A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA - 2013 ANÁLISE DE AMBIENTES (ameaças e oportunidades)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA - 2013 ANÁLISE DE AMBIENTES (ameaças e oportunidades)"— Transcrição da apresentação:

1 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DE AMBIENTES (ameaças e oportunidades)

2 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA ANÁLISE DO AMBIENTE

3 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DE AMBIENTES AMEAÇAS OPORTUNI- DADES

4 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Quanto mais competitivo, instável e complexo o ambiente, se torna maior a necessidade de analisá-lo. ANÁLISE DO AMBIENTE Para facilitar a análise, podemos dividi-la em diversas maneiras, chamadas de componentes, conforme abaixo: RAMO DE NEGÓCIOS MUDANÇAS TECNOLÓGICAS AÇÕES E CONTROLE DO GOVERNO CONJUNTURA ECONÔMICA TENDÊNCIAS SOCIAIS

5 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA FORÇAS COMPETITIVAS RIVALIDADE ENTRE CONCORRENTES AMEAÇAS DE PRODUTOS E SERVIÇOS SUBSTITUTOS PODER DE BARGANHAS DOS COMPRADORES AMEAÇAS DA ENTRADA DE NOVOS COMPETIDORES PODER DE BARGANHA DOS FORNECEDORES

6 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE INTERNA (pontos fortes e fracos)

7 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA ANÁLISE DE PONTOS FORTES E FRACOS ANÁLISE INTERNA

8 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE INTERNA FORTES FRACOS

9 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE INTERNA A análise dos pontos fortes e fracos em uma organização anda em paralelo com a análise de ambiente (externo) e pode ser avaliado através de análise FUNCIONAIS e BENCHMARKING.

10 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE INTERNA FUNCIONAIS A análise ocorrerá através de avaliação de desempenho, segmentando as áreas funcionais da organização, focando ESPECIFICAMENTE os pontos fracos de cada uma delas.

11 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE INTERNA (PONTOS FRACOS) ÁREAS FUNCIONAIS PRODUÇÃO- OPERAÇÕES * Arranjo físico, sequência das operações, métodos de trabalho. * Idade e limpeza das máquinas, equipamentos e instalações. * Flexibilidade dos recursos produtivos. MARKETING E VENDAS * Capacidade de entender o mercado, conhecimento de técnicas de pesquisas e marketing, experiência com o mercado. * Desempenho no lançamento de produtos. RECURSOS HUMANOS * Existência de um departamento de recursos humanos. * Políticas de administração de recursos humanos. FINANÇAS * Fluxo de caixa. * Liquidez. * Solvência. * Retorno sobre investimento.

12 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE INTERNA BENCHMARKING Compara o desempenho de outra organização. Busca melhores praticas de administração. Identificar e ganhar vantagens competitiva.

13 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS

14 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA ANÁLISE DO AMBIENTE ANÁLISE DE PONTOS FORTES E FRACOS DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS

15 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS Elaboração do plano estratégico é consequência de análise. Define, a relação pretendida da organização com seu ambiente, considerando suas competências e recursos. Principais componentes que podem integrar um plano estratégico são: negócio, objetivos, vantagens competitivas e alocação de recursos.

16 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS NEGÓCIO / MISSÃO Análise da Situação Estratégica, estuda a história dos produtos e serviços. Plano Estratégico define quais os produtos e serviços a organização pretende fornecer, para quais mercados e clientes.

17 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS NEGÓCIO / MISSÃO Moderno pensamento estratégico trabalha o com Missão a Negócio. A administração contemporânea dá grande ênfase às partes interessadas (stakeholders), que devem ser incorporadas na missão.

18 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS NEGÓCIO / MISSÃO Com a visão contemporânea a organização empresarial não apenas maximiza os lucros dos acionistas, mais cria valor a para todas as partes interessadas. Partes interessadas: acionistas, empregados, clientes, comunidades, instituições sociais e governamentais, fornecedores e até mesmo os concorrentes.

19 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS NEGÓCIO / MISSÃO A missão organizacional pode perdurar por um bom tempo, porém as mudanças constantes no ambiente, forçam a redefinição da missão. Empresas de petróleo, missão, extração refino e distribuição de óleo; após uma crise do petróleo nos anos 70, tornaram-se, empresas de energias, envolvendo-se nos ramos de carvão, energia solar, nuclear e outras formas de energia. (Shell, Mobil e Exxon).

20 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS NEGÓCIO / MISSÃO A empresa SKF (sueca) missão, produção de rolamentos; após a crise no setor, descobriu que a sua especialidade básica era tratamento em superfícies, sendo assim a SKF, ingressou em outros ramos e explorou novas oportunidades no negócio de tratamento de superfícies.

