A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UMA DEFINIÇÃO PERSPECTIVISTA DO CONHECIMENTO (revendo a definição tradicional) Knowledge is not simply justified true belief, but it is justified true.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UMA DEFINIÇÃO PERSPECTIVISTA DO CONHECIMENTO (revendo a definição tradicional) Knowledge is not simply justified true belief, but it is justified true."— Transcrição da apresentação:

1 UMA DEFINIÇÃO PERSPECTIVISTA DO CONHECIMENTO (revendo a definição tradicional) Knowledge is not simply justified true belief, but it is justified true belief justifiably arrived at. Robert Fogelin. (justificadamente alcançada)

2 Todos conhecem a definição tradicional ou clássica ou tripartida de conhecimento como crença verdadeira justificada. Todos conhecem a definição tradicional ou clássica ou tripartida de conhecimento como crença verdadeira justificada. A primeira condição é a de verdade. Não podemos saber uma coisa falsa, exs: - Sei que a Lua é de queijo suíço. - Sei que = 3. Essas proposições soam falsas! Daí temos a condição (i) da definição tripartida: Daí temos a condição (i) da definição tripartida: (i) aSp -> p (i) aSp -> p Podemos dizer os Gregos sabiam que os Deuses viviam no monte Olimpo, mas o que queremos dizer é que eles pensavam que sabiam (elíptico)...

3 A segunda condição é a da crença. Eu sei que o céu é azul, mas não acredito nisso... Eu sei que o céu é azul, mas não acredito nisso... soa contraditório. soa contraditório. Dessa intuição vem a condição (ii) da definição tripartida: (ii) aSp -> aCp (ii) aSp -> aCp - crença racional - Há objeções como a do estudante nervoso que acerta as questões da prova oral, mas não acredita no que diz... Mas falamos aqui de crença racional, não de uma obliteração emocional da crença. (etc.)

4 Finalmente, há a condição de justificação: a deve estar ser capaz (ao menos em princípio) de apresentar evidências justificacionais adequadas para aquilo que pretende conhecer (ou está de posse delas) Ex.: Sei que Fernando Pessoa escreveu Mar Português porque (i) vi esse poema ser declamado em um filme sobre Fernando Pessoa, e também porque (ii) tenho uma coletânea de poemas desse autor etc. Podemos então concluir: (iii) aSp -> aECp (iii) aSp -> aECp

5 epistemicamente responsável justificação razoável. Note-se que a evidência justificaçional tem de ser epistemicamente responsável – chamo a isso de justificação razoável. Não posso dizer que sabia que um conhecido meu iria morrer porque perdi um dente, mesmo que essas coisas de fato ocorram... Aqui também há problemas (entre outros): - Sei que ácido + base = sal + água. Não sei quando nem onde aprendi isso, mas sei (posso responder vagamente, ou não sei no sentido forte da palavra?). - O cão sabe que o seu dono chega às 7 horas da noite (pelo comportamento sabemos que ele crê. Ele não pode justificar, mas é possível reconstruir externamenteuma justificação indutiva para isso.) Ignorando problemas, juntamos: (i) aSp -> p, (ii) aSp -> aCp, e (iii) aSp -> aECp Temos (i) (ii) (iii) aSp p & aCp & aECp Que já é a assim chamada definição tripartida.

6 necessária Cada condição é individualmente necessária e o conjunto das condições é suficiente para que a saiba p. * Como a condição (ii) é repetida em (iii), podemos excluir (ii), donde: (i) (iii) aSp = p & aECp, Que é a versão bipartida da definição tradicional. É curioso notar que em casos de crenças básicas como Eu sei que tenho sede não temos evidência justificacional fora da própria crença, donde: (i) (ii) aSp = p & aCp

7 Apesar das possíveis dificuldades, a definição tradicional de conhecimento só foi seriamente desafiada com o problema apresentado em 1963 em um artigo de três páginas e meia escrito por Edmund Gettier. O que Gettier fez foi apresentar contra-exemplos nos quais casos nos quais todas as três condições são satisfeitas sem que a pessoa tenha conhecimento Devido a esse artigo o que desde então testemunhamos tem sido um avalanche de definições alternativas muito imaginativas e filosoficamente interessantes como as de Nozick, Dretske, Lehrer etc. ou a uma alternativa como a de Williamson, que desencadeou uma espécie de ceticismo quanto a possibilidade de se definir o conhecimento (análise do conhecimento).

