A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS MBA DE LOGÍSTICA FAFICA - 3 SISTEMAS DE PRODUÇÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS MBA DE LOGÍSTICA FAFICA - 3 SISTEMAS DE PRODUÇÃO."— Transcrição da apresentação:

1 ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS MBA DE LOGÍSTICA FAFICA - 3 SISTEMAS DE PRODUÇÃO

2 Definição: Administração da Produção e Operações Produção Operações A Administração da Produção e Operações é o campo de estudos dos conceitos e técnicas aplicáveis à tomada de decisão na função de Produção (empresas industriais) ou Operações (empresas de serviços). Administração da Produção e Operações

3 1º Definição Conjunto de atividades inter- relacionadas envolvidas na produção de bens (industria) ou serviços. Sistema de Produção

4 Sistemas de Produção Os elementos Fundamentais de um Sistema de Produção são: Insumos Processo de criação ou conversão Produtos ou serviços Subsistema de controle

5 Sistemas de Produção Sistemas de Produção TRABALHO ENERGIA MATERIAIS PRODUTOSSERVIÇOS

6 Sistemas de Produção Sistemas de Produção ENTRADASPROCESSO DE DEPRODUÇÃO SAÍDAS SAÍDAS PRODUTIVIDADE = SAÍDA ENTRADAS EFICIÊNCIA = DESEMPENHO REAL DESEMPENHO PADRÃO X 100

7 EXEMPLO : Uma empresa trabalha com dois tipos de máquinas, Uma empresa trabalha com dois tipos de máquinas, que fazem o mesmo produto, existem 2 máquinas que fazem o mesmo produto, existem 2 máquinas de cada tipo, cada uma com produção nominal de de cada tipo, cada uma com produção nominal de 120 unidades/hora. Em 20 dias operando 10 horas 120 unidades/hora. Em 20 dias operando 10 horas por dia a empresa fabricou produtos. Se as por dia a empresa fabricou produtos. Se as máquinas A produziram efetivamente unida máquinas A produziram efetivamente unida des, com qual a eficiência trabalhou cada máquina des, com qual a eficiência trabalhou cada máquina B ? Qual a produtividade, considerando 1 operário B ? Qual a produtividade, considerando 1 operário em cada máquina? em cada máquina? DADOS : 2 máquinas A e 2 máquinas B capacidade de cada máquina : 120 und / h capacidade de cada máquina : 120 und / h jornada: 20 dias com 10 horas /dia jornada: 20 dias com 10 horas /dia fabricou : produtos fabricou : produtos máquinas A produziu : und máquinas A produziu : und 1 operário em cada máquina. 1 operário em cada máquina.

8 a) Calcular a produção nominal no período das 4 a) Calcular a produção nominal no período das 4 máquinas sendo 2 máquinas tipo A e 2 tipos B. máquinas sendo 2 máquinas tipo A e 2 tipos B. Produção nominal : é a capacidade de produção da máquina definida pelo próprio fabricante. Produção nominal de cada máquina : 120 und / h Período de produção : 20 dias x 10 horas / dia = 200 horas 200 horas Total da produção nominal no período por máquina: 120 und /h x 200 h = und. 120 und /h x 200 h = und.

9 b) Com qual eficiência trabalhou cada máquina B ? A empresa fabricou : unidades As máquinas A : unidades As máquinas B : unidades EFICIÊNCIA PRODUÇÃO REAL DA MÁQUINA DA MÁQUINA = X 100 PRODUÇÃO NOMINAL DA MÁQUINA PRODUÇÃO NOMINAL DA MÁQUINA EFICIÊNCIA UNIDADES DA MÁQUINA B = X UNIDADES UNIDADES EFICIÊNCIA DA MÁQUINA B = 0,90 X 100 = 90 %

10 c) Qual foi a eficiência da máquina A ? c) Qual foi a eficiência da máquina A ? As máquinas A produziram : unidades Produção nominal da máquina A : 2 x = unid. EFICIÊNCIA DA unidades MÁQUINA A = x unidades unidades EFICIÊNCIA DA MÁQUINA A = 0,85 X 100 = 85 % d) Qual a eficiência da empresa ? A empresa fabricou : unidades A empresa fabricou : unidades Produção nominal das 4 máquinas : unidades Produção nominal das 4 máquinas : unidades EFICIÊNCIA DA unidades EMPRESA = x 100 = 87,5 % unidades unidades

