A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

31/12/2013 1 ÉTICA Conceito e Classificação 1. Definições: a) Definição1: Ética é a ciência do comportamento moral dos homens em sociedade b) Definição2:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "31/12/2013 1 ÉTICA Conceito e Classificação 1. Definições: a) Definição1: Ética é a ciência do comportamento moral dos homens em sociedade b) Definição2:"— Transcrição da apresentação:

1 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação 1. Definições: a) Definição1: Ética é a ciência do comportamento moral dos homens em sociedade b) Definição2: Ética é o conjunto de normas de comportamento e formas de vida através do qual o homem tende a realizar o valor do bem. Obs: - n 1- É ciência: Tem (a) objeto de estudo (a moral, moral positiva, o bem), (b) leis e método próprio; - n 2- Etimologia: ethos (grego) = costumes {(mos, mores (latim)--> moral); - n 3- Moral: É um dos aspectos do comportamento humano; (Outros: jurídico, social, alimentar, etc.) É um conjunto de regras de comportamento próprias de uma cultura. - n 4.- A ética vai além da moral: procura os princípios fundamentais do comportamento humano (J. R. Nalini).

2 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação 2. ÉTICA E MORAL Ética: é disciplina filosófica que busca refletir sobre os sistemas morais elaborados pelos homens, tentando compreender a fundamentação das normas e das interdições peculiares de cada sistema social e cultural. - É estudo sistematizado das diversas morais, onde se explicita seus pressupostos, seus objetivos e valores que sustentam determinada moral. - É disciplina teórica sobre a prática humana que se traduz no comportamento moral. - Ética vem da palavra grega "Frónesis", que significa prudência. Prudência, por sua vez, quer dizer agir com cuidado para evitar erros. A ética é, assim, uma referência de como se deve agir para fazer o bem e o melhor. E o que é bom ou ruim, certo ou errado, varia com o tempo e de sociedade para sociedade. E tem outra coisa: as atitudes consideradas éticas não são decretadas por alguém. Não adianta impor um conceito porque os valores éticos são fruto de um processo histórico que conta com a participação de toda a sociedade, explica o professor de Ciência Política, Leonardo Barreto, da Universidade de Brasília Moral: é o conjunto de normas que orientam o comportamento humano com base em valores próprios tendo em vista certa sociedade e esta varia no espaço e no tempo e constrói e moralidade bem como a sua cultura e identidade. - A moral traça princípios para que o homem consiga ter uma ação moralmente correta. - As normas morais são obedecidas a partir da convicção íntima de cada indivíduo. - A moral pode então ser entendida como o conjunto das práticas cristalizadas pelos costumes e convenções histórico-sociais.

3 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação 2.1. Perguntas: a) O que é moral? b) A moral é igual para todos? c) A moral é estática ou dinâmica? d) O que influência a formação da moral? e) Podemos influenciar na moral de uma pessoa? f) Existe conflito moral? O que seria? g) A ética e a moral são a mesma coisa? h) A ética cria a moral ou a moral cria a ética?

4 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação 2. Valores éticos: sintetizados por Aristóteles em Ética a Nicômaco (Nicômaco era o nome do pai e do filho dele) (Escreveu ainda Ética a Eudemo, e Grande Ética) Coragem Temperança Liberalidade Magnanimidade Mansidão Franqueza Justiça

5 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação 3. Importância da Ética 3.2. Juramento do Formando de Direito Prometo, no exercício das funções de meu grau, respeitar sempre os princípios da honestidade, baseando minhas ações no Direito, promovendo a justiça, pugnando pelos bons costumes e nunca faltar à causa da humanidade.

6 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação 3.3. Mandamento do Advogado I – Estuda O direito se transforma constantemente. Se não segues seus passos serás cada dia um pouco menos advogado. II – Pensa O direito se aprende estudando, mas se exerce pensando. III – Trabalha A advocacia é uma árdua fadiga posta ao serviço da Justiça. IV – Luta Seu dever é lutar pelo direito, mas o dia em que encontrares em conflito o direito com a justiça, luta pela justiça. V – Sê leal Leal para com teu cliente, que não deves abandonar até que compreendas que é indigno de ti. Leal para com o adversário, ainda mesmo que ele seja desleal para contigo. Leal para com o juiz, que ignora os fatos, e deve confiar no que tu dizes e que, quanto ao direito, vez por outra, deve confiar no que tu dizes.

