A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS PARA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA Eng° João Martins Cortez de Alencar Maceió - Junho / 2004.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS PARA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA Eng° João Martins Cortez de Alencar Maceió - Junho / 2004."— Transcrição da apresentação:

1

2 COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS PARA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA Eng° João Martins Cortez de Alencar Maceió - Junho / 2004

3 O QUE SERÁ APRESENTADO Objetivos da Palestra Definição de Queima ou Combustão Combustíveis Usados em Cerâmicas Comparativo entre BIOMASA e COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Características de Alguns Combustíveis Processos de Queima Cenários e Considerações Finais

4 OBJETIVOS DA PALESTRA Compartilhar conhecimentos práticos sobre alguns tipos de combustíveis Mostrar algumas experiências na queima de produtos cerâmicos Despertar o interesse para iniciativas no uso de combustíveis alternativos Expor cenários relacionados ao mercado de combustíveis na visão de um Ceramista

5 DEFINIÇÃO DE QUEIMA OU COMBUSTÃO Reação química na qual o CARBONO (C) e o HIDROGÊNIO (H) presentes nos combustíveis se combinam individualmente com o OXIGÊNIO (O 2 ) do ar gerando CALOR, Vapor dágua (H 2 O) e Dióxido de Carbono (CO 2 ).

6 TIPOS DE COMBUSTÍVEIS USADOS EM CERÂMICAS BIOMASSA COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS

7 BIOMASSA Qualquer tipo de matéria orgânica renovável do reino vegetal ou animal. De origem natural ( florestas nativas ), residual ( urbano, industrial, agropecuário ) ou plantação para fins energéticos.

8 TIPOS DE BIOMASSA Lenha Nativa - Espécies Diversas Lenha de Reflorestamento - Eucalipto, Pinho, Sabiá, Bambu, etc. Cavaco (Lenha Picada), serragem, maravalha, briquetes, carvão. Cascas - Coco, Arroz, Castanha, Algodão, Café, etc. Palhas - Coco, Carnaúba, etc. Bagaço e as Palhas da Cana Capim, Aparas, Podas e Resíduos Agropecuários

9 * Matriz Energética Brasileira - João Alves Filho BIOMASSA NO BRASIL * Brasil - Arábia Saudita da Biomassa Nenhum outro país tem as mesmas condições do Brasil para produzir energia limpa e renovável através da Biomassa Só utilizamos 10% da nossa área agricultável Projetos como o Pro-Álcool e o Pro-Óleo, provam que o Brasil poderá ser auto-suficiente e também ser o maior fornecedor de combustíveis limpos para o 1º mundo.

10 * Matriz Energética Brasileira - João Alves Filho COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS * Formados pela energia solar acumulada nos hidratos de carbono das plantas e de animais microscópicos, num processo que demanda centenas de milhões de anos. São, por natureza, finitos.

11 TIPOS DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Óleo Combustível - BPF (Baixo Ponto de Fluidez) Gás Liqüefeito de Petróleo - GLP Coque de Petróleo Gás Natural

12 Fonte:Balanço Energético Nacional - MME OFERTA DE ENERGIA NO BRASIL - % Fontes Petróleo e GN6,133,336,8 Carvão Mineral6,23,64,9 Hidráulica4,915,838,1 Lenha e Carvão80,542,68,4 Produtos da Cana2,34,79,7 Outros0,0 2,1

13 COMPARATIVO ENTRE BIOMASSA E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Sob os seguintes aspectos : Técnicos Econômicos Ambientais Sociais Estratégicos

14 ASPECTOS TÉCNICOS BIOMASSA Heterogêneo - Forma e Composição. Automatização/Controles mais difíceis Uso de mão-de-obra Maior variação na queima Umidade- Maior consumo Produção de cinzas Baixo risco de acidentes

15 ASPECTOS TÉCNICOS BIOMASSA Heterogêneo - Forma e Composição. Automatização/Controles mais difíceis Uso de mão-de-obra Maior variação na queima Umidade- Maior consumo Produção de cinzas Baixo risco de acidentes PETRÓLEO E GN Homogêneo Automatização/Controles mais fáceis Pouco ou nenhum uso de mão-de-obra Menor variação na queima Praticamente sem umidade Inexistência de cinzas Maior risco de acidentes

