A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ESCRAVIDÃO EM SERGIPE. PLANO DE APRESENTAÇÃO Márcia Karine Roseli Charles.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ESCRAVIDÃO EM SERGIPE. PLANO DE APRESENTAÇÃO Márcia Karine Roseli Charles."— Transcrição da apresentação:

1 ESCRAVIDÃO EM SERGIPE

2 PLANO DE APRESENTAÇÃO Márcia Karine Roseli Charles

3 Foi para trabalhar como criados particulares que os primeiros escravos africanos chegaram ao Brasil. Schwartz (1988) indica que nas décadas de 1550 e 1560 praticamente não havia cativos africanos nos engenhos do Nordeste.

4 De acordo com Lindolfo Amaral, em seu livro Sergipe, história povo e cultura, o território sergipano pertencia a Capitania da Bahia, semelhante a outros territórios do Brasil, seu donatário, Francisco Pereira Coutinho, podia: prender e escravizar os índios para obrigá-los ao trabalho da extração das riquezas e para o cultivo da terra, porém dos mesmos foram resistentes à escravidão o que obrigou os portugueses a utilizar mão-de- obra africana.

5 A transição para uma força de trabalho africano foi efetuada nas primeiras duas décadas do século XVIII, época que a indústria açucareira experimentava rápida expansão. Conforme afirma o historiador Schwartz (1988), as relações de escravos remanescentes de três engenhos do século XVI indicam que havia um alto percentual de africanos com várias especializações e que as tarefas mais complexas atribuídas a escravos eram invariavelmente realizadas por africanos.

6 Conforme Mott (1986), a maior parte dos escravos em Sergipe vinha de Angola. Fonte: MAPA DA ÁFRICA SUBSAARIANA

7 ORIGEM DOS ESCRAVOS – PROVINCIA DE SERGIPE EM 1785 OrigemTotal% Nacional53866,0 Africana27634,0 Total814100,0 Tabela 1 Gráfico 1

8 Por volta de 1595 foi estabelecida a povoação de São Cristovão; Foi transferida em meados de 1607 para as proximidades do Rio Vaza-Barris. Inicialmente engenhos se desenvolveram pela foz dos Rios Cotinguiba, Sergipe e Japaratuba. Em 1740, Sergipe possuía em torno de 25 engenhos cujos produtos faziam parte da produção baiana (SCHWARTZ, 1988, p.91).

9 No século XVIII, a mão-de-obra africana foi de suma importância para a economia da região. Em meados do mesmo século, aumenta significativamente o número de escravos negros em todos os setores produtivos como engenhos, roças, pastos e canaviais.

10 Os engenhos sergipanos eram menores que os baianos, uma relação de propriedades utilizadas de braços escravos nas paróquias ao redor de São Cristovão, em 1785, revelou que os engenhos possuíam em média 24 escravos e nenhum deles ultrapassava cem cativos (SCHWARTZ, 1988, p.91). Conforme a tabela abaixo, de 1740 a 1800 o número de engenhos em Sergipe era: Engenhos de Sergipe AnoQtd Engenhos Início Tabela 2

11 Escravos Rurais Semelhante ao que acontecia nos demais territórios do pais, os escravos rurais em Sergipe estavam concentrados nas lavouras de cana-de-açúcar e também na pecuária, em atividades de plantio, colheita, produção de açúcar e carregamento de produtos. Também trabalhavam em lavouras de subsistência. Os trabalhadores de dentro da casa grande tinham trabalhos mais amenos, como cozinhar, cuidar das crianças ou das senhoras, cocheiros, entre outros.

12 Escravos Urbanos Quanto aos escravos urbanos trabalhavam em diversas especialidades, como lavadeiras, engomadeira, cozinheira e como ama, serralheiros, vendedores e ferreiros. Serviam inclusive para carregar cadeira de arruar ou liteira. Outros eram chamados de ganhadores, os mesmos prestavam serviço de rua (mando e recado). Entre os diversos usos dos escravos urbanos existia também o aluguel, os senhores normalmente anunciavam em jornais o aluguel de escravos para todos os tipos de serviço.

