A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SOCERJ 2004; 17: 177-182 Fernando Bisinoto Maluf, Interno-ESCS Marco Antônio Rios Lima, Interno-ESCS Coordenadora: Dra. Sueli R. Falcão.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SOCERJ 2004; 17: 177-182 Fernando Bisinoto Maluf, Interno-ESCS Marco Antônio Rios Lima, Interno-ESCS Coordenadora: Dra. Sueli R. Falcão."— Transcrição da apresentação:

1 SOCERJ 2004; 17: Fernando Bisinoto Maluf, Interno-ESCS Marco Antônio Rios Lima, Interno-ESCS Coordenadora: Dra. Sueli R. Falcão

2 Fisiologia da Despolarização e Repolarização Despolarização Progressão de uma onda de cargas positivas (potencial de ação) para dentro das células. Despolarização Progressão de uma onda de cargas positivas (potencial de ação) para dentro das células. Repolarização Restituição de cargas negativas dentro das células Repolarização Restituição de cargas negativas dentro das células

3

4 Fisiologia da Despolarização e Repolarização Despolarização nas células musculares resultado do movimento de íons (K +, Na +, Ca + ) através do canais protéicos localizados nas membranas celulares. O potencial de ação transmembrana da célula muscular cardíaca, chega a durar 15 vezes mais que no músculo esquelético (graças à presença de um platô).

5 Fase 4 Fase de diástole elétrica, sem alterações na voltagem transmembrana -45 mV no interior da célula Fase 3 Repolarização rápida, com do efluxo de K+ e inativação dos canais de Ca+ Fase 2 Platô do potencial de ação, com equilíbrio entre o influxo de Ca+ decadente e o efluxo de K+ crescente Fase 1 Inativação rápida da corrente de Na+ e ativação de uma corrente transitória de curta duração para fora da célula. Fase 0 Ascensão, com influxo de Na+ (canais rápidos) e Ca+ (canais lentos) para dentro da célula. Fases do Potencial de Ação

6 Fisiologia da Despolarização e Repolarização Determinantes da duração do platô Freqüência Temperatura Concentrações extracelulares de Ca + e K + Agonistas simpáticos e parassimpáticos Agentes farmacológicos cardioativos.

7 Fisiologia da Despolarização e Repolarização Período Refratário Intervalo de tempo durante o qual o impulso cardíaco normal não pode reexcitar uma área já excitada, tendo uma duração de 0,25s – 0,30s (duração do potencial de ação). Período Refratário relativo surge no final do período refratário, quando algum estímulo muito intenso pode desencadear uma nova despolarização (despolarização diastólica precoce).

8

9 Fisiologia da Despolarização e Repolarização A configuração do potencial de ação das células cardíacas varia com a localização, tamanho e função do vários tipos celulares presentes no coração. Nódulo sinusal Nódulo sinusal marcapasso cardíaco, produz despolarizações espontâneas moduladas pelo SNA. Propagação do impulso Propagação do impulso depende também das zonas de oclusão (discos intercalares) que facilitam a transmissão célula a célula.

10

11 Intervalo QT Indica a duração da atividade elétrica total dos ventrículos. Vai do início do complexo QRS até o final da onda T, medido preferencialmente nas derivações AVL e D 1, V 3 e V 4 (sem interferência da onda U).

12 QTc = QTi RR Intervalo QT A duração normal do QT (0,3- 0,46) varia conforme idade, sexo e principalmente com a Freqüência Cardíaca. Fórmula para QT corrigido

13 Síndrome do QT Longo Miocárdio Ventricular Células M são mais propensas a um prolongamento do seu potencial de ação

14 Fenômeno de Reentrada (perpetuador) Despolarização diastólica precoce Camadas de miocárdio excitáveis X Camadas ainda em despolarização Diferença entre o potencial de ação dos miócitos Síndrome do QT Longo

15 Aspectos da Síndrome do QT Longo no ECG: do intervalo QT Onda T bífida (denteada) maior evolução para EAD. Alternância de onda T (precede aparecimento do Torsade de Pointes)

16 Causas Externas (QT longo adquirido) Mutações genéticas (QT longo congênito) Facilita eclosão de Torsade de Pointes Período vulnerável do coração Degeneração em FV Morte Súbita Síndrome do QT Longo

17 Torsade de Pointes: Taquicardia Ventricular polimófica distinta, com aspecto sinusoidal (padrão fusiforme- nodal).

18 Síndrome do QT Longo Etiologia: Dois grandes grupos:Dois grandes grupos: – Formas congênitas: Síndromes hereditárias mutações em canais iônicos. – Formas adquiridas: Drogas, distúrbios hidroeletrolíticos e doenças de base.

19 Síndrome do QT Longo Adquirida Drogas: Drogas: – Capacidade do fármaco em promover QT longo e induzir arritmias ventriculares malignas multifatorial – Ação da droga nos canais iônicos – Variabilidade genética destes canais – Situações metabólicas e autonômicas

20 Síndrome do QT Longo Adquirida Drogas: Drogas: – Probabilidade de ocorrência de Torsade de Pointes não depende somente do intervalo QT. – Segurança de uma droga Considerar o número de pacientes potencialmente expostos a ela. – Decisão de uso da droga Pesar o risco-benefício, considerar a existência de outras opções mais seguras e o prognóstico do não-tratamento

21

22 Síndrome do QT Longo Adquirida Drogas Drogas Antiarrítmicos – Antiarrítmicos devem ser usados com cautela, com monitorização cuidadosa do paciente, considerando o início intra-hospitalar em pacientes de alto risco. – O uso de fármacos pode desmascarar um paciente com QT normal ou discretamente elevado e portador da síndrome do QT longo congênito.

23

24 Síndrome do QT Longo Adquirida Distúrbios hidroeletrolíticos associados: Distúrbios hidroeletrolíticos associados: Hipopotassemia – Hipopotassemia Hipomagnesemia – Hipomagnesemia Hipocalcemia – Hipocalcemia hiperexcitação do sistema nervoso aumento da permeabilidade neuronal aos íons sódio início fácil dos potenciais de ação.

25 Síndrome do QT Longo Adquirida Doenças de base Doenças de base – Miocardite aguda – Pericardite – Bradicardias muito associadas – Idiopática

26 Síndrome do QT Longo Adquirida Tratamento: Correção das anormalidades metabólicas Suspensão do fármaco ofensor Infusão de Magnésio + estimulação elétrica temporária (diminuem o QT e evitam arritmias pausa- dependentes. Antiarrítmicos (classe 1B)

27 Síndrome do QT Longo Congênita Existem 3 genes que codificam os canais de sódio e potásssio: KVLQT1 HERG SCN/5ACanais Na + Canais K + Mutação Incapacidade de ativação dos canais Prolongamento QT Incapacidade de inativação dos canais

28 Síndrome do QT Longo Congênita Jerwell (autossômico recessivo) Lange-Nielsen (autossômico recessivo) Romano-Ward (autossômico dominante)

29 Síndrome do QT Longo Congênita Tratamento: Beta-bloqueadores Estimulação elétrica permanente Implante de cardioversor/desfibrilador Ganglionectomia simpática cervicotorácica esquerda

30 Obrigado! Ddo Fernando Maluf Ddo Marco Antônio


Carregar ppt "SOCERJ 2004; 17: 177-182 Fernando Bisinoto Maluf, Interno-ESCS Marco Antônio Rios Lima, Interno-ESCS Coordenadora: Dra. Sueli R. Falcão."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google