A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ESCRAVIDÃO NO BRASIL - RESISTÊNCIA E TRABALHO -. ANTECEDENTES DA IMPLANTAÇÃO DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL África: comércio de escravos entre as sociedades.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ESCRAVIDÃO NO BRASIL - RESISTÊNCIA E TRABALHO -. ANTECEDENTES DA IMPLANTAÇÃO DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL África: comércio de escravos entre as sociedades."— Transcrição da apresentação:

1 ESCRAVIDÃO NO BRASIL - RESISTÊNCIA E TRABALHO -

2 ANTECEDENTES DA IMPLANTAÇÃO DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL África: comércio de escravos entre as sociedades africanas Portugal no século XV: cultivo da cana-de-açúcar e refino do açúcar desenvolveram-se em Algarves e nas ilhas do Atlântico penetração comercial de portugueses no litoral da África Ocidental: associação entre produção açucareira e escravidão negra foi se consolidando

3 Colonização portuguesa: transferência da produção de açúcar e do trabalho escravo para o Brasil foi uma questão de tempo Início da colonização: escravidão indígena guias, coletores de ervas, lavoura da cana-de-açúcar algumas dificuldades: guerras entre nativos e colonos proteção dos missionários jesuítas aos índios baixa resistência do indígena às doenças de origem européia difícil controle das fugas do indígena para os sertões Opção pela mão-de-obra escrava negra – razões tráfico negreiro: vantagens econômicas para comerciantes portugueses e para a Metrópole Conheciam a agricultura, pecuária, técnicas de trabalho com o ferro. ESCRAVIZAÇÃO INDÍGENA CONTINUOU ATÉ O SÉCULO XVIII

4 ENTRADA DE ESCRAVOS duração das viagens: 40 a 60 dias pelo menos 20% dos negros morriam durante a viagem

5 DIVERSIDADE Simbolismos acompanharam os africanos que vieram escravizados para o Brasil MARCAS TRIBAIS E CORTES DE CABELO

6 RESISTÊNCIA O HOMEM NEGRO NÃO QUERIA A ESCRAVIDÃO. DENTRO DELA, ENTRETANTO, NÃO SE TORNOU MERO FANTOCHE NAS MÃOS DE SEUS SENHORES. OS ESCRAVOS PORTAVAM LÓGICAS INDIVIDUAIS, COLETIVAS E ATIVAS DE RESPOSTAS AO CATIVEIRO.

7 RELAÇÕES ESCRAVO-SENHOR paternalismo / patriarcalismo: senhor agia como pai que disciplinava, castigava e protegia os seus escravos. Estes deveriam retribuir com trabalho, obediência e fidelidade. disciplina do trabalho castigos físicos – garantir a obediência uso de instrumentos de tortura injustiças, humilhações, mutilações físicas e problemas psicológicos NÃO HÁ COMO NEGAR A NATUREZA VIOLENTA DA ESCRAVIDÃO

8

9

10 INSTRUMENTOS DE TORTURA

11 ACORDOS E CONFLITOS JOGO DE EQUILÍBRIOS: SENHORES MANIPULAVAM SEUS ESCRAVOS MAS TAMBÉM ERAM POR ELES MANIPULADOS Alforrias: reconstruindo as pequenas histórias de libertação descobrimos que elas são cheias de enormes esforços por parte dos escravos Acordos acertados entre escravos e proprietários

12 ACORDOS E CONFLITOS JOGO DE EQUILÍBRIOS: SENHORES MANIPULAVAM SEUS ESCRAVOS MAS TAMBÉM ERAM POR ELES MANIPULADOS BRECHA CAMPONESA... costumam alguns senhores de engenho distribuir, para cada escravo, as jeiras de terras de que ele necessita, com relação ao seu estado; feriando de cada semana, um até dois dias, para neles trabalhar cada um na sua roça; donde não só tiram os escravos da farinha, do milho, e o feijão de que se sustentam, eles, suas mulheres e seus filhos, nestes dias em que trabalham para si; mas também, pelos dois, três quatro ou cinco meses em que não moem os engenhos. E o caso é que, por experiência certa, não somente tiram os pretos das terras que lavram a farinha precisa para seu sustento; mas chegam a vender quase todos os gêneros de lavoura, além de muitas criações; até juntarem as somas com que se libertam, a si e seus filhos. FERREIRA, Alexandre. Estado presente da agricultura do Pará, 1784.

