A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

OS CLÁSSICOS DA POLÍTICA - MILL Elaboração e revisão : Dr. Dejalma Cremonese – Professor do Mestrado em Desenvolvimento e do Departamento de Ciências Sociais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "OS CLÁSSICOS DA POLÍTICA - MILL Elaboração e revisão : Dr. Dejalma Cremonese – Professor do Mestrado em Desenvolvimento e do Departamento de Ciências Sociais."— Transcrição da apresentação:

1 OS CLÁSSICOS DA POLÍTICA - MILL Elaboração e revisão : Dr. Dejalma Cremonese – Professor do Mestrado em Desenvolvimento e do Departamento de Ciências Sociais da Unijuí – RS Home page:

2 John Stuart Mill, nasceu em 8 de maio de 1806 e faleceu dia 16 de maio de 1873.ele foi testemunha de mudanças fantásticas tanto na sociedade como na política e na economia de seu país, a Inglaterra. Ele não viveu nos primeiros tempos da Revolução Industrial, mas foi contemporâneo de seu apogeu, quando as tribos das ferrovias inglesas se estendiam por todos os continentes, atravessando regiões onde antes nada havia passado.foi nesta época que consolidou o mais vasto império de que se tem noticia na historia: o Império Colonial Britânico, onde, o sol jamais se punha dentro de seus limites.

3 O surgimento da classe operaria, da burguesia industrial e financeira e a universalização de uma economia de bases monetárias. Tudo junto concorrendo para a construção de uma nova ordem essencialmente moderna, esses foram os resultados das transformações feitas.

4 John Stuart foi o mais legitimo representante do movimento liberal inglês do século passado. Seus estudos foram orientados para campos de historia, psicologia, filosofia e lógica. Nunca freqüentou uma universidade, apesar disso aos quinze anos de idade, quando encarregou-se de revisar algumas obras jurídicas de Jeremy Bentham. Aos dezessete anos publicou seu primeiro artigo, e começou atrabalhar sob as ordens de seu pai nos escritórios da companhia das Índias Orientais. Foi eleito como o representante do parlamento. Mas sua carreira política foi muito breve, não conseguindo se reeleger, derrotado ele retirou- se para Avignon, na França, onde permaneceu até sua morte.

5 Obras Importantes Seu primeiro livro, Lógica, veio publicado em 1843, ficando conhecida principalmente pelos intelectuais. Em 1848 publicou Princípios de Economia Política. Em 1859, Sobre a Liberdade. Em 1861, Considerações Sobre o Governo Representativo. Em 1863, Utilitarismo. Em 1869, A Sujeição da Mulher.

6 Um novo Liberalismo Para Mill o liberalismo despe –se de seu ranço conservador, defensor do voto censitário e da cidadania restrita, para incorporar em sua agenda todo um elenco de reformas que vão desde o voto universal ate a emancipação das mulheres. O voto não é um direito natural, o voto é uma forma de poder, que deve ser estendido aos trabalhadores para que estes possam defender seus direitos no mais puro sentido que o liberalismo atribui.

7 Um bom sistema representativo é aquele que não permite que qualquer interesse seccional se torne forte o suficiente para prevalecer contra a verdade, a justiça e todos os outros interesses seccionais juntos. Em segundo lugar, voto plural, os votos deveriam ser contados com pesos diferentes, dependendo de quem o tivesse dado.

8 Indivíduo e Liberdade O homem é um ser capaz de desenvolver suas capacidades. O governo democrático é melhor porque encontramos as condições que favorecem o desenvolvimento das capacidades de cada cidadão. Com a perspicácia que lhe é caracterizada, Mill aponta para o fato de que uma sociedade livre, na medida mesmo em que propicia o choque das opiniões e o confronto de idéias propostas, cria condições para que a justiça e a verdade subsistam.

9 Como utilitarista, ele recusa a teoria dos direitos naturais, mas a liberdade também não é um luxo que interesse apenas a uma minoria esclarecida. É antes de mais nada o substrato necessário para o desenvolvimento de toda a humanidade. É o é principalmente porque ela torna possível a manifestação da diversidade, a quais, por sua vez, é o ingrediente necessário para se alcançar a verdade. A sua leitura é sempre uma surpresa agradável que pode enfrentar o desarmamentos do preconceitos que constituem cercar textos clássicos do liberalismo.

