A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CONTROLE SOCIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE -SUS Fevereiro/2007 Turma CESUPA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CONTROLE SOCIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE -SUS Fevereiro/2007 Turma CESUPA."— Transcrição da apresentação:

1 CONTROLE SOCIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE -SUS Fevereiro/2007 Turma CESUPA

2 QUEM DECIDE O QUE É MELHOR PARA A SOCIEDADE ? COMO SÃO DECIDIDAS AS PRIORIDADES NAS POLÍTICAS PÚBLICAS ?

3 A discussão do Controle Social na Sociedade Brasileira, a partir da Constituição Federal, ganhou uma dimensão relevante porque com ela estamos discutindo a relação Estado e Sociedade.

4 Participação Cidadã e Controle Social: Controle Social: É a capacidade que tem a sociedade organizada de atuar nas políticas públicas, em conjunto com o Estado, para estabelecer suas necessidades, interesses e controlar a execução destas políticas.

5 HISTÓRICO A Constituição Federal/88 inovou a relação do Estado com a sociedade, tendo por base: a participação ativa de organizações da sociedade na formulação e co-gestão das políticas sociais. A Constituição Federal/88 inovou a relação do Estado com a sociedade, tendo por base: a participação ativa de organizações da sociedade na formulação e co-gestão das políticas sociais. Criou também, mecanismos que a sociedade pode se utilizar para promover o controle social junto aos atos da Administração Pública, dentre os quais podemos citar: Criou também, mecanismos que a sociedade pode se utilizar para promover o controle social junto aos atos da Administração Pública, dentre os quais podemos citar:

6 A EXPERIÊNCIA DOS CONSELHOS NO BRASIL... NAS COMISSÕES DE FÁBRICAS – A PARTIR DA DÉCADA DE 60; CONSELHOS TÉCNICOS NORMATIVOS – COMISSÕES DE GESTÃO DOS INSTITUTOS; CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE – CRIADO EM 1937; CONSELHOS DE GOVERNO E CIDADÃOS – IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS, CONSELHOS DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL E CONSELHOS COMUNITÁRIOS; CONSELHOS POPULARES X CONSELHO DE GESTÃO

7 NO TEXTO CONSTITUCONAL INDICA A DEMOCRATIZAÇÃO, COM PARTICIPAÇÃO SOCIAL.. SEGURIDADE SOCIAL – art. 194 inciso VII; SAÚDE – art. 198, inciso III e lei 8142/90 parágrafo 1º. ASSISTÊNCIA SOCIAL – art. 204,inciso II e lei 8742/93 art. 6º EDUCAÇÃO – art. 206,inciso VI e LDB e lei 9394/96; FAMÍLIA,CRIANÇA,ADOLESCENTE E IDOSO – Art.227, ECA: lei 8069/90, art

8 Os conselhos são orgãos colegiados que participam da gestão das políticas públicas que são constituídos por membros do poder público e da sociedade civil. Os conselhos podem ser deliberativos ou consultivos Os conselhos por natureza são: 1) democráticos – as decisões tomadas coletivamente 2) representativos – ser porta-voz de uma demanda 3) permanentes – criado por lei, integra a gestão política 4) paritários – elementos pares a fim de estabelecer igualdade nas decisões.

9 Propôs a criação de Conselhos: instâncias de negociação e pactuação das propostas institucionais e das demandas da comunidade. Propôs a criação de Conselhos: instâncias de negociação e pactuação das propostas institucionais e das demandas da comunidade. Outras formas de atuação do controle: Mandado de Injunção; Mandado de Injunção; Mandado de Segurança coletivo; Mandado de Segurança coletivo; Ação Popular; Ação Popular; Ação Civil Pública; Ação Civil Pública; Código de Defesa do Consumidor. Código de Defesa do Consumidor. Propôs a criação de Conselhos: instâncias de negociação e pactuação das propostas institucionais e das demandas da comunidade. Propôs a criação de Conselhos: instâncias de negociação e pactuação das propostas institucionais e das demandas da comunidade.

10 O PAPEL DOS ÓRGÃOS DO CONTROLE SOCIAL

11 Os Conselhos são instâncias deliberativas do Sistema Descentralizado e Participativo, constituídos em cada esfera do governo com caráter permanente e composição paritária, isto é, igual número de representantes do governo e da Sociedade Civil.

12 Os Conselhos são órgãos colegiados de caráter permanente e deliberativo com funções de formular estratégias, controlar e fiscalizar a execução das políticas públicas, inclusive nos aspectos econômicos e financeiros.

