A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A Fotografia e os sentidos ISMT – Multimédia – 1º ano História da Fotografia Paper Sobre Paulo Abrantes Por: Filipe Manuel Paulino Carvalho Aluno 7800.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A Fotografia e os sentidos ISMT – Multimédia – 1º ano História da Fotografia Paper Sobre Paulo Abrantes Por: Filipe Manuel Paulino Carvalho Aluno 7800."— Transcrição da apresentação:

1 A Fotografia e os sentidos ISMT – Multimédia – 1º ano História da Fotografia Paper Sobre Paulo Abrantes Por: Filipe Manuel Paulino Carvalho Aluno 7800

2 Paulo Abrantes

3 Nasceu em Luanda – Angola a 11 de Fevereiro de Reside em Coimbra onde desenvolve a sua actividade profissional como fotógrafo. Iniciou a sua formação fotográfica em 1988, no Centro de Estudos de Fotografia da Associação Académica de Coimbra onde frequentou um curso de iniciação e diversos Workshops. Colaborador e assistente de produção em algumas edições dos Encontros de Fotografia de Coimbra. Trabalhou como repórter fotográfico no Jornal de Coimbra e assinou diversos trabalhos noutros órgãos de informação. Realizou diversas documentações fotográficas de eventos culturais, com destaque para Encontros de Teatro para a Infância, Caminhos do Cinema Português e Encontros Mágicos. Participou em diversas exposições colectivas e individuais. Desde 2001 tem vindo a desenvolver um novo processo fotográfico, imagens impressas em relevo passíveis de ser interpretadas por pessoas invisuais. É Coordenador Técnico e Artístico da Secção de Fotografia da AAC.

4 Exposições individuais (selecção) 2008 OLHAR TÁCTIL Museu da Guarda 2008 CAMINHOS_15 Anos de Memorias Teatro Académico de Gil Vicente, Coimbra 2006 MIRADA TÁCTIL Museu de Salamanca Espanha 2006 MIRADA TÁCTIL Museu de Zamora Espanha 2006 CINESHOT TAGV Coimbra 2005 FOTOGRAFIA TACTIL Colégio Positivo Curitiba, Brasil 2005 LUZ TACTIL Museu municipal de Faro FARO, Capital Nacional da Cultura 2004 VISÃO TÁCTIL II INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT Rio de Janeiro / Brasil 2003 VISÃO TÁCTIL Centro de Congressos de Lisboa 2003 O MENINO com OLHOS de GIGANTE Escola Secundária Jaime Cortesão, Coimbra 2003 TÚNEL de LUZ Terraço / Edifício AAC, Coimbra Anos Associação Académica de Coimbra Nova Sala de Estudo / Edifício AAC 2002 PICTURE: SMPTE Universal Leader T.A.G.V., Coimbra 2002 MP3 Ξ 3 MÁQUINAS DE PROJECÇÃO 77 Cinemas Millénium / Coimbra 2001 RASGANÇO 77 – Cinemas Millénium / Coimbra 2001 RETRATO(S) DO EDÌFICIO Associação Académica de Coimbra 2001 APONTAMENTOS FOTOGRÁFICOS Teatro Académico Gil Vicente, Coimbra 2001 EU e o MUSEU Museu Nacional Machado de Castro, Coimbra 2000 SASUC-FOTOGRAFIAS Lyon, França 2000 TERRAÇO AAC Edifício AAC, Coimbra 1999 UM JARDIM Teatro Académico Gil Vicente, Coimbra 1998 TEMPO TÁCTIL Casa Museu Bissaya Barreto, Coimbra 1998 TÃO LONGE DE SITIO NENHUM Instituto da Juventude, Coimbra 1998 CADA CIDADE É UMA VINGANÇA Departamento de ARQ. / FCTUC, Coimbra 1997 VIAGENS NA MINHA TERRA Casa da Cultura / Coimbra 1994 COIMBRA Casa da Cultura / Cantanhede 1990 PRESENÇA Bar Cais das Colunas, Coimbra

