A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PLANO ESTADUAL DE PREVENÇÃO E CONTROLE DAS HEPATITES VIRAIS B E C Programa Estadual de Hepatites Virais Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Coordenadoria.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PLANO ESTADUAL DE PREVENÇÃO E CONTROLE DAS HEPATITES VIRAIS B E C Programa Estadual de Hepatites Virais Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Coordenadoria."— Transcrição da apresentação:

1 PLANO ESTADUAL DE PREVENÇÃO E CONTROLE DAS HEPATITES VIRAIS B E C Programa Estadual de Hepatites Virais Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

2 Programa Estadual de Hepatites Virais Atuar de forma responsável na organização de ações voltadas à prevenção, vigilância epidemiológica e assistência, contribuindo para a redução da morbi- mortalidade da população do Estado de São Paulo às hepatites virais B e C, em permanente interação com Instituições e a Sociedade, em consonância com os princípios do SUS. Missão

3 PEHV ÁREAS DE ATUAÇÃO PREVENÇÃO VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA ASSISTÊNCIA

4 Prevalência de Infecção (Focaccia, 1998) Hepatite B = 1,03% Hepatite C = 1,42% Hepatite B Hepatite C Pop IBGE 2008 Hepatite B = > 0,034% (3% do esperado) Hepatite B = > 0,034% (3% do esperado) Hepatite C = > 0,07% (6% do esperado) Hepatite C = > 0,07% (6% do esperado) Fonte: SINAN CVE * dados provisórios até 13/10/08. Esperado ESP Notificados

5 DISTRIBUIÇÃO PORCENTUAL DOS CASOS DE HEPATITES VIRAIS DE ACORDO COM PROVÁVEL FONTE/MECANISMO DE TRANSMISSÃO - ESTADO DE SÃO PAULO – 2002 A 2008* Hepatite B Hepatite C Fonte: SINAN CVE * Dados provisórios até 13/10/2008.

6 Elaboração do Plano Programa abrangente Necessidade de: –visibilidade; –priorizar ações; –inter-relacionamento das diversas instâncias da SES. Início do planejamento em novembro 2007: –identificação de problemas; –definição de prioridades; –elaboração de metas.

7 Participantes Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD): –Assessoria Técnica. –Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS: Assessoria Técnica; Assessoria de Planejamento; Prevenção. –Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE): Assessoria Técnica; Divisão de Imunização; Divisão de Controle de Infecção Hospitalar; Divisão de Capacitação e Métodos de Pesquisa. –Instituto Adolfo Lutz: Laboratório de Hepatites. Coordenadoria de Planejamento em Saúde: –Atenção Básica. Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD): –Assessoria Técnica. –Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS: Assessoria Técnica; Assessoria de Planejamento; Prevenção. –Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE): Assessoria Técnica; Divisão de Imunização; Divisão de Controle de Infecção Hospitalar; Divisão de Capacitação e Métodos de Pesquisa. –Instituto Adolfo Lutz: Laboratório de Hepatites. Coordenadoria de Planejamento em Saúde: –Atenção Básica.

8 Plano Estadual de Prevenção e Controle das Hepatites Virais B e C Objetivo Geral Implementar as ações de prevenção e controle das Hepatites Virais B e C, contribuindo para a redução da morbi-mortalidade por este agravo, na população do Estado de São Paulo.

9 Plano Estadual de Prevenção e Controle das Hepatites Virais B e C Objetivos Específicos Vacinar 90% dos adolescentes do Estado contra a Hepatite B. Aumentar em 50% a detecção da infecção pelo vírus da Hepatite C. Aumentar em 60% a notificação de casos de Hepatite C. Acompanhar 75% dos casos de Hepatite C notificados e aumentar em 20 % ao ano o número de casos tratados. Vacinar 90% dos adolescentes do Estado contra a Hepatite B. Aumentar em 50% a detecção da infecção pelo vírus da Hepatite C. Aumentar em 60% a notificação de casos de Hepatite C. Acompanhar 75% dos casos de Hepatite C notificados e aumentar em 20 % ao ano o número de casos tratados.

