A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof.: Jairo Teixeira RACIOCÍNIO LÓGICO

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof.: Jairo Teixeira RACIOCÍNIO LÓGICO"— Transcrição da apresentação:

1 Prof.: Jairo Teixeira RACIOCÍNIO LÓGICO

2 1) Proposição É uma sentença declarativa. Exemplos: O céu é azul. Dois é par. Recife é a capital do Brasil.

3 1) Proposição Interrogativa: Que horas são ? Exclamativa:Que beleza ! Imperativa:Levante-se. Sentenças que não são declarativas, não são proposições.

4 1) Proposição OBSERVAÇÃO: a)Sentenças abertas NÃO são consideradas proposições. Exemplo: X é um número par. Ele é um advogado. b)Cuidado com essa frase: Essa frase é falsa. Isso não é uma proposição, é um PARADOXO.

5 1) (FCC) Das cinco frases abaixo, quatro delas têm uma mesma característica lógica em comum, enquanto uma delas não tem essa característica. Que belo dia! Um excelente livro de raciocínio lógico. O jogo terminou empatado? Existe vida em outros planetas do universo. Escreva uma poesia A frase que não possui essa característica comum é a: a) I b) II c) III d) IV e) V

6 2) (UnB/CESPE) Acerca de proposições, considere as seguintes frases. I) Os Fundos Setoriais de Ciência e Tecnologia são instrumentos de financiamento de projetos. II) O que é o CT-Amazônia? III) Preste atenção ao edital! IV) Se o projeto for de cooperação universidade- empresa, então podem ser pleiteados recursos do fundo setorial verde-amarelo. São proposições apenas as frases correspondentes aos itens A) I e IV. B) II e III. C) III e IV. D) I, II e III. E) I, II e IV.

7 3) (UnB/CESPE) Na seqüência de frases abaixo, há três proposições. Quantos tribunais regionais do trabalho há na região Sudeste do Brasil? O TRT/ES lançou edital para preenchimento de 200 vagas. Se o candidato estudar muito, então ele será aprovado no concurso do TRT/ES. Indivíduo com 50 anos de idade ou mais não poderá se inscrever no concurso do TRT/ES.

8 4) (UnB/CESPE) A seqüência de frases a seguir contém exatamente duas proposições. A sede do TRT/ES localiza-se no município de Cariacica. Por que existem juízes substitutos? Ele é um advogado talentoso.

9 5) (UnB/CESPE) Na lista de frases apresentadas a seguir, há exatamente três proposições. A frase dentro destas aspas é uma mentira A expressão X + Y é positiva. O valor de = 7. Pelé marcou dez gols para a seleção brasileira. O que é isto

10 6) (UnB/CESPE) Há duas proposições no seguinte conjunto de sentenças: O BB foi criado em Faça seu trabalho corretamente. Manuela tem mais de 40 anos de idade.

11 2) Valor Lógico Só existem dois valores lógicos: verdadeiro (V) e falso(F). Toda proposição lógica ou é V ou é F.

12 3 ) Tabela-Verdade É uma tabela usada para determinar os valores das proposições compostas, a partir da atribuição de valores a suas proposições simples.

13 3 ) Tabela-Verdade xyx + y Atribuição Operação PQ P Q VVF FFF VFV FVV

14 3 ) Tabela-Verdade Proposições compostas por um único termo: P V F

15 3 ) Tabela-Verdade Proposições compostas por n termos: Número de linhas = 2 n

16 PQ VV VF FV FF 3 ) Tabela-Verdade Proposições compostas por 2 termos:

17 PQR VVV VVF VFV VFF FVV FVF FFV FFF 3 ) Tabela-Verdade Proposições compostas por 3 termos:

18 7) (UnB/CESPE) Considerando que, além de A e B, C, D, E e F também sejam proposições, não necessariamente todas distintas, e que N seja o número de linhas da tabela-verdade da proposição [A (B C)] [(D E) F], então 2 N 64.