13 O OBJETIVO DOS CONSELHOS É O CONTROLE SOCIAL DA GESTÃO PÚBLICA PARA QUE HAJA UM MELHOR ATENDIMENTO À POPULAÇÃO.

14 Os Conselhos existem nas três esferas de Governo: Esfera Federal: Temos Conselhos Setoriais das Políticas Públicas (Saúde, Educação, Assistência Social, entre outras) e Conselhos de Direitos com seus respectivos Fundos implementados. Esfera Estadual: Os Conselhos Estaduais de Políticas Públicas (Saúde, Educação e Assistência Social, entre outras) estão funcionando em todas as 27 (vinte e sete) unidades federadas com Fundos implementados. Esfera Municipal: Na maioria dos Municípios estes Conselhos também estão criados.

15 A proliferação destes Conselhos representa um aspecto positivo, ao criar oportunidades para a participação da sociedade na gestão das Políticas Públicas. No entanto, há que se avaliar o funcionamento efetivo e a eficácia da atuação destes Conselhos.

16 Funcionamento dos Conselhos: Para que o Conselho funcione adequadamente, algumas condições são necessárias: Que o Conselho tenha Legitimidade. Que o Conselho tenha Legitimidade. Que o Conselho seja Representativo. Que o Conselho seja Representativo. Que o Conselho tenha Efetividade e Eficácia. Que o Conselho tenha Efetividade e Eficácia.

17 O REGIMENTO INTERNO DE UM CONSELHO DEVE CONSTAR... REUNIÕES ORDINÁRIAS E EXTRAORDINÁRIAS; A FORMA DE CONVOCAÇÃO DOS CONSELHEIROS; A PAUTA DA RENIÃO E A ATA; AS DECISÕES,DELIBERAÇÕES E RESOLUÇÕES; PRESIDÊNCIA DO CONSELHO; CRIAÇÃO DE COMISSÕES TEMÁTICAS; ESTRUTURAÇÃO DA SECRETARIA EXECUTIVA, ASSESSORIA TÉCNICA E OUTROS

18 CONDIÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O DESEMPENHO DE UM CONSELHO... LEGITIMIDADE AUTONOMIA ORGANICIDADE PERMEABILIDADE VISIBILIDADE ARTICULAÇÃO

19 COMPOSIÇÃO DO CONSELHO POR CADA POLÍTICA PÚBLICA... NA SAÚDE 50% usuários,25% trabalhadores e 25% prestadores. ASSISTÊNCIA SOCIAL 50% usuários,50% do poder público. EDUCAÇÃO 25% alunos,25% professores,25% pais e 25% técnicos;

20 ATRIBUIÇÕES LEGAIS E ESPAÇO DE ATUAÇÃO DO CONSELHO DE SAÚDE... POSTURA CRIADORA/OFENSIVA – na atuação e formulação de estratégias na implantação do modelo vigente; POSTURA FISCALIZADORA/DEFENSIVA – na atuação sobre o controle da execução das políticas contra os desvios e distorções. Além destas atribuições legais existem: acompanhamento da execução dos programas prioritários; pesquisa de amostragem dos usuários,prestadores e outros; formulação das diretrizes e estratégias e avaliar os instrumentos de gestão do SUS prioridade das políticas de saúde de promoção,proteção e recuperação da saúde do coletivo e de grupos de riscos.

21 RELAÇÕES DO CONSELHO DE SAÚDE COM A GESTÃO... COMPETÊNCIAS TÍPICAS DA GESTÃO: PLANEJAMENTO; ORÇAMENTO; PROGRAMAÇÃO; NORMATIZAÇÃO; DIREÇÃO/GERÊNCIA; OPERACIONALIZAÇÃO/EXECUÇÃO; CONTROLE/AVALIAÇÃO/AUDITORIA

22 RELAÇÕES ENTRE OS REPRESENTANTES DOS SEGMENTOS DENTRO DE CADA CONSELHO... Não devem trazer para dentro dos conselhos, os confrontos: situação governamental x oposição; um partido x outro partido; Estado x sociedade; corporação x corporação; corporação x sociedade. Atualmente, existe uma competência e maturidade natural Para negociar interesses e conflitos a favor de conquistas Parciais e gradativas do SUS,seus princípios e modelo.

23 O PAPEL DAS COMISSÕES DOS CONSELHOS... Tem por finalidade exclusiva de assessorar o plenário do conselho,fornecendo subsídios de discussão para deliberar sobre formulação de estratégias e controle de execução de políticas de saúde. Não são deliberativas,nem normatizadoras e programadoras,devem recolher e articular Políticas,normas e programas das Instituições e setores de interesse para o SUS.