21 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS NEGÓCIO / MISSÃO Outro componente importante da definição da missão é a VOCAÇÃO. Compreende as áreas que a organização tem facilidade para atuar, por sua vez, é o reflexo de suas competências e recursos. Países do Oriente Médio, vocação produção de petróleo. A vocação de algumas regiões para o turismo é um outro exemplo.

22 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS OBJETIVOS Objetivos são os resultados que a organização deseja realizar. Algumas empresas em seus planejamentos estratégicos, partem deste ponto para após pensar em estratégias, não se preocupando em explicitar sua missão.

23 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS OBJETIVOS Objetivos podem ser enunciados como alvos muitos precisos ou intenções, focalizam qualquer indicador de desempenho que sirva para medir o desempenho. a)participação no mercado; b)retorno sobre investimentos; c)satisfação do cliente, etc.

24 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS OBJETIVOS Exemplos de objetivos: 1)manter posição de liderança entre as empresas da indústria automobilística no Brasil (Volkswagen, General Motors, Ford e Fiat vivem brigando por causa disso). 2)tornar-se uma empresa líder no mercado de material esportivo e não apenas de calçados esportivos.

25 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS VANTAGENS COMPETITIVAS Um plano estratégico deve esclarecer as bases em que a organização pretende diferenciar-se de seus concorrentes. Não existe ramo de atividade que não tenha alguma espécie de concorrência, empresas concorrem pela preferência dos consumidores, a religião pela atenção dos fieis, governos estaduais pela instalação de empresas, etc.

26 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS VANTAGENS COMPETITIVAS Exemplo: Quando a empresa aérea Gol surgiu na praça, não passava de uma promessa. Em menos de dois anos, já era um colosso. No terceiro ano de operação, abril o capital na bolsa de Nova York. As gigantes Varig e TAM viram a sua fatia de mercado encolher e foram obrigadas a disputar espaço nos termos do novo adversário, ou seja, reduziram a tarifa (Exame, ano XXXVIII, n° 23, edição 831, p.91, 24 nov. 2004).

27 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS ALOCAÇÃO DE RECURSOS Representa a transição do planejamento para a implementação da estratégia. As ênfases no uso dos recursos estabelecem os valores e os ativos estratégicos da organização. Os valores, com frequência, transformam-se em lemas ou palavras de ordem que são incorporados à imagem da organização por meio de propaganda.

28 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIAS FUNCIONAIS E OPERACIONAIS

29 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIAS FUNCIONAIS E OPERACIONAIS ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA ANÁLISE DO AMBIENTE ANÁLISE DE PONTOS FORTES E FRACOS DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS ESTRATÉGIAS FUNCIONAIS E OPERCIONAIS

30 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Os planos estratégicos são respostas aos desafios e ás oportunidades do ambiente e dos sistemas internos. A forma de atuar no mercado e competir, definida no plano estratégico, varia de uma organização para outra. Ansoff, Porter, Miles/Snow e Certo, apresentam as principais estratégias dentro de suas visões organizacionais. ESTRATÉGIAS FUNCIONAIS E OPERACIONAIS

31 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIAS FUNCIONAIS E OPERACIONAIS AUTORESTRATÉGIASSIGNIFICADO ANSOFFPenetração no mercadoExploração de produtos tradicionais em mercados tradicionais Desenvolvimento de mercado Produtos tradicionais em novos mercados Desenvolvimento de produtoProdutos novos em mercados tradicionais DiversificaçãoNovos produtos em novos mercados

32 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIAS FUNCIONAIS E OPERACIONAIS AUTORESTRATÉGIASSIGNIFICADO PORTERDiferenciaçãoIdentidade forte do produto Liderança do custoBaixo custo e baixo preço do produto FocoAtuação em nichos de mercado

33 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIAS FUNCIONAIS E OPERACIONAIS AUTORESTRATÉGIASSIGNIFICADO MILES e SNOW DefesaPermanência no mesmo mercado ProspecçãoBusca de novas oportunidades AnáliseAtuação em dois tipos de mercado ReaçãoIncapacidade de fazer ajustes

34 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIAS FUNCIONAIS E OPERACIONAIS AUTORESTRATÉGIASSIGNIFICADO CERTOEstabilidadePermanência no mesmo mercado CrescimentoBusca de novas oportunidades Redução de despesasEliminação de desperdícios

35 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE RÁPIDA

36 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE RÁPIDA ESTRATÉGIA Seleção dos meios para realizar objetivos. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Processo de elaborar a estratégia, observando a relação pretendida da organização com seu ambiente. Compreende o planejamento, a implementação e a avaliação da estratégia. ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

37 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE RÁPIDA PROCESSO ESTRATÉGICO ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA ANÁLISE DO AMBIENTE ANÁLISE DE PONTOS FORTES E FRACOS DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS ESTRATÉGIAS FUNCIONAIS E OPERCIONAIS EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO Processo sistemático de sequência de análise e decisões.

