A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INTRODUÇÃO À ECONOMIA Diariamente nos deparamos com questões econômicas, tais como: Aumentos de preços; Períodos de crises econômicas ou de crescimento;

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INTRODUÇÃO À ECONOMIA Diariamente nos deparamos com questões econômicas, tais como: Aumentos de preços; Períodos de crises econômicas ou de crescimento;"— Transcrição da apresentação:

1 INTRODUÇÃO À ECONOMIA Diariamente nos deparamos com questões econômicas, tais como: Aumentos de preços; Períodos de crises econômicas ou de crescimento; Desemprego; Diferenças salariais; Crises no balanço de pagamentos; Valorização ou desvalorização a taxa de câmbio; Ociosidade em alguns setores de atividade; Comportamento das taxas de juros Déficit governamental; Elevação de impostos e tarifas públicas;

2 Motivos pelos quais devemos estudar economia necessidade de se conhecer os assuntos econômicos nas sociedades modernas; necessidade de obter conhecimentos te ó ricos; proporcionar um conjunto de conhecimentos que nos ajudar á a formar opiniões a respeito dos grandes problemas econômicos do nosso tempo. O objetivo do estudo da Ciência Econômica é o de analisar os problemas econômicos e formular soluções para resolvê-los, de forma a melhorar nossa qualidade de vida.

3 Conceito de Economia Conceito de Economia A palavra economia deriva do grego oikonomia (de oikos, casa; nómos, lei), que significa a administração de uma casa, ou do Estado. Economia é uma ciência social que estuda a administração dos recursos escassos entre usos alternativos e fins competitivos (Paul Samuelson). Economia é uma ciência que cuida da melhor administração dos recursos escassos disponíveis para satisfazer as necessidades humanas. Economia é a ciência social que estuda como o indivíduo e a sociedade decidem (escolhem) empregar recursos produtivos escassos na produção de bens e serviços de modo a distribuí- los entre as várias pessoas e grupos da sociedade, a fim de satisfazer as necessidades humanas. (Vasconcelos e Garcia)

4 Essa definição contém vários conceitos importantes que são a base e o objeto do estudo da Ciência Econômica Escolha Escassez Necessidades Recursos Produção Distribuição O problema da escassez: recursos limitados, contrapondo-se a necessidades humanas ilimitadas

5 Questão central do estudo de Economia: Como alocar recursos produtivo limitados para satisfazer todas as necessidades da população? Sistema econômico Definição: é a forma política, social e econômica pela qual está organizada uma sociedade. Os elementos básicos de um sistema econômico são: Estoques de recursos produtivos ou fatores de produção; Complexo de unidades de produção; Conjunto de instituições políticas, jurídicas, econômicas e sociais: que são a base da organização da sociedade.

6 Os sistemas econômicos podem ser classificados em: Sistema capitalista Sistema socialista Sistema de concorrência pura. A filosofia do liberalismo. Sistema de economia mista Os problemas econômicos fundamentais - O que e quanto produzir? - Como produzir? - Para quem produzir?

7 Curva de possibilidade de produção (ou curva de transformação) Curva de possibilidade de produção (ou curva de transformação) A curva (ou fronteira) de possibilidade de produção é um conceito teórico com o qual se ilustra como questão da escassez impõe um limite à capacidade produtiva de uma sociedade que terá de fazer escolhas entre alternativas de produção. Ela representa um importante fato: uma economia no pleno emprego precisa sempre, ao produzir um bem desistir de produzir um tanto de outro bem. CPP – é a fronteira máxima que a economia pode produzir, dados os recursos produtivos limitados.

8 Alternativa de ProduçãoMáquinas (milhares)Alimentos (toneladas) ABCDEABCDE ALTERNATIVA DE PRODUÇÃO POSSIBILIDADE DE PRODUÇÃO ENTRE DOIS BENS CURVA (OU FRONTEIRA) DE POSSIBILIDADE DE PRODUÇÃO

9 CURVA DE POSSIBILIDADES DE PRODUÇÃO / CUSTO DE OPORTUNIDADE Obs: Se os custos de oportunidades fossem constantes, a CPP seria uma reta, se fossem decrescentes, a CPP seria convexa em relação à origem.

10 DESLOCAMENTO DA CURVA DE POSSIBILIDADES DE PRODUÇÃO (a)Deslocamentos positivos decorrentes da expansão ou melhoria dos recursos disponíveis – situação normal (b) Decorrentes da diminui ç ão ou desqualifica ç ão dos recursos dispon í veis – situa ç ão anormal.