10 Problema eleito como prioritário: Desconhecimento por parte da população em geral sobre a gravidade e formas de transmissão as hepatites virais. Meta: Elaborar e implantar plano estratégico de comunicação sobre transmissão e prevenção das hepatites virais, em 12 meses.

11 Problema eleito como prioritário: Conhecimento insuficiente por parte dos profissionais médicos na interpretação de sorologias. Meta: Capacitar profissionais de referência para multiplicação das orientações técnicas em interpretação de sorologia aos profissionais médicos da atenção básica, até dezembro de 2009.

12 Problema eleito como prioritário: Baixa cobertura da vacina contra a hepatite B entre adolescentes. Meta: Estabelecer parceria com a Secretaria da Educação para realização de ações educativas sobre as Hepatites Virais, para os pais e comunidade escolar, enfatizando a vacinação, nos GVE que apresentem cobertura vacinal menor ou igual a 50% na faixa etária de 11 a 19 anos.

13 Problema eleito como prioritário: Subnotificação de casos e qualidade questionável dos dados notificados. Meta: Capacitar 100% dos GVE (28 interlocutores) para multiplicação de informações para os profissionais de saúde sobre a gravidade e magnitude das hepatites e sobre a importância da notificação.

14 Problema eleito como prioritário: Rede de referência e contra-referência de atenção desarticulada. Meta: Habilitar, até junho de 2009, os 17 interlocutores da Atenção Básica das Direções Regionais de Saúde, para desenvolverem um plano de ação regional de enfrentamento das hepatites B e C como importante problema de saúde pública.

15 Problema eleito como prioritário: Rede de referência e contra-referência de atenção desarticulada. Meta: Construir uma rede efetiva* para diagnóstico e atenção às hepatites B e C no Estado de São Paulo, até dezembro de * rede efetiva: atenção básica realizando triagem; atenção secundária e terciária realizando diagnóstico, acompanhamento e tratamento.

16 Problema eleito como prioritário: Desconhecimento do número real de pacientes em tratamento. Meta: Construir e disponibilizar um instrumento que possibilite o conhecimento dos pacientes em tratamento, até dezembro de 2009.

17 Problema eleito como prioritário: Uso de drogas como principal categoria de transmissão da hepatite. Meta: Implantar, em 12 meses, uma proposta para enfrentamento da transmissão de hepatite C entre usuários de drogas.

18 Problema eleito como prioritário: Ausência de discussão de diretrizes para articulação com a Sociedade Civil. Meta: Elaborar Plano de Diretrizes para estabelecimento de parcerias com a Sociedade Civil até dezembro de 2009.

19 Problema eleito como prioritário: Ausência de espaço formal de articulação da Coordenação do Programa Estadual de Hepatites Virais com outras áreas da Secretaria de Estado da Saúde. Meta: Divulgar, até dezembro/2008, e monitorar até 2012 o Plano Estadual de Controle de Hepatites Virais B e C no âmbito da SES.

20 Problema eleito como prioritário: Ausência de espaço formal de articulação da Coordenação do Programa Estadual de Hepatites Virais com outras áreas da Secretaria de Estado da Saúde. Meta: Ampliar a capacidade de articulação da equipe do PEHV por meio da criação de 28 referências regionais, até dezembro/2008.

21 Problema eleito como prioritário: Ausência de espaço formal de articulação da Coordenação do Programa Estadual de Hepatites Virais com outras áreas da Secretaria de Estado da Saúde. Meta: Criação de Comitê Gestor do Programa de Hepatites Virais da SES até dezembro de 2008.

22

23 PROGRAMA ESTADUAL DE HEPATITES VIRAIS B E C


Carregar ppt "PLANO ESTADUAL DE PREVENÇÃO E CONTROLE DAS HEPATITES VIRAIS B E C Programa Estadual de Hepatites Virais Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Coordenadoria."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google