A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ENEGIA EÓLICA- PARTE DA SOLUÇÃO NO BRASIL Por Laura Porto.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ENEGIA EÓLICA- PARTE DA SOLUÇÃO NO BRASIL Por Laura Porto."— Transcrição da apresentação:

1 ENEGIA EÓLICA- PARTE DA SOLUÇÃO NO BRASIL Por Laura Porto

2 Fonte: PDE MATRIZ BRASILEIRA- PARTICIPAÇÃO DOS DIVERSOS TIPOS DE FONTES (% da capacidade instalada total)

3 Fonte: PDE MATRIZ BRASILEIRA- PARTICIPAÇÃO DAS DIVERSAS FONTES não hidrelétricas (em % de capacidade instalada)

4 1.O CEPEL elaborará o novo Atlas Eólico Nacional, no qual será utilizado recursos do Fundo Setorial de Energia - CT-ENERG 2.Estimativas apontam que o potencial eólico do Brasil pode ultrapassar 300 GW, considerando novas medições e máquinas da última geração 3.O Atlas atual, elaborado em 2001 pelo CEPEL, considerou a tecnologia de geração eólica então predominante, que se limitava a turbinas de baixa potência instalada até 50 m de altura do solo. Mesmo assim, colocou o Brasil entre os países mais favorecidos para esse tipo de geração de energia elétrica. 4.Mostrou que,, excetuada a Região Amazônica,, o potencial dos ventos se distribui pelo território nacional, manifestando-se, mais intensamente, entre junho a dezembro,em coincidência com os meses de menor pluviosidade. PANORAMA EÓLICO BRASILEIRO

5 1.A potência mundial instalada hoje é da ordem de MW. Segundo previsões de 2008, da BTM Consult, em 2017 será de MW 2.O PNE 2030, Plano Nacional de Energia do MME, indica uma inserção de aproximadamente MW da tecnologia eólica, até Este número pode ser encarado como BASTANTE conservador. 3.O PROINFA, único Programa de incentivo da fonte eólica no país, prevê a total implantação de MW (54 empreendimentos). 4.Hoje o Brasil tem uma potência instalada de 415 MW, dos quais 385 MW são do PROINFA 5.2 Fabricantes: Wobben e IMPSA PANORAMA EÓLICO NO BRASIL

6 Potência fixada MW Sistema de Quotas Inglaterra França Feed-in Tarif Alemanha Dinamarca e Espanha Chamada Pública Requisitos técnicos, econômicos e legais Preços fixados para cada tecnologia Contratos de 20 anos assinados diretamente com a Eletrobrás Pequenos e médios Produtores no Setor (PIA) Limites específicos por Estado e por fonte 19 estados contemplados Conteúdo nacional mínimo de 60% Despacho Prioritário no SIN PROINFA- 1º MARCO

7 1.Inaugura no país uma nova fase para as energias alternativas renováveis- ressuscita o mercado de PCHs, cria novos mercados – biomassa e eólica 2.Introduz no setor elétrico novos agentes de perfil diversificado 3.Capacita e forma técnicos nas áreas de energia renováveis de legislação ambiental. 4.Aquece a indústria nacional de peças e componentes de PChs e biomassa e institui mais uma nova fábrica de eólica 5.Insere relevantes agentes financeiros no cenário das fontes alternativas de energias renováveis 6.Introduz o conceito do aproveitamento das potencialidades energéticas locais e regionais 7.Gera empregos de forma distribuída por meio dos 139 empreendimentos 8.Diversifica a matriz de energia brasileira com fontes não emissoras MW 9.Inova o conceito de adicionalidade para o MDL- crédito de carbono 10.Desenvolve uma nova cultura no setor elétrico, rompendo paradigmas PROINFA- MÉRITO 10

8 1.Aporte de capital próprio pelo pequeno empreendedor: alteração da titularidade ou de estrutura acionária dos projetos 2. Necessidade de revisão de alguns projetos, pelo novo sócio, visando minimizar riscos 3. Novas exigências na renovação das Licenças Ambientais 4.Dificuldades no direito de dispor da terra 5.Entraves na conexão à rede, em especial na região Nordeste 6.Dificuldade de atendimento ao índice de nacionalização: falta de sinalização de uma inserção sustentada e aquecimento do mercado mundial 7.O pouco conhecimento, na época, de alguns agentes (financeiros) quanto à fonte eólica 8.Morosidade nas decisões – empresário e Estado Aditamento dos contratos com prorrogação de prazos DIFICULDADES ENCONTRADAS PARA A FONTE EÓLICA