11 Mercado de bens e serviços Mercado de fatores de produção Família Empresas Demanda Oferta Demanda Oferta FLUXO REAL DA ECONOMIA Funcionamento de uma economia de mercado: fluxos reais e monetários.

12 FLUXO MONET Á RIO DA ECONOMIA Unindo os fluxos real e monet á rio da economia temos o chamado fluxo circular de renda. Pagamento dos bens e servi ç os Remunera ç ão dos fatores de produ ç ão Família Empresas

13 FAMÍLIA Oferta dos serviços de produção (Mão-de-obra, terra, capital) Demanda de bens e serviços (demanda de calçados, alimentos serviços de transporte etc.) O quê e quanto produzir Para quem produzir Oferta de bens e serviços (oferta de calçados, alimentos, serviços de transportes etc.) Fluxo monetário Fluxo real (bens e serviços ) Demanda de serviços dos fatores de produção (Mão-de-obra, terra, capital) Como produzir MERCADO DE BENS E SERVIÇOS ( onde se formam os preços dos bens) MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO (onde se formam os preços dos fatores) COMO CONSUMIDORES DE BENS E SERVIÇOS COMO PROPRIETÁRIOS DOS FATORES DE PRODUÇÃO COMO VENDEDORES DE BENS E SERVIÇOS COMO COMPRADORES E FATORES DE PRODUÇÃO

14 Alguns Conceitos Econômicos Básicos: Necessidades Humanas B á sicas é a sensa ç ão da falta de alguma coisa aliada ao desejo de satisfazê-la. Necessidades econômicas: bens não gratuitos. Necessidades não econômicas: bens livres ou bens gratuitos Bem é tudo aquilo que permite satisfazer uma ou v á rias necessidades humanas. Os bens são classificados quanto à raridade, em bens livres e bens econômicos. Os bens livres são aqueles que existem em quantidade ilimitadas e podem ser obtidos com pouco ou nenhum esfor ç o humano. Não possui pre ç o. Ex: luz solar, ar, mar etc. Bens e servi ç os

15 Bens econômicos são relativamente escassos e supõem a ocorrência de esfor ç o humano na sua obten ç ão. Esses têm pre ç o. Quanto à natureza os bens econômicos são classificados em dois grupos: bens materiais e bens imateriais ou servi ç os. Quanto ao destino, os bens materiais classificam-se em: Bens de Capital, Bens de Consumo, Bens de Intermedi á rios. Os Bens de Capital: são aqueles utilizados na fabrica ç ão de outros bens, mas que não se desgastam totalmente no processo produtivo. Ex.:m á quinas,equipamentos,instala ç ões, computadores, edif í cios etc. Os Bens de Consumo: são aqueles que se destinam diretamente ao atendimento das necessidades humanas. De acordo com sua durabilidade, podem ser classificados como dur á veis (geladeiras, fogões, autom ó veis) ou como não – dur á veis (alimentos, produtos de limpeza etc).

16 Os Bens de Intermedi á rios: são aqueles que são transformados ou agregados na produ ç ão de outros bens e que são consumidos totalmente no processo produtivo (mat é rias-primas, fertilizantes,borracha, vidro,componentes etc). Os Bens Finais: são aqueles que j á passaram por todos os processos de transforma ç ões poss í veis, significando que estão acabados. Ex: Bens de Consumo e Bens de Capital. Os bens podem ser classificados ainda em Bens Privados e Bens P ú blicos. Bens Privados são produzidos e possu í dos privativamente. Ex. Autom ó vel, r á dio, aparelho de televisão etc. Bens Públicos referem-se ao conjunto de bens gerais fornecidos pelo setor público. Ex: educação, justiça, segurança, transporte, etc.

17 Fator de ProduçãoTipo de Remuneração TrabalhoSalário CapitalJuro TerraAluguel TecnologiaRoyalty Capacidade empresarialLucro Os Fatores de Produ ç ão ou recursos produtivos da economia são constitu í dos pelos recursos humanos (trabalho e capacidade empresarial), terra, capital e tecnologia. Cada fator de produ ç ão corresponde uma remunera ç ão:

18 Agentes econômicos As fam í lias (ou unidades familiares) As empresas (ou unidades produtivas) O governo Os grandes setores da economia setor prim á rio (agropecu á rio, extrativismo e pesca) setor secund á rio (ind ú stria) e setor terci á rio (servi ç o, comércio)

19 Argumentos positivos versus argumentos normativos. A Economia é uma ciência social e utiliza fundamentalmente uma an á lise positiva, que dever á explicar os fatos da realidade. Os argumentos positivos estão contidos na an á lise que não envolvem ju í zo de valor, estando esta estritamente limitada a argumentos descritivos, ou medi ç ões cient í ficas, ou seja, procuram entender e explicar os fenômenos econômicos como eles realmente são. Esta an á lise se refere a proposi ç ões b á sicas do tipo: se A, então B. Ex.: Se o pre ç o da carne bovina aumentar em rela ç ão a todos os outros pre ç os, então a quantidade que as pessoas irão comprar de carne cair á. É uma an á lise do que é.