11 d) Qual a produtividade da empresa ? d) Qual a produtividade da empresa ? A empresa fabricou : unidades 4 operários Jornada de 20 dias e 10 horas por dia SAÍDAS PRODUTIVIDADE = PRODUTIVIDADE = ENTRADAS unidades unidades PRODUTIVIDADE = operários x 20 dias x 10 horas / dia 4 operários x 20 dias x 10 horas / dia UNIDADES PRODUTIVIDADE = HOMENS. HORAS 800 HOMENS. HORAS PRODUTIVIDADE= 105 UNIDADES / HOMEM HORA PRODUTIVIDADE = 105 UNIDADES / HOMEM HORA

12 1.Uma empresa fabricou unidades em um determinado período, com 15 operadores traba determinado período, com 15 operadores traba lhando 8 horas por dia, durante 20 dias. lhando 8 horas por dia, durante 20 dias. a) Qual a produtividade da mão de obra da a) Qual a produtividade da mão de obra da empresa ? empresa ? b ) Em quanto tempo um homem fabrica uma b ) Em quanto tempo um homem fabrica uma unidade do produto ? unidade do produto ? 2. A empresa ALFA produz unidades em 20 dias utilizando 16 pessoas que trabalham 8 horas / dia. utilizando 16 pessoas que trabalham 8 horas / dia. A empresa BETA produz unidades no mesmo A empresa BETA produz unidades no mesmo período, porém utilizando 20 pessoas com jornada período, porém utilizando 20 pessoas com jornada de 10 horas / dia. de 10 horas / dia. Qual das duas empresas utiliza melhor sua mão Qual das duas empresas utiliza melhor sua mão de obra ? Justifique. de obra ? Justifique. EXERCÍCIOS PROPOSTOS

13 3. Qual a eficiência de um transformador elétrico que no processo de produção de tensão de11000 volts para processo de produção de tensão de11000 volts para 110 volts, recebe a energia de 850 kwh e envia 830 kwh? 110 volts, recebe a energia de 850 kwh e envia 830 kwh?. Quantos funcionários a industria MALTA vai precisar 4. Quantos funcionários a industria MALTA vai precisar para produzir unidades se sua produtividade para produzir unidades se sua produtividade produtividade é de 120 unidades por homem hora e produtividade é de 120 unidades por homem hora e trabalha 200 horas no período? trabalha 200 horas no período? 5. Uma determinada empresa tem 75 unidades por homem hora de produtividade, dispõe de 20 funcionários que hora de produtividade, dispõe de 20 funcionários que trabalham 15 dias durante o mês. trabalham 15 dias durante o mês. De quanto é a jornada diária de trabalho desses De quanto é a jornada diária de trabalho desses funcionários, se a produção no período foi de funcionários, se a produção no período foi de unidades? unidades? EXERCÍCIOS PROPOSTOS

14 Sistemas de Produção Sistemas de Produção 2º Definição É um processo planejado, pelo qual elementos são transformados em produtos úteis. Trata-se de um procedimento organizado para se conseguir a conversão de insumos em produtos acabados.

15 Insumos : Insumos : São os recursos a serem transformados diretamente em produto (matérias-primas) mais os recursos que movem o sistema (mão – de -obra, energia, capital, máquina, equipamentos, instalações, informações,e outros.) Sistemas de Produção Sistemas de Produção

16 Sistema da Produção Processo conversão: Em manufatura, muda o formato das matérias-primas ou composição e a forma dos demais recursos,em bens tangíveis.

17 Bens tangíveis Bens tangíveis Os bens tangíveis são mensurados através dos 5 sentidos do homem: Tato Visão Audição Olfato e Gustação Os bens tangíveis podem ser estocados. Sistemas de Produção Sistemas de Produção

18 Sistema da Produção Processo de criação: Em serviços,não há propriamente uma transformação dos insumos. O serviço é criado.

19 Serviços: Serviços: Os serviços são mensurados de forma subjetiva. Personalidade, temperamento, valores, educação familiar e formal, religiosidade e outros.