9 1.Criação de Unidades de Gestão na Eletrobrás, responsável pelos PPAs, e no MME, coordenador do Programa. 2.Redução até jun /09 da alíquota do imposto de importação incidente sobre turbinas eólicas de 14% para 0%, proporcionando a elevação no índice de nacionalização dos projetos. 3.Extinção da figura do Produtor Autônomo, permitindo aos empreendedores associarem-se aos investidores mais preparados, inclusive às concessionárias, bem como participar em leilões de energia nova. 4.Inserção de novos agentes financeiros e monitoramento mensal da carteira de projetos dos bancos e agências de fomento. PRINCIPAIS AÇÕES TOMADAS P/ CONTORNAR AS BARREIRAS

10 1.Redução na TUST e TUSD de pelo menos 50 % 2.Possibilidade de acesso aos créditos oriundos do MDL 3.Contratação direta com consumidor ou conjunto de consumidores, cuja carga seja maior ou igual a 500 kW, em qualquer nível de tensão, podendo o fornecimento ser complementado por empreendimentos de geração associados, mas limitado a 49% da energia média que produzirem 4.Destinação de recursos do CT-Energ e da FINEP (Lei do Bem- Subvenção Econômica) à capacitação e inovação tecnológica visando o desenvolvimento da indústria e do conhecimento 5.Sub-Rogação da CCC para empreendimentos localizados nos Sistemas Isolados 6.CDE (recursos utilizados até 2010/11 para o LpT) 7.Contratação como Geração Distribuída –GD, contratação limitada a 10% do mercado pelo VR ( R$ 145,00/MWh) 8.ICGs- Instalação de Transmissão de Interesse Exclusivo de Centrais de Geração para Conexão Compartilhada OUTROS INCENTIVOS PARA A FONTE EÓLICA

11 ICG - DETALHAMENTO

12 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO – MDL Fonte: MCT, julho/2009 Total de Projetos de MDL no Brasil: 234 submetidos à CIMGC Decreto nº 6.263, de 2007 – institui o Comitê Interministerial sobre Mudança do Clima – CIM, cujo trabalho coordenado de 17 ministérios que o integram, elaborou a proposta de Política Nacional sobre Mudança do Clima, em tramitação no Congresso Nacional, e o Plano Nacional sobre Mudança do Clima.

13 LEILÕES DE ENERGIA NOVA, DE FONTES ALTERNATIVAS, LEILÃO DE RESERVA e PROINFA (2005; 2006; 2007; 2008) Leilão A – 3; 63 projetos; e MW Leilão A - 5 ; 29 projetos; e MW Projetos eólicos cadastrados nos Leilões de Energia Nova

14 LEILÃO ESPECíFICO PARA EÓLICA Leilão para Contratação de Energia de Reserva - CER, proveniente de fonte eólica, a ser realizado em 25 de novembro de 2009, com entrega de energia, no centro de gravidade do submercado, a partir de julho de 2012 CER será na modalidade por energia produzida, com contabilização anual da geração, e terá prazo de 20 anos anos Preço de energia expresso em R$/MWh, reajustados pelo IPCA, com pagamento em parcelas mensais uniformes Possibilidade de antecipação do empreendimento com remuneração pelo preço do contrato, desde que haja disponibilidade de rede de transmissão Cadastramento específico para interessados em compartilhar ICGs Aerogeradores importados somente serão aceitos no caso de potência nominal superior a kW

15 LEILÃO ESPECíFICO PARA EÓLICA Cálculo da Garantia Física- GF a partir da declaração de Quantidade de Energia Disponibilizada. GF é o limite de energia que pode ser ofertada no leilão; a parcela não vendida no leilão será utilizada apenas como hedge contra as penalidade, não podendo ser comercializada Possibilidade de ampliação do parque para mitigar exposição contratual Histórico de medições de velocidade e direção dos ventos por período não inferior a 12 meses, realizada por uma torre localizada a no mínimo 8 km (16 kms para terrenos com relevo suave) do parque e com altura mínima de 50 metros (30 metros para terrenos com relevo suave) A contratação por meio de um pagamento diferenciado da produção acima da energia contratada e penalização da produção abaixo da energia contratada, considerando margens de tolerância para a produção a maior e a menor, em relação à energia