20 Argumentos normativos: é uma an á lise que cont é m, expl í cita ou implicitamente, um ju í zo de valor sobre alguma medida econômica. Dizem respeito ao que deveria ser. Ex.: O pre ç o da gasolina não deve subir - expressamos uma opinião ou ju í zo de valor, ou seja, se é uma coisa boa ou m á. A Economia Positiva ajudar á a escolher o instrumento de pol í tica econômica mais adequada. Ex.: Melhoria na distribui ç ão de renda do pa í s (aumentar sal á rios, combater a infla ç ão, criar empregos, etc).

21 Inter-rela ç ão da Economia com outras á reas do conhecimento: Embora a Economia tenha seu n ú cleo de an á lise e seu objeto bem definido, ela tem inter-rela ç ão com outras ciências. Economia, F í sica e Biologia: A constru ç ão do n ú cleo cient í fico inicial da economia deu-se a partir das chamadas concep ç ão organicistas (biol ó gicas) e mecanicistas (f í sicas). A predominância da concep ç ão humanista atualmente. Economia, Matem á tica e Estat í stica: A Matem á tica e a Estat í stica são usadas como ferramentas para estabelecer rela ç ões entre vari á veis econômicas.

22 Inter-rela ç ão da Economia com outras á reas do conhecimento: Embora a Economia tenha seu n ú cleo de an á lise e seu objeto bem definido, ela tem inter-rela ç ão com outras ciências. Economia, F í sica e Biologia: A constru ç ão do n ú cleo cient í fico inicial da economia deu-se a partir das chamadas concep ç ão organicistas (biol ó gicas) e mecanicistas (f í sicas). A predominância da concep ç ão humanista atualmente. Economia, Matem á tica e Estat í stica: A Matem á tica e a Estat í stica são usadas como ferramentas para estabelecer rela ç ões entre vari á veis econômicas.

23 O consumo nacional est á diretamente relacionado com a renda nacional. C = f(RN) e _ C_ > 0 RN Como as relações econômicas não são exatas, mas probabilísticas, recorre-se à Estatística. Em Economia tratamos de leis probabilísticas. Por exemplo, C = f(RN). Economia e Pol í tica A Economia e Pol í tica são á reas muito interligadas, tornando-se dif í cil estabelecer uma rela ç ão de causalidade (causa e efeito) entre elas.

24 A pol í tica fixa as institui ç ões sobre as quais se desenvolverão as atividades econômicas. Nesse sentido, a atividade econômica se subordina à estrutura e ao regime pol í tico do pa í s (se é um regime democr á tico, ou autorit á rio). Economia e Hist ó ria: A pesquisa hist ó rica é extremamente ú til e necess á ria para a Economia, pois ela facilita a compreensão do presente e ajuda nas previsões para o futuro com base nos fatos do passado. As guerras e revolu ç ões, por exemplo, alteraram o comportamento e a evolu ç ão da Economia. Mas os fatos econômicos afetam o desenrolar da Hist ó ria.

25 Economia e Geografia A Geografia nos permite avaliar fatores ú teis à an á lise econômica, como as condi ç ões geoeconômicas dos mercados, a concentra ç ão espacial dos fatores produtivos, a localiza ç ão de empresas e a composi ç ão setorial da atividade econômica. Economia, Moral, Justi ç a e Filosofia. Na pr é -economia, antes da Revolu ç ão Industrial do s é culo XVIII, que corresponde ao per í odo da Idade M é dia, a atividade econômica era vista como parte integrante da Filosofia, Moral e É tica. A Economia era orientada por princ í pios morais e de justi ç a. O princ í pio da lei da usura, o conceito de pre ç o justo (discutidos entre os fil ó sofos, como São Tom á s de Aquino).