20 Existem três categorias de produtos: Existem três categorias de produtos: BENS DE CONSUMO BENS DE INDUSTRIA SERVIÇOS

21 PRODUTOS QUE SE DESTINAM AO CONSUMO POR PARTE DE PESSOAS FÍSICAS. ALIMENTOS ALIMENTOS ROUPAS ROUPAS ELETRO-DOMÉSTICO ELETRO-DOMÉSTICO BEBIDAS BEBIDAS JÓIAS JÓIAS BENS DE CONSUMO

22 PRODUTOS QUE SE DESTINAM AO CON SUMO POR PARTE DE PESSOAS JURÍDI CAS. MATÉRIAS-PRIMAS MATERIAIS AUXILIARES MATERIAIS AUXILIARES MAQUINAS MAQUINAS EQUIPAMENTOS EQUIPAMENTOS BENS DE INDUSTRIA BENS DE INDUSTRIA

23 PRODUTOS INTANGÍVEIS QUE PODEM, INDESTINTAMENTE, SER CONSUMIDOS POR PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS. PROFISSIONAIS BANCÁRIOS BANCÁRIOS TURÍSTICOS TURÍSTICOS TRANSPORTES TRANSPORTES SERVIÇOS SERVIÇOS

24 FREDERICK WINSLOW TAYLOR (1856 – 1915 ) (1856 – 1915 ) ESTUDOS DE TEMPOS E MOVIMENTOS

25 operário na MIDVALE STEEL CO. rapidamente passa para chefe de turma, rapidamente passa para chefe de turma, contramestre e chefe de oficina. contramestre e chefe de oficina. as promoções, são graças a seu espírito as promoções, são graças a seu espírito metódico e aplicado e a seu poder de metódico e aplicado e a seu poder de concentração e de vontade. concentração e de vontade. ao mesmo tempo, frequenta curso noturno ao mesmo tempo, frequenta curso noturno diplomando-se como engenheiro. diplomando-se como engenheiro. FREDERICK WINSLOW TAYLOR

26 FREDERICK WISNLOW TAYLOR Após 6 anos, é promovido a engenheiro chefe da fábrica e dá início à realização do PRINCÍPIO DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

27 O PRINCÍPIO DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA Considerada sob tríplice aspecto: melhoramento da técnica das máquinas – melhoramento da técnica das máquinas – ferramentas. ferramentas. organização do trabalho fundamentado em organização do trabalho fundamentado em regras científicas. regras científicas. vínculo do salário ao rendimento. vínculo do salário ao rendimento.

28 O PRINCÍPIO DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA A partir de 1893, Frederick Taylor se consagrou completamente à análise e à simplificação do trabalho. Procurou aumentar a produção pelo alívio do trabalho penoso do executante. Buscou métodos científicos para estabelecer padrões claros e objetivo para o trabalho.

29 ESTUDOS DE TEMPOS E MOVIMENTOS A cronometragem é o método mais empregado na Indústria para medir o trabalho. Tem por objetivo medir a eficiência individual. Essa metodologia continua sendo muito utilizada para que sejam estabelecidos padrões para a produção e para custos industriais.

30 ESTUDO DE TEMPOS EQUIPAMENTOS : CRONÔMETRO DE HORA CENTESIMAL é o cro nômetro mais utilizado, e uma volta do ponteiro nômetro mais utilizado, e uma volta do ponteiro maior corresponde a 1/100 de hora, ou 36 maior corresponde a 1/100 de hora, ou 36 segundos. segundos. Podem, contudo ser utilizados outros tipos de Podem, contudo ser utilizados outros tipos de cronômetros, inclusive cronômetros comuns. cronômetros, inclusive cronômetros comuns. PRANCHETA PARA OBSERVAÇÕES é necessária PRANCHETA PARA OBSERVAÇÕES é necessária para que se apóie nela a folha de observações e o para que se apóie nela a folha de observações e o cronômetro. cronômetro. FOLHA DE OBSERVAÇÕES é usada para o que os FOLHA DE OBSERVAÇÕES é usada para o que os tempos e demais informações relativas à tempos e demais informações relativas à operação cronometrada possam ser adequadamen operação cronometrada possam ser adequadamen te registrados. te registrados.