10 SOBRE A LIBERDADE Na Antigüidade se entendia por liberdade a proteção contra a tirania dos governantes políticos. Com o tempo o objetivo dos patriotas tornou-se fixar limites ao poder, os quais o governante deveria obedecer para exercê-lo sobre a comunidade; e esta limitação era o que eles entendiam por liberdade.Isto era feito de duas formas:

11 Primeiro, pela obtenção de um reconhecimento de certas imunidades, as chamadas liberdades ou direitos políticos, que devia ser encarado como uma brecha no dever para o governante infringir e que, se ele de fato infringisse,tinha como justificável a resistência específica ou a rebelião

12 Uma segunda, era o estabelecimento de obstáculos constitucionais, pelos quais o consentimento da comunidade ou de um grupo da mesma espécie que se supunha representar seus interesses, tornava-se uma condição necessária a alguns dos atos mais importantes do poder dirigente.

13 Chegou um tempo em que os homens pararam de supor, pareceu-lhes muito melhor que os vários magistrados do Estado deveriam ser seus inquilinos ou delegado, destituível segundo a sua vontade.Gradativamente, esta nova demanda por governantes eletivos e temporários tornou-se o objetivo dominante dos esforços do partido popular, onde quer que um tal partido existisse, e substituiu, numa considerável extensão, os esforços anteriores para limitar o poder dos governantes.

14 Nas teorias políticas e filosóficas, tanto quanto nas pessoas, o sucesso revela defeitos e enfermidades cujo fracasso pode ter escapado à observação. Contudo, uma república democrática passou a ocupar uma parcela ampla da superfície da terra e se fez sentir como um dos membros mais poderosos da comunidade das nações; e o governo eletivo e responsável tornou-se sujeito a observação e críticas que ficam a espera de um grande acontecimento.

15 O único fim para o qual a humanidade está autorizada, individual ou coletivamente, a interferir na liberdade de ação de qualquer fração de seu número é a autoproteção. A única parte da conduta de alguém, pela qual este é responsável perante a sociedade, é aquela que diz respeito aos demais. Sobre si mesmo, sobre seu próprio corpo e mente, o indivíduo é soberano.

16 No mundo moderno, o tamanho maior das comunidades políticas e, acima de tudo, a separação entre a autoridade espiritual e temporal, impedem tão grande interferência pela lei nos detalhes da vida privada. A religião, o mais poderoso dos elementos que têm entrado na formação da opinião moral,tem sido quase sempre governada ora pela ambição de uma hierarquia que busca o controle sobre cada departamento da conduta humana, ora pelo espírito do puritanismo.

17 Desta forma, a maneira de reduzir ou limitar o poder de tirania das leis, do Estado e da sociedade, será, portanto a minimização da estrutura do Estado para que este possa intervir o mínimo possível na vida prática da sociedade e do indivíduo (teoria liberal). Na teoria de Stuart Mill as leis passariam a apresentar, através do liberalismo, ou da liberalização do Estado, regras de proteção para minimizar a tirania do Estado e da sociedade contra o indivíduo.

18 Ressalta-se, porém, o seguinte: Mesmo que toda a sociedade e o Estado estivessem em harmonia e uma só pessoa estivesse contra suas decisões, nem este Estado e esta sociedade se justificariam mais em exercer a tirania sobre o indivíduo, que estivesse em desacordo, do que esse indivíduo se estivesse no poder e tiranizasse a sociedade e ao Estado. O melhor governo não tem maior direito que o pior.

19 Há, portanto dois tipos de caráter que se fazem fundamentais para o bem geral da humanidade: o ativo (aquele que combate os males ou se esforça para que as circunstâncias sejam vencidas) e o passivo (aquele que suporta, ou que se curva às circunstâncias da vida).


Carregar ppt "OS CLÁSSICOS DA POLÍTICA - MILL Elaboração e revisão : Dr. Dejalma Cremonese – Professor do Mestrado em Desenvolvimento e do Departamento de Ciências Sociais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google