A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

HEPATITE A Laboratório - Técnicas e Fluxos Aula ministrada por: CLÁUDIA PATARA SARACENI Laboratório de Hepatites Serviço de Virologia - IAL em 03.06.2002.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "HEPATITE A Laboratório - Técnicas e Fluxos Aula ministrada por: CLÁUDIA PATARA SARACENI Laboratório de Hepatites Serviço de Virologia - IAL em 03.06.2002."— Transcrição da apresentação:

1 HEPATITE A Laboratório - Técnicas e Fluxos Aula ministrada por: CLÁUDIA PATARA SARACENI Laboratório de Hepatites Serviço de Virologia - IAL em

2 Descoberta do VHA v há mais de 2000 anos relatos de casos v início do Sec hepatite infecciosa v introdução dos termos hepatite A e B, que foram posteriormente adotado pela OMS v estudo realizado em instituição para deficientes mentais - agente MS1 v inoculação em voluntários com esta linhagem Feinstone e cols. conseguiram visualizar o vírus nas fezes por imunomicroscopia eletrônica v Provost e Hilleman cultivo do VHA em cultura de células v Família Picornaviridae v Gênero Hepatovirus

3 Classificação do VHA v início da década de 80 - Família Picornaviridae, provisoriamente enterovírus tipo 72. ácido nucleíco - RNA tamanho (27 a 32 nm) não-envelopado simetria icosaédrica estrutura do genoma replicação viral

4 Classificação do VHA VHA X outros Picornavirus 1. seqüência de aminoácidos e nucleotídeos, e tamanho das proteínas diferentes 2. cresce com dificuldade em cultura de células, sem induzir efeito citopático 3. é mais resistente à temperatura e às drogas 4. possui apenas um sorotipo e um único local de neutralização imunológica 5. não reage contra um anticorpo monoclonal específico para enterovírus Gênero Hepatovirus

5 Estabilidade do VHA v estabilidade relativamente alta v em estudos experimentais, manteve a infectividade: água e solo até 3 mês a 25 o C superfícies inertes 1 mês a 25 o C v resistência ao calor vários anos a -20 o C 1 hora a 60 o C v resistente aos desinfetantes mais comuns: éter, clorofórmio, Freon v no ambiente, viável dias até meses: água, água do mar, ostras, verduras

6 Inativação do VHA v fervura a 100 o C por 1 minuto v radiação ultravioleta v etanol 70% a 25 o C por 60 min v hipoclorito de sódio (1:100) v autoclave 121 o C por 20 min

7 Diagnóstico v exame clínico v provas de função hepática transaminases bilirrubinas fosfatase alcalina gama-glutamiltransferase v sorologia marcadores virais específicos

8 Transaminases v marcadores bioquímicos mais utilizados: marcadores sensíveis de lesões do fígado; atingem picos elevados no início dos sintomas v valores de referência homens, mulheres, crianças e > 60 anos kits / laboratório v x L.S.N.: n o de vezes acima do limite superior normal

9 Transaminases v ALT - alanina aminotransferase TGP - transaminase glutâmico pirúvica v AST - aspartato aminotransferase TGO - transaminase glutâmico oxalacética

10 Transaminases mais específica, principal/e no fígado exclusivamente citoplasmática fígado, coração, músculo, rins citoplasma e mitocôndria ALT AST v hepatites virais: ALT>AST

11 Transaminases Fatores que podem causar alterações : hora do dia v hora do dia - ALT pode variar até 45% durante o dia entre os dias v entre os dias - ALT 10 a 30% de variação AST 5 a 10% de variação v raça e gênero - AST 15% mais alta em afro-americanos v exercício - AST principalmente (3x) ALT mais baixo (20%) nos que fazem exercício regular/e v IMC - ALT e AST mais altas (40 a 50%) em indivíduos com IMC mais alto

12 Bilirrubinas v pigmento biliar v aumentos são específicos de doenças do fígado e das vias biliares v bilirrubina total, direta e indireta v valores de referência variam com gênero e idade v hepatites virais: BD>BI

13 Bilirrubinas Fatores que podem causar alterações : hora do dia v hora do dia - pode variar 15% a 30% durante o dia ingestão de alimentos v ingestão de alimentos v raça - mais baixa em afro-americanos (33% homens;15% mulheres) v luz - cai 50% em 1h de exposição v gestação - cai 33% no segundo semestre

14 Diagnóstico Específico v Pesquisa do vírus v Pesquisa de anticorpos

15 Pesquisa do vírus v imunomicroscopia eletrônica fezes v técnicas de biologia molecular fezes soro

16 Pesquisa de anticorpos v anti-VHA IgM marcador de infecção recente v anti- VHA IgG conferem imunidade duradoura marcador soroepidemiológico indicador de contato prévio

17 Pesquisa de anticorpos v amostra clínica soro W saliva W papel de filtro - polpa digital

18 SORO v Coleta colher em tubo com gel separar o soro dentro de 4 horas v Transporte sangue - T ambiente soro - no gelo v Conservação geladeira até a realização do ensaio

19 Pesquisa de anticorpos Testes utilizados v 1 a geração reação de fixação de complemento v 2 a geração hemaglutinação v 3 a geração - imunoensaios radioimunoensaio ELISA

20 Determinação qualitativa do anti-VHA IgM ELISA por Captura ac - soro VHA E E E E anti-VHA monoclonal peroxidase conjugado cromógeno/ substrato fase sólida ac anti igM

21 ALTALT anti-HAV IgM anti-HAV IgG Meses após a exposição Título Hepatite A Eventos clínicos e sorológicos Hepatite A Eventos clínicos e sorológicossintomas VHA nas fezes

22 Surto de hepatite A em Vargem Grande Paulista v Bairro de Tijuco Preto v 27 de janeiro a 15 de março v INVESTIGAÇÃO DE CAMPO v visita aos domicílios, escolas, local de trabalho v 55,1% das solicitações atendidas v problemas com a coleta

23 Surto de hepatite A em Vargem Grande Paulista v idade variou de 1 a 23 anos, 70% <10 anos v total 18 casos: v 8 assintomáticos v 10 sintomáticos (médias): bilirrubina total: 4,6 mg/dl (0,5 - 14,8) direta: 3,4 mg/dl (0,1 -11,4) indireta: 1,3 mg/dl (0,3 - 3,4) ALT: 11,8 x L.S.N. (0,4 - 38,1)


Carregar ppt "HEPATITE A Laboratório - Técnicas e Fluxos Aula ministrada por: CLÁUDIA PATARA SARACENI Laboratório de Hepatites Serviço de Virologia - IAL em 03.06.2002."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google