes

9 –Evitar contato com stress »Pressões localizadas são perigosas, causando problemas circulatórios »Pressão pelo contato afeta dedos, palmas, antebraços, coxas, pernas e pés. Este contato inibe o fluxo sanguíneo, o movimento de tendões e músculos e a função dos nervos »Esta pressão pode ser transmitida para braços e pulsos pelo contato de bordas afiadas ou duras de mesas e braços de cadeiras »As coxas também podem ser afetadas pelos assentos inadequados ou muito altos Ergonomia de Ambientes

10 –Pausas »Incluem quaisquer tipos de pausas, exercícios curtos ou pausas para alongamentos ou, simplesmente, alternar tarefas por alguns minutos »Segundo Hedge, pausas para descanso, combinadas com exercícios de alongamento, permitem aos usuários de computadores executar o trabalho de forma apropriada e minimizando o risco de doenças de postura". Ergonomia de Ambientes

11 –Educação »Um usuário educado dentro de princípios ergonômicos no seu ambiente de trabalho, tem maior probabilidade de manter-se saudável. »Tal usuário terá consciência de fatores de risco críticos, posturas de trabalho saudáveis e, mais importante, os sinais de ameaças de doenças. Ergonomia de Ambientes

12 Para projetar um ambiente de trabalho ergonômico, deve-se levar em consideração uma série de componentes –Mobiliário »Cadeira »Mesa »Acessórios (estantes, copy-holder, etc) –Ambiente »Temperatura »Umidade Relativa do ar »Pé-Direito »Cores para Paredes, Teto e Chão Ergonomia de Ambientes

13 Estação de Trabalho Ruim

14 Estação de Trabalho Ideal

15 Pesquisa Pesquisa realizada entre os alunos de INF043, de 2001 a 2005 revela que: –95% nunca tinha pensado no problema da postura –83% têm estação de trabalho razoável ou ruim –27% reclamam de desconfortos ou dores –90% têm a mesa como elemento inadequado –62% têm postura de sentar desleixada/inadequada –92% informaram que estão modificando ou vão modificar sua estação de trabalho

16 Temperatura e Umidade Relativa do Ar –Produtividade e conforto no trabalho são diretamente influenciados pelos componentes do ambiente de trabalho. –A temperatura e umidade relativa do ar, dentro de uma faixa confortável, podem aumentar a produtividade em até 20%. –Equipamentos geram calor exigindo condicionamento de ar eficiente. –Balanceamento na remoção do calor através de umidificação ambiental. –Ambiente excessivamente seco causa desconforto tais como: tensão no globo ocular, olhos secos (especial atenção aos usuários de lentes de contato). Condições Ambientais

17 Fatores térmicos –Superaquecimento causa sensações de cansaço e sono; –Superresfriamento gera inquietação e aumento de irritabilidade exigindo aumento na atenção e nos estados de alerta. –Fatores térmicos adequados raramente são notados. –Condições térmicas ideais devem levar em consideração a soma das atividades exigidas para desenvolver e executar uma tarefa, além de dados funcionais e geográficos. »Dados funcionais são a ocupação do ambiente, sua iluminação e equipamentos; »Dados geográficos são a temperatura regional de verão e inverno do país e os extremos de umidade. Condições Ambientais

18 Temperatura ambiente Umidade Relativa do ar Ergonomia do Ambiente 18,0º19,0º20,0º21,0º22,0º23,0º24,0º Exatamente 50%

19 Condições Ideais –Temperatura ideal para a região Sul e Sudeste situa-se entre 18 e 24 graus Celsius –Umidade relativa do ar ideal: exatamente 50% Requisitos básicos: –controle de temperatura, umidade e poeira –baixo teor de umidade provoca estática, interferindo com o funcionamento do equipamento –fiação: localizada em dutos especiais, de fácil acesso Condições Ambientais

20 "Alta Taxa de Ocupação"