5 Exposições colectivas (selecção) 2008 IMAGENS DA IMAGINAÇÃOX Semana Cultural da UCE. S. Jaime Cortesão 2007 Vamos falar sobre Habitação (em Coimbra)?TAGV, Coimbra 2007 SEM NÓS NEM ABRIGO TAGV, Coimbra Anos Encontros da Imagem Braga 2004 FOTOGRAFIA DE CENA Teatro Académico de Gil Vicente, Coimbra 2003 OLHARES Casa Municipal da Cultura / Coimbra 2002 ALMA CIGANA Sala da Cidade / Coimbra 2000 MEMÓRIAS DA CIDADE Encontros da Imagem / Braga 2000 HANDLE with CARE Museu Nacional Machado de Castro, Coimbra 2000 A BIBLIOTECA e a LEITURA FIL / Lisboa 1995 ACTUS Encontros de Teatro Universitário

6 Bibliografia FRONTEIRAS IMAGINÁRIAS, MC / DRCC VIA LATINA – De Sol a Sol INFTUR SMS – A NOVA VISUALIDADE de COIMBRA OLHARES TÚNEL DE LUZ CH3 CH2 OH ROSTOS SUSPENSOS MEMÓRIAS da CIDADE - Braga REPÚBLICAS de COIMBRA QUEIMA das FITAS – fotografias PRECES À ETERNIDADE MANUCURE de Mário Sá Carneiro

7 Colecções Centro Português de Fotografia Câmara Municipal de Coimbra Museu Nacional Machado de Castro Ministério da Cultura / Delegação Regional do Centro Documentação fotográfica de eventos culturais Encontros de Teatro Universitário / II edição Caminhos do Cinema Português / VI, IX,XI, XII e XIII ed Festival Internacional de Cinema da Figueira da Foz / XXIX ed Festival Internacional de Tunas / IX ed Encontros Mágicos / II,III, IV, V, VI,VII, VIII e IX ed Teatro Académico Gil Vicente / dez jun 2001 Luís de Matos ao Vivo – Making off - RTP 2001 Encontros de Teatro para a Infância / 2003 Filmografia CIDADÂO INVISIVEL, Caminhos do Cinema Português 2005 INTIMA FRACCÂO, Festival Black & White 2006 e ONE TAKE FESTIVAL 2006 _ Croácia

8 Dos diversos trabalhos de Paulo Abrantes, escolhi dois: Coimbra Sec.XXI Cry from the street. As fotos que seguidamente iremos ver não constituem a totalidade de cada colecção, nem tipificam a sua obra, servem apenas para vos apresentar Paulo Abrantes, como fotógrafo e a escolha das imagens foi minha.

9 É uma compilação de fotos da Cidade de Coimbra com o tema Coimbra Sec. XXI Coimbra Sec. XXI Por: Paulo Abrantes

10 Coimbra Sec.XXI

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20 Cry from the street É uma compilação de fotos a grafítis reunída por Paulo Abrantes, em lugares tão distintos como: Marrocos, Barcelona, Coimbra, Faro, Salamanca, Rio de Janeiro, Viseu e Zamora.

21 Cry from the street

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44

45

46

47

48

49

50

51

52

53

54 Foi para todos nós fácil reconhecer o estímulo, a cada imagem, cada paisagem ou simples icone nesta breve visualização, mas Paulo Abrantes tenta ir mais longe, e vem já há algum tempo desenvolvendo e apresentando um conceito diferente de fotografia como a conhecemos. Estou a falar da fotografia táctil ou seja a fotografia com capacidade de ser observada por invisuais. O que Vos passo agora a apresentar, é precisamente o trabalho realizada por Paulo Abrantes sobre fotografia táctil. A maior parte das fotos e documentação é sobre a exposição em Espanha….