13 Meu senhor, nós queremos paz e não queremos guerra; se meu senhor também quiser, nossa paz há de ser nesta conformidade, se quiser estar pelo que nós quisemos a saber [...] Em cada semana nos há de dar os dias de sexta-feira e sábado para trabalharmos para nós, não tirando um destes dias por causa de dia santo. Para podermos viver nos há de dar rede, tarrafa e canoas [...] Os atuais feitores não os queremos, faça eleição de outros com a nossa aprovação [...] Poderemos plantar nosso arroz onde quisermos e em qualquer brejo, sem que para isso peçamos licença, e poderemos cada um tirar jacarandás ou qualquer outro pau sem darmos parte para isso. A estar por todos os artigos acima e conceder-nos estar sempre de posse da ferramenta, estamos prontos para servirmos como dantes, porque queremos seguir os maus costumes dos mais engenhos. Poderemos brincar, folgar e cantar em todos os tempos que quisermos sem que nos impeça e nem seja preciso licença. * Este documento foi encontrado em arquivos portugueses e publicado originalmente em: SCHWARTZ, Stuart B. "Resistance and Accommodation in Eighteenth-Century Brazil: The Slaves view of Slavery". HISPANIC AMERICAN HISTORICAL REVIEW, Volume 57, número 1, pp TRATADO PROPOSTO À MANOEL DA SILVA FERREIRA PELOS SEUS ESCRAVOS DURANTE O TEMPO EM QUE SE CONSERVARAM LEVANTADOS, C.1789 [Engenho de Santana, Recôncavo da Bahia, século XVIII]*

14 O RELATO A SEGUIR FEZ PARTE DE UM INQUÉRITO POLICIAL ACERCA DE DETERMINADA REVOLTA ESCRAVA, OCORRIDA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO EM O crioulo Constâncio, escravo de Guilherme Teles Ribeiro, natural da província do Rio de Janeiro, de 22 anos, presumíveis, solteiro, analfabeto, carroceiro, filho de Silvestre e de Isabel, oferece uma versão bastante detalhada dos acontecimentos (...): [...] que há cinco meses está em casa de José Moreira Veludo para ser vendido e que logo que aí chegou os outros escravos começaram a falar que era preciso darem pancadas em Veludo porque era muito mau e que só assim sairiam do poder dele; que ontem Bonifácio crioulo convidou ao interrogado para unir-se a ele e aos outros companheiros para matarem a Veludo e o interrogado concordou isso devia ter lugar na hora em que Veludo descesse para curar o preto Tomé; que hoje à tarde estando Veludo curando tal preto, seguiu para o lugar em que ele estava o preto Bonifácio e estando o interrogado no quintal ouviu barulho de bordoadas e gritos de Veludo então para lá correu e viu Veludo caído no chão e muitos dos acusados dando-lhe bordoadas, entre os quais o preto Marcos que dava com uma palmatória dando-lhe pela cabeça e pelo corpo; então servindo-se o interrogado de um pau curto que consigo levava deu em Veludo duas cacetadas no pescoço e nessa ocasião intervindo o caixeiro em favor de Veludo, deu-lhe o interrogado duas cacetadas e depois fugiu para o quintal onde foi preso [A 86; grifo no original]. CHALHOUB, Sidney. Visões da Liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo, Companhia das Letras, p. 30.