21 Ambiente Sonoro –O som e o ruído fazem parte do conjunto de sensações físicas que formam o ambiente. –Som de maneira geral e o ruído como uma variante. –o ruído é um som não desejado e, na maioria das vezes, não controlável. –É necessário controlar o som e os ruídos para mantê- los em níveis confortáveis e também para permitir privacidade para ouvir e falar. –Não é necessário nem recomendável eliminar por completo o som (ocasionará efeito contrário). –Um nível agradável de som ajuda a estabelecer um ritmo no trabalho (por exemplo, música ambiental) e abafa pequenos ruídos, além de servir como elemento de descanso. Condições Ambientais

22 Ambiente Sonoro –Ruídos tais como impressoras de impacto ruidosas, condicionadores de ar mal instalados, distraem e levam a efeitos negativos tais como tensão, stress mental, irritabilidade, inabilidade para pensar e trabalhar eficientemente. –Para solucionar problemas acústicos deve-se levar em consideração materiais e técnicas de construção, taxas de ocupação do espaço de trabalho, equipamentos e mobiliário. Condições Ambientais

23 Iluminação extra ajustável, se necessário –focada para o documento, não para a tela Som ambiental –suave e volume baixo –evitar impressoras e copiadores nas proximidades Ergonomia do Ambiente

24 Iluminação do ambiente Altura do pé direito Ergonomia do Ambiente Entre 2,50m e 3,50 m Média

25 Altura do teto (pé direito): influencia no desempenho do trabalho –pé direito muito alto: sensação de imensidão, ocasionando dispersão –pé direito muito baixo: sensação de compressão, de sufocamento, causando ansiedade –altura ideal: entre 2,50m e 3,50m Condições Ambientais

26 Cores das Paredes, Teto e Chão –Cores das paredes: de cores suaves e com coeficentes de refletância entre 0,7 e 0,9 (próximo ao branco, que é 1,0) –teto: coeficientes de refletância entre 0,8 e 1,0 para maior reflexão e aproveitamento da luz –chão: coeficientes entre 0,2 e 0,4, tendendo para cores escuras Condições Ambientais

27 Cores do Ambiente –paredes: coeficiente de refletância entre 0,7 e 0,9 –teto: coeficiente de refletância entre 0,8 e 1,0 –chão: coeficiente de refletância entre 0,2 e 0,4 Ergonomia do Ambiente

28 Coeficiente de Refletância

29 Síndrome da Fadiga Visual (Astenotopia) Desconforto causado por diversos fatores que resulta em : –Dor de cabeça –Visão ofuscada ou trêmula –Fotofobia (sensibilidade excessiva à luz) –Irritação nos olhos –Sensação de areia nos olhos –Diplopia (visão dupla) –Cansaço ao ler

30 Causas da Astenotopia Umidade relativa do ar Velocidade do ar Temperatura Fontes de luz diretas (como a da tela do computador) Fontes de luz indiretas (lâmpadas, janelas) Ruídos Postura

31 Dicas para diminuir a Astenotopia Usar protetor de tela Fazer uma pausa a cada hora ou hora e meia Manter a tela a uma distância mínima de 30 cm Realize um exame visual uma vez por ano Procurar observar objetos que estejam a mais de 6 metros de distância, para acionar o trio da convergência. A visão a menos de um metro obriga o mecanismo de convergência estar sempre ativado, causando fadiga visual.

32 Elementos de uma estação de Trabalho

33 Porta-documentos

34 Mesa

35

36

37 Alavanca que permite ajustar inclinação e posição para cima ou para baixo Mecanismo com molas para ajuste

38 Mesa - Suporte para Laptop

39 Laptop - Suporte e Teclado Externo

40 Cadeira

41 Cadeira "Vertebra" Emilio Ambasz (Univ. Princeton) projetou a 1ª cadeira ergonômica de auto- ajuste, em 1976.

42 Cadeiras Ergonômicas

43 Cadeira de Nixon (considerada a cadeira "mais confortável do mundo")

44 Cadeira de Nixon em uso por Jimmy Carter

45 Cadeira com Teclado

46 Teclado para cadeira (vista superior)

47 Estações de Trabalho

48

49 Dimensões da Estação de Trabalho

50

51 Dimensões típicas da mesa e cadeira

52 Mesa do "Cabral" 2,10m 0,90m

53

54 Antropometria

55 Estudo das medidas e características físicas das pessoas. Permite a adaptação do ambiente de trabalho para as medidas individuais das pessoas.

