A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AUTOMAÇÃO Sandra Tabuti Sandra Sauer Samuel Malta Nilson Medeiros.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AUTOMAÇÃO Sandra Tabuti Sandra Sauer Samuel Malta Nilson Medeiros."— Transcrição da apresentação:

1 AUTOMAÇÃO Sandra Tabuti Sandra Sauer Samuel Malta Nilson Medeiros

2 Origem A história da automação industrial começa com a criação das linhas de montagens automobilísticas com Henry Ford, na década de 20, desde então o avanço tecnológico nas mais diversas áreas da automação Industrial tem sido cada vez maior, proporcionando um aumento na qualidade e quantidade de produção e reduzindo custos. A história da automação industrial começa com a criação das linhas de montagens automobilísticas com Henry Ford, na década de 20, desde então o avanço tecnológico nas mais diversas áreas da automação Industrial tem sido cada vez maior, proporcionando um aumento na qualidade e quantidade de produção e reduzindo custos.

3 Definição Automação é a aplicação de técnicas computadorizadas ou mecânicas para diminuir o uso de mão-de-obra em qualquer processo, especialmente o uso de robôs nas linhas de produção. A automação diminui os custos e aumenta a velocidade da produção. Automação é a aplicação de técnicas computadorizadas ou mecânicas para diminuir o uso de mão-de-obra em qualquer processo, especialmente o uso de robôs nas linhas de produção. A automação diminui os custos e aumenta a velocidade da produção. Também pode ser definida como um conjunto de técnicas que podem ser aplicadas sobre um processo objetivando torná-lo mais eficiente, ou seja maximizando a produção com menor consumo de energia, menor emissão de resíduos e melhores condições de segurança, tanto humana e material quanto das informações inerentes ao processo Também pode ser definida como um conjunto de técnicas que podem ser aplicadas sobre um processo objetivando torná-lo mais eficiente, ou seja maximizando a produção com menor consumo de energia, menor emissão de resíduos e melhores condições de segurança, tanto humana e material quanto das informações inerentes ao processo

4 Implementação A automação na operação e na administração diminui custos e aumenta a qualidade, garantindo maior rendimento e controle. Pode se dizer ainda que toda essa comodidade ainda nos fornece agilidade no atendimento e uma junção de dados específicos dos clientes que freqüentam as lojas do varejo. O processo passa por várias fases: o entendimento da necessidade da empresa, a identificação, a comparação e a seleção de alternativas, a implantação, o treinamento e a constante manutenção do sistema. A automação na operação e na administração diminui custos e aumenta a qualidade, garantindo maior rendimento e controle. Pode se dizer ainda que toda essa comodidade ainda nos fornece agilidade no atendimento e uma junção de dados específicos dos clientes que freqüentam as lojas do varejo. O processo passa por várias fases: o entendimento da necessidade da empresa, a identificação, a comparação e a seleção de alternativas, a implantação, o treinamento e a constante manutenção do sistema.

5 Taylorismo Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro Frederick Winslow Taylor ( ), que é considerado o pai da administração científica. Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro Frederick Winslow Taylor ( ), que é considerado o pai da administração científica. Taylor pretendia definir princípios científicos para a administração das empresas. Tinha por objetivo resolver os problemas que resultam das relações entre os operários, como conseqüência modifica-se as relações humanas dentro da empresa, o bom operário não discute as ordens, nem as instruções, faz o que lhe mandam fazer. Taylor pretendia definir princípios científicos para a administração das empresas. Tinha por objetivo resolver os problemas que resultam das relações entre os operários, como conseqüência modifica-se as relações humanas dentro da empresa, o bom operário não discute as ordens, nem as instruções, faz o que lhe mandam fazer. O trabalho taylorizado é especializado, fragmentado, não- qualificado, intenso, rotineiro, insalubre e hierarquizado. O trabalho taylorizado é especializado, fragmentado, não- qualificado, intenso, rotineiro, insalubre e hierarquizado.

6 Fordismo Idealizado pelo empresário Henry Ford ( ), fundador da Ford Motor Company, o Ford ismo se caracteriza por ser um método de produção caracterizado pela produção em série, sendo um aperfeiçoamento do Taylor ismo. Idealizado pelo empresário Henry Ford ( ), fundador da Ford Motor Company, o Ford ismo se caracteriza por ser um método de produção caracterizado pela produção em série, sendo um aperfeiçoamento do Taylor ismo. Ford introduziu em suas fábricas as chamadas linhas de montagem, nas quais os veículos a serem produzidos eram colocados em esteiras rolantes e cada operário realizava uma etapa da produção, fazendo com que a produção necessitasse de altos investimentos e grandes instalações. O método de produção fordista permitiu que Ford produzisse mais de dois milhões de carros por ano, durante a década de O veículo pioneiro de Ford no processo de produção fordista foi o mítico Ford Modelo T, mais conhecido no Brasil como "Ford Bigode". Ford introduziu em suas fábricas as chamadas linhas de montagem, nas quais os veículos a serem produzidos eram colocados em esteiras rolantes e cada operário realizava uma etapa da produção, fazendo com que a produção necessitasse de altos investimentos e grandes instalações. O método de produção fordista permitiu que Ford produzisse mais de dois milhões de carros por ano, durante a década de O veículo pioneiro de Ford no processo de produção fordista foi o mítico Ford Modelo T, mais conhecido no Brasil como "Ford Bigode".