31 ESTUDOS TEMPOS E MOVIMENTOS FINALIDADES EXECUTAR OS MAIS ECONOMICAMENTE POSSÍVEIS AS ATIVIDADES. ATIVIDADES. AUMENTAR OS SALÁRIOS E BAIXAR O CUSTO UNITÁRIO AUMENTAR OS SALÁRIOS E BAIXAR O CUSTO UNITÁRIO DA PRODUÇÃO. DA PRODUÇÃO. ESPECIALIZAÇÃO DA MÃO DE OBRA. ESPECIALIZAÇÃO DA MÃO DE OBRA. MELHOR APROVEITAMENTO DAS MÁQUINAS. MELHOR APROVEITAMENTO DAS MÁQUINAS. AUMENTO DA PRODUTIVIDADE. AUMENTO DA PRODUTIVIDADE. ESTABELECER PADRÕES PARA OS PROGRAMAS DE ESTABELECER PADRÕES PARA OS PROGRAMAS DE PRODUÇÃO. PRODUÇÃO.

32 ESTUDO DOS TEMPOS E MOVIMENTOS CONSISTE NA DETERMINAÇÃO DE TEMPOS – PADRÃO, CONSISTE NA DETERMINAÇÃO DE TEMPOS – PADRÃO, SENDO EMPREGADO NA OTIMIZAÇÃO DOS MÉTODOS SENDO EMPREGADO NA OTIMIZAÇÃO DOS MÉTODOS DE TRABALHO. DE TRABALHO. OBJETIVA DESCOBRIR MÉTODOS MELHORES E MAIS OBJETIVA DESCOBRIR MÉTODOS MELHORES E MAIS SIMPLES DE EXECUTAR UMA TAREFA. SIMPLES DE EXECUTAR UMA TAREFA. PROPORCIONAR A ELEVAÇÃO DA PRODUTIVIDADE PROPORCIONAR A ELEVAÇÃO DA PRODUTIVIDADE ATRAVÉS DA DIVISÃO DO TRABALHO E ESPECIALI ATRAVÉS DA DIVISÃO DO TRABALHO E ESPECIALI ZAÇÃO DO OPERÁRIO. ZAÇÃO DO OPERÁRIO.

33 MEIOS Desenvolver o sistema e o método perfeito, Desenvolver o sistema e o método perfeito, usualmente, aquele de menor custo. usualmente, aquele de menor custo. Padronizar os sistemas. Padronizar os sistemas. Determinar o tempo gasto por uma pessoa Determinar o tempo gasto por uma pessoa qualificada e devidamente treinada. qualificada e devidamente treinada. Orientar o treinamento do trabalhador no Orientar o treinamento do trabalhador no método adequado. método adequado. ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS

34 VANTAGENS Eliminar os movimentos inúteis e substituí-los Eliminar os movimentos inúteis e substituí-los por outros mais eficientes. por outros mais eficientes. Melhorar a eficiência do operário e o procedi Melhorar a eficiência do operário e o procedi mento da produção. mento da produção. Distribuir uniformemente o trabalho. Distribuir uniformemente o trabalho. Ter uma base uniforme dos salários. Ter uma base uniforme dos salários. Calcular com mais precisão o custo unitário e Calcular com mais precisão o custo unitário e preço de vendas do produto. preço de vendas do produto. ESTUDO DOS TEMPOS E MOVIMENTOS

35 ANÁLISE DO TRABALHO E ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS Análise do trabalho. Estudo dos tempos e movimentos. Estudo dos tempos e movimentos. Tempo padrão. Tempo padrão.

36 OBJETIVOS DE TAYLOR 1.Eliminação de todo desperdício de esforço humano. humano. 2. Adaptação dos operários à própria tarefa. 3. Treinamento dos operários. 4. Maior especialização de atividades. 5. Estabelecimento de normas bem detalhadas de atuação do trabalho. de atuação do trabalho.

37 ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA FOCO NA TAREFA. ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO.

38 DIVISÃO DA OPERAÇÃO EM ELEMENTOS Os elementos são partes em que a operação Os elementos são partes em que a operação pode ser dividida. pode ser dividida. Essa divisão tem por principal finalidade a Essa divisão tem por principal finalidade a verificação do método de trabalho e deve ser verificação do método de trabalho e deve ser compatível com a obtenção de uma medida compatível com a obtenção de uma medida precisa, tomando-se o cuidado de não dividir precisa, tomando-se o cuidado de não dividir a operação em minutos ou em poucos elementos. a operação em minutos ou em poucos elementos. O tempo de cada elemento será anotado O tempo de cada elemento será anotado separadamente na folha de observações. separadamente na folha de observações.