55 Mas este é um trabalho já é desenvolvido e exposto desde 2001/ OLHAR TÁCTIL Museu da Guarda 2006 MIRADA TÁCTIL Museu de Salamanca Espanha 2006 MIRADA TÁCTIL Museu de Zamora Espanha 2005 FOTOGRAFIA TACTIL Colégio Positivo Curitiba, Brasil 2005 LUZ TACTIL Museu municipal de Faro FARO, Capital Nacional da Cultura 2004 VISÃO TÁCTIL II INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT Rio de Janeiro / Brasil 2003 VISÃO TÁCTIL Centro de Congressos de Lisboa 2003 O MENINO com OLHOS de GIGANTE Escola Secundária Jaime Cortesão, Coimbra

56 Mirada Táctil Exposição de fotografia que esteve patente nos Museus de Zamora e Salamanca no âmbito do projecto de cooperação cultural entre a DRCC (Direcção Regional da Cultura do Centro) e a Consejeria de Cultura y Turismo de Castilla y León, financiado pelo INTERREG IIIA e denominado Fronteiras Imaginárias, com o acrónimo FRONIMA em Dezembro de 2006.

57 A fotografia inserida nos seus diversos conceitos; artístico, científico ou documental, tem assumido cada vez mais um papel preponderante nos nossos dias na medida que estimula as nossas sensações e memórias. A imagem fotográfica é um meio de comunicação por excelência que, dentro das diversas das formas de comunicação e expressão, mais tem evoluído tecnologicamente. A sua evolução, no domínio digital, tem sido tão galopante quanto a necessidade premente de estar actualizado às novas linguagens, concepções, teorias e utilizações. Este desígnio digital possibilita uma maior divulgação e utilização da fotografia, nomeadamente na impressão de novos suportes, criando assim novas linguagens e consequentemente nos públicos. É nesta perspectiva que a fotografia, impressa num suporte que adquira relevo, permite através do tacto uma nova interpretação da imagem enquanto manifestação artística, documental ou cientifica e introduz a pessoa cega no acesso à arte fotográfica. Através do tacto, sentido que adquire maior importância num invisual, a fotografia fica disponível a todos. A possibilidade de, lado a lado, todos terem acesso à interpretação (visual e táctil) da fotografia, remete-nos para um imprescindível meio de inclusão: a proximidade entre as diferenças. É através do contacto directo com as pessoas que as diferenças diminuem, que os preconceitos se esvaem e onde existe a oportunidade de melhorar a qualidade de vida das pessoas com necessidades especiais. Paulo Abrantes

58 Publicidade instituicional (Ext.)

59 Publicidade instituicional (Int.)

60 Museu de Salamanca (entrada)

61 Equipa da TVE em reportagem

62 Amplamente noticiado na imprensa

63

64 Invisuais reportando opiniões para rádios

65 Invisual tomando contacto com a fotografia Táctil

66 Iremos ver de seguida pequenos vídeos que documentam melhor a fotografia Táctil As peças que iremos visionar são : Spot Multimédia sobre a fotografia Táctil Entrevista por um canal de televisão Brasileiro (exposição no Brasil) Peça de reportagem TVI (exposição em Portugal) Peça de reportagem SIC (exposição em Portugal)

67

68

69

70

71 Espero, com esta apresentação ter contribuído, para a divulgação da obra de Paulo Abrantes e o seu trabalho em fotografia táctil. Espero ter despertado em Vocês também a curiosidade sobre este tipo de fotografia.

72 Este é um trabalho Académico, e foi obtida autorização expressa para a utilização de todo o material contido neste trabalho, para apresentação em contexto de aula. Preservando todos os direitos de Autor.

73 Mensagem de Paulo Abrantes aos estudantes do 1º ano de multimédia – 2008, do ISMT Há cerca de 20 anos atrás, quando iniciei a minha formação em fotografia, a primeira coisa que li no primeiro livro de fotografia que tive acesso dizia: Se as tuas fotografias não são suficientemente boas, não estás suficientemente perto. Estava longe de imaginar que aquelas sábias palavras, de Robert Capa, iriam influenciar-me toda a vida. O estar perto, na minha interpretação, significa tocar a autenticidade. Procurar intensamente pode não conduzir ao caminho certo, deixar-se levar pela autenticidade leva sempre a porto seguro. O processo da fotografia táctil não nasceu de uma procura. Foi apenas o resultado de experiencias autênticas com uma intenção premente; todos poderem ter acesso à livre interpretação de uma imagem fotográfica.


Carregar ppt "A Fotografia e os sentidos ISMT – Multimédia – 1º ano História da Fotografia Paper Sobre Paulo Abrantes Por: Filipe Manuel Paulino Carvalho Aluno 7800."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google