8 Eis um contra exemplo do tipo Gettier (adaptado de OConnor & Carr): p a = Maria. Ela pretende saber que p = José veio à universidade hoje. Ela tem uma evidência justificacional razoável: E E = José disse a ela que ele viria hoje pela manhã presidir a reunião do Departamento e José é extremamente confiável. Acontece que, sem que Maria saiba… Pela madrugada o filho de José sofreu um sério acidente de automóvel, encontrando-se hospitalizado, de modo que José suspendeu a reunião… Mesmo assim José esteve na universidade rapidamente hoje pela manhã para apanhar alguns documentos em seu escritório… As três condições estão sendo satisfeitas: (i) p é verdadeira, (ii) Maria crê que p é v, (iii) Maria tem uma justificação razoável. Mas Maria não sabe p!

9 + Se Maria tivesse dito que E1: José lhe disse hoje pelo telefone que havia suspendido a reunião mas que estava vindo pegar documentos, ou que E2: ela o viu estacionar seu carro diante do prédio do departamento, Notamos que: E1 e E2 seriam evidências epistemicamente adequadas, posto que vemos que elas são capazes de tornar p verdadeira. pois não tem nada a ver com aquilo que torna p verdadeira! -Mas isso não acontece nos contra-exemplos do tipo Gettier, pois neles a evidência justificacional apresentada, mesmo sendo razoável, não é adequada, pois não tem nada a ver com aquilo que torna p verdadeira! Daí surge a solução que quero perseguir aqui: -……………. Daí surge a solução que quero perseguir aqui: A solução mais natural seria exigir que a justificação epistemicamente adequada seja capaz de tornar p verdadeira. (iii) tem que tornar v (i).

10 Quero primeiro expor as tentativas de se defender essa posição na literatura filosófica: A primeira é de Robert Almeder (década de 1970) O que ele sugeriu é que uma evidência epistêmica adequada (iii) deve acarretar (entail) a verdade da proposição (i). É estranho, escreve Almeder, negar isso dizendo Sua evidência é suficiente para seu conhecimento de p, mas não torna p verdadeiro. Usando o signo => para acarretamento, podemos reescrever a definição tripartida segundo Almeder como: (i) (ii) (iii) (Df.2) aSp p & aCp & (aECp & (E => p))

11 forte demais Infelizmente, a proposta de Almeder forte demais! não se segue inevitavelmente a verdade de p Ela torna a justificação indutiva impossível, pois da verdade da proposição evidencial E não se segue inevitavelmente a verdade de p, como deveria ser no caso de acarretamento ou implicação... O seguinte experimento em pensamento de W. E. Hoffmann para destruir a solução de Almeder. Imagine que Jones fica várias horas sentado no saguão de um hotel vendo pessoas com pesadas malas entrarem. No final disso ele decide atravessar o saguão, certo de que o chão irá suportar o seu peso. E o faz. Imagine agora que Smith faça a mesma coisa no saguão de outro hotel, mas que ao atravessá-lo o chão desaba sob os seus pés. Comparando os dois casos, considerando que a evidência justificadora E é a mesma, como no caso de Smith E não torna p (O chão irá me suportar) verdadeiro, E não implica em p. Portanto, para Almeder Jones não sabe que p. Mas isso é obviamente falso!

