A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MAX WEBER INTRODUÇÃO: Weber e seu tempo. EPISTEMOLOGIA E METODOLOGIA: compreensão e tipo-ideal OBJETO CENTRAL DA SOCIOLOGIA: ação social, seus contextos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MAX WEBER INTRODUÇÃO: Weber e seu tempo. EPISTEMOLOGIA E METODOLOGIA: compreensão e tipo-ideal OBJETO CENTRAL DA SOCIOLOGIA: ação social, seus contextos."— Transcrição da apresentação:

1 MAX WEBER INTRODUÇÃO: Weber e seu tempo. EPISTEMOLOGIA E METODOLOGIA: compreensão e tipo-ideal OBJETO CENTRAL DA SOCIOLOGIA: ação social, seus contextos e efeitos. PROBLEMÁTICA HISTÓRICO-TEÓRICA: racionalização do mundo e seus efeitos

2 INTRODUÇÃO: Weber e seu tempo Historicismo. Procurava restituir a marca de cada época e de cada cultura com a finalidade de inscrever a história no terreno dos fatos. W. Dilitthey Utilitarismo Alemão. Agentes sociais como átomos da sociedade. Categorias econômicas pensadas sem a consideração sem o contexto social. Menger. Positivismo Francês. Comte e Durkheim.

3 ORDEM SOCIAL A SOCIEDADE NO INDIVÍDUO. X O INDIVÍDUO NA SOCIEDADE. X O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

4 O traço distintivo das ciências do homem em relação às ciências da natureza é dela se confrontar a seres conscientes que agem em função de valores, de crenças, de representações, de cálculos e que não se limitam a reagir aos estímulos do meio ambiente.(M. Weber) O traço distintivo das ciências do homem em relação às ciências da natureza é dela se confrontar a seres conscientes que agem em função de valores, de crenças, de representações, de cálculos e que não se limitam a reagir aos estímulos do meio ambiente.(M. Weber)

5 EPISTEMOLOGIA E METODOLOGIA As estruturas sociais não existem independentemente das ações dos indivíduos. Trata-se de buscar entender entidades coletivas que não se mostram diretamente considerando a ação dos indivíduos.

6 E la não é uma atividade puramente especulativa nem uma análise ligada estreitamente à prática política. O QUE É A SOCIOLOGIA PARA WEBER?

7 A sociologia é uma ciência que se propõe compreender pela interpretação a ação social e por seu intermédio explicar causalmente seu desenrolar e seus efeitos. Nós entendemos por atividade um comportamento humano (...) quando o agente ou os agentes lhe comunica um senso subjetivo. E por atividade social a atividade que, segundo O sentido visado pelo agente ou os agentes se relacionam ao comportamento de outro, segundo o qual orienta seu desenrolar.

8 Julgamento com Valores Toda atividade mantém relações com os valores, banhada na história da qual não se pode escapar. Toda ciência está construída à partir dos valores da época. J ulgamento de Valor Apreciação que introduz uma irracionalidade na prática científica. Solução: Vigilância Epistemológica. Prática científica dotada de uma ética.

9 … NA ESFERA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS UMA DEMONSTRAÇÃO METODICAMENTE CORRETA, QUE PREDENTE TER ATINGIDO SEU OBJETIVO, DEVE SER RECONHECIDA COMO EXATA DA MESMA MANEIRA POR UM CHINÊS.... … NA ESFERA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS UMA DEMONSTRAÇÃO METODICAMENTE CORRETA, QUE PREDENTE TER ATINGIDO SEU OBJETIVO, DEVE SER RECONHECIDA COMO EXATA DA MESMA MANEIRA POR UM CHINÊS....

10 Compreender Compreender Interpretar InterpretarSociologia Explicar a causalidade. Explicar a causalidade. A SOCIOLOGIA É UMA CIÊNCIA COMPREENSIVA E EXPLICATIVA DUAS DIREÇÕES DE CAUSALIDADE

11 Causalidade histórica. Causalidade sociológica. Circunstâncias únicas causadoras de um fenômeno. Relação regular entre dois fenômenos. Regular, mas probabilística, provável, aproximativa X INEVITÁVEL. Fenômeno A favorece mais ou menos O surgimento do fenômeno B.

12 CAUSALIDADE HISTÓRICA e SOCIOLÓGICA. Causalidade histórica. Causalidade Histórico-Sociológica Acontecimento particular: como aconteceu a guerra de 1914? Importância das contingências e eventos históricos. Acontecimento de vasto significado histórico: como surgiu o capitalismo?

13 CAUSALIDADE HISTÓRICA e SOCIOLÓGICA. Metodologia de Weber: causalidade histórica e causalidade sociológica. Causas prováveis ou possíveis O Planejamento econômico torna impossível um regime democrático? A propriedade privada dos meios de produção torna inevitável o poder político controlado pela minoria proprietária? As relações causais sãos sempre parciais, prováveis e não são necessariamente unilaterais.

