A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande Do Sul Componente Curricular: Ciência Política e Teoria do Estado Professor: Dejalma Cremonese.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande Do Sul Componente Curricular: Ciência Política e Teoria do Estado Professor: Dejalma Cremonese."— Transcrição da apresentação:

1 Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande Do Sul Componente Curricular: Ciência Política e Teoria do Estado Professor: Dejalma Cremonese Aluno: Camila Makcine de Souza Maciel Conceito: Vilfredo Pareto Ijuí, março de 2008

2 Vilfredo Pareto Nasceu: Em 15 de julho de 1848 em Paris, França Faleceu: Em 19 de agosto de 1923

3 Vilfredo nasceu em Paris como Marquês Vilfredo Frederico Damaso Pareto, mas foi educado na Itália onde se formou Engenheiro pela escola politécnica de Turim.

4 Em 1870 tornou-se doutor com a tese Os princípios fundamentais do equilíbrio em corpos sólidos, que despertaram seu futuro interesse na análise de equilíbrio na Economia e Sociologia.

5 Durante o período de 1874 e 1892Vilfredo viveu em Florença, tendo sido Engenheiro Ferroviário e Diretor Geral das estradas de ferro italianas. Na mesma época também participou da Sociedade Adam Smith em Florença.

6 Ele era adepto, na época do liberalismo e da democracia. Em 1892 foi candidato ao cargo de deputado, porém sem sucesso.

7 Em 1889 casou-se com Alessandra Bakunin. Logo no ano de 1901 separou-se de Alessandra, e em 1902 passou a viver com Jeanne Régis.

8 Em 1892 e 1894 publicou estudos sobre os princípios fundamentais da economia pura, entre outros pontos da teoria econômica.

9 No mesmo ano de 1892, após contato com L.Walras, este o indicou para tomar seu lugar na cadeira de Economia política da Universidade se Lausuanne, logo em 1893 assumiu o cargo.

10 Em 1897 executou um estudo sobre a distribuição de renda e de riquezas em diferentes países. Através deste estudo concluiu que uma minoria (20%) das pessoas controlam a grande maioria (80%) da riqueza.

11 O efeito de Pareto pode ser observado também no Controle de Qualidade onde normalmente 80% dos problemas se originam de apenas 20% das causas.

12 O gráfico de Pareto é utilizado para mostrar a ação do princípio. Os dados são colocados de tal forma que os poucos fatores que causam a maioria dos problemas podem ser observados.

13 A transposição do principio para o Controle Estatístico de Qualidade e consequentemente para a Estatística é devida a J.M Duran que cunhou a frase poucos vitais muitos Triviais, e que observou que é um principio universal e o batizou como principio de Pareto.

14 A partir de 1907, por motivos de doença Pareto passou a reduzir, pouco a pouco, seu trabalho como professor.

15 Em 1923 Vilfredo Pareto foi nomeado Senador do reino da Itália. Publicou então dois artigos nos quais se aproxima do fascismo recomendado aos adeptos desta ideologia uma

16 Pareto introduziu o conceito de ótimo de Pareto e ajudou o desenvolvimento da microeconomia com a idéia de curva de indiferença.

17 A partir de então, tal princípio de análise, conhecida como Lei de Pareto, tem sido estendido a outras áreas e atividades tais como a industrial e a comercial, sendo mais amplamente aplicado a partir da segunda metade do século XX.

18 Na sociologia, Pareto contribuiu para a elevação desta disciplina ao estudo ao estatuto de ciência. Sua recusa em atribuir um caráter utilitário, á ciência, mas antes apontar para sua busca pela verdade independente de sua utilidade, o faz distinguir como objeto da sociologia as ações não- lógicas diferentemente do objeto da economia como sendo as ações lógicas.

19 O homem para Vilfredo Pareto não é um ser racional, mas um ser que raciocina tão somente. Frequentemente este homem tanta atribuir justificativas pretensamente lógicas para suas ações ilógicas deixando-se levar pelos sentimentos.

20 A relação entre ciência e ação para Pareto se dá diretamente com a ações lógicas, uma vez que estas, ao se definirem pela coincidência entre a relação objetiva e subjetiva entre meios e fins.

21 É preciso, no entanto ressaltar que a ciência não pode resolver os problemas impostos pela ação. Aquela não pode indicar quais os melhores fins para esta, pode somente indicar os meios mais eficazes para atingi-los uma vez que escolhidos.

22 A ciência, portanto,não se propõe a efetuar juízos de valor a respeito das ações individuais ou da organização social, não poderá solucionar seus problemas.Poderá sim criticá-los enquanto não lógicos, ou seja, pautados numa relação falsa, não objetiva, entre meios fins.

23 Bibliografia Internet:


Carregar ppt "Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande Do Sul Componente Curricular: Ciência Política e Teoria do Estado Professor: Dejalma Cremonese."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google