A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Estradas da Madeira. Introdução O acidentado inacreditável do solo madeirense permaneceu durante mais de quatro séculos à construção duma rede de estradas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Estradas da Madeira. Introdução O acidentado inacreditável do solo madeirense permaneceu durante mais de quatro séculos à construção duma rede de estradas."— Transcrição da apresentação:

1 Estradas da Madeira

2 Introdução O acidentado inacreditável do solo madeirense permaneceu durante mais de quatro séculos à construção duma rede de estradas que servisse a vida de todas as populações.

3 Separadas estas umas das outras por alterosas montanhas, rochas inacessíveis, profundos desfiladeiros ou ribeiras caudalosas, viviam quase no isolamento como as das antigas cidades gregas, comunicando-se e reunindo-se só em determinadas épocas do ano por motivos políticos ou religiosos.

4 . A maior parte das estradas eram carreiros de pé-posto, e as que tinham o nome de nacionais não passavam de estreitas veredas praticadas no solo, de penoso e dificílimo piso, sobranceiras a insondáveis abismos, costeando flancos de elevadas montanhas e oferecendo quase sempre aos viandantes os mais graves incómodos e perigos.

5

6

7 Actualmente

8 É o maior investimento da história da Madeira. Iniciado em 1989 com a construção da via rápida para a Ribeira Brava e Machico, que se completou no ano 2000, desde então foram construídos 108 quilómetros de vias rápidas e expresso, estando em execução os restantes 27,5 km de uma rede que terá 135,7 km de extensão.

9 Resultando de um investimento de 1.814,6 milhões de euros, as novas vias da Madeira foram construídas graças a uma opção de engenharia que levou à construção de 135 pontes e viadutos e mais de cem túneis, estruturas que, naturalmente, para além da sua complexidade e elevado custo, têm agora encargos de manutenção exigentes.

10 Curiosidade A título de curiosidade, a obra mais cara foi, naturalmente, a ligação entre a Ribeira Brava e Machico (600 milhões de euros), Embora o túnel da Encumeada tenha sido o mais oneroso, pois custou cerca de 26 milhões de euros. A par da construção do troço Machico/Caniçal (156 milhões), se tornaram nas obras mais caras, por quilómetro.

11 REPARAÇÕES FEITAS A CADA 7 MILHÕES DE VEÍCULOS Deste modo, as grandes reparações do pavimento estão previstas no modelo em função do tráfego, mais precisamente, a cada passagem de 7 milhões de veículos pesados.

12 VISTORIAS ANUAIS E A CADA 5 ANOS

13 As obras de arte (pontes e viadutos) sofrem inspecções de rotina todos os anos e inspecções principais a cada 5 anos. Em função das observações, são programados os trabalhos a fazer que cobrem tudo, começando na estrutura propriamente dita (fendilhamento, assentamentos, etc.) e indo até ao seu equipamento (juntas, aparelhos de apoio, etc.).

14 Nos túneis, o funcionamento da iluminação, ventilação, CCTV, equipamento de combate a incêndios, sinalização cruz/seta, painéis de mensagens variáveis, galerias de emergência, etc.. As paredes dos túneis são pintadas quando se justifica, em princípio, uma vez a cada 5 anos".

15 Por Fim Resta acrescentar que trabalham em contacto directo com os automobilistas a Vialitoral com cerca de 30 pessoas, e um pouco menos na Viaexpresso. É filosofia das mesmas o resultado de um trabalho de prestações de serviço externamente, sobretudo na área das obras, patrulhamento e assistência permanente, iluminação, ventilação, limpeza, conservação de verdes, consultorias diversas.

16 Este trabalho elaborado Por: Ana Isabel Abreu Ana Câmara Laura. Webgrafia html


Carregar ppt "Estradas da Madeira. Introdução O acidentado inacreditável do solo madeirense permaneceu durante mais de quatro séculos à construção duma rede de estradas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google