19 8) (UnB/CESPE) O número de tabelas de valorações distintas que podem ser obtidas para proposições com exatamente duas variáveis proposicionais é igual a n. de prop. = n. de linhas 2 n. de linhas. = n. de tabelas PQOPERAÇÃO VVV ou F VF FV FF 2 2 = 4 linhas 2 4 = 16 tabelas

20 4.1. O modificador lógico: Negação: Não (~) (O CESPE usa ) P¬P VF FV 4 ) Operadores Lógicos

21 O mar é azul O mar NÃO é azul A cadeira NÃO está quebrada A cadeira está quebrada Paulo está desempregado Paulo está empregado OBSERVAÇÃO:

22 4.2. Conectivos Lógicos: Conjunção: E ( ) PQ P Q VVV VFF FVF FFF 4 ) Operadores Lógicos Mas … Apesar de … Embora …

23 PQ P Q VVV VFV FVV FFF 4 ) Operadores Lógicos 4.2. Conectivos Lógicos: Disjunção: Ou ( )

24 PQ P Q VVF VFV FVV FFF 4 ) Operadores Lógicos 4.2. Conectivos Lógicos: Disjunção Exclusiva: Ou..., ou... ( )

25 4 ) Operadores Lógicos 4.2. Conectivos Lógicos: OBSERVAÇÃO: Como ou bebo, mas não ambos. (Exclusiva) Ou como, ou bebo, ou ambos. (Inclusiva)

26 4 ) Operadores Lógicos 4.2. Conectivos Lógicos: Condicional: Se..., então... ( ) PQ P Q VVV VFF FVV FFV

27 4 ) Operadores Lógicos 4.2. Conectivos Lógicos: Condicional: Se..., então... ( ) P Q Se P, então Q. Q, se P. Quando P, Q. Sempre que P, Q Todo P é Q. P, logo Q. P implica Q. P, conseqüentemente Q.

28 OBSERVAÇÃO: VACA ANIMAL SUFICIENTENECESSÁRIA E E T Ã O 4 ) Operadores Lógicos

29 A é condição necessária para B. B A C é condição suficiente para D. C D

30 PQ P Q VVV VFF FVF FFV 4 ) Operadores Lógicos 4.2. Conectivos Lógicos: Bi-Condicional: Se, e somente se,... ( )

31 4 ) Operadores Lógicos 4.2. Conectivos Lógicos: Bi-Condicional: Se, e somente se,... ( ) A é condição necessária e suficiente para B. A B

32 4 ) Operadores Lógicos OBSERVAÇÃO: Prioridades:

33 Exemplo 1: Construa a tabela- verdade para as proposições abaixo: a) P Q PQ VV VF FV FF Q F V F V P Q V F F V

34 b) P Q PQ VV VF FV FF P F F V V P Q F V V F

35 c) (P Q ) (P Q) PQ VV VF FV FF (P Q) V F F F P Q V V V F (P Q) F F F V F V V V

36 P Q V V F F F F V V P R V F V F V V V V d) (P Q) (P R ) PQR VVV VVF VFV VFF FVV FVF FFV FFF (P Q) (P R ) F V V F V V F F P Q V V F F F F V V P R V F V F V V V V

37 Exemplo 2: Determine o valor lógico de cada sentença abaixo: a) 4 = 5 1 = 3 b) Três é ímpar ou 7 é par c) Se Recife é a capital de Pernambuco, então d) O Brasil é uma República se, e somente se, dois mais três é igual a seis. o racismo não é crime (FALSO) (VERDADEIRO) (FALSO)

38 9) (UnB/CESPE) Na tabela abaixo, a última coluna da direita corresponde à tabela-verdade da proposição (¬A ) B ¬(A B). F F V V V F V V F F F V F V F V AB¬A ¬A B¬(A B)(¬A ) B ¬(A B) VVV VFF FVV FFV