12 inteiramente correta. Robert Fogelin, em 1994, formulou uma definição mais bem sucedida que a de Almeder, creio que inteiramente correta. contexto dialógico O problema é colocado aqui pela primeira vez em um contexto dialógico. De acordo com Fogelin, uma evidência justificacional dada para uma pretensão de conhecimento de p por a deve ser (iii-p) uma justificação pessoal, e (iii-e) uma justificação epistêmica. (iii-e) uma justificação epistêmica. justificação pessoal responsabilidade epistêmica (iii-p) A justificação pessoal deve satisfazer a condição de responsabilidade epistêmica, por estar de acordo com os standards epistêmicos e informação avaliável à pessoa no momento em que afirma saber p. evidência razoável. Isso eu já considerei sob o nome de evidência razoável. As evidências dos contra-exemplos do tipo Gettier satisfazem essa condição.

13 para NÓS, (iii-e) Já a JUSTIFICAÇÃO EPISTÊMICA é a evidência (razão) que estabelece a verdade da proposição p para NÓS, ou seja, para quem quer que esteja avaliando a pretensão de conhecimento de p por a. nenhum Isso nenhum contra-exemplo do tipo Gettier é capaz de fazer. Em todos eles, diz Fogelin, nós temos uma informação MAIS AMPLA do que a, e por isso podemos ver que a evidência dada por a, embora pessoalmente justificada, não é epistemicamente justificada. Ou seja: Podemos ver que ela é incapaz de tornar a proposição p verdadeira, deixando de satisfazer o standard da justificação epistêmica.

14 Como Fogelin escreve: I think this double informational setting – this informational mismatch between the evidence a is given and the evidence we are given – lies in the hearth of Gettiers problem.We are given wider information than a has, and in virtue of this wider informational set we see that as grounds, though responsibly invoked, do not justify p. I think this double informational setting – this informational mismatch between the evidence a is given and the evidence we are given – lies in the hearth of Gettiers problem. De acordo com Fogelin, a condição (iii) de evidência justificacional na definição tripartida de conhecimento proposicional deveria ser desdobrada em uma condição de justificação pessoal (iii-p) e uma condição de justificação epistêmica (iii-e), resultando na definição: a sabe que p (i) p é verdadeira, (ii) a crê que p é verdadeira, (ii) a crê que p é verdadeira, (iii-p) a justificadamente vem a crer que p (iii-p) a justificadamente vem a crer que p (iii-e) As razões de a estabelecem (para (iii-e) As razões de a estabelecem (para nós) a verdade de p. nós) a verdade de p.

15 Embora os contra-exemplos do tipo Gettier satisfaçam (iii-p), eles não satisfazem (iii-e). Essa versão da definição tripartida é intuitivamente satisfatória, mas ela não resolve o problema lógico endereçado por Almeder, qual seja: qual o vínculo interno entre as condições (iii-e) e (i)? Se a palavra estabelece significa o mesmo que implica ou acarreta então nós caímos na mesma arapuca de Almeder… No que se segue vou sugerir uma versão formal do que Fogelin sugere que não tenha o defeito de destruir o nosso conhecimento indutivo.

16 Antes de reformular a definição tradicional, vamos explicitar os pressupostos dialógicos subjacentes: Chamamos a pessoa que avalia a pretensão de conhecimento de a de sujeito avaliador s (linguisticamente isso geralmente aparece como nós) (isso não exclui que s = a em auto- avaliações de conhecimento). Chamamos tj de o tempo em que s realiza a sua avaliação. Com isso podemos formar preparatoriamente a seguinte equivalência dialógica: (ED): sS tj (aSp) sS tj (p & aCp & aECp) …………………………..……………………………. ou (o que é o mesmo) sS tj (aSp) sS tj (p) & sS tj (aBp) & sS tj (aEBp)

17 Exemplo de DE: Uma aluna a na escola responde à questão sobre como sabe que p = A terra é redonda Referindo-se a fotos tiradas do espaço como evidência. Ora, ao julgar que a sabe, s deve saber que a sabe que p é verdadeiro, que a crê que p é verdadeiro, e que a deu uma justificação adequada para isso. Tendo em mente essas assunções, quero agora relação interna reexaminar as condições (iii) e (i) no contexto dialógico de maneira a descobrir a precisa relação interna entre elas, elo epistêmico perdido o elo epistêmico perdido…