14 CAUSALIDADE HISTÓRICA e SOCIOLÓGICA. Causalidade parcial e analítica. Um elemento da sociedade não determina o conjunto da sociedade. O futuro de uma sociedade não pode ser deduzido de um elemento que a caracteriza no presente. É impossível prever em pormenor o que será a sociedade capitalista do futuro ou a sociedade pós-capitalista. Processos de racionalização e a burocratização: homens alma? reencamento do pela religião?

15 CAUSALIDADE HISTÓRICA e SOCIOLÓGICA. Implicações Metodológicas: ideal- tipo. Método para compreender para organizar de maneira inteligível de um acontecimento histórico ou um fenômeno social. A construção de tipo-ideal é um processo de racionalização. Estilização! Coerente com a concepção da causalidade parcial e analítica.

16 CAUSALIDADE HISTÓRICA e SOCIOLÓGICA. Implicações Metodológicas: ideal- tipo. Todos os conceitos das Ciências da Cultura são tipos-ideias: dominação, burocracia, religião, etc. Função: torna a experiência mais inteligível dos para os que a viveram.

17 CAUSALIDADE HISTÓRICA e SOCIOLÓGICA. Implicações Metodológicas: ideal- tipo. Os sociólogos têm o objetivo de tornar inteligível, até no limite, aquilo que não o foi, fazer surgir o sentido do que foi vivido sem que este sentido tenha sido claro para os que viveram.

18 CAUSALIDADE HISTÓRICA e SOCIOLÓGICA. Implicações Metodológicas: ideal- tipo. Tipo-Ideal X Características comuns. Tipo-Ideal X Tipo Médio. Características médias Tipo-Ideal: RECONSTRUÇÃO NO PENSAMENTO DO FATO ESTILIZADO. Tipo-Ideal: ESCOLHA DE TRAÇOS TÍPICOS. ESTILIZÇÃO DO REAL. Tipo-Ideal: QUAIS TRAÇOS? ESCOLHA AXIOLOGICAMENTE ORIENTADA.

19 ESPÉCIES DE TIPOS IDEAIS. Indivíduos Históricos Indivíduos Históricos Indivíduos Abstratos da Realidade O Capitalismo no Ocidente. A Cidade no Ocidente. Realidades Globais e Singulares. Burocracia. Feudalismo. Tipos de dominação. Escolha de um elemento da realidade histórica e alguns aspectos deste elemento.

20 TIPOS-IDEAIS: espécies. Tipos de Comportamentos Sociais O Capitalista e a ação econômica. Teoria Econômica Construção de um tipo-ideal de comportamento do indivíduo se fosse um sujeito econômico puro.

21 TIPOS-IDEAIS: espécies. Burocracia. Feudalismo. Tipos de dominação. Tipos de Esfera da Ação Escolha de um elemento da realidade histórica e alguns aspectos deste elemento.

22 Compreender Compreender Interpretar InterpretarSociologia Explicar a causalidade. Explicar a causalidade. A SOCIOLOGIA É UMA CIÊNCIA COMPREENSIVA E EXPLICATIVA EXPLICAR O QUÊ? A AÇÃO SOCIAL, SEU SENTIDO, CONTEXTO, SUA MOTIVAÇÃO E SEUS EFEITOS.

23 EPISTEMOLOGIA E METODOLOGIA o que é a sociologia?...uma ciência voltada para a compreensão interpretativa da ação social e, por essa via, para a explicação causal dela no seu transcurso e nos seus efeitos AÇÃO SOCIAL: conduta à qual o próprio agente associa um sentido. É uma ação orientada significativamente pelo agente conforme a conduta de outros e que transcorre em consonância com isso.

24 COMO ENTENDER O SENTIDO? Questão 1- O que Weber entende por SENTIDO? Resposta 1- O sentido subjetivamente visado pelo agente e não qualquer sentido objetivamente correto ou metafisicamente verdadeiro. Resposta 2- O sentido que se manifesta na ação concreta do agente como seu fundamento o que envolve um motivo.

25 COMO ENTENDER O SENTIDO? SENTIDO COMPREENSÃO MOTIVO

26 COMO ENTENDER O SENTIDO? SENTIDO COMPREENSÃO MOTIVO COMPREENDER O MOTIVO PORQUE É A CAUSA DA AÇÃO.

27 COMO ENTENDER O SENTIDO? SENTIDO COMPREENSÃO MOTIVO COMPREENDER O MOTIVO PORQUE É A CAUSA DA AÇÃO. CAUSA DA AÇÃO DO PONTO DE VISTA DO SOCIÓLOGO!

