A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TM335 - Metrologia Prof. Alessandro Marques www.metrologia.ufpr.br.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TM335 - Metrologia Prof. Alessandro Marques www.metrologia.ufpr.br."— Transcrição da apresentação:

1 TM335 - Metrologia Prof. Alessandro Marques

2 Metrologia – UFPR (slide 2) FICHA No 1 (permanente) Disciplina: Metrologia Código: TM335 Natureza: (x) obrigatória ( ) optativaSemestral ( ) Anual ( ) Modular (x) Pré-requisito: EstatísticaCo-requisito: Modalidade: (x) Presencial ( ) EaD ( ) 20% EaD C.H. Semestral Total: 40h PD: 02 LB: 02 CP: 00 ES: 00 OR: 00 C.H. Semanal: 04h EMENTA (Unidades Didáticas) Sistema Internacional de unidades; Erros de medição; O sistema de Medição; Planejamento da Medição; Calibração de Sistema de medição; Determinação da incerteza de medição; Propagação da incerteza de medição; Sistemas de Tolerâncias e Ajustes; Tolerâncias geométricas; Calibradores; Escalas e nônios; Paquímetros; Micrômetros; Medidores de deslocamento; Instrumentos Auxiliares de Medição; Blocos Padrão; Medição angular. EMENTA DA DISCIPLINA – TM335 Metrologia Legenda: Conforme Resolução 15/10-CEPE: PD- Padrão LB – Laboratório CP – Campo ES – Estágio OR - Orientada

3 Metrologia – UFPR (slide 3) BIBLIOGRAFIA BÁSICA (3 TÍTULOS) 1) Albertazzi, A., Souza, A. R. Fundamentos Metrologia Cientifica e industrial. 407p., Editora Manole, ) Guia para Expressão da Incerteza de Medição (Guide to the Expression of Uncertainty in Measurement - ISO GUM) – Inmetro, ) NBR 6158 – Sistema de Tolerâncias e Ajustes. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR (2 TÍTULOS) 1) Agostinho, O. L.; Rodrigues, A. C. S.; Lirani, J.; Princípios de Engenharia de Fabricação Mecânica - Tolerâncias, ajustes, desvios e analise de dimensões, Editora Edgard Blücher Ltda, São Paulo, ) Link, Walter; Metrologia Mecânica- Expressão da Incerteza de Medição, Edição Mitutoyo - FINEP, São Paulo, Chefe de Departamento: ___________________________________ Assinatura: __________________________________________ EMENTA DA DISCIPLINA – FICHA No 1 (permanente)

4 Metrologia – UFPR (slide 4) FICHA No 2 (variável) EMENTA DA DISCIPLINA – TM335 Metrologia Disciplina: MetrologiaCódigo: TM335 Natureza: (x) obrigatória ( ) optativaSemestral ( ) Anual ( ) Modular (x) Pré-requisito: Estatística Co-requisito: Modalidade: (x) Presencial ( ) EaD ( ) 20% EaD C.H. Semestral Total: 40h PD: 02 LB: 02 CP: 00 ES: 00 OR: 00 C.H. Semanal: 04h EMENTA (Unidades Didáticas) EMENTA (Unidades Didáticas) Sistema Internacional de unidades; Erros de medição; O sistema de Medição; Planejamento da Medição; Calibração de Sistema de medição; Determinação da incerteza de medição; Propagação da incerteza de medição; Sistemas de Tolerâncias e Ajustes; Tolerâncias geométricas; Calibradores; Escalas e nônios; Paquímetros; Micrômetros; Medidores de deslocamento; Instrumentos Auxiliares de Medição; Blocos Padrão; Medição angular. Sistema Internacional de unidades; Erros de medição; O sistema de Medição; Planejamento da Medição; Calibração de Sistema de medição; Determinação da incerteza de medição; Propagação da incerteza de medição; Sistemas de Tolerâncias e Ajustes; Tolerâncias geométricas; Calibradores; Escalas e nônios; Paquímetros; Micrômetros; Medidores de deslocamento; Instrumentos Auxiliares de Medição; Blocos Padrão; Medição angular.