7 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação VI – Tolera Tolera a verdade alheia na mesma medida que queres que seja tolerada a sua. VII – Tem paciência O tempo se vinga das coisas que se fazem sem sua colaboração. VIII – Tem fé Tem fé no direito, como o melhor instrumento para a convivência humana; na justiça como destino normal do direito; na paz, como substitutivo bondoso da justiça; e, sobretudo, tem fé na liberdade, sem a qual não há direito, nem justiça, nem paz. IX – Esquece A advocacia é uma luta de paixões. Se, em cada batalha, forem enchendo tua alma de rancor, chegará o dia em que a vida será impossível para ti. Terminando o combate, esquece, logo, tua vitória, como tua derrota. X – Ama tua profissão Trata-se de considerar a advocacia de tal maneira que, no dia em que teu filho te peça conselho sobre seu destino, consideres uma honra para ti propor-lhe que se torne advogado.

8 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação 4. CLASSIFICAÇÕES DA ÉTICA A) Quanto ao resultado do comportamento: 1 – Ética absoluta (apriorística); 2 – Ética relativa (factual, experimental). B) Quanto ao aspecto histórico (sobretudo ocidental): 1 – Ética empírica (em contraste com a ética racionalista) 2 – Ética dos bens 3 – Ética formal 4 – Ética de valores

9 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação 4.1. Ética absoluta (apriorística): Conceitos: - Seu enfoque para explicar o mundo é a razão (constrói a teoria explicativa e vai ao mundo para ver sua adequação). - Cada ser humano tem uma bússola, um semáforo (a consciência, a razão) - Inato que indica racionalmente o que é bom e o que é mau, o que tem valor. - A norma ética é atemporal, absoluta, ubíqua (Existem valores éticos que podem ser conhecidos - e ensinados - a priori). - Existe ética universal, objetiva (em contraposição a subjetiva).

10 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação A.2 – Ética relativa (factual, experimental) Conceitos: - Seu enfoque é o estado atual do mundo (observa o que existe e constrói a teoria explicativa). - A norma ética é puramente convencional, mutável, subjetiva. Logo existem várias normas aplicáveis (para uma mesma situação). - Não existem valores universais, objetivos, mas estes são convencionais, condicionados ao tempo e ao espaço. - Não existem valores a priori: eles são criados conforme seja necessário ou oportuno.

11 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.1 – Ética Empírica A ética empírica pode ser enfocada em 4 configurações: B Ética Anarquista B Ética Utilitarista B Ética Ceticista B Ética Subjetivista

12 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.1 – Ética Empírica - B Ética Anarquista Princípio Básico: Só tem valor o que não contraria as tendências naturais. Características: - Repudia normas e valores: Afirma que o direito (as leis), a moral, a religião, etc. são convenções sociais arbitrárias, fruto da ignorância, do medo e da maldade. - --> Toda organização social deve desaparecer. - Acredita existir a liberdade natural, i. é, inata (o que implicaria na prevalência dos mais fortes). - A busca do prazer e a fuga da dor é o objetivo supremo (ver Hedonismo). OBS. O anarquismo individualista e o comunista ou libertário são as formas atuais do anarquismo. No comunista tudo é comum, não há propriedade privada enquanto o anarquismo individualista adota-a.

13 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.1 – Ética Empírica - B Ética Utilitarista PRINCÍPIO BÁSICO: É bom o que é útil (A felicidade é o único fim da ação humana e sua consecução o critério para julgar toda conduta. J. S. Mill). COROLÁRIO: Os fins justificam os meios. CARACTERÍSTICAS: Xxxxxxx OBS.: O utilitarismo pode ser aceito se entendido como o emprego