39 10) (UnB/CESPE) Na tabela abaixo, a última coluna da direita corresponde à tabela-verdade da proposição ¬(A B) A (¬B). AB¬B ¬(A B)A (¬B)¬(A B) A (¬B) VVF VFV FVV FFV F V F V F V V V F V F F V V F F

40 11) (UnB/CESPE) Considere as proposições seguintes. Q: Se o Estrela Futebol Clube vencer ou perder, cairá para a segunda divisão; A: O Estrela Futebol Clube vence; B: O Estrela Futebol Clube perde; C: O Estrela Futebol Clube cairá para a segunda divisão. Nesse caso, a proposição Q pode ser expressa, simbolicamente, por A B C.

41 12) (UnB/CESPE) Considere as proposições a seguir. R: Ou o Saturno Futebol Clube vence ou, se perder, cairá para a segunda divisão; A: O Saturno Futebol Clube vence; B: O Saturno Futebol Clube perde; C: O Saturno Futebol Clube cairá para a segunda divisão. Nesse caso, a proposição R pode ser expressa, simbolicamente, por A (B C).

42 13) (UnB/CESPE) Considere as proposições abaixo. T: João será aprovado no concurso do TRT ou do TSE, mas não em ambos; A: João será aprovado no concurso do TRT; B: João será aprovado no concurso do TSE. Nesse caso, a proposição T estará corretamente simbolizada por (A B) [¬(A B)].

43 14) (FCC) O manual de garantia da qualidade de uma empresa diz que, se um cliente faz uma reclamação formal, então é aberto um processo interno e o departamento de qualidade é acionado. De acordo com essa informação, é correto concluir que: a)a existência de uma reclamação formal de um cliente é uma condição necessária para que o departamento de qualidade seja acionado. b)a existência de uma reclamação formal de um cliente é uma condição suficiente para que o departamento de qualidade seja acionado.

44 c)A abertura de um processo interno é uma condição necessária e suficiente para que o departamento de qualidade seja acionado. d)Se um processo interno foi aberto, então um cliente fez uma reclamação formal. e)Não existindo qualquer reclamação formal feita por um cliente, nenhum processo interno poderá ser aberto.

45 15) (FCC TRF1R-2006) Se todos os nossos atos têm causa, então não há atos livres. Se não há atos livres, então todos os nossos atos têm causa. Logo: a)alguns atos têm causa se não há atos livres. b)todos os nossos atos têm causa se e somente se há atos livres. c)todos os nossos atos têm causa se e somente se não há atos livres. d)todos os nossos atos não têm causa se e somente se não há atos livres. e)alguns atos são livres se e somente se todos os nossos atos têm causa.

46 16) (UnB/CESPE) A proposição simbólica (P Q) R possui, no máximo, 4 avaliações V. PQR (P Q)(P Q) R VVV VVF VFV VFF FVV FVF FFV FFF V V F F F F F F V V V F V F V F

47 17) (UnB/CESPE) Se as proposições A, B e D forem V, então é possível que as proposições E, C, E C, B E e A C (¬D) também sejam V. A: V B: V D: V E, C, E C, B E, A C (¬D) VVVVV F F

48 18) (UnB/CESPE) Para todos os possíveis valores lógicos atribuídos às proposições simples A e B, a proposição composta [A (¬B)] B tem exatamente 3 valores lógicos V e um F. AB¬B [A (¬B)][A (¬B)] B VV VF FV FF F V F V F V F F V V V F

49 5) Tautologia, Contradição e Contingência Observe a estrutura: P (P Q) PQP Q (P Q)P (P Q) VVVFV VFFVV FVFVV FFFVV Tautologia

50 5) Tautologia, Contradição e Contingência Tautologia: É uma proposição lógica cujo valor é verdadeiro, para todas as atribuições feitas às proposições simples que a compõem.