16 ASPECTOS ECONÔMICOS BIOMASSA Mais barato Preço definido pelo mercado regional Menos vulnerável às mudanças macro- econômicas Reposição Florestal, Administração de Projetos ( Manejos, Fretes, Reflorestamentos, etc)

17 ASPECTOS ECONÔMICOS BIOMASSA Mais barato Preço definido pelo mercado regional Menos vulnerável às mudanças macro- econômicas Reposição Florestal, Administração de Projetos ( Manejos, Fretes, Reflorestamentos, etc) PETRÓLEO E GN Mais caro Preço depende do mercado externo Mais vulnerável às mudanças macro- econômicas Maiores produtores em áreas de permanente conflito

18 ASPECTOS AMBIENTAIS BIOMASSA É Renovável Retira CO 2 da atmosfera Produção de cinzas Leis de proteção mais severas - Origem Imagem ecologicamente positiva para a empresa

19 ASPECTOS AMBIENTAIS BIOMASSA É Renovável Retira CO 2 da atmosfera Produção de cinzas Leis de proteção mais severas - Origem Imagem ecologicamente positiva para a empresa PETRÓLEO E GN É Finito Somente emite CO 2 Inexistência de cinzas Controles rígidos das emissões de enxofre, CO e CO 2 Desastres e acidentes ambientais

20 ASPECTOS SOCIAIS BIOMASSA Emprega a mão-de-obra local intensivamente Empregos de menores requisitos de qualificação Gera mais empregos em relação ao investimento Estreita relação com a agricultura e agroindústria Recursos ficam na região

21 ASPECTOS SOCIAIS BIOMASSA Emprega a mão-de-obra local intensivamente Empregos de menor requisitos de qualificação Gera mais empregos em relação ao investimento Estreita relação com a agricultura e agroindústria Recursos ficam na região PETRÓLEO E GN Utiliza pouca ou nenhuma mão-de-obra na queima Cada emprego gerado custa altos investimentos Produtores são grandes empresas globais Recursos não ficam na região

22 ASPECTOS ESTRATÉGICOS BIOMASSA Garantia de auto- suficiência Segurança quanto ao suprimento futuro Capacidade de gerar a própria energia elétrica Poderá ter receita com Créditos de Carbono

23 ASPECTOS ESTRATÉGICOS BIOMASSA Garantia de auto- suficiência Segurança quanto ao suprimento futuro Capacidade de gerar a própria energia elétrica Poderá ter receita com Créditos de Carbono PETRÓLEO E GN Não garante a auto suficiência Suprimento pode ser interrompido Controlado por poucos e poderosos fornecedores Governos sofrem pressão para forçar o consumo ou elevar o preço

24 CARACTERÍSTICAS DE ALGUNS COMBUSTÍVEIS Premissas: 1)Kg por m³ e poder calorífico variam com a umidade do combustível. 2)Consumo por tonelada de argila varia com o tipo de forno, produto queimado ( telha, tijolo,etc ), sistema de queima, equipamentos, etc.

25 CARACTERÍSTICAS DE ALGUNS COMBUSTÍVEIS 250 kg / t Casca de Castanha Consumo*kcal / kgkg / m³Combustível 420 kg / t Bagaço de Cana 450 kg / t Casca de Arroz 250 kg / t Casca de Coco 210 kg / t Serragem seca 320 kg / t Eucalipto 370 kg / t Lenha Nativa BIOMASSA

26 CARACTERÍSTICAS DE ALGUNS COMBUSTÍVEIS Combustíveis Fósseis Combustível Unidade kcalConsumo* Óleo BPFkg kg / t Gás GLPkg kg / t Coque de Petróleokg kg / t Gás Naturalm³ kg / t

27 PROCESSOS DE QUEIMA

28 PROCESSOS DE QUEIMA – Biomassa LENHA Queima simples - Fornalhas, grelhas, cinzeiros Depende do homem - Curva irregular Pirometria somente para orientação e registro Difícil otimizar mistura com o ar Toras de maior diâmetro precisam ser rachadas Não depende de energia elétrica

29 PROCESSOS DE QUEIMA – Biomassa SERRAGEM,CAVACO, CASCAS Estocagem em silos ou em galpões Secagem, Transporte, Alimentação e Queima Automatizados e Controlados Melhor mistura com o ar e menor consumo Depende da energia elétrica- Grupo Gerador Manutenção mecânica, elétrica e eletrônica