16 PONTOS CHAVES PARA SUCESSO DO LEILÃO 1. Demonstração da Capacidade Financeira do Empreendedor 2. Tarifa adequada – consumidor, empreendedor e agentes financeiros 3. Verificação da legalidade da terra no arrendamento 4. Declaração da Energia de Referência(montante a ser contratado), observando: - as penalidades previstas em caso de desvios,que podem resultar em fluxos de caixa que não garantem o retorno desejado para o investidor - o hedge necessário para proteger o gerador das penalidades, considerando um determinado nível de risco que ele está disposto a correr 5. Aperfeiçoamento do esquema da ICG - construção e cobrança – visando torná-lo isonômico ao tratamento atual dos geradores da rede básica, onde a tarifa é pré-fixada e os custos são rateados com os consumidores além de

17 Estações de medida: Pontos representativos do parque Pontos singulares Equipamentos confiáveis Várias alturas de medição Sistema de monitoramento e detecção de falhas por meio de transmissão de dados via satélite Desenvolvimento de software para análise de dados PONTOS CHAVES PARA SUCESSO DO LEILÃO 6.Campanhas de medição de vento certificada

18 18 Ano % Vel +9% Prod Ano % Vel -15% Prod 7. Representatividade da variabilidade anual: - Estudo de Longo Prazo: -Estação de referência (INMET, outras) - Condições de vento similares (boa correlação) de pelo menos 15 anos PONTOS CHAVES PARA SUCESSO DO LEILÃO - Período de medidas: Mínimo: um ano Problema: É um período representativo da área? Exemplo de variação anual

19 8. Análise de Sombreamento e áreas contíguas: - Como regra geral utiliza-se as seguintes distâncias para o posicionamento dos aerogeradores: Turbinas na mesma fila: 3D Turbinas em filas diferentes: 7D Turbinas em parques diferentes: 20D Efeito do sombreamente entre turbinas PONTOS CHAVES PARA SUCESSO DO LEILÃO

20 1.Consciência nacional: dos benefícios da fonte e de seu real custo para o consumidor 2.Compromisso político nacional: leis e planos de energia que contemplem a inserção sustentada e crescente da energia eólica 3.Política industrial comprometida com incentivos fiscais específicos para equipamentos e componentes 4.Princípios reguladores adequados: despacho obrigatório, PPA, prioridade de acesso/compartilhamento de rede, sistema remoto etc 5.Marco econômico: com prêmios para os mais eficientes 6.Soluções tecnológicas: controle de potência e ferramentas para predição de vento (gerando bases de dados históricos para melhorar, progressivamente o rendimento do parque) 7.Centros de Controle: gestão técnica de parques eólicos e subestações/Lts associadas para otimizar o rendimento técnico e econômico. PONTOS CHAVES PARA O DESENVOLVIMENTO DA FONTE EÓLICA

21 1. Complementaridade geográfica: a nova geração hidrelétrica na região Norte; a bioeletricidade, nas regiões Sudeste e Centro-Oeste; e a energia eólica, nas regiões Nordeste e Sul do país. 2. Isto reduz a necessidade de investimentos em transmissão e permite uma distribuição mais equitativa dos benefícios de se desenvolver recursos energéticos locais (geração de empregos, impostos etc.) 3. Redução de consumo de combustíveis fósseis: questões geopolíticas e volatidade de preço. 4. Complementaridade energética: aumento virtual da capacidade de armazenamento das usinas hidrelétricas, sem que seja necessário construir fisicamente novos reservatórios. 5. Redução de emissões de GEE: PNMC 6. Desenvolvimento da indústria nacional, com: 1. Novos empregos locais e regionais 2. Exportação - geração de divisas 7. Apoio no controle de rede CONSEQUÊNCIAS

22 Políticas e programas de incentivo às Fontes Renováveis ganham força no mundo e se constituem em respostas efetivas para garantir que se instaure um círculo virtuoso entre G eração de energia, D esenvolvimento industrial e C onhecimento. Muito grata!


Carregar ppt "ENEGIA EÓLICA- PARTE DA SOLUÇÃO NO BRASIL Por Laura Porto."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google