51 Observe a estrutura: P P Contradição P PP VFF FVF 5) Tautologia, Contradição e Contingência

52 Contradição : É uma proposição lógica cujo valor é falso, para todas as atribuições feitas às proposições simples que a compõem.

53 Observe a estrutura: P P Contingência P PP VFF FVV 5) Tautologia, Contradição e Contingência

54 Contingência : É uma proposição lógica cujo valor depende das atribuições feitas às proposições simples que a compõem.

55 19) (UnB/CESPE) Independentemente dos valores lógicos atribuídos às proposições A e B, a proposição [(A B) (¬B)] (¬A) tem somente o valor lógico F. [(A B) (¬B)] (¬A) F V = V

56 20) (UnB/CESPE) A proposição ¬( A B) (¬A ) B é uma tautologia. F F V V V F V V F F F V F V F V AB¬A ¬A B¬(A B)(¬A ) B ¬(A B) VVV VFF FVV FFV

57 21) (UnB/CESPE) A proposição A (¬B) ¬(A B) é uma tautologia. AB¬B ¬(A B)A (¬B)¬(A B) A (¬B) VVF VFV FVV FFV F V F V F V V V F V F F V V F F

58 22) (UnB/CESPE) Na tabela abaixo, a proposição [A B] [(¬B) (¬A)] é uma tautologia. AB¬A¬B A B(¬B) (¬A)[A B] [(¬B) (¬A)] VV VF FV FF (¬B) (¬A)

59 22) (UnB/CESPE) Na tabela abaixo, a proposição [A B] [(¬B) (¬A)] é uma tautologia. AB¬A¬B A B(¬B) (¬A)[A B] [(¬B) (¬A)] VV VF FV FF [A B]

60 23) (FCC) Seja a sentença aberta A: (~p p) e a sentença B: Se o espaço for ocupado por uma (I), a sentença A será uma (II). A sentença B se tornará verdadeira se I e II forem substituídos, respectivamente, por: a)tautologia e contingência b)contingência e contingência c)contradição e tautologia d)contingência e contradição e)tautologia e contradição

61 A: (~p p) B: Se o espaço for ocupado por uma (I), a sentença A será uma (II). a)tautologia e contingência b)contingência e contingência c)contradição e tautologia d)contingência e contradição e)tautologia e contradição A: (~p p) TAUTOLOGIA

62 A: (~p p) B: Se o espaço for ocupado por uma (I), a sentença A será uma (II). a)tautologia e contingência b)contingência e contingência c)contradição e tautologia d)contingência e contradição e)tautologia e contradição A: V

63 A: (~p p) B: Se o espaço for ocupado por uma (I), a sentença A será uma (II). a)tautologia e contingência b)contingência e contingência c)contradição e tautologia d)contingência e contradição e)tautologia e contradição A: V V

64 A: (~p p) B: Se o espaço for ocupado por uma (I), a sentença A será uma (II). a)tautologia e contingência b)contingência e contingência c)contradição e tautologia d)contingência e contradição e)tautologia e contradição A: F V

65 A: (~p p) B: Se o espaço for ocupado por uma (I), a sentença A será uma (II). a)tautologia e contingência b)contingência e contingência c)contradição e tautologia d)contingência e contradição e)tautologia e contradição A: V/F V

66 6) Proposições Equivalentes São proposições que apresentam a mesma tabela-verdade.

67 6) Proposições Equivalentes xy(x + y) 2 (x 2 + 2xy + y 2 ) PQP Q Q P VVVV VFFF FVVV FFVV

68 6) Proposições Equivalentes PQ P Q Q PP Q VVFFVV VFFVFF FVVFVV FFVVVV

69 6) Proposições Equivalentes PQ P Q (P Q) P Q P Q VVVFFFF VFFVFVV FVFVVFV FFFVVVV

70 6) Proposições Equivalentes PQ P Q (P Q) P Q P Q VVVFFFF VFVFFVF FVVFVFF FFFVVVV