15 No dia-a-dia: desobediência diminuição deliberada do ritmo de trabalho sabotagem pequenos roubos de mantimentos, bebidas e roupas feitiçaria capoeira impermeabilidade cultural Formas declaradas de resistência: rebeliões fuga individual ou coletiva formação de quilombos autodestruição por suicídio abortos e matança de filhos recém-nascidos ataques físicos contra senhores, administradores e feitores participação nas irmandades leigas

16 Um dos expedientes largamente usados foram os intercursos sexuais mantidos com os senhores ou com outros proprietários. Estratégia quase exclusiva das mulheres, a intimidade amorosa sofreu variações e resultou em situações bastante diversas. Os contatos foram efêmeros, ocorreram periodicamente ou transformaram-se em uniões duradouras; foram mantidos em segredo ou assumidos pelos parceiros; caracterizaram-se pela presença de filhos e ensejaram um número de alforrias, das mães e dos rebentos bastardos. Eles podiam propiciar, também, uma vivência menos penosa no período de cativeiro. (PAIVA, Eduardo França. Escravos e libertos em Minas Gerais do século XVIII. São Paulo, Annablume, 1995)

17 TRABALHO ESCRAVO

18 ESCRAVISMO ASSOCIADO À AGRICULTURA DE EXPORTAÇÃO No engenho, intenso ritmo de trabalho: 6 meses do ano (fev-jul): plantar canaviais, cortar lenha a ser usada na produção do melaço; consertos diversos; pequenas plantações de alimentos; durante a safra, o engenho funcionava 24 horas por dia.

19 ESCRAVISMO ASSOCIADO A OUTRAS ATIVIDADES E À MINERAÇÃO Fumo Farinha e cereais Mineração Abastecimento da região mineradora – presença do trabalho escravo.

20 DIVERSIDADE DE ATIVIDADES Salvador - escravos mais numerosos que livres: escravos domésticos, de aluguel e de ganho Carregadores Pescadores Estivadores Vendedoras Barqueiros Serviços domésticos Ofícios artesanais: aprendizes, ajudantes e mestres Rio de Janeiro, Olinda e Recife e nas regiões da mineração (Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás) apresentaram o mesmo quadro.

21

22

23

24

25

26 E MAIS... construção de navios negreiros – indústria naval do século XVII; pesca e refino do óleo de baleia; mulheres escravas produziam panos em roupas – indústria doméstica; Minas Gerais: indústria do ferro; Rio de Janeiro do século XIX – setor manufatureiro: luvas, meias, chapéus, cerâmicas e charutos

27 ESCRAVOS TRABALHANDO PARA SI Meio rural: brecha camponesa - concessão de dias livres foi acompanhada pelo plantio de pequenas roças; excedentes entravam nos mercados locais; Centros urbanos: escravos de ganho estavam livres para embolsar a renda excedente; Minas Gerais – século XVIII: mineradores escravos trabalhavam aos domingos e encontravam os veios mais ricos de ouro.

28 Nos núcleos urbanos: escravos artesãos e prestadores de serviços entregavam uma quantia fixa aos seus senhores escravos e escravas estiveram envolvidos com atividades comerciais – convívio com pessoas livres, alforriadas e escravas ESCRAVOS DE GANHO

29 ANÁLISE ICONOGRÁFICA

30 NA BIBLIOTECA LIBBY, Douglas C. e PAIVA, Eduardo França. A escravidão no Brasil: relações sociais, acordos e conflitos. São Paulo, editora Moderna, (coleção Polêmica) MAESTRI,Mário. O escravismo no Brasil. São Paulo, editora Atual, (coleção Discutindo a História do Brasil) NEVES, Maria de Fátima R. das. Documentos sobre a escravidão no Brasil. São Paulo, ed. Contexto, (coleção Textos e Documentos; 6) QUEVEDO, Júlio e ORDOÑEZ, Marlene. Escravidão no Brasil: trabalho e resistência. São Paulo, ed. FTD, (coleção Para conhecer melhor) TREVISAN, Leonardo.Abolição: um suave jogo político? São Paulo, editora Moderna, (coleção Polêmica


Carregar ppt "ESCRAVIDÃO NO BRASIL - RESISTÊNCIA E TRABALHO -. ANTECEDENTES DA IMPLANTAÇÃO DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL África: comércio de escravos entre as sociedades."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google