28 COMO ENTENDER O SENTIDO? SENTIDO COMPREENSÃO CADEIA MOTIVACIONAL A AÇÃO É UM PROCESSO E NÃO UM ATO ISOLADO.

29 INDIVIDUALISMO METODOLÓGICO: como entender o sentido? SENTIDO COMPREENSÃO CADEIA MOTIVACIONAL O ELO DA CADEIA É O SENTIDO.

30 COMO ENTENDER O SENTIDO? SENTIDO COMPREENSÃO CADEIA MOTIVACIONAL UM CAPITALISTA AGE COM O MESMO SENTIDO QUE UM PIRATA?

31 COMO ENTENDER O SENTIDO? SENTIDO COMPREENSÃO CADEIA MOTIVACIONAL SENTIDO NÃO É PSÍQUICO, TAMPOUCO INTUIÇÃO. COMPREENDER O SENTIDO DA AÇÃO É RECONSTRUIR O ENCADEAMENTO SIGNIFICATIVO DA AÇÃO

32 COMO ENTENDER A ÊNFASE NO ATOR SOCIAL? CADEIA MOTIVACIONAL Autonomia das diferentes esferas da existência humana. É a única entidade capaz de conferir sentido às ações. A ação social é orientada por sentidos particulares. O agente individual é a entidade em que os sentidos particulares podem estar simultaneamente presentes e em contato.

33 COMO ENTENDER A ÊNFASE NO ATOR SOCIAL? CADEIA MOTIVACIONAL Conduta de múltiplos agentes que se orientam reciprocamente por um conteúdo específico do sentido das suas ações. Papel da relação social. Diferença entre AÇÃO SOCIAL e RELAÇÃO SOCIAL: sentido e o conteúdo específico do sentido.

34 COMO ENTENDER A ÊNFASE NO ATOR SOCIAL? CADEIA MOTIVACIONAL A amizade é uma relação social. O aperto de mão é uma ação social porque a ação de um é orientada pela ação do outro. Conteúdo específico compartilhado por vários indivíduos. Conteúdo específico compartilhado por vários indivíduos com vários outros.

35 COMO ENTENDER A ÊNFASE NO ATOR SOCIAL? CADEIA MOTIVACIONAL Não garantias das condutas e do sentido. A relação social somente existe quando se traduz em condutas efetivas em função de um sentido compartilhado. Portanto, a relação social somente pode ser compreendida como probabilidade. A probabilidade será tanto maior quando maior for a aceitação do conteúdo específico pelos seus participantes.

36 COMO ENTENDER A ÊNFASE NO ATOR SOCIAL? CADEIA MOTIVACIONAL Conteúdo do sentido incorporado pelos agentes. Aceitação Legitimidade. Conteúdo do sentido legitimado Ordem social. Estado, Igreja, Mercado, etc. são ORDENS SOCIAIS.

37 COMO ENTENDER A ÊNFASE NO ATOR SOCIAL? CADEIA MOTIVACIONAL ORDEM SOCIAL Honra. Estamento. ORDEM ECONÔMICA Mercado. Classes Sociais ORDEM POLÍTICA Poder. Partido. Linhas de Ação. Diversificação. Dominação.

38 A CADA TIPO DE AÇÃO CORRESPONDE UM TIPO DE DOMINAÇÃO. D ominação. Chance de encontrar uma pessoa determinada pronta a obedecer a uma ordem de conteúdo determinado. A dominação necessita de uma justificativa. A dominação se acompanha de uma legitimidade cuja função é normalizar a vida social. D ominação. Chance de encontrar uma pessoa determinada pronta a obedecer a uma ordem de conteúdo determinado. A dominação necessita de uma justificativa. A dominação se acompanha de uma legitimidade cuja função é normalizar a vida social.

39 A cada tipo de ação corresponde um tipo de dominação. Legitimidade. É feita de uma crença socialmente compartilhada que dá validade ao poder detido pelos dominantes. Legitimidade. É feita de uma crença socialmente compartilhada que dá validade ao poder detido pelos dominantes.

40 AS FORMAS DA AÇÃO SOCIAL Ação Tradicional: costumes, hábito. A maioria das atividades quotidiana familiar pertence a este tipo. Ação Tradicional: costumes, hábito. A maioria das atividades quotidiana familiar pertence a este tipo. Ação Afetiva: guiada pela paixão. A bofetada dada impulsivamente. Ação Afetiva: guiada pela paixão. A bofetada dada impulsivamente. Ação Racional referente a valores: guiada por valores éticos, estéticos ou religiosos. A aristocracia que se bate pela sua honra, o cavaleiro que parte para cruzada ou o capitão que afunda com o seu navio. O homem-bomba. São ações racionais. Ação Racional referente a valores: guiada por valores éticos, estéticos ou religiosos. A aristocracia que se bate pela sua honra, o cavaleiro que parte para cruzada ou o capitão que afunda com o seu navio. O homem-bomba. São ações racionais. Ação Racional referente a fins. Ação instrumental voltada a um objetivo utilitário e que implica a adequação entre fins e meios. Ação Racional referente a fins. Ação instrumental voltada a um objetivo utilitário e que implica a adequação entre fins e meios.