71 6) Proposições Equivalentes PQ P Q P Q Q P VVVFVFV VFVFVVV FVVVVFV FFFVFVF

72 PQ P Q (P Q) QP Q VVVFFF VFFVVV FVVFFF FFVFVF 6) Proposições Equivalentes

73 6.1. P Q Q P P Q Q P TEOREMA DO CONTRA-RECÍPROCO

74 6) Proposições Equivalentes 6.1. P Q Q P Exemplos: Se beber, não dirija B D D B

75 6) Proposições Equivalentes 6.1. P Q Q P Exemplos: Se não como, durmo. C D D C

76 6) Proposições Equivalentes 6.1. P Q Q P Exemplos: Penso, logo existo. P E E P

77 6) Proposições Equivalentes 6.1. P Q Q P Exemplos: Penso, logo existo. P E P E

78 PQ P P Q VVFVV VFFFF FVVVV FFVVV

79 6) Proposições Equivalentes 6.2. (P Q) P Q 6.3. (P Q) P Q LEIS DE MORGAN

80 6) Proposições Equivalentes 6.2. (P Q) P Q 6.3. (P Q) P Q LEIS DE MORGAN Exemplos: Não é verdade que durmo e não aprendo. (D A) D A

81 6) Proposições Equivalentes 6.2. (P Q) P Q 6.3. (P Q) P Q LEIS DE MORGAN Exemplos: Não é verdade que não sou alto ou sou rico. ( A R) A R

82 6) Proposições Equivalentes 6.4. (P Q) P Q ou Q P Exemplos: Brinco ou estudo. (B E) B Eou E B

83 6) Proposições Equivalentes 6.4. (P Q) P Q ou Q P Exemplos: Leio ou não entendo. (L E) L Eou E L

84 6) Proposições Equivalentes 6.5. (P Q) P Q Exemplos: Não é verdade que se ando não corro. (A C) A C

85 6) Proposições Equivalentes 6.5. (P Q) P Q Exemplos: Não é verdade que se não como, bebo. ( C B) C B

86 6) Proposições Equivalentes P Q Q P (P Q) P Q (P Q) P Q (P Q) P Q ou Q P (P Q) P Q ou ( P Q)

87 24) (UnB/CESPE) As proposições [A ( ¬B)] (¬A) e [(¬A) B] (¬A) são equivalentes. [A ( ¬B)] (¬A) [(¬A) B] (¬A) P QP Q

88 25) (UnB/CESPE) Considere todas as possíveis valorações V ou F atribuídas às proposições simples P, Q e R. Nesse caso, a proposição composta ¬[(P R) (Q R)] tem exatamente os mesmos valores lógicos da proposição A) R [¬(P Q)]. B) [(¬P) R] [(¬Q) R]. C) [¬(P R)] [¬(Q R)]. D) [P (¬R)] [Q (¬R)]. E) (P Q) R.

89 ¬[(P R) (Q R)] ¬(P R) ¬(Q R) [P (¬R)] [Q (¬R)]

90 26) (UnB/CESPE) A negação da proposição O juiz determinou a libertação de um estelionatário e de um ladrão é expressa na forma O juiz não determinou a libertação de um estelionatário nem de um ladrão. ¬(E L) ¬E ¬L

91 27) (UnB/CESPE) A proposição Carlos é juiz e é muito competente tem como negação a proposição Carlos não é juiz nem é muito competente. ¬(J MC) ¬J ¬MC

92 28) (UnB/CESPE) A proposição A Constituição brasileira é moderna ou precisa ser refeita será V quando a proposição A Constituição brasileira não é moderna nem precisa ser refeita for F, e vice- versa. ¬(M R) ¬M ¬R

93 29) (UnB/CESPE) As proposições Se o delegado não prender o chefe da quadrilha, então a operação agarra não será bem-sucedida e Se o delegado prender o chefe da quadrilha, então a operação agarra será bem-sucedida são equivalentes. ¬P ¬S P S S P

