A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL AULA 3 – ECOLOGIA: CONCEITOS FUNDAMENTAIS (Continuação )

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL AULA 3 – ECOLOGIA: CONCEITOS FUNDAMENTAIS (Continuação )"— Transcrição da apresentação:

1 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL AULA 3 – ECOLOGIA: CONCEITOS FUNDAMENTAIS (Continuação )

2 Glossário ecologico Espécie : Unidade de classificação dos indivíduos População: Conjunto de indivuos de mesma espécie Comunidade : conjunto de espécies em uma area ou ecossistema Comunidade Populações Espécie

3 Glossário Ecológico HABITAT – Localização fisica da espécie NICHO – FUNÇÃO ESPECÍFICA ( Inseto hematófago) ECÓTONO – Região de sobreposição de comunidades grande número de nichos BIÓTOPO – Area uniforme e estável com espécies já adpatadas BIOSFERA – area (fisica) delimitante da vida BIODIVERSIDADE: elevado número de conjuntos de espécies ou comunidades.

4 Relações Ecológicas Intra-específicas ( Dentro da mesma espécie) (+) colonias (Agregados) (+) sociedades cooperativas (-) Competição ( -) Canibalismo (+ ) relações harmônicas ou cooperativas (-) relações desarmônicas ou não cooperativas

5 Relações Ecológicas Interespecíficas (+) Comensalismo (+) Mutualismo ou Simbioses (-) Amensalismo (-) Competição (-) Predação e mimetismo (+ ) relações harmônicas ou cooperativas (-) relações desarmônicas ou não cooperativas

6 Densidade Populacional

7 Variações da população dentro do ecossistema O número de indivíduos de um ecossistema pode variar modificando o tamanho das populações que o compõe. Os principais fatores que promovem modificações em uma população são: - emigração - imigração - natalidade- mortalidade Disponibilidade nutricional Fatores Abioticos ( Temperatura, ciclos sazonais) Esses fatores podem modificar a chamada densidade populacional que pode ser descrita pela fórmula: D = número de indivíduos / área

8 COMUNIDADES Conjunto de todas as polulações de uma area populações com nichos específicos –Fatores reguladores: Taxas natalidade/mortalidade Fatores abióticos – alimento, nutrientes Fatores Bióticos - Interações (-) e (+) principal Competição RESUMO: Basicamente a estrutura e distribuição de uma comunidade depende de Fatores Abióticos ( Nutrientes) e fatores Bióticos ( interações e Cadeias Alim)

9 Pirâmides ou Cadeias Alimentares

10 C2º - homem 80kg x C1º - Boi 850kg P - feno 2T

11 Cadeias Alimentares

12 A B C D A B E C D P C1A C1B C1 C3 D1 D2

13 Cadeias Alimentares e Niveis Tróficos Produtores – seres autotróficos ( fixam CO2) matéria orgânica e biomassa Consumidores – seres heterotróficos: dependentes da matéria orgânica para geração de energia e construção de biomassa. Decompositores – Lixeiros dos ecossitemas, removendo a matéria organica até nutrientes minerais mineralização. Este nutrientes são utilizados pelos produtores para geração de biomassa.

14 Ciclos de transformações AutotroficosBiomassa CO2 BIOMASSA Matéria Orgânica Minerais, N, P, K, S Energia decompositores consumidores

15 Aspectos Praticos das Interações e cadeias alimentares Controle Biológico Medidas naturais utilizadas para o controle de pragas e doenças visando o equilibrio de ecossistemas. EXEMPLOS: - peixes no controle da esquistossomose - peixes no controle de larvas de Aedes aegypti - besouros o controle da mosca do chifre - bactérias e vírus no controle de pragas e insetos Todas essas medidas são viáveis economicamente e tecnicamente. E quando tomadas podem, de forma muito mais barata, controlar um grande número de pragas que são na verdade desequilíbrios de ecossistemas.

16 Biodiversidade Diversidade Biológica, ou Biodiversidade, refere-se à variedade de vida no planeta terra, incluindo: –a variedade genética dentro das populações e espécies; a variedade de espécies da flora, da fauna e de microrganismos; –a variedade de funções ecológicas desempenhadas pelos organismos nos ecossistemas; e a variedade de comunidades, habitats e ecossistemas formados pelos organismos

17 Biodiversidade Biodiversidade refere-se tanto ao número (riqueza) de diferentes categorias biológicas quanto à abundância relativa (equitabilidade) dessas categorias; e inclui variabilidade ao nível local (alfa diversidade), complementaridade biológica entre habitats (beta diversidade) variabilidade entre paisagens (gama diversidade). Biodiversidade inclui, assim, a totalidade dos recursos vivos, ou biológicos, e dos recursos genéticos, e seus componentes.

18 Biodiversidade A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso potencial de uso econômico. atividades agrícolas, pecuárias, pesqueiras florestais, indústria da biotecnologia. As funções ecológicas desempenhadas pela Biodiversidade são ainda pouco compreendidas, muito embora considere-se que ela seja responsável pelos processos naturais e produtos fornecidos pelos ecossistemas e espécies.