41 AS TRÊS FORMAS DE DOMINAÇÃO Dominação Tradicional. A legitimidade é o caráter sagrado da tradição. A gerontocracia, o poder patriarcal. Poder dos senhores. Dominação Carismática. Legitimidade oriunda de uma personalidade dotada de uma áurea excepcional. O chefe carismático funda sua força na capacidade de convicção, na propaganda. A obediência aos chefes deve-se aos fatores emocionais que eles conseguem suscitar, manter e controlar.

42 AS TRÊS FORMAS DE DOMINAÇÃO D ominação Racional-Legal. Legitimidade se apóia sobre o poder de um direito abstrato e impessoal. Este poder é ligada a uma função e não à pessoa. A dominação racional ou legal-burocrática passa igualmente pela submissão a um código, a uma regra universal e funcional.

43 PENSAR O MUNDO MODERNO 3.1. Como os sociólogos do seu tempo (Simmel, Sombart, Tönnies) Weber se interroga sobre a natureza das múltiplas transformações que sacodem os países ocidentais.

44 PENSAR O MUNDO MODERNO Relação entre economia e a sociedade. Relação entre economia e a sociedade. Poder torna-se fundado na dominação legal. Poder torna-se fundado na dominação legal. Expansão do protestantismo, ao mesmo tempo que há uma secularização da sociedade. Há uma crise de valores religiosos. Deus está morto, frase famosa de Nitzsche. Expansão do protestantismo, ao mesmo tempo que há uma secularização da sociedade. Há uma crise de valores religiosos. Deus está morto, frase famosa de Nitzsche. O espírito racional e positivo se substitui às crenças tradicionais. O espírito racional e positivo se substitui às crenças tradicionais. Tarefa de Weber: compreender a singularidade do mundo ocidental. Tarefa de Weber: compreender a singularidade do mundo ocidental.

45 RACIONALIZAÇÃO: princípio das sociedades modernas Q ual é o motor do dinamismo econômico das sociedades industriais? P or que o capitalismo nasceu no ocidente? S ob que princípios de legitimidade nasceram o direito, o poder e a crença do mundo moderno?

46 O QUE CARACTERIZA A MODERNIZAÇÃO DO OCIDENTE? Desculturalização. Secularização. Desencantamento Racionalização.

47 R acionalização da economia, do direito, do Estado e da ciência (matematização e experimentação), da arte (institucionalização de um mercado, desenvolvimento da música harmônica, da perspectiva linear e aérea na pintura), racionalização da arquitetura. R acionalização da vida material MODERNIZAÇÃO E RACIONALIZAÇÃO

48 E la tE la tirou seu halo de todas as atividades que até então tinham sido contempladas com temor reverencial. Todas as relações fixas, oxidadas, com sua següela de idéias e concepções tradicionais, são dissolvidas, e todas que se formam novamente envelhecem antes que se ossifiquem. Tudo o que é estamental, tudo que é sólido, se evapora, tudo que é sagrado é profanado.... (Weber, Protestantismo e Espírito do Capitalismo) MODERNIZAÇÃO

49 ... destruiu todas as relações feudais, patriarcais, idílica. Ela rompeu os vínculos feudais que ligavam o homem a seus superiores naturais e não deixou nenhum outro nexo entre os homens, a não ser o interesse nu, o pagamento à vista. Ela afogou na água gelada do cálculo egoísta o zelo sagrado dos devotos, o entusiasmo cavalheiresco, a melancolia dos pequenos burgueses..... Em lugar da exploração envolta em ilusões religiosas, despuradora, direta, brutal. (Marx- Manifesto Comunista... destruiu todas as relações feudais, patriarcais, idílica. Ela rompeu os vínculos feudais que ligavam o homem a seus superiores naturais e não deixou nenhum outro nexo entre os homens, a não ser o interesse nu, o pagamento à vista. Ela afogou na água gelada do cálculo egoísta o zelo sagrado dos devotos, o entusiasmo cavalheiresco, a melancolia dos pequenos burgueses..... Em lugar da exploração envolta em ilusões religiosas, despuradora, direta, brutal. (Marx- Manifesto Comunista) O CAPITALISMO

50 FIM


Carregar ppt "MAX WEBER INTRODUÇÃO: Weber e seu tempo. EPISTEMOLOGIA E METODOLOGIA: compreensão e tipo-ideal OBJETO CENTRAL DA SOCIOLOGIA: ação social, seus contextos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google