38 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE RÁPIDA Principais Estratégias da Organização - Penetração no mercado – produtos e mercados tradicionais. - Desenvolvimento de mercado – produtos tradicionais e mercados novos. - Desenvolvimento de produto – produtos novos e mercados tradicionais. - Diversificação – produtos e mercados novos.

39 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE RÁPIDA Principais Estratégias da Organização - Diferenciação – identidade forte do produto. - Liderança do custo – baixo custo e baixo preço do produto. - Foco – atuação em nichos de mercado. - Defesa / Estabilidade – permanência no mesmo mercado.

40 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE RÁPIDA Principais Estratégias da Organização - Prospecção / Crescimento – busca de novas oportunidades. - Análise – atuação em dois tipos de mercado. - Reação – Incapacidade de fazer ajustes. - Redução de despesas – eliminação de desperdícios.

41 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA

42 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA POLÍTICAS E PLANOS OPERACIONAIS PROJETOS ÁREAS FUNCIONAIS ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

43 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA POLÍTICAS E PLANOS OPERACIONAIS

44 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA POLÍTICAS E PLANOS OPERACIONAIS POLÍTICAS - Decisões programadas que orientam outras decisões no dia a dia da administração. - Coordena pessoas, atividades e decisões dentro da organização, para que as estratégias possam ser realizadas.

45 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA POLÍTICAS E PLANOS OPERACIONAIS POLÍTICAS - Focalizam o comportamento das áreas funcionais e as relações da organização com seus funcionários, clientes, competidores ou qualquer aspecto de sua atuação. - Ex. 1: Políticas de recursos humanos : desenvolver executivos internamente em vez de recrutá-los no mercado.

46 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA POLÍTICAS E PLANOS OPERACIONAIS POLÍTICAS - Ex. 2: Política de promoção e de relações com a concorrência: promover os produtos da empresa e evitar a menção aos produtos da concorrente. - Ex. 3: Política de relações com clientes: analisar e investigar toda e qualquer reclamação feita por clientes.

47 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA POLÍTICAS E PLANOS OPERACIONAIS PLANOS OPERACIO- NAIS - Ao lado das políticas e dos planos funcionais são instrumentos para implementação da estratégias. - Cronogramas, decisões, orçamentos, normas e procedimentos corporativos e funcionais, são reflexos de decisões sobre o futuro, que procuram colocar em prática as estratégias explícitas e implícitas.

48 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA POLÍTICAS E PLANOS OPERACIONAIS PROJETOS

49 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA PROJETOS - Atividades temporárias com começo, meios e fim programados, que têm como objetivo fornecer um produto singular. - O resultado de um projeto pode ser: a) produto físico (fábrica). b) um conceito (novo SI). c) um evento (jogos olímpicos)

50 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA PROJETOS IMPLEMENTAÇÃO DA ESTARTÉGIA POR ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS DEPENDE DA NATUREZA DAS ATIVIDADES DA REALIZADAS PELA ORGANIZAÇÃO

51 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA PROJETOS ATIVIDADES DAS ORGANIZAÇÕES (ARCHIBALD) OPERAÇÕES CONTÍNUAS Construção Civil Consultoria Serviços sob encomendas, etc Comércio Indústria Bancos, etc PROJETOS

52 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA PROJETOS OPERAÇÕES CONTÍNUAS Realização de projetos patrocinados por clientes externos Fornecimento de bens e serviços de forma contínua PROJETOS Significa escolher os projetos que possibilitam crescer, desenvolver novos produtos e negócios Significa escolher os tipos e dimensões dos produtos e fontes de recursos necessários para realizá-los

53 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA PROJETOS SEJA QUAL FOR O TIPO DE ORGANIZAÇÃO, OS PROJETOS SEMPRE SÃO VEÍCULOS PARA POSSIBILITAR O CRESCIMENTO OU SIMPLES MANUTENÇÃO DAS ATIVIDADES NORMAIS.

54 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA POLÍTICAS E PLANOS OPERACIONAIS PROJETOS ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

55 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL - Alfred Chandler popularizou que A ESTRUTURA SEGUE A ESTRATÉGIA. - A estrutura permanente, desenhada no organograma, demonstrando suas unidades de negócios e áreas funcionais, é o retrato da estratégia explicita ou implícita. - O organograma mostra as áreas em que a empresa está atuando e as formas de lidar com os mercados e os clientes.