5 Metrologia – UFPR (slide 5) PROGRAMA (itens de cada unidade didática) O SISTEMA MÉTRICO E O SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADES: História dos sistemas de unidades; Unidades, Básicas, secundárias e Derivadas; Formas de registro e expressão das unidades. O SISTEMA MÉTRICO E O SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADES: História dos sistemas de unidades; Unidades, Básicas, secundárias e Derivadas; Formas de registro e expressão das unidades. CARACTERIZAÇÃO DOS DESVIOS DE MEDIÇÃO E REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS DESVIOS DE MEDIÇÃO: Erros sistemáticos, erros aleatórios e erros grosseiros; Tendência e repetividade; Reprodutibilidade; Incerteza padrão, incerteza combinada e incerteza expandida; Teorema do limite Central; Fator de Student e Fator de Abrangência; Diagrama de Ishikawa; Caracterização e identificação das fontes de incerteza de medição; contribuição das principais fontes de incerteza. CARACTERIZAÇÃO DOS DESVIOS DE MEDIÇÃO E REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS DESVIOS DE MEDIÇÃO: Erros sistemáticos, erros aleatórios e erros grosseiros; Tendência e repetividade; Reprodutibilidade; Incerteza padrão, incerteza combinada e incerteza expandida; Teorema do limite Central; Fator de Student e Fator de Abrangência; Diagrama de Ishikawa; Caracterização e identificação das fontes de incerteza de medição; contribuição das principais fontes de incerteza. CONCEITUAÇÃO DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO E CARACTERIZAÇÃO METROLÓGICA DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO. CONCEITUAÇÃO DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO E CARACTERIZAÇÃO METROLÓGICA DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO. CALIBRAÇÃO DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO; Objetivos e Aplicações do resultado de uma calibração; Calibração direta, indireta e parcial; RBC e RBLE; Ajustes e Regulagens; rastreabilidade; Elaboração de um certificado de calibração e de um relatório de ensaios de conformidade. CALIBRAÇÃO DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO; Objetivos e Aplicações do resultado de uma calibração; Calibração direta, indireta e parcial; RBC e RBLE; Ajustes e Regulagens; rastreabilidade; Elaboração de um certificado de calibração e de um relatório de ensaios de conformidade. EMENTA DA DISCIPLINA – FICHA No 2 (variável)

6 Metrologia – UFPR (slide 6) AVALIAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES INDIRETAS. SISTEMA ISO DE TOLERÂNCIA DIMENSIONAL E AJUSTES ; Medidas; diâmetros fundamentais; tolerâncias; unidades de tolerância; qualidades de trabalho; posição do campo de tolerância; escolha da tolerância; controle da produção; forma de indicação da tolerância no desenho; ajustes; terminologia de ajustes; classes de ajustes; sistemas de ajuste; tolerâncias de ajuste; orientação para a escolha de ajustes; ajustes padronizados e limitação do número de calibres; Influência da temperatura; aspectos estatísticos do controle dimensional; acasalamento; ajuste seletivo; ajuste seletivo bilateral; ajuste seletivo unilateral. AVALIAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES INDIRETAS. SISTEMA ISO DE TOLERÂNCIA DIMENSIONAL E AJUSTES ; Medidas; diâmetros fundamentais; tolerâncias; unidades de tolerância; qualidades de trabalho; posição do campo de tolerância; escolha da tolerância; controle da produção; forma de indicação da tolerância no desenho; ajustes; terminologia de ajustes; classes de ajustes; sistemas de ajuste; tolerâncias de ajuste; orientação para a escolha de ajustes; ajustes padronizados e limitação do número de calibres; Influência da temperatura; aspectos estatísticos do controle dimensional; acasalamento; ajuste seletivo; ajuste seletivo bilateral; ajuste seletivo unilateral. ESCALAS E NÔNIOS. ESCALAS E NÔNIOS. PAQUÍMETROS. PAQUÍMETROS. MICRÔMETROS. MICRÔMETROS. MEDIDORES DE DESLOCAMENTO. MEDIDORES DE DESLOCAMENTO. BLOCOS PADRÃO E PINOS PADRÃO. BLOCOS PADRÃO E PINOS PADRÃO. MEDIÇÃO ANGULAR. MEDIÇÃO ANGULAR. EMENTA DA DISCIPLINA – FICHA No 2 (variável)

7 Metrologia – UFPR (slide 7) OBJETIVO GERAL O aluno, no final do curso modular, deverá ser capaz de executar de compreender as fundamentações teóricas da ciência da medição, selecionar adequadamente o método de medição e o sistema de medição mais apropriado para a medição de um peça ou conjunto de peças, elaborar um plano de inspeção, e dominar o manuseio de instrumentos de medição simples, apresentados no decorrer do modulo. O aluno, no final do curso modular, deverá ser capaz de executar de compreender as fundamentações teóricas da ciência da medição, selecionar adequadamente o método de medição e o sistema de medição mais apropriado para a medição de um peça ou conjunto de peças, elaborar um plano de inspeção, e dominar o manuseio de instrumentos de medição simples, apresentados no decorrer do modulo. PROCEDIMENTOS DIDÁTICOS As aulas teóricas serão expositivas, contando com os recursos tais como quadro negro e projetor multimídia. As aulas teóricas serão expositivas, contando com os recursos tais como quadro negro e projetor multimídia. As aulas práticas serão iniciada com demonstrações sobre os equipamentos, seguida da execução e repetição das atividades em grupos de no máximo 3 alunos por bancada, orientados pelo monitor e/ou pelo professor. As aulas práticas serão iniciada com demonstrações sobre os equipamentos, seguida da execução e repetição das atividades em grupos de no máximo 3 alunos por bancada, orientados pelo monitor e/ou pelo professor. EMENTA DA DISCIPLINA – FICHA No 2 (variável)