13 Castigos Em relação aos castigos aplicados aos escravos, em Sergipe não era muito diferente do restante do país. Eram aplicados pela insubordinação dos mesmos castigos como surras com açoites e tomar ferro (ferro amarrado em volta do pescoço ou corrente amarrada aos pés).

14 Reação contra a Escravidão A reação mais comum dos escravos para combater o regime de escravidão eram as fugas. Os mesmos em geral justificavam as fugas devido aos maus tratos, castigos e ainda no caso das escravas o abuso sexual por parte dos seus senhores, feitores e outros. Em todo território sergipano eram constantes as fugas, quer seja de homens ou mulheres, jovens ou adultos, escravos rurais ou urbanos, sendo as mesmas noticiadas pelos jornais.

15 Um estudo de Mott intitulado O escravo nos anúncios dos jornais de Sergipe, analisa 130 anúncios do Correio Sergipense entre 1838 a 1864 de negros fujões. O mesmo estudo analisou a fuga de 144 escravos entre 1840 a 1864, o autor afirmou que maior parte das fugas eram feitas individualmente e algumas vezes em pequenos grupos. Muitos deles se reuniam em quilombos, que no país ficou conhecido como ajuntamento de escravos fugidos. Em Sergipe, a expressão quilombo não era comum, os ajuntamentos de escravos fugidos eram chamados de Rancho, Coito ou Mucambo. Em geral possuíam de 10 a 15 componentes.

16 Bandoleirismo Muitos dos escravos fugidos praticavam o bandoleirismo, ou seja, práticas de bandoleiros (roubos, ataques, pilhagens, invasão, entre outros), segundo Moura (2004) no caso de Sergipe durante muito tempo esse bandoleirismo agiu, assaltando vilas e povoados para obter víveres e munições. Um dos bandoleiros mais ativos na região foi, sem dúvida, o negro João Mulungu e o seu parceiro Manuel Jurema.

17 João Mulungu João Mulungu foi um dos escravos fugido e bandoleiro mais famoso do século XIX, tinha uma rede de informantes nas vilas e povoados da área de Divina Pastora. (...) Era crioulo e dizia que preferia morrer enforcado a voltar a seus antigos senhores (MOURA, 2004, p.283).

18 Foi de difícil captura, mesmo do mato, pelos seus contatos ficava sabendo do que acontecia na vila. Segundo um dos seus captores tinha 25 anos quando capturado e desejou ser enforcado a voltar para seus senhores. Seu primeiro Rancho foi no engenho Boa Vista e o segundo em Divina Pastora. Devido aos constantes conflitos na primeira metade do século XIX foi criada legislação que proibia o uso de armas e objetos perfurantes pela população não branca.

19 Líderes negros de destaque nas revoltas Entre os líderes negros de destaque nas revoltas ocorridas em Sergipe podem ser citados: o pardo, Antônio Pereira Rebouças, em Laranjeiras, o preto liberto, Sebastião Soares, o crioulo Fujão, em Rosário do Catete, e o alferes dos Henriques, Sebastião Paiva Noronha, em Santo Amaro das Brotas (Museu do Homem Sergipano, 2009).

20 Quilombos em Sergipe Acredita-se que no século XIX existiam em Sergipe ajuntamento de escravos fugidos nas províncias de: Japaratuba, Rosário do Catete, Siriri, Divina Pastora, Aracaju, Itaporanga, Maroim, Laranjeiras e Capela. Destacando-se pela audácia, esperteza e trabalho que deram para serem capturados os escravos: José da Silva, José Maroim, Joaquim, Ilário, João Mulungu, Manoel Hora, Izidoro, Frutuoso, Malaquias, Laureano e Saturnino (Museu do Homem Sergipano, 2009).