56 Antropometria

57 Dimensões do corpo humano

58 Para se medir a altura de uma pessoa:

59 Significado dos Percentis Freqüência com que ocorre pessoas de certa altura 95% Percentil 50% Percentil Média 5% Percentil Altura 95% da população nesta área 5% da população nesta área

60 Antropometria SexoMédia Desvio Padrão Percentil 5%Percentil 95% Peso Feminino 61,113,846,289,9 Masculino 74,012,656,297,1 Altura Feminino 1,616,61,501,71 Masculino 1,746,91,621,84

61 Antropometria 1,85 m 1,50 m 1,63 m 1,70 m

62 Homens Percentil Medidas (em centímetros) Alcance à frente Altura do cotovelo Altura da mão Altura do ombro Altura do Olho Altura de pé Alcance da mão acima

63 Mulheres Percentil Medidas (em centímetros) Alcance à frente Altura do cotovelo Altura da mão Altura do ombro Altura do Olho Altura de pé Alcance da mão acima

64 Percentil Medidas (em centímetros) Diâmetro da Coxa Altura Olho Altura Sentado Cotovelo até ponta dedos Altura Joelhos Altura do Assento Largura do Assento Comprimento Coxa Alcance mão acima Altura Cotovelo Altura Ombro Homens

65 Percentil Medidas (em centímetros) Diâmetro da Coxa Altura Olho Altura Sentado Cotovelo até ponta dedos Altura Joelhos Altura do Assento Largura do Assento Comprimento Coxa Alcance mão acima Altura Cotovelo Altura Ombro Mulheres

66 Altura - Alunas

67 Atura - Alunos

68 Estudar sua estação de trabalho, com vistas a obtenção dos dados abaixo, em relação ao seu usuário: –a) Idade –b) Altura –c) Altura do cotovelo (braços em posição de digitação a 90 graus) –d) Altura do assento da cadeira –e) Altura da horizontal dos olhos (sentado na cadeira em posição correta) –f) Altura da mesa –g) Altura do teclado –h) Altura do mouse –i) Altura do topo da tela do monitor –j) Tamanho de fonte utilizado –k) Distância dos olhos ao monitor (centro da tela) Para suas medidas e dados, projetar qual seria a estação de trabalho ideal (quais as novas medidas [em cm] para chegar ao ideal). Comparando a situação atual com a ideal, quais providências tomar para se aproximar do ideal (medidas de curto médio e longo prazo). Determine fórmulas aproximadas para cálculo dos itens c, d, e, f, g, a partir da sua altura, usando os dados da situação ideal Fazer um lay-out da estação de trabalho, com vista superior e frontal ( ou foto). Analisar também questões ligadas ao ambiente: janelas, luminosidade, cores, temperatura, umidade do ar, etc. 1º Trabalho Prático

69 c) Altura do cotovelo (braços em posição de digitação a 90 graus)

70 –d) Altura do assento da cadeira

71 e) Altura da horizontal dos olhos (sentado na cadeira em posição correta)

72 f) Altura da mesa

73 g) Altura do teclado

74 h) Altura do mouse

75 i) Altura do topo da tela do monitor

76 l) Distância dos olhos ao centro da tela do monitor

77 j) Tamanho de fonte utilizado k) Tamanho do Monitor


Carregar ppt "Prof. Roberto Cabral de Mello Borges Instituto de Informática UFRGS 2008 INF 043 - Interação Homem-Computador Parte 5."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google