94 30) (UnB/CESPE) As proposições (¬A) (¬B) e A B têm os mesmos valores lógicos para todas as possíveis valorações lógicas das proposições A e B. (¬A) (¬B) A B P QP Q

95 31) (UnB/CESPE) As tabelas de valorações das proposições P Q e Q P são iguais. P QQ P

96 32) A tabela de interpretação de (P Q) P é igual à tabela de interpretação de P Q. (P Q) P P Q. P (P Q)

97 32) A tabela de interpretação de (P Q) P é igual à tabela de interpretação de P Q. (P Q) P P Q. P (P Q)

98 33) As proposições (P Q) S e (P S) (Q S) possuem tabelas de valorações iguais. PQS (P Q)(P Q) S(P S)(Q S)(P S) (Q S) VVV VVF VFV VFF FVV FVF FFV FFF V V V V V V F F V F V F V F V V V F V F V V V V V F V V V F V V V F V V V V V V

99 33) As proposições (P Q) S e (P S) (Q S) possuem tabelas de valorações iguais. PQS (P Q)(P Q) S(P S)(Q S)(P S) (Q S) VVV VVF VFV VFF FVV FVF FFV FFF V V V V V V F F V F V F V F V V V F V F V V V V V F V V V F V V V F V V V V V V F F V V

100 7) Diagramas Lógicos Todo A é B.Algum A é B.Nenhum A é B. A BA B. AB

101 OBSERVAÇÃO: OBSERVAÇÃO: NEGAÇÕES EXPRESSÃONEGAÇÃO Todo A é BAlgum A não é B Existe A que não é B. Pelo menos um A não é B. Nem todo A é B. Algum A é BNenhum A é B Algum A é B.

102 34) (UnB/CESPE) Considerando que P seja a proposição Todo jogador de futebol será craque algum dia, então a proposição ¬P é corretamente enunciada como Nenhum jogador de futebol será craque sempre. Algum jogador de futebol nunca será craque Todo jogador de futebol será craque algum dia

103 35) (UnB/CESPE) Se A for a proposição Todos os policiais são honestos, então a proposição ¬A estará enunciada corretamente por Nenhum policial é honesto. Algum policial não é honesto Todos os policiais são honestos

104 Nos diagramas acima, estão representados dois conjuntos de pessoas que possuem o diploma do curso superior de direito, dois conjuntos de juízes e dois elementos desses conjuntos: Mara e Jonas. Julgue os itens subseqüentes tendo como referência esses diagramas e o texto. direito juízes Mara direito juízes Jonas

105 36) (UnB/CESPE) A proposição Mara é formada em direito e é juíza é verdadeira. direito juízes Mara direito juízes Jonas

106 37) (UnB/CESPE) A proposição Se Jonas não é um juiz, então Mara e Jonas são formados em direito é falsa. direito juízes Mara direito juízes Jonas

107 É uma afirmação de que uma certa seqüência de proposições p 1,p 2,…,p n (premissas) tem como conseqüência uma proposição q (conclusão). 1) Argumento

108 2) Representação simbólica p 1, p 2, …, p n q Exemplo: Se leio, entendo. Não li, logo, não entendi. P Q, ¬P ¬Q

109 3) Validade de um argumento Exemplo: Se eu como muito, engordo. Como não tenho comido muito, não tenho engordado TABELA-VERDADE

110 P Q, P Q P P C Argumento Inválido (falácia ou sofisma) PQ P Q P Q VVVF F VFFFV FVVVF FFVVV

111 Exemplo: Verifique a validade do argumento: Todo gato voa Toda vaca é gato Toda vaca voa

112 P: É gato Q: Voa R: É vaca P Q, R P R Q

113 P P C PQRP QR PR Q VVVVVV VVFVVV VFVFVF VFFFVV FVVVFV FVFVVV FFVVFF FFFVVV P QR PR Q VVV VVV FVF FVV VFV VVV VFF VVV P QR PR Q VVV VVV FVF FVV VFV VVV VFF VVV