18 Considere primeiro a condição (i), da verdade, formulada como p, ou p é verdadeira. Essa formulação desconsidera como chegamos a esse resultado! s Não é por um passe de mágica que decidimos que p é v/f. Tem de entrar a questão de como s, o sujeito avaliador, decide que p é v ou f… Ex.: p = A terra gira em torno do sol, Além disso p seria v para s1, discípulo de Aristarco, vivendo no sec. III a.C. p seria f para s2 vivendo na Idade Média. p seria v para s3 vivendo no século XVI em diante… - Como a avaliação da pretensão de conhecimento de a depende do valor-verdade de p dado por s, ela depende desse v-v dado em tj. - A condição (i) p da formulação simbólica da def. tradicional não leva em conta nada disso!

19 último Alguém poderia perguntar aqui se o que se tem em mente com a condição de verdade não é o valor-verdade último de p independentemente de qualquer sujeito avaliador ou do modo como se chega a esse valor… A resposta é que essa demanda nos levaria ao CETICISMO EPISTÊMICO, pois todas as nossas atribuições de verdade empíricas são dependentes de suporte evidencial falível. Só Deus (o avaliador infalível) conheceria o valor-verdade último. Como nossa troca de informações com Deus não é das melhores, o que nos resta é apenas interpretar p como p é verdadeiro para s. Após entendermos para quem p deve ser v, ainda precisamos saber o que faz p v. A condição (i) era sS tj (p), ou sS tj (que p é verdadeira), ou ainda sStj(de pelo menos uma evidência suficiente para fazer p verdadeira).

20 Mas para chegar a uma explicitação mais completa do que está envolvido na condição (i) precisamos introduzir o conceito de corpo de evidências E*, entendido como um conjunto de evidências justificadoras cada qual contando a favor ou contra a verdade de p. Aqui está a definição: (Df.E*) E* = um conjunto de evidências mantido por alguém, cada qual sendo por ela con- suficiente siderada como suficiente para a atribui- ção de verdade a uma proposição p. Assim, se uma evidência ou composição de evidências é um elemento de E*, então E deve ser suficiente para tornar p verdadeira.

21 ~> Para tratar com a noção de SER SUFICIENTE quero introduzir o símbolo ~>. Df.: ~> quer dizer que sendo o antecedente verdadeiro, o consequente deve ser ou (i) necessariamente verdadeiro (com probabilidade 1; certeza lógica), ou (ii) Ser provavelmente verdadeiro em alto grau (com probabilidade muito próxima a 1; certeza prática). (i) captura a força de evidências formais, das ciências dedutivas, formais, que nos dão certeza lógica. (ii) captura a força das evidências indutivas, das ciências empíricas, que nos dão certeza prática.

22 Assim, no caso de E ~> p, se E é verdadeira, então p é certamente ou muito provavelmente verdadeira. Ou seja: E & E ~> p tornam p uma proposição verdadeira ou muito provavelmente verdadeira. Podemos assim substituir sS tj (de ao menos uma evidência E, tal que E é suficiente para p) Por sS tj (E* & (E* ~> p)) Uma vez que E* é um conjunto de evidências consideradas por s individualmente suficientes para a verdade de p. Minha sugestão será substituir p por (E* & (E* ~> p)) como condição (i), a condição da verdade. Mas antes quero fazer algumas considerações sobre E*.

23 Para mostrar o quão comum é E*, considere um exemplo: Suponha que no tempo t o sujeito s sustenta: p1 = a temperatura esteve abaixo de zero esta noite, porque E1 = o reporter na TV havia predito temperaturas abaixo de zero. E2 = a temperatura esteve abaixo de zero porque a neve não deu mostras de se derreter. Temos aqui um E* constituído por um conjunto de condições E1 e E2 consideradas individualmente suficientes para a verdade de p1, ou seja E* = {E1, E2}, De modo que s admite em t E* para p1 e E* torna indutivamente, com certeza prática, que p1 é verdadeira. Ou seja, em t, assumindo o seu estoque de crenças, s sustenta que p é verdadeiro.

