A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AVALIAÇÃO DA SISTEMÁTICA DE PT NA REDUC Março de 2007.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AVALIAÇÃO DA SISTEMÁTICA DE PT NA REDUC Março de 2007."— Transcrição da apresentação:

1 AVALIAÇÃO DA SISTEMÁTICA DE PT NA REDUC Março de 2007

2 Introdução Falhas no processo de permissão de trabalho ainda são responsáveis por várias ocorrências de acidentes na Petrobras. Auditoria de PT realizada pelo SMS em agosto e setembro de 2006 encontrou vários desvios. Foi criado um GT pelo GGA para fazer uma avaliação do processo de PT na REDUC e propor recomendações.

3 Formação do GT ADAIR Bolsoni CB/DRT (Coordenador) JOÃO CARLOS Barros SMS/SI Luiz Carlos VULCANIS LP/PL-I Marcio Luis RIBEIROTE/ML MARCOS SOARES da RochaMI/PM CLEBER da Silva OliveiraER/TM JANO Schwind P. StussiIERC

4 Avaliação O GT utilizou a seguintes fontes de informação para análise: Auditoria realizada pelo SMS em agosto e setembro/06 (312 PTs, 3% do total) Entrevistas com requisitantes e emitentes de PT Entrevistas com integrantes da ECO (Operação, MI, SMS) Entrevistas com supervisores das contratadas Entrevistas com gerentes setoriais Visitas aos locais dos serviços Experiência e conhecimento dos integrantes do GT

5 Desvios Críticos DESVIO 1 As permissões de trabalho são emitidas sem uma verificação prévia da área pela operação. Causas: Falta de envolvimento da equipe de turno no processo de emissão de PTs Número insuficiente de operadores para a quantidade de PTs emitidas Falta de disciplina do emitente Estrutura da operação insuficiente na área (Supervisor de Turno e Operador da ECO não estão na área)

6 Desvios Críticos DESVIO 2 A emissão de RAS (recomendação adicional de segurança) e as medições ambientais (O2, explosividade, contaminantes) não são feitas sempre que necessário. Causas: Atendimento insuficiente do SMS com relação à elevada demanda das áreas Falta de conhecimento do emitente sobre quando solicitar o apoio do SMS Falta de disciplina do emitente

7 Desvios Críticos DESVIO 3 As análises de risco nível 2 não estão sendo feitas de modo adequado. Causas: Elevado número de serviços exigindo APR nível 2 Atendimento insuficiente do SMS com relação à demanda das áreas Elaboração de APR nível 2 na ECO (quando deveriam ser realizadas na área) Local de trabalho dos técnicos de segurança (na ECO) Lista de verificação da AP está pouco clara

8 Desvios Críticos DESVIO 4 As recomendações que constam na PT / APR 2 / RAS não são atendidas pelo executante. Causas: Falta de disciplina do executante Supervisor das contratadas não repassa as recomendações para a equipe O executante não participa da elaboração da APR nível 2 Número insuficiente de supervisores das contratadas

9 Desvios Críticos DESVIO 5 Realização de serviços em equipamentos sem o devido isolamento das fontes de energia, sem a colocação de etiquetas de advertência ou cadeado. Causas: Falta de disciplina do emitente e executante Falta de conhecimento do emitente e executante DESVIO 6 A baixa na permissão de trabalho é feita sem a verificação prévia do operador na área. Causas: Horário da solicitação da baixa das PTs Falta de disciplina do emitente e executante Falta de comprometimento da equipe de turno

10 RECOMENDAÇÕES ….


Carregar ppt "AVALIAÇÃO DA SISTEMÁTICA DE PT NA REDUC Março de 2007."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google