39 CRONOMETRAGEM Determina a quantidade de tempo necessária para se executar uma operação, medindo o tempo de trabalho gasto em suas operações elementares. TEMPO PADRÃO é a medição do tempo de trabalho, eliminando os tempos improdutivos. OPERAÇÕES ELEMENTARES: Decomposição em elementos. Movimentos relevantes.

40 FOLHA DE OBSERVAÇÕES NÚMERO DA OBSERVAÇÕES DESCRIÇÃO DOS ELEMENTOS TEMPO CRONOMETRADO ( SEGUNDOS ) PEGAR PEÇA NA CAIXA POSICIONAR PEÇAS NA MÁQUINA ABRIR FURO ( MÁQUINA ) COLOCAR A PEÇA FURADA EM CAIXA DE SAÍDA TEMPO DE OPERAÇÃO( TOTAL )

41 AVALIAÇÃO DO RITMO DO OPERADOR O ritmo do operador é determinado de maneira subjetiva por parte do cronometrista. ritmo 100 ( ou 100% ) O ritmo 100 ( ou 100% ) é denominada velocidade normal de operação. Se o cronometrista estima que a execução da normal, operação não atinge o nível que ele julga normal, fator inferior a 100 ele escolherá um fator inferior a 100, por exemplo, 95,90,80 95,90,80 ou outro que julgue apropriado. Se ao contrário, ele estima que a execução ultra fator um passa o nível normal, ele tomará como fator um número superior a , número superior a 100, por exemplo,110,120 ou 130.

42 AVALIAÇÃO DO RITMO DO OPERADOR TEMPO NORMAL = TEMPO CRONOMETRADO X COEFICIENTE RITMO RITMO RITMO DE (*) REFERÊNCIA (*) O RITMO DE REFERÊNCIA É SEMPRE DE VALOR 100 ( RITMO NORMAL ). 100 ( RITMO NORMAL ).

43 DETERMINAÇÃO DAS TOLERÂNCIAS Não é possível esperar que uma pessoa trabalhe Não é possível esperar que uma pessoa trabalhe o dia inteiro sem interrupções. o dia inteiro sem interrupções. Concessões são permitidas e previstas Concessões são permitidas e previstas no trabalho para que sejam atendidas no trabalho para que sejam atendidas as denominadas necessidades pessoais, as denominadas necessidades pessoais, que proporcionam um descanso, aliviando que proporcionam um descanso, aliviando os efeitos da fadiga no trabalho. os efeitos da fadiga no trabalho. A fadiga no trabalho é resultado não somente do A fadiga no trabalho é resultado não somente do esforço físico e ou mental do trabalho mas esforço físico e ou mental do trabalho mas também das condições ambientais do local também das condições ambientais do local de trabalho. de trabalho.

44 FATOR DE TOLERÂNCIA Geralmente, adota-se uma tolerância variando entre 15% e 20% do tempo ( fator de tolerância entre 1,15 e 1,20 ) para trabalhos normais reali zados em um ambiente normal, para empresas industriais. As tolerâncias podem ser calculadas em função dos tempos de permissão que a empresa se dis põe conceder. Nesse método, determina-se a por centagem de tempo (P) concedida em relação ao tempo de trabalho diário e calcula-se o fator de tolerâncias como sendo : 1 Ft = Ft = ( 1 – P ) ( 1 – P )

45 DETERMINAÇÃO DO TEMPO PADRÃO SOMATÓRIO DOS TEMPOS CRONOMETRADOS TEMPO CRONOMETRADO(Tc) = NÚMERO DE AMOSTRAS COEFICIENTE RITMO TEMPO NORMAL(Tn) = TEMPO CRONOMETRADO X RITMO DE REFERÊNCIA TEMPO PADRÃO (Tp) = TEMPO NORMAL( Tn ) x FATOR DE TOLERÂNCIA (Ft) O TEMPO PADRÃO é o tempo durante o qual um operador qualificado, normal, executa um determinado trabalho, qualificado, normal, executa um determinado trabalho, segundo um método especificado, no qual se consideram segundo um método especificado, no qual se consideram as majorações ligadas ao trabalho ( coeficientes dinamo as majorações ligadas ao trabalho ( coeficientes dinamo métricos, de posição, de participação mental ). métricos, de posição, de participação mental ).