24 Considere agora a proposição: p p 2 = A terra é plana. O sujeito s sustenta que p é falsa porque: E1 = Fotos tomadas do espaço mostram que a terra é redonda. E2 = Há inúmeros relatos de circunavegação da terra, E3 = Navios parecem afundar quando desaparecem no oceano. suficiente Nesse caso, para s em t, E* é formado por {E1, E2, E3… En} e cada evidência é considerada suficiente - sob o suposto do estoque de crenças mantido por s em t - para tornar p2 (com certeza prática) falsa. No caso sSt(E* & (E* ~> ~p 2 )) = ~p 2

25 Terceiro caso, s não sabe se a proposição p3 Recife é uma cidade maior do que Maceió é verdadeira. Nesse caso E* é para s um conjunto vazio. Observe também que 1)Um elemento de E* pode ser um conjunto de evidências que só enquanto tal é considerado suficiente para p. Ex: sei que p = Essa mesa que estava aqui ontem, porque E* = {E} = (i) ela é idêntica e (ii) está no mesmo lugar.

26 E, principalmente, que 2) Supondo que s seja um avaliador epistêmico INTEIRAMENTE RACIONAL (isso é uma idealização), então ou cada elemento de E* é suficiente para tornar p verdadeira ou cada elemento de E* é suficiente para tornar p falsa, não podendo existir casos mistos! Pois, suponha que s mantenha E* constituido por {E1, E2}, de tal modo que E1 seja para s suficiente para tornar p verdadeira e E2 suficiente para tornar p falsa. Ou seja: E1 ~> p e E2 ~> ~p. Mas é claro que E1 e E2 se anulam entre si e não podem ser ambos mantidos por um sujeito epistêmico racional (inconsistência). (Não quer dizer que na prática sejamos racionais, mas só somos verdadeiros sujeitos avaliadores epistêmicos enquanto tais.)

27 Finalmente, 3) E* é sempre sustentado por s em certo período de tempo t, pois depende da assunção da verdade de um background informacional, de um estoque de crenças pertencentes ao conjunto das crenças mantidas por s em t. Assim, por exemplo, se E é A gasolina no tanque é suficiente para a viagem, isso pressupõe, por exemplo, que não pertença ao conjunto das crenças de s, como a de que o tanque não está furado etc. Dadas essas explicações, podemos reapresentar a condição (i) p, como algo que o sujeito avaliador s precisa saber no tempo tj em que avalia a pretensão de conhecimento de a como: (i) sS tj (E* & (E* ~> p)).

28 x De fato, se nós temos E* em tj com algum elemento que julgamos evidência suficiente para a verdade de p, concluímos dedutivamente (usando o MP) ou indutivamente (usando a regra de indução) que p é verdadeira. pedir a opinião de Deus sobre o valor-verdade de p. E isso é o mesmo que admitir que a condição de verdade está sendo satisfeita por um avaliador humano em situações reais nas quais as pessoas efetivamente estão avaliando conhecimento, sem precisar pedir a opinião de Deus sobre o valor-verdade de p.

29 Passemos agora a uma análise da condição de justificação, da condição (iii) aECp. Ora, tendo em mente que, para o s que avalia a pretensão de conhecimento de a, a justificação dada por a deve ser suficiente para tornar p verdadeira, exigir que a evidência dada por a seja aceitável por s como pertencendo a E*. a estratégia para ligar a condição de justificação (iii) à condição de verdade (i) é exigir que a evidência dada por a seja aceitável por s como pertencendo a E*. E Ou seja: E apresentada por a só será epistemicamente adequada (além de razoável) se puder ser admitida por s como pertencente ao E* que ele sustenta enquanto estiver avaliando a pretensão de conhecimento de p por a. Eis, pois como devemos reescrever (iii) no contexto dialógico da avaliação de conhecimento: (iii) sS tj (aECp & (E E*)).