8 Metrologia – UFPR (slide 8) FORMAS DE AVALIAÇÃO A nota final do conjunto de avaliações será determinada conforme os critérios abaixo: 1) Avaliação dos conceitos teóricos adquiridos: Serão realizadas duas avaliações, como provas individuais, sendo a primeira ao final da 1ª parte da disciplina e a segunda avaliação teórica ao final da 2ª parte da disciplina. O peso da média destas avaliações será de 70 % da nota final da disciplina. 2) Avaliação prática: Ao final das aulas práticas é proposto ao aluno que faça um relatório das atividades da aula prática. O Peso da média destas avaliações será de 30 % da nota final da disciplina. As avaliações serão feitas mediante apresentação de relatórios elaborados por grupos de até 3 alunos. A nota é dada ao grupo. Os relatórios deverão ser entregues até 1ª semana após a realização da aula prática. EMENTA DA DISCIPLINA – FICHA No 2 (variável)

9 Metrologia – UFPR (slide 9) A nota final será calculada pelos critérios acima, se for maior que 70 o aluno é aprovado. Se a nota final estiver entre 40 e 70, o candidato será submetida a uma avaliação que cubra toda a ementa ministrada durante o modulo. A nota média mínima de aprovação é de 50. A nota final será calculada pelos critérios acima, se for maior que 70 o aluno é aprovado. Se a nota final estiver entre 40 e 70, o candidato será submetida a uma avaliação que cubra toda a ementa ministrada durante o modulo. A nota média mínima de aprovação é de 50. O cálculo da Nota Final (NF) será efetuado segundo o critério abaixo: O cálculo da Nota Final (NF) será efetuado segundo o critério abaixo: NF = 0,7 (Média das avaliações dos conceitos teóricos) + 0,3 (Média dos relatórios das aulas práticas). NF = 0,7 (Média das avaliações dos conceitos teóricos) + 0,3 (Média dos relatórios das aulas práticas). NF 70 Aprovado; NF 70 Aprovado; 70 > NF 40 Exame final, considerando a frequência (Resolução 37/97 – CEPE (Artigo 95). 70 > NF 40 Exame final, considerando a frequência (Resolução 37/97 – CEPE (Artigo 95). NF < 40 Reprovado. NF < 40 Reprovado. BIBLIOGRAFIA BÁSICA (3 TÍTULOS) BIBLIOGRAFIA BÁSICA (3 TÍTULOS) BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR (2 TÍTULOS) BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR (2 TÍTULOS) Professor da Disciplina: ____________________________________ Professor da Disciplina: ____________________________________ Assinatura: ______________________________________________ Assinatura: ______________________________________________ Chefe de Departamento: ___________________________________ Chefe de Departamento: ___________________________________ Assinatura: __________________________________________ Assinatura: __________________________________________ EMENTA DA DISCIPLINA – FICHA No 2 (variável)

10 Forma de Avaliação: I) Avaliação dos Conceitos Teóricos adquiridos: Datas previstas para as provas: PROVA 1: 03 de outubro PROVA 2: 24 de outubro II) Avaliação Prática : A) Relatório de Aulas Práticas: medição com paquímetros, micrômetros, comparadores, blocos-padrão, angular e calibração de instrumentos. Data prevista para o Exame final: 31 de outubro 70 > NF 40, considerando a frequência (Resolução 37/97 – CEPE (Artigo 95). É assegurado o direito à segunda chamada ao aluno que não tenha comparecido à avaliação, nos casos e condições constantes no Artigo 106 da Resolução 37/97 – CEPE. TURMA 2013 – 3

11 Livros na internet VIM VOCABULÁRIO INTERNACIONAL DE METROLOGIA VIM VOCABULÁRIO INTERNACIONAL DE METROLOGIA SI - SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADES SI - SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADES Mais bibliografia complementar Rodrigues, R.S. ; METROLOGIA INDUSTRIAL – A MEDIÇÃO DA PEÇA, Formacon. Rodrigues, R.S. ; METROLOGIA INDUSTRIAL – A MEDIÇÃO DA PEÇA, Formacon. Santos Jr., M.J.; Irigoyen, E.R.C.; METROLOGIA DIMENSIONAL – TEORIA E PRÁTICA; 224p.; Editora da Universidade – UFRGS; Santos Jr., M.J.; Irigoyen, E.R.C.; METROLOGIA DIMENSIONAL – TEORIA E PRÁTICA; 224p.; Editora da Universidade – UFRGS; 1995.


Carregar ppt "TM335 - Metrologia Prof. Alessandro Marques www.metrologia.ufpr.br."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google