114 3) Validade de um argumento 3.2. DIAGRAMAS Todo gato voa Toda vaca é gato Toda vaca voa VOA GATO VACA

115 3) Validade de um argumento 3.3. OPERADORES P Q, P Q VV F Pode ser V ou FPode ser Fou V

116 OBSERVAÇÃO: Todo gato voa Toda vaca é gato Toda vaca voa

117 Exemplos: a b, b c a c Todo cachorro é um mamífero. Todo mamífero é um ser vivo. Todo cachorro é um ser vivo.

118 Exemplos: a b, b c a c Todo metal é azul. Tudo que é azul é líquido. Todo metal é líquido.

119 Exemplos: a b, b c a c Todo pássaro é uma ave. Toda ave fala. Todo pássaro fala.

120 Exemplos: a b, c b a c Todo gato é verde Tudo que mia é verde Todo gato mia b ac

121 38) (UnB/CESPE) A seqüência de proposições a seguir constitui uma dedução correta. Se Carlos não estudou, então ele fracassou na prova de Física. Se Carlos jogou futebol, então ele não estudou. Carlos não fracassou na prova de Física. Carlos não jogou futebol.

122 Se Carlos não estudou, então ele fracassou na prova de Física. Se Carlos jogou futebol, então ele não estudou. Carlos não fracassou na prova de Física. Carlos não jogou futebol. ¬E Fr = V J ¬E = V ¬Fr = V ¬J V F F F F V

123 39) (UnB/CESPE) Considere que as proposições da seqüência a seguir sejam verdadeiras. Se Fred é policial, então ele tem porte de arma. Fred mora em São Paulo ou ele é engenheiro. Se Fred é engenheiro, então ele faz cálculos estruturais. Fred não tem porte de arma. Se Fred mora em São Paulo, então ele é policial. Nesse caso, é correto inferir que a proposição Fred não mora em São Paulo é uma conclusão verdadeira com base nessa seqüência.

124 Po Pa = V SP E = V E C = V ¬Pa = V SP Po = V ¬SP V F F FF V

125 40) (UnB/CESPE) Se a proposição simbolizada por A B C for um argumento válido, então a proposição A B (¬C) será falsa. A B C ou A, B C

126 41) (UnB/CESPE) Considere que sejam valoradas como V as duas seguintes proposições: Todo candidato ao cargo de auditor tem diploma de engenheiro; e Josué é engenheiro. Nesse caso, como conseqüência da valoração V dessas proposições, é correto afirmar que também será valorada como V a proposição Josué é candidato ao cargo de auditor. ENG. AUD.

127 42) (UnB/CESPE) Considere que a seqüência de proposições a seguir constituam três premissas e a conclusão, nessa ordem: Todas as mulheres são pessoas vaidosas; Todas as pessoas vaidosas são caprichosas; Existem pessoas tímidas que são mulheres; Existem pessoas tímidas que são caprichosas. Nesse caso, tem-se uma dedução que expressa um raciocínio correto.

128 Todas as mulheres são pessoas vaidosas; Todas as pessoas vaidosas são caprichosas; Existem pessoas tímidas que são mulheres; Existem pessoas tímidas que são caprichosas. V M C T.

129 43) (UnB/CESPE) Toda premissa de um argumento válido é verdadeira. 44) (UnB/CESPE) Se a conclusão é falsa, o argumento não é válido. 45) (UnB/CESPE) Se a conclusão é verdadeira, o argumento é válido. 46) (UnB/CESPE) É válido o seguinte argumento: Todo cachorro é verde, e tudo que é verde é vegetal, logo todo cachorro é vegetal.


Carregar ppt "Prof.: Jairo Teixeira RACIOCÍNIO LÓGICO"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google