A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pesquisa experimental na pós-graduação Maria Carolina Guido.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pesquisa experimental na pós-graduação Maria Carolina Guido."— Transcrição da apresentação:

1 Pesquisa experimental na pós-graduação Maria Carolina Guido

2 Pesquisa experimental É o conjunto de procedimentos sistemáticos em animais, baseados no raciocínio lógico, que tem por objetivo encontrar soluções para problemas propostos, mediante a utilização de métodos científicos que normalmente não são reprodutíveis em seres humanos. Dúvida, problema, questões sem solução, dados importantes para a Ciência Aplicação de uma Metodologia Científica adequada Obtenção de soluções, dados, parâmetros e respostas

3 Histórico Aristóteles ( ac) início de dissecção em diferentes animais Época medieval proibição pelas autoridades eclesiásticas Erasistratus (304 – 258 ac) experimentação com animais vivos traquéia = tubo aéreo pulmões = órgãos pneumáticos

4 Novo marco experimental Andreas Vesalius (1500) anatomia X fisiologia vivissecção

5 França (1800): primeiro centro experimental biológico e médico Início da pesquisa experimental

6 Especificação do tipo de estudo in vivo, in vitro, ex vivo in vivo: tipo de animal Delineamento do experimento Definição da variável a ser estudada e a forma como deve ser mensurada Determinação dos grupos experimentais grupo controle grupo sham grupo experimento grupo cego Tipo de tratamento a ser efetuado (?) Grupo piloto X grupo experimental

7 Características da pesquisa experimental Pesquisa que não pode ser desenvolvida em pacientes Proximidade com o modelo humano Baixa variabilidade dos resultados Uniformidade estatística Reprodutibilidade dos resultados

8 ANIMAIS EXPERIMENTAIS

9 Peso macho 20-40g e fêmeas 18-35g Longevidade 1-4 anos Dieta universal comida: 5,0g/dia água: 6,7 mL/dia Pequeno tamanho os tornam extremamente suscetíveis às alterações das condições ambientais (2 a 3ºC) Camundongos Origem camundongo selvagem (Mus musculus) Geneticistas linhagens isogênicas e heterogênicas (Mus domesticus)

10 Utilização em laboratórios Tamanho pequeno, fácil de manusear, baixo custo de manutenção, economia de espaço Tempo de vida curto modelo útil para estudos relacionados com idade e toxicologia crônica Alterações genéticas favoráveis (Knock-out) Utilização experimental imunologia (rejeição ou não de transplantes de tecidos) fisiologia e bioquímica (elucidação de processos fisiológicos e bioquímicos) estudos comportamentais microbiologia teratologia avaliação da segurança e eficácia de produtos farmacêuticos

11 Exemplos de algumas linhagens Balb/c Baixa incidência de tumores mamários Suscetíveis à pneumonia crônica Suscetíveis à radiação Usados para produção de anticorpos monoclonais C57BL/6 Podem apresentar hidrocefalia Amplamente utilizados como linhagem padrão para manutenção de muitas mutações Resistentes à radiação Suscetíveis à inoculação do bacilo da tuberculose DBA/2 Apresentam deficiência de vitamina K Resistentes à infecções de Plasmodium e Leihmania

12 Ratos Origem rato Norway marrom Rattus norvegicus Primeira espécie de mamíferos a ser usada sistemicamente para propósitos científicos (efeito da adrenalina em ratos albinos – França, 1856) Peso macho g e fêmeas g Longevidade 4 anos Dieta universal comida: 100g/dia água: 80 a 110 mL/dia Manipulação início da manhã (digestão)

13 Utilização em laboratórios Grande adaptabilidade modelo adequado para uma variedade de diferentes tipos de pesquisa Utilização experimental endocrinologia bioquímica farmacologia toxicologia fisiologia experimental teratologia Alta tolerância à carência de constituintes de ração nutrição neurofisiologia oncologia imunologia imunogenética parasitologia

14 Exemplos de algumas linhagens Wistar e Sprague-Dawley albino Animais gentis e facilmente manipuláveis SHR Incidência alta de hipertensão (200mmHg), sem lesões nos rins ou glândulas adrenais Lewis albino Alta fertilidade Elevado nível de tiroxina, insulina e hormônio do crescimento Tornam-se obesos com dieta rica em gordura Desenvolvem miocardite F344 Alta incidência de tumores mamários e de adenomas da pituitárias

15 Peso macho g e fêmeas g Longevidade 3 anos Dieta universal comida: 10-12g/dia água: 8-10 mL/dia Hamster Origem Sírio (Mesocricetus auratus) Chinês (Cricetulus griseus) Europeu (Cricetus cricetus)

16 Utilização em laboratórios Características imunogenéticas que os tornam tolerantes a tumores, parasitas, vírus e bactérias A presença da bolsa na bochechas tornou-se útil para permitir transplantes de tumores (crescimento livre e simetricamente) Estudos de disfunção endócrina e estudos parasitológicos Pesquisa dentária (dente molar é semelhante ao humano)

17 Chinês: alta incidência de Diabetis mellitus Baixo nº cromossômico (22): estudos citológicos (genética, cultura de tecido e radiação) Radioresistentes É o modelo mais seguro para estudo dos efeitos carcinógenos químicos nos rins e nas bexigas Tolerantes a lavagens pulmonares (estudo de inalação) Teratologia (curto período de gestação)

18 Utilização experimental Grande semelhança aos seres humanos Choque hemorrágico Técnicas e treinamento de transplantes e microcirurgias Cães Origem Canis familiares (Beage, Corgi, Boxer, Labrador e cães de rua) Centros de controle de zoonoses Condições especiais devem ser consideradas desnutrição, desidratados, ecto e endoparasitoses e doenças infecto- contagiosas Eutanásia deve ser realizada da maneira mais humana possível (pentoparbital sódico, tiro com arma de fogo e eletrocução)

19 Preços de animais Camundongo BALB/c (8 semanas) – US$ Rato Wistar (60 dias) – US$ Camundongo transgênico (4 semanas) – US$ 29.00

20 Porcentagem de animais cedidos a alunos de pós-graduação – FMUSP % 378 1% – 39% % 2008 – 6% 186 – 1%

21 Produção mensal de ratos Wistar FMUSP 1998 Fornecimento total:

22

23


Carregar ppt "Pesquisa experimental na pós-graduação Maria Carolina Guido."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google