24 AS RELAÇÕES DO CONSELHO COM O PODER LEGISLATIVO, ENTRE CONSELHOS... Acompanhamento de projetos de leis em tramite; estabelecer contatos com os demais conselhos de outras esferas e das políticas sociais; participar de fóruns na conquista de direitos coletivos; elaborar trabalhos conjuntos na melhoria das políticas públicas

25 O EXERCÍCIO DO CONTROLE SOCIAL EXIGE: Socialização de informações; Socialização de informações; Acompanhamento e fiscalização das ações governamentais; Acompanhamento e fiscalização das ações governamentais; Controle do orçamento público; Controle do orçamento público; Fiscalização dos fundos públicos; Fiscalização dos fundos públicos; Avaliação do desempenho das políticas públicas; Avaliação do desempenho das políticas públicas; Realização de reuniões abertas; Realização de reuniões abertas; Realização de audiências, assembléias e fóruns para ampliar a participação da sociedade no controle das políticas públicas. Realização de audiências, assembléias e fóruns para ampliar a participação da sociedade no controle das políticas públicas.

26 ALGUNS DESVIOS NA TRAJETÓRIA DOS CONSELHOS: Apesar da Lei determinar o caráter deliberativo desses Conselhos, em geral denotam um caráter eminentemente consultivo. Apesar da Lei determinar o caráter deliberativo desses Conselhos, em geral denotam um caráter eminentemente consultivo. Dificuldade e resistência do poder público em permitir a publicização do Estado; Dificuldade e resistência do poder público em permitir a publicização do Estado; Transparência e socialização de informações fundamentais para que os Conselhos exerçam o controle social. Transparência e socialização de informações fundamentais para que os Conselhos exerçam o controle social.

27 Ausência de esquemas próprios de divulgação e comunicação com a sociedade – a visibilidade e transparência dos Conselhos; Ausência de esquemas próprios de divulgação e comunicação com a sociedade – a visibilidade e transparência dos Conselhos; Autonomia – Na prática dos Conselhos, fica evidente a dependência quanto às condições administrativas, financeiras e técnicas. Autonomia – Na prática dos Conselhos, fica evidente a dependência quanto às condições administrativas, financeiras e técnicas.

28 CONDIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DOS CONSELHOS: CONDIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DOS CONSELHOS: Autonomia – infra-estrutura (espaço físico e secretaria executiva, dotação orçamentária) e condições de funcionamento autônomo. Autonomia – infra-estrutura (espaço físico e secretaria executiva, dotação orçamentária) e condições de funcionamento autônomo. Transparência e socialização de informações - para controlar o orçamento e os gastos públicos. Transparência e socialização de informações - para controlar o orçamento e os gastos públicos. Visibilidade- divulgação e publicização das ações dos Conselhos. Visibilidade- divulgação e publicização das ações dos Conselhos.

29 Integração – criar estratégias de articulação e integração do Conselho, através de agendas comuns e fóruns mais amplos, que contribuam para superar a setorização e a fragmentação das políticas públicas. Integração – criar estratégias de articulação e integração do Conselho, através de agendas comuns e fóruns mais amplos, que contribuam para superar a setorização e a fragmentação das políticas públicas. Articulação – dos Conselhos com outras instâncias de Controle Social como os Fóruns e Comissões Temáticas ampliando a participação da sociedade no Controle Social das Políticas Públicas. Articulação – dos Conselhos com outras instâncias de Controle Social como os Fóruns e Comissões Temáticas ampliando a participação da sociedade no Controle Social das Políticas Públicas. Capacitação Continuada dos Conselhos – desenvolver um processo contínuo de formação dos Conselheiros, instrumentalizando-os para o efetivo exercício do controle social. Capacitação Continuada dos Conselhos – desenvolver um processo contínuo de formação dos Conselheiros, instrumentalizando-os para o efetivo exercício do controle social..

30 O que é ser moderno ? O que é ser moderno ?.

31 Será que é ter uma ferrari ? Ou ter o último modelo de celular ? Mas se você é um agente transformador para a construção de uma sociedade mais justa e com direitos assegurados, tenho a certeza que você é moderno. Obrigado pela atenção ! VÍTOR MATEUS.


Carregar ppt "CONTROLE SOCIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE -SUS Fevereiro/2007 Turma CESUPA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google