26 Divisão do Estudo Econômico A an á lise econômica, para fins metodol ó gicos e did á ticos, é normalmente dividida em quatro á reas de estudo: a)Microeconomia ou Teoria de Forma ç ão de Pre ç os Estuda a forma ç ão de pre ç os em mercado espec í ficos, ou seja, como consumidores e empresas interagem no mercado, e como decidem os pre ç os e a quantidade para satisfazer a ambos simultaneamente. b)Macroeconomia Estuda a determina ç ão e o comportamento dos grandes agregados nacionais, como o PIB, o investimento agregado, a poupan ç a agregada, o n í vel geral de pre ç os, entre outros.

27 c)Economia Internacional Estuda as rela ç ões econômicas entre residentes e não residentes do pa í s os quais envolvem transa ç ões com bens e servi ç os e transa ç ões financeiras. d) Desenvolvimento Econômico Preocupa-se com a melhoria do padrão de vida da coletividade ao longo do tempo.

28 INTRODUÇÃO À MICROECONOMIA Pressupostos básicos da análise microeconômica A hipótese coeteris paribus Para analisar um mercado específico, a Microeconomia se vale da hipótese de que tudo o mais permanece constante. Q D = f (Preço e Renda) Supondo que a renda permaneça constante (coeteris paribus) Q D = f (Preço)

29 Papel dos preços relativos Na análise microeconômica, são mais relevantes os preços relativos, isto é, os preços dos bens em relação aos demais, do que os preços absolutos (isolados) das mercadorias. Objetivos da empresa Princípio da Racionalidade O empresário sempre busca a maximização do lucro total, otimizando a utilização dos recursos de dispõe. As correntes alternativas: aumento na participação nas vendas do mercado, ou maximização da margem sobre os custos de produção independente da demanda de mercado.

30 Aplicações da análise microeconômica A análise microeconômica, ou Teoria dos Preços, como parte da Ciência Econômica, preocupa-se em explicar como se determina o preço dos bens e serviços, bem como dos fatores de produção. Para as empresas, a análise microeconômica pode subsidiar decisões: Políticas de preços da empresa. Previsão de demanda e faturamento. Previsão de custos de produção. Decisões ótimas de produção (escolha da melhor alternativa de produção, isto é, da melhor combinação de fatores de produção). Avaliação e elaboração de projetos de investimentos (análise custo- benefício da compra de equipamentos, ampliação de empresa, etc). Política de propaganda e publicidade (como as preferências dos consumidores podem afetar a procura do produto. Localização da empresa. Diferenciação de mercados (possibilidades de preços diferenciados, em diferentes mercados consumidores do mesmo produto).

31 Em relação da política econômica, a microeconomia pode contribuir na análise e tomada de decisões das seguintes questões: Avaliação de produtos de investimentos públicos. Efeitos de impostos sobre mercados específicos. Política de subsídios (nos preços de produtos como trigo e leite, ou na compra de insumos como máquina, fertilizantes etc). Fixação de preços mínimos na agricultura. Controle de preços Política Salarial Políticas de tarifas públicas. (água, luz, etc.). Leis antistruste (controle de lucros de monopólios e oligopólios) Fixação do salário mínimo

32 São decisões necessárias ao planejamento estratégico das empresas e á política e programação econômica do setor público. Divisão do estudo microeconômico A teoria Microeconômica consiste nos seguintes tópicos: Análise da demanda A Teoria da Demanda ou procura de uma mercadoria ou serviço divide-se em Teoria do Consumidor (demanda individual) e Teoria da Demanda de Mercado. Análise da Oferta A teoria da oferta de um bem ou serviço também subdivide-se em oferta da forma individual e oferta de mercado. Dentro da análise da oferta da firma são abordadas a Teoria da Produção, que analisa as relações entre quantidades físicas entre o produto e os fatores de produção e a Teoria dos Custos de Produção, que incorpora, além das quantidades físicas, os preços dos insumos.

33 Análise das estruturas de mercado A partir da demanda e da oferta de mercado são determinados o preço e quantidade de equilíbrio de um dado bem e serviço. Na análise das estruturas de mercado avaliam-se os efeitos da oferta e da demanda, tanto no mercado de bens e serviços quanto no mercado de fatores da produção. As estruturas do mercado de bens e serviços são: Concorrência perfeita Concorrência imperfeita ou monopolista Monopólio Oligopólio As estruturas do mercado de fatores de produção são: Concorrência perfeita Concorrência imperfeita Monopsônio Oligopsônio


Carregar ppt "INTRODUÇÃO À ECONOMIA Diariamente nos deparamos com questões econômicas, tais como: Aumentos de preços; Períodos de crises econômicas ou de crescimento;"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google