30 PROCESSOS DE QUEIMA – Biomassa BAGAÇO DE CANA E OUTRAS FIBRAS Fardos prensados - Briquetes Abastecimento semelhante à lenha Pode ter alimentação automatizada Nas usinas de álcool o bagaço é queimado com 50% de umidade de forma automática

31 PROCESSOS DE QUEIMA – Petróleo e GN ÓLEO BPF Tanques, bombas, resistências, termostatos Isolamento térmico e válvulas solenóides Tubulação em circuito fechado Bombeamento contínuo em excesso Atomização permite melhor mistura com ar Aditivos - caros e de efeito questionável Vazamentos, entupimentos e resíduos da queima

32 PROCESSOS DE QUEIMA – Petróleo e GN GÁS LIQÜEFEITO DE PETRÓLEO-GLP Tanques, Tubos, Válvulas, Vaporizador Instalações contra incêndios Fornecedor pode bancar as instalações Queima Contínua - Mais simples Queima Intermitente - Sensor de Chama Mais pesado que o ar - Vazamentos Não deixa nenhum resíduo (cinzas, fumaça, etc)

33 PROCESSOS DE QUEIMA – Petróleo e GN GÁS NATURAL - GN Localização próxima ao gasoduto Não existe estoque - Fornecimento contínuo Reserva de gás GLP Mais leve do que o ar - Vazamentos Processo de queima semelhante ao GLP

34 PROCESSOS DE QUEIMA – Petróleo e GN COQUE DE PETRÓLEO Fornecimento em Big Bags Granulometria de 0 a 250 mm Moagem Processo de queima semelhante ao da serragem Tendência de aumento da oferta

35 CENÁRIOS I Ações de Governo SUJO E CARO-Cedendo às pressões das multinacionais do petróleo o governo forçará o consumo de GN e outros derivados e tentará inibir a produção e o consumo de biomassa AUSENTE E INDIFERENTE-O governo não intervirá em favor das grandes empresas do petróleo, mas também não irá estimular a produção e o uso de biomassa LIMPO E NACIONALISTA-O governo criará um grande programa de incentivo à produção e consumo de biomassa, revigorará o Pro-Álcool, o Pro-Óleo, etc e desestimulará o consumo de combustíveis fósseis

36 CENÁRIOS II Mercado Global MUNDO SUJO-Os países industrializados não irão aderir ao Protocolo de Kyoto aumentando assim as emissões de poluentes. O Brasil perderá um grande mercado PERDENDO O BONDE-O Protocolo de Kyoto será ratificado pela maioria dos países industrializados. O Brasil irá atrair poucos investimentos verdes por não estar preparado. Outros países criarão condições para estes investimentos LIMPANDO O PLANETA-Movidos pelos objetivos do Protocolo de Kyoto, e pelo agravamento das mudanças climáticas, os países industrializados investirão muito em energias limpas. O Brasil será o grande fornecedor dos créditos de carbono para o primeiro mundo

37 CONSIDERAÇÕES FINAIS As indústrias devem procurar diversificar suas fontes de suprimento de combustíveis É importante saber sobre a disponibilidade, os preços e as formas de utilização dos diversos tipos de combustíveis que podem ser usados Biomassa é o combustível ideal, sob vários aspectos, para ser usado em indústrias de cerâmica vermelha

38 CONSIDERAÇÕES FINAIS Reflorestamento, Manejo e o uso de Resíduos deve ser preocupação de todo Ceramista Empresas de pesquisa e os setores sucroalcooleiro, da celulose e da siderurgia tem alta produtividade na produção de Florestas e no aproveitamento de Resíduos - Repasse dessas tecnologias O Brasil possui excelentes condições para produção de Biomassa ( terra, água, sol, recursos humanos e tecnologia ).

39 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ceramista que queima lenha polui menos do que quem queima óleo, coque ou gás. A cerâmica que consome lenha ou resíduos vegetais deve passar uma imagem de empresa Ecologicamente Correta.


Carregar ppt "COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS PARA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA Eng° João Martins Cortez de Alencar Maceió - Junho / 2004."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google