A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Módulo I – UM NOVO CONCEITO E UMA NOVA METODOLOGIA PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Módulo I – UM NOVO CONCEITO E UMA NOVA METODOLOGIA PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO."— Transcrição da apresentação:

1 Módulo I – UM NOVO CONCEITO E UMA NOVA METODOLOGIA PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO

2 O planejamento e a gestão territorial no Brasil ocorrem em contexto marcado por pobreza, profundas desigualdades sócio- territoriais e grande concentração de riqueza e poder.

3 Padrão de urbanização excludente e predatório Cidadania ambígua e incompleta dos moradores de assentamentos urbanos informais, irregulares e ilegais. Expansão e adensamento das periferias urbanas distantes produzindo assentamentos infra-equipados para os mais pobres. Criação de novos eixos de expansão urbana para a classe média e alta com geração de vazios urbanos e áreas sub- utilizadas. Paradoxo entre a escassez de terras e infra-estrutura para os mais pobres e a existência de terras e imóveis ociosos em áreas consolidadas.

4 Insustentabilidade da urbanização excludente e predatória Depredação dos recursos naturais. Risco de enchentes, deslizamentos e erosões. Longos deslocamentos dentro das cidades. Pressão sobre atividades agrícolas próximas das cidades. Desperdício de infra-estrutura, equipamentos e serviços urbanos.

5 Efeitos políticos da urbanização excludente e predatória Inserção ambígua dos territórios populares na cidade (indefinição patrimonial, urbanística e administrativa). Discricionariedade nos investimentos para a consolidação dos assentamentos (não é um direito líquido e certo mas uma opção do governante). Esta é a base do clientelismo e da cultura do favor nas relações políticas: a obtenção de infra-estrutura, equipamentos e serviços urbanos é paga pelo voto. Inviabilidade na construção de uma esfera pública democrática e includente.

6 Planejamento e controle do uso e ocupação do solo tradicionais Planejamento, regulação e controle do uso e ocupação do solo dialoga somente com os mercados da cidade formal, cartografa esses mercados e portanto exclui o mercado popular (exemplo: zoneamento exclusivamente residencial unifamiliar). Incapacidade para romper os ciclos de expansão periférica e ocupação das áreas ambientalmente frágeis. Opera no sentido de concentrar renda e oportunidades na mão de quem já tem.

7 Interlocutores tradicionais nos processos de planejamento e regulação do solo até final dos anos 1980 Loteadores; Grandes proprietários de terra; Incorporadores imobiliários; Empresários da construção civil; Profissionais de arquitetura, urbanismo, direito, geografia etc. Técnicos da administração pública; Parlamentares e assessores parlamentares – vereadores, deputados estaduais, deputados federais; entre outros.

8 Construção do novo marco jurídico urbanístico Década de 1980: Redemocratização. Crítica aos modelos de política e planejamento urbano como objeto estritamente técnico e autoritário. Apresentação da Emenda Popular da Reforma Urbana para a Constituição Federal (baseada em assinaturas) – Forum Nacional pela Reforma Urbana.

9 Década de 1990 e 2000: Descentralização e fortalecimento do município como ente da federação. Aprofundamento de experiências democráticas no planejamento e gestão municipal. Aprovação do Estatuto da Cidade (Lei Federal , de 10 de julho de 2001). Apresentação do Projeto de Lei de Iniciativa Popular para criação do Fundo e Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social (baseado em de assinsturas) – movimentos sociais de luta pela moradia. Constituição Federal de 1988 – Capítulo de Política Urbana – Artigos 182 e 183. Construção do novo marco jurídico urbanístico

10 O Estatuto da Cidade e o Plano Diretor Participativo A missão do Plano Diretor Participativo, dada pela Constituição Federal, é: Explicitar, para a especificidade do território do município, quais são as FUNÇÕES SOCIAIS DA CIDADE E DAS PROPRIEDADES para os próximos 10 anos. A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE incide nos conteúdos do DIREITO DE PROPRIEDADE. Não são contraditórios.

11 O Estatuto da Cidade e o Plano Diretor Participativo Princípios e diretrizes para o Plano Diretor Participativo (de acordo com o Estatuto da Cidade): DIREITO À MORADIA E INCLUSÃO TERRITORIAL – O Plano Diretor Participativo deve superar a dualidade entre as cidades formais/informais, legais/ilegais. DIMENSÃO CURATIVA - REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E URBANIZAÇÃO dos assentamentos informais ocupados pela população de baixa renda eliminando as barreiras jurídicas, administrativas e territoriais que apartam esses assentamentos do conjunto da cidade. DIMENSÃO PREVENTIVA - ACESSO À TERRA URBANIZADA para habitação de interesse social em locais sem riscos ambientais, com equipamentos urbanos e comunitários e próximos às áreas de trabalho.

12 O Estatuto da Cidade e o Plano Diretor Participativo Princípio e diretriz do Plano Diretor Participativo (de acordo com o Estatuto da Cidade): GESTÃO DEMOCRÁTICA – O Plano Diretor Participativo, como pacto sócio-territorial. Passo importante para a construção de uma esfera pública na cidade (cidadãos estabelecem coletivamente a regra de convivência/compartilhamento no/do território). Dimensão pública como propriedade coletiva dos cidadãos.

13 Plano Diretor Participativo É obrigatório para as cidades: com mais de habitantes; pertencentes a regiões metropolitanas e aglomerados urbanos; em áreas de especial interesse turístico; em áreas de influência de empreendimentos com significativo impacto ambiental; que queiram aplicar os instrumentos de parcelamento, edificação e utilização compulsórios, IPTU progressivo no tempo e desapropriação sanção.

14 Plano Diretor Participativo É o instrumento básico da política de desenvolvimento e expansão urbana; Deve abranger o território do município como um todo, incluindo as zonas urbanas e rurais; Deve orientar os orçamentos públicos subsequentes definidos democraticamente; Deve ser elaborado, implementado e revisto a partir de processos de participação social; Deve ser instituído através de Lei Municipal aprovada na Câmara Municipal de vereadores.

15 Os conteúdos do Plano Diretor Participativo é fruto do processo de pactuação sócio-territorial realizado na esfera pública local.


Carregar ppt "Módulo I – UM NOVO CONCEITO E UMA NOVA METODOLOGIA PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google