21 Abolição em Sergipe

22 Conforme Mott (1986): Em 1820 ocorre a emancipação da Capitania de Sergipe que se transforma em província. Em 1852 o estado já possuía 680 engenhos. O crescimento econômico de Sergipe, baseado na cultura de cana-de-açúcar, de algodão, de mandioca, de coco, entre outros, ocasionou o crescimento populacional. Segundo Amaral, em 1856 o recenseamento revela a grande presença negra, tendo alguns municípios população escrava superior a população livre, como Japaratuba. Ao fim do século após a abolição da escravatura, era este o quadro da proporcionalidade das raças:

23 Quadro de Proporcionalidade das Raças BRANCOSPRETOSCABOCLOSMESTIÇOS 29,78%14,77%6,52%48,99% Tabela 3 Gráfico 3

24 Subrinho (1987, p. 37) afirma que os engenhos de açúcar se mantiveram, baseados na mão-de-obra escrava, até as proximidades da abolição, ao mesmo tempo em que, também, utilizaram mão-de-obra livre. A partir da Lei de 28/set/1871 (Lei do Ventre Livre) é criado no país, por conseguinte também em Sergipe, o Fundo de Emancipação para libertação dos escravos, conforme artigo 3º. da referida lei.

25 No Volume II dos Autos Judiciais do Século XIX ( ), da Comarca de Aracaju podemos encontrar registros de petições relacionados a nomear árbitros para avaliação; termos de acordo de liberdade; pagamento por libertação de escravos; classificação de escravo para liberdade, entre outros, conforme quadro abaixo: AnoQtd. Processos Processos Judiciais - Fundo de Emancipação - Comarca Aracaju

26 Uma das principais formas de atuação do movimento abolicionista no Brasil se deu na defesa dos escravos na Justiça. Em Sergipe, a grande liderança abolicionista foi Francisco José Alves, que ganhou mais de cem causas de liberdade, sendo que a maior parte delas se encontra no Arquivo Judiciário (Arquivo Judiciário de Sergipe, 2009). Ainda s egundo Mott (1986, p.144), ao citar a composição demográfica de escravos em 1872, afirma que existiam naquele ano escravos no estado.

27 COMPOSIÇÃO DEMOGRÁFICA DOS ESCRAVOS DE SERGIPE EM 1872 – POR NACIONALIDADE OrigemTotal% Nacional ,8 Africana1.3956,2 Total ,0 Tabela 4 Gráfico 4

28 Em 1885 era promulgada a Lei dos Sexagenários, que tornava livre os escravos com mais de 60 anos. A Abolição foi resultado de movimento popular contra a escravidão. Em 1888 com a abolição dos escravos em todo pais, os escravos em Sergipe tenderam a abandonar seus senhores. Houve dificuldade para introdução dessa força de trabalho nos postos de serviços de trabalho assalariado.

29 BIBLIOGRAFIA AMARAL, Lindolfo Alves. Sergipe, história povo e cultura. Aracaju: SEED/SE e Pronese. Arquivo Judiciário. Exposição virtual – 120 anos de abolição. Disponível em: task=view&id=69&Itemid=0. Acesso em: 02 jul task=view&id=69&Itemid=0 CARDOSO, Amâncio. Faces da escravidão urbana em Sergipe, séc. XIX. Disponível em: atalogo=5&inicio=30. Acesso em: 01 jul atalogo=5&inicio=30 Catálogo da Comarca de Aracaju. Coordenação Eugênia Andrade Vieira da Silva. v 2. Aracaju : TJ - Arquivo Judiciário, MOTT, Luiz Roberto de Barros. Sergipe Del Rei: População, Economia e Sociedade. Aracaju: Fundesc, MOURA, Clóvis. Dicionário da escravidão negra do Brasil. São Paulo: EDUSP, Museu do Homem Sergipano. O negro em Sergipe. Disponível em: Acesso em: 01 jul SCHWARTZ, Stuart B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial Tradução por MOTTA, Laura Teixeira. São Paulo: Companhia das Letras, SUBRINHO, Josué Modesto dos Passos. História econômica de Sergipe (1850 – 1930). Aracaju: UFS, 1987.


Carregar ppt "ESCRAVIDÃO EM SERGIPE. PLANO DE APRESENTAÇÃO Márcia Karine Roseli Charles."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google