56 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA POLÍTICAS E PLANOS OPERACIONAIS PROJETOS ÁREAS FUNCIONAIS ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

57 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ÁREAS FUNCIONAIS CURSOS DE AÇÕES PALNEJADOS, SÃO EXECUTADOS PELAS ÁREAS FUNCIONAIS MarketingTecnologiaOperações Recursos Humanos

58 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA ÁREAS FUNCIONAIS CURSOS DE AÇÕES PALNEJADOS, SÃO EXECUTADOS PELAS ÁREAS FUNCIONAIS MarketingTecnologiaOperações Recursos Humanos

59 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Marketing - Essência de um plano estratégico pelo qual se define os produtos e mercados. - Decisões sobre quais negócios explorar, quais clientes e mercados atender, que produto lançar, a que preço vender e outras. ÁREAS FUNCIONAIS - Pesquisa informações sobre ameaças e oportunidades, que se originam da concorrência, de clientes, fornecedores e outros componentes do ambiente.

60 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Marketing - Tarefa de identificar o cliente e caracterizá-lo em termos de : - interesse. - localização. - idade - renda - outras variáveis. ÁREAS FUNCIONAIS - Traduz a estratégia global da organização em uma estratégia de marketing. - A base é o conceito de Marketing.

61 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Tecnologia - Aplicação do conhecimento para resolver problemas. - Conhecimento de como transformar areia, petróleo e metais em computadores é um exemplo. ÁREAS FUNCIONAIS - Essa área pode ser chamada de P&D, engenharia, desenvolvimento tecnológico, ou outras designações semelhantes.

62 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Tecnologia - Desempenha atividades como:. a) Pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, matérias-primas e processos. ÁREAS FUNCIONAIS b) Aprimoramento de produtos e processos existentes. c) Desenvolvimento de especificações para encomendas de clientes.

63 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Tecnologia ÁREAS FUNCIONAIS d) Construção e teste de protótipos. e) Identificação e catalogação de componentes. f) Compilação e avaliação de ideias de novos produtos. g) Acompanhamento e avaliação de produtos da concorrência.

64 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Tecnologia ÁREAS FUNCIONAIS Para implementar a estratégia corporativa o desafio da área de tecnologia é transformar conhecimento em produtos e serviços. Só é possível atingir os objetivos em virtude das informações fornecidas pela área de Marketing.

65 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Tecnologia ÁREAS FUNCIONAIS O Papel desta área é crucial para implementação de qualquer estratégia, especialmente aquelas que focam: a)exploração de novas oportunidades b)diversificação de produtos c)Manutenção de uma posição de liderança na inovação dos produtos e serviços

66 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Operações ÁREAS FUNCIONAIS Sistema que garante o fornecimento de produtos e serviços definidos pela Função de Marketing. Tem como função de transformar suprimentos em bens ou serviços e os entrega onde são necessários.

67 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Operações ÁREAS FUNCIONAIS Implementa a estratégia corporativa dando resposta a perguntas como: 1) Em que consiste exatamente o produto e serviço? Em se tratando de um produto, como é montado? De que componentes é feito? Quem os fornece? Em e tratando de serviço, como é executado?

68 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Operações ÁREAS FUNCIONAIS 2) Qual sistema de produção: massa, processo ou encomenda? 3) Qual o volume de operações? Ou: que quantidade de bens ou serviços devem ser fornecidos? 4) Que instalações e equipamentos são necessários para fornecer o produto ou serviço? Qual é o esquema de manutenção?

69 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Operações ÁREAS FUNCIONAIS 5) Onde deve ser entregue o produto ou serviço? Qual o esquema de transporte? A administração da função operações envolve outras áreas funcionais como: compras, distribuição, gestão de qualidade, recursos humanos e outras.

70 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Recursos Humanos ÁREAS FUNCIONAIS A realização de planos requer o emprego de pessoas, sendo assim, o RH desenvolve pelo menos as funções básicas de seleção, recrutamento, treinamento recompensa de novos funcionários. Além de competir pelos clientes, as organizações competem também pela mão de obra. Essa competição provoca efeito de criar tendências para gestão de pessoas

71 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Recursos Humanos ÁREAS FUNCIONAIS No limiar do século XXI, algumas tendências que definem a gestão de pessoas são: a) Remuneração de acordo com o desempenho, com participação nos resultados da empresa. b) Preparação de sucessores para os ocupantes de cargos gerenciais, com planos de carreiras e de desenvolvimento individual.

72 UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA Recursos Humanos ÁREAS FUNCIONAIS c) Administração flexível de benefícios, com possibilidade de o funcionário escolher os que mais interessam (cesta de remuneração). d) Programas de trainees técnicos e gerenciais. e) Descentralização da função de recursos humanos, com alocação de especialistas para trabalhar junto com os executivos e os funcionários das áreas funcionais.


Carregar ppt "UNISANT'ANNA – CAMPUS LEOPOLDINA - 2013 ANÁLISE DE AMBIENTES (ameaças e oportunidades)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google