46 EXEMPLO : Apanhar de uma caixa disposta ao lado de um posto de trabalho, uma peça com 1,5 kg de peso para per furá-la em uma máquina, colocando-a, à seguir, em caixa de saída. A empresa concede 19 minutos para as necessidades fisiológicas e 5 minutos para café zinho em relação a um dia de trabalho de 8 horas. Deseja-se determinar o tempo padrão necessário para uma peça ser processada. O cronometrista realizou uma cronometragem preliminar constituída de 9 tomadas de tempo, obtendo os dados que se seguem. a)Calcular o tempo cronometrado ( Tc ) b)Calcular o tempo normal ( Tn ) c)Defenir o tempo padrão através do fator de tole rância ( Ft ). rância ( Ft ).

47 FOLHA DE OBSERVAÇÕES OPERAÇÃO : PERFURAR A PEÇA C – 13 – B NOME DA PEÇA : SUPORTE AB – 7510 MÁQUINA : PERFURATRIZ – 25 NOME DO OPERADOR : PAULO ANDRADE – 354 CRONOMETRISTA : CARLOS ARAUJO – 123 DATA : 01 / 12 /2003 HORA INÍCIO : 15:00 HORA TÉRMINO: 17:00 ELEMENTOS PEGAR PEÇA NA CAIXA POSICIONAR PEÇA NA MÁQUINA ABRIR FURO COLOCAR PEÇA FURADA CAIXA DE SAÍDA ,08 0,07 0,08 0,07 0,08 0,07 0,07 0,08 0,08 0, ,03 0,04 0,03 0,03 0,03 0,04 0,03 0,12 0,10 0,11 0,11 0,11 0,10 0,10 0,12 0,11 0,14 0,13 0,15 0,14 0,14 0,14 0,13 0,14 0,15 0,26 0,23 0,26 0,25 0,25 0,24 0,23 0,26 0,26 0,08 0,07 0,06 0,06 0,07 0,06 0,08 0,07 0,06 0,34 0,30 0,32 0,31 0,32 0,30 0,31 0,33 0,32 TEMPO TOTAL 0,34 0,30 0,32 0,31 0,32 0,30 0,31 0,33 0,32 TEMPOS CRONOMETRADOS

48 a) CALCULAR O TEMPO CRONOMETRADO ( Tc ) ( 0,34 + 0,30 + 0,32 + 0,31 + 0,32 + 0,30 + 0,31 + 0,33 + 0,32 ) Tc = ,85 2,85 Tc = = 0,317 centésimos de hora 9 b) CALCULAR O TEMPO NORMAL ( Tn ) COEFICIENTE RITMO COEFICIENTE RITMO Tn = TEMPO CRONOMETRADO ( Tc ) x RITMO DE REFERÊNCIA RITMO DE REFERÊNCIA Vamos supor que o cronometrista avalie o ritmo do operador da Máquina em 125, teremos então : Tn = 0,317 x 125 / 100 = 0,396 centésimo de hora Tn = 0,317 x 125 / 100 = 0,396 centésimo de hora

49 c ) DEFINIR O TEMPO PADRÃO ATRAVÉS DO FATOR DE TOLERÂNCIA 1 Ft = ( 1 - p ) onde : ( 1 - p ) onde : tempo de concessões tempo de concessões p ( permissões ) = p ( permissões ) = ( trabalho em 1 turno – tempo de concessões ) ( trabalho em 1 turno – tempo de concessões ) Concessões : necessidades fisiológicas 19 minutos tempo para cafezinho 5 minutos tempo para cafezinho 5 minutos tempo total 24 minutos tempo total 24 minutos Tempo disponível para produção: tempo de concessões: 24 minutos tempo de concessões: 24 minutos trabalho 1 turno( 8hx60min): 480 minutos trabalho 1 turno( 8hx60min): 480 minutos Tempo disponível para produção: 456 minutos

50 c) DEFINIR O TEMPO PADRÃO DE PRODUÇÃO ATRAVÉS DO FATOR TOLERÂNCIA : TOLERÂNCIA : tempo de concessões : 24 minutos tempo de concessões : 24 minutos tempo disponível para produção : 456 minutos tempo disponível para produção : 456 minutos 24 minutos 24 minutos Permissões ( p ) = = 0, minutos 456 minutos 1 Fator de tolerância ( Ft ) = = 1,055 ( 1 – 0,05263 ) ( 1 – 0,05263 ) Tp = Tn x Ft Tp = Tn x Ft Tp = 0,396 x 1,055 = 0,418 centésimo de hora Tp = 0,396 x 1,055 = 0,418 centésimo de hora