30 Ora, vocês se lembram que tinhamos transformado a definição tradicional de conhecimento em uma equivalência que explicitava o papel do sujeito avaliador, ou seja: (i) (ii) (iii) (ED): sS tj (aSp) sS tj (p & aCp & aECp) Ora, nosso próximo passo é apenas juntar (i) com (iii) para obter (ED): (i) (ii) (iii) sS tj (aSp) sS tj (E* & (E* ~> p)) & aCp & (aECp & (E E*)) relação interna entre (iii) e (i) se torna clara. Aqui a espécie de relação interna entre (iii) e (i) se torna clara.

31 Estamos agora em condições de extrair de DE uma reformulação dialógico-dependente ou sócio-epistêmica, se quiserem. Basta considerarmos que sS tj se encontra em cada lado do sinal de equivalência, podendo assim ser abstraído como uma pressuposição redundante. Com isso obtemos: (i) (ii) (iii) (Df.) aSp = (E* & (E* ~> p)) & aCp & (aECp & (E E*)) Ou ainda: (Df.) aSp (aC(E & (E ~> p)) & (E E*) & E* & (E* ~> p) Que mesmo assim só são realmente compreensíveis se tivermos em mente DE como pano de fundo. Questão: resolve essa definição os nossos problemas?

32 Para responder, precisamos primeiro ver como isso funciona nos casos usuais: Ex.1: Uma criança (a) diz (p) que a terra é redonda porque há fotos tiradas do espaço que provam isso. Eu, como sujeito avaliador (s) aceito essa evidência como parte de meu E*, concluindo que a sabe p. Mas nem todos os casos são tão diretos, Ex.2: Digamos que alguém diz p = Recife é maior do que Maceió por ter lido isso em um guia turístico sobre o Brasil = E1. Pode ser que eu saiba disso por ter estado nessas duas cidades = E2. Mas, supondo a confiabilidade de meu interlocutor, eu estarei disposto a aceitar a sua evidência adicionando-a ao corpo de evidências E* que aceito: E* = {E1, E2}.

33 Há exemplos que mostram o quão dependente a avaliação se encontra do tempo em que ela acontece: Digamos que a = Colombo, diga p e que p seja: p = Eu descobri o caminho marítmo para as Índias Um avaliador da pretensão de conhecimento pode julgar que a (Colombo) sabe que p se o tempo de sua avaliação for pouco após Colombo ter retornado de sua primeira viagem... Mas um avaliador, talvez o mesmo, chegará à conclusão de que a não sabe p alguns anos depois, por não aceitar mais que o relato da viagem de Colombo possa pertencer ao seu conjunto de evidências E* para o caminho marítmo para as Índias…

34 x Finalmente, devemos notar que há casos em que a definição não reflete realmente DE. Considere: sei que p, em que p é o ar condicionado está ligado porque E = ouço o barulho. Nesse caso s = a e E = E* e mesmo o tempo da avaliação é o presente. Aqui a avaliação usualmente dialógica foi interiorizada. Mas esse caso não nos interessa, pois nenhum contra- exemplo do tipo gettier pode ser produzido com ele.

35 Vamos examinar agora os contra-exemplos do tipo Gettier. Ex1 (Lehrer): Uma pessoa b trabalha na firma de a e b aparece sempre dirigindo um BMW que afirma ser seu. a conclui razoavelmente que b é dono de um BMW, disso concluindo p = Uma pessoa de minha firma possui um BMW. Mas a não sabe que b é um mentiroso contumaz, e que o BMW pertence à irmã de b. As condições da definição tradicional estão, contudo, sendo satisfeitas, pois o empregado c da firma de a realmente possui um BMW! Mas é óbvio que a não sabe p. É essencial considerar os detalhes concretos excluídos dos exemplos: d d a d p verdadeira O julgamento precisa ser feito por alguém. Digamos que quem avalia a pretensão de conhecimento de a seja o funcionário d da firma de a, que sabe que b é um mentiroso contumaz, que o BMW pertence à irmã, e que só o funcionário c tem um BMW. Nesse caso d não irá aceitar as evidências dadas por a para a sua aceitação de que alguém de sua firma possui um BMW, simplesmente porque a evidência dada é aceitável como pertencente a E* admissível por d como suficientes para tornar p verdadeira