19 Biodiversidade Caracteristica fundamental dos Ecossistemas –Equilibrio e Estabilidade –Fatores Economicos e Sociais –Sustentabilidade Valores Associados –Ecológicos –Geneticos –Social / Economico –Cientifico e Educacional –Cultural e Recreativo

20 Biodiversidade Brasil: 10 a 20% das espécies globais Dados: –Flora: 5,5 x 10 4 espécies ( 22% do total) –Fauna Vertebrados: 6,3 x 10 3 espécies Peixes 3000 Anfibios 502 Repteis 468 Aves 1573 Mamíferos 394

21 Biodiversidade Brasil: setores diretamente dependentes da biodiversidade atual –Agroindustria 40% PIB Brasileiro –Florestal 4% –Moveleiro 3% –Pesqueiro 1% –Produtos (Biodiv) respondem por 31% das exportações

22 Biodiversidade Biotecnologia e Transgênicos –Polemica de ação negativa não confirmada –Biotecnologia com maior potencial de exploração ( Biofármacos ) com maior valor agragado / produto. –Apesar de rica biodiversidade, economia ainda se baseia em expécies exóticas. Por quê?

23 Biodiversidade: Como Previnir as perdas Tanto a comunidade científica internacional quanto governos e entidades não- governamentais ambientalistas vêm alertando para a perda da diversidade biológica em todo o mundo, e, particularmente nas regiões tropicais. A degradação biótica que está afetando o planeta encontra raízes na condição humana contemporânea, agravada pelo crescimento explosivo da população humana e pela distribuição desigual da riqueza. A perda da diversidade biológica envolve aspectos sociais, econômicos, culturais e científicos.

24 Biodiversidade: Como Previnir as perdas Os principais processos responsáveis pela perda da Biodiversidade são: Perda e fragmentação dos habitats; Introdução de espécies e doenças exóticas; Exploração excessiva de espécies de plantas e animais; Uso de híbridos e monoculturas na agroindústria e nos programas de reflorestamento; Contaminação do solo, água, e atmosfera por poluentes Mudanças climáticas. As inter-relações das causas de perda de Biodiversidade com a mudança do clima e o funcionamento dos ecossistemas apenas agora começam a ser vislumbradas.

25 Biodiversidade: Como Previnir as perdas Três razões principais justificam a preocupação com conservação da diversidade biológica: 1 Acredita-se que a diversidade biológica seja uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas; 2 A diversidade biológica representa um imenso potencial de uso econômico, em especial através da biotecnologia; 3 porque se acredita que a diversidade biológica esteja se deteriorando, inclusive com aumento da taxa de extinção de espécies, devido ao impacto das atividades antrópicas. O Princípio da Precaução, aprovado na Declaração do Rio durante a UNCED (Rio-92), estabelece que devemos agir já e de forma preventiva ao invés de continuarmos acomodados aguardando a confirmação das previsões para então tomarmos medidas corretivas, em geral caras e ineficazes.

26 Biodiversidade Amazonica

27 Bacia Amazonica 1. Rio Amazonas 2. Rio Solimões 3.Rio Negro 4. Rio Xingu 5. Rio Tapajós 6. Rio Jurema 7. Rio Madeira 8. Rio Purus 9. Rio Branco 10. Rio Juruá 11. Rio Trombetas 12. Rio Uatumã 13. Rio Mamoré

28

29

30

31

32

33

34

35

36 Planos de manejo florestal, ecologicamente corretos, têm fraudes e estão sob investigação do Ministério Público Federal MARCUS FERNANDO FIORI Agência JB BELÉM - Desenvolvimento sustentado, com tecnologia e pesquisa, na Amazônia, nem sempre é sinônimo de proteção ao meio ambiente. Só no Pará, 800 planos de manejo florestal - com derrubada seletiva - podem estar irregulares. Destes, 350 foram cancelados e os demais passam a ser, a partir de agora, investigados pelo Ministério Público Federal e Polícia Federal. Apenas em Marabá, pólo madeireiro, a Procuradoria da República investiga 10 projetos que seriam responsáveis pela extração ilegal de 20 mil árvores nos últimos quatro meses, entre elas espécies ameaçadas como o cedro e o mogno. Segundo a procuradoria, só um dos envolvidos, identificado como Aguilar Tedesco, teria abatido oito mil árvores. De acordo com o procurador da República em exercício de Marabá, Orlando Marttelo, tramitam na comarca mais de 200 processos envolvendo extração ilegal de madeiras, que cresceu a partir de JB 19/11/2000 seção ciência.

37 Pororoca A pororoca, é um fenômeno natural que conjuga beleza e violência no encontro das águas do mar com as águas do rio araguari. O fenômeno da Pororoca que ocorre na região Amazônica, principalmente na foz do seu grandioso e mais imponente rio, o Amazonas, é formado pela elevação súbita das águas junto à foz, provocada pelo encontro das marés ou de correntes contrárias, como se estas encontrassem um obstáculo que impedisse seu percurso natural. Quando ultrapassa esse obstáculo, as águas correm rio a dentro com uma velocidade de 10 a 15 milhas por hora, subindo uma altura de 3 a 6 metros. Existem várias explicações da causa da Pororoca, porém a principal consiste na mudança das fases da lua, principalmente nos equinócios. com maior propensão da massa líquida dos oceanos, força que na Amazônia é percebida calculadamente a mais de mil quilômetros, e o barulho ensurdecedor ouve-se até com duas horas de antecedência à vinda da "cabeceira" da Pororoca. Quando ela passa formam ondas menores, os "banzeiros", que violentamente morrem nas praias.

38

39

40

41

42

43

44

45

46 Brazil Amazon forest in the area of the Brazilian states of Tocantins, Maranhao and Para. The image at left as shot in August 1995 and the one at the right shot in May

47

48 Proxima Aula: Ecologia de Ambientes Aquáticos – Apostila na página do curso (Gestão de qualidade de águas)


Carregar ppt "CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL AULA 3 – ECOLOGIA: CONCEITOS FUNDAMENTAIS (Continuação )"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google