7 O Fordismo, teve seu ápice no período posterior à Segunda Guerra Mundial, nas décadas de 1950 e 1960, que ficaram conhecidas na história do capitalismo como Os Anos Dourados. A crise sofrida pelos Estados Unidos na década de 1970 foi considerada uma crise do próprio modelo, que apresentava queda da produtividade e das margens de lucros. A partir da década de 1980, esboçou-se nos países industrializados um novo padrão de desenvolvimento denominado pós-fordismo ou modelo flexível (toyotismo), baseado na tecnologia da informação. O Fordismo, teve seu ápice no período posterior à Segunda Guerra Mundial, nas décadas de 1950 e 1960, que ficaram conhecidas na história do capitalismo como Os Anos Dourados. A crise sofrida pelos Estados Unidos na década de 1970 foi considerada uma crise do próprio modelo, que apresentava queda da produtividade e das margens de lucros. A partir da década de 1980, esboçou-se nos países industrializados um novo padrão de desenvolvimento denominado pós-fordismo ou modelo flexível (toyotismo), baseado na tecnologia da informação. A forma mais característica de automação é a linha de montagem, criada por Ford (1920), com a qual introduz na indústria a produção padronizada, em série e em massa. A forma mais característica de automação é a linha de montagem, criada por Ford (1920), com a qual introduz na indústria a produção padronizada, em série e em massa. Com o Fordismo, surge um trabalhador desqualificado, que desenvolve uma função mecânica, extenuante e para a qual não precisa pensar. Pensar é a função de um especialista, o engenheiro, que planeja para o conjunto dos trabalhadores dentro do sistema da fábrica Com o Fordismo, surge um trabalhador desqualificado, que desenvolve uma função mecânica, extenuante e para a qual não precisa pensar. Pensar é a função de um especialista, o engenheiro, que planeja para o conjunto dos trabalhadores dentro do sistema da fábrica

8 Toyotismo É um modo de organização da produção capitalista que se desenvolveu a partir da globalização do capitalismo na década de 80. Surgiu no Japão após a II Guerra Mundial, mas só a partir da crise capitalista da década de 70 é que foi caracterizado como filosofia orgânica da produção industrial (modelo japonês), adquirindo uma projeção global. É um modo de organização da produção capitalista que se desenvolveu a partir da globalização do capitalismo na década de 80. Surgiu no Japão após a II Guerra Mundial, mas só a partir da crise capitalista da década de 70 é que foi caracterizado como filosofia orgânica da produção industrial (modelo japonês), adquirindo uma projeção global. O Japão foi o berço da automação flexível, pois apresentava um cenário diferente dos Estados Unidos e da Europa: um pequeno mercado consumidor, capital e matéria-prima escassos, e grande disponibilidade de mão-de-obra não- especializada, impossibilitavam a solução taylorista-fordista de produção em massa. A resposta foi o aumento na produtividade na fabricação, voltados para o mercado externo. O Japão foi o berço da automação flexível, pois apresentava um cenário diferente dos Estados Unidos e da Europa: um pequeno mercado consumidor, capital e matéria-prima escassos, e grande disponibilidade de mão-de-obra não- especializada, impossibilitavam a solução taylorista-fordista de produção em massa. A resposta foi o aumento na produtividade na fabricação, voltados para o mercado externo.

9 O Japão desenvolveu um elevado padrão de qualidade que permitiu a sua inserção nos lucrativos mercados dos países centrais e, ao buscar a produtividade com a manutenção da flexibilidade, o toyotismo se complementava naturalmente com a automação flexível. O Japão desenvolveu um elevado padrão de qualidade que permitiu a sua inserção nos lucrativos mercados dos países centrais e, ao buscar a produtividade com a manutenção da flexibilidade, o toyotismo se complementava naturalmente com a automação flexível.

10 Teoria Sistêmica Cibernética é a ciência da comunicação e do controle, que permite que conhecimentos e descobertas de uma ciência possam ter condições de aplicação a outras ciências. Cibernética é a ciência da comunicação e do controle, que permite que conhecimentos e descobertas de uma ciência possam ter condições de aplicação a outras ciências. A automação ganha força a partir da Teoria Sistêmica sendo uma consequencia da cibernética na administração. A automação ganha força a partir da Teoria Sistêmica sendo uma consequencia da cibernética na administração.

11 Conclusão Os sistemas utilizados por diversos segmentos vem a cada dia se aprimorando, buscando com isso otimizar o tempo e obter maiores resultados. Os sistemas utilizados por diversos segmentos vem a cada dia se aprimorando, buscando com isso otimizar o tempo e obter maiores resultados. Nos últimos anos temos visto uma revolução tecnológica crescente e trazendo novos direcionamentos econômicos, culturais, sociais e educacionais à sociedade. A acelerada transformação nos meios e nos modos de produção, causada pela revolução tecnológica focaliza uma nova era da humanidade onde as relações econômicas entre as pessoas e entre os países e a natureza do trabalho sofrem enormes transformações. Nos últimos anos temos visto uma revolução tecnológica crescente e trazendo novos direcionamentos econômicos, culturais, sociais e educacionais à sociedade. A acelerada transformação nos meios e nos modos de produção, causada pela revolução tecnológica focaliza uma nova era da humanidade onde as relações econômicas entre as pessoas e entre os países e a natureza do trabalho sofrem enormes transformações.


Carregar ppt "AUTOMAÇÃO Sandra Tabuti Sandra Sauer Samuel Malta Nilson Medeiros."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google