36 abreviações As histórias gettierianas são sempre abreviações de histórias mais longas e detalhadas... Um outro exemplo ainda (Goldman): Uma pessoa a dirigindo um carro percebe um silo vermelho e diz p = Lá está um silo vermelho. É verdade, mas ela não sabe, pois nessa região foram construidas dezenas de fachadas de silos que imitam perfeitamente silos vermelhos, com exceção dessa única, que é de um silo de verdade. A questão é: como sabemos em detalhes essa história gettieriana? s Resposta: a pessoa a dá carona a uma pessoa s que conhece bem a região e essa pessoa também sabe que esse é o único silo verdadeiro ao redor. A pessoa s se recusa a aceitar a avaliação meramente visual de a como suficiente para tornar verdadeira a afirmação de que reconheceu um silo vermelho, recusando-se a aceitar E como pertencente ao seu E*.

37 * Ex3 (Russell): auto-avaliação: No momento t1 olho o meu relógio, mostra 11:15: E1. Olho então no momento t2 o relógio da igreja, são 11:15 da manhã: E2. Me recordo de que o meu relógio nos últimos dias estava atrazando… Olho outra vez meu relógio cuidadosamente no momento t3, percebo que deve estar parado desde ontem. Concluo que em t1 eu não sabia que eram 11:15. Aqui a pretensão de conhecimento de a em t1 está sendo avaliada em t3 pelo próprio a como s em um contexto dialógico internalizado. Para s (a em t2) E* é constituido por E2, mas E1 não é aceito como pertencente a E*.

38 A solução proposta responde ao contra-exemplo de Hoffman, pois as evidências são admitidamente falíveis. Um sujeito avaliador s julgará em tj, antes do acidente do chão afundar-se, que tanto Jones quanto Smith sabem que o chão aguentará os seus pesos, pois as evidências acumuladas por ambos são aceitas como pertencendo ao E* aceito por s, tal que E* ~> p. Após o acidente, a evidência E dada por Smith passa a ser considerada insuficiente, posto que E* deixa de ser aceito por s tal que E* ~> p. flexível A força da relação indutiva é dependente do contexto, diferentemente de E => p, o que a torna + flexível.

39 Finalmente, a definição tradicional revista esclarece uma conhecida tentativa de solucionar o problema de Gettier, que seria a de que a evidência epistêmica adequada deveria ser ultimamente não-derrotada (ultimately undefeated) por nenhuma verdade (evidência) (Lehrer…). O problema dessa solução é que ela exige de nós conhecermos a totalidade das verdades para sabermos que a sabe que p, o que é impossível O problema dessa solução é que ela exige de nós conhecermos a totalidade das verdades para sabermos que a sabe que p, o que é impossível. Ora, essa solução volta a fazer sentido quando transformada na condição de que a evidência dada por a deve se encontrar ultimamente não-derrotada (ultimately undefeated) apenas pelo estoque de crenças mantido por s no momento tj, de modo a poder ser aceita como pertencendo a E*. razoável! Mas isso é uma condição bastante razoável!

40 *A conclusão de tudo isso seria que essa versão sócio-epistêmica da definição tradicional resolve os problemas do tipo Gettier sem criar novas dificuldades, como acontece com outras soluções. Parece que não foi a velha intuição tradicional de que conhecimento é crença verdadeira justificada, mas foi a excessiva confiança em uma versão simbólica incompleta daquela intuição, o que conduziu ao problema apontado por Gettier. Há, certamente, dificuldades remanescentes, como a do lugar do externalismo epistêmico diante de uma redefinição útil de uma definição eminentemente internalista, que é a tradicional... *****************


Carregar ppt "UMA DEFINIÇÃO PERSPECTIVISTA DO CONHECIMENTO (revendo a definição tradicional) Knowledge is not simply justified true belief, but it is justified true."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google