51 TEMPO PADRÃO EM SEGUNDOS : 1 MINUTO 1,67 CENTÉSIMO DE HORA X MINUTOS 0,418 CENTÉSIMO DE HORA 0,418 CENTÉSIMO DE HORA 0,418 CENTÉSIMO DE HORA X MINUTOS = ,67 CENTÉSIMO DE HORA 1,67 CENTÉSIMO DE HORA TEMPO PADRÃO = 0, minuto TEMPO PADRÃO = 0, min x 60 segundo/min TEMPO PADRÃO = 15, = 15,02 segundos

52 EXERCÍCIOS PROPOSTOS 1.Um estudo de tempos de operação de uma máquina acusou um tempo cronometrado médio de 27,50 mi acusou um tempo cronometrado médio de 27,50 mi nutos. O coeficiente de ritmo avaliado pelo crono nutos. O coeficiente de ritmo avaliado pelo crono metrista, foi 120 e a empresa concede 30 minutos metrista, foi 120 e a empresa concede 30 minutos para lanches e 25 minutos para atrasos inevitáveis para lanches e 25 minutos para atrasos inevitáveis em um dia de 8 horas de trabalho. Determine o tem em um dia de 8 horas de trabalho. Determine o tem po normal e o tempo padrão da operação. po normal e o tempo padrão da operação. 2. Uma operação em uma prensa apresenta um tempo padrão de setup de 40 minutos, que se destina a tro padrão de setup de 40 minutos, que se destina a tro car o estampo a cada 1000 peças produzidas. As car o estampo a cada 1000 peças produzidas. As peças são prensadas e têm um tempo normal de 4,5 peças são prensadas e têm um tempo normal de 4,5 segundos. Se a empresa concede um fator de tole segundos. Se a empresa concede um fator de tole rância de 1,3 determine o tempo padrão por peça e rância de 1,3 determine o tempo padrão por peça e por lote de 5000 peças. por lote de 5000 peças.

53 A lanchonete MAX BURGUER faz um estudo de 3. A lanchonete MAX BURGUER faz um estudo de tempos anotando os tempos necessários para o tempos anotando os tempos necessários para o preparo de um sanduíche. As tolerâncias são de preparo de um sanduíche. As tolerâncias são de 15 % ( Ft = 1,15 ). Determinar o tempo normal e 15 % ( Ft = 1,15 ). Determinar o tempo normal e o tempo padrão. o tempo padrão ELEMENTOS CRONOMETRAGENS TEMPO EFICIÊNCIA MÉDIO MÉDIO (SEGUNDOS) ( % ) (SEGUNDOS) ( % ) COLOCAR O HAMBURGUER NA CHAPA COZINHAR DE UM LADO VIRAR E COZINHAR DO OUTRO LADO MONTAR O SANDUÍCHE

54 4 A lanchonete MAX BURGUER, no horário de 12:00 às 13:00, tem um fluxo de clientes que demandam às 13:00, tem um fluxo de clientes que demandam 65 sanduíches no intervalo. De quantos chapeiros 65 sanduíches no intervalo. De quantos chapeiros serão necessários para o atendimento? serão necessários para o atendimento? 5.Um produto industrial é processado em 3 operações cuja a soma dos tempos padrões é de 3,50 minutos. cuja a soma dos tempos padrões é de 3,50 minutos. O tempo padrão do setup é de 5,0 minutos para O tempo padrão do setup é de 5,0 minutos para 1000 peças. As peças produzidas são colocadas em 1000 peças. As peças produzidas são colocadas em um contêiner com capacidade para 100 peças, que um contêiner com capacidade para 100 peças, que quando cheio é fechado e colocado ao lado.O tempo quando cheio é fechado e colocado ao lado.O tempo necessário para essa atividade é de 1,50 minutos. necessário para essa atividade é de 1,50 minutos. Calcular o tempo padrão para cada peça. Calcular o tempo padrão para cada peça.

55


Carregar ppt "ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS MBA DE LOGÍSTICA FAFICA - 3 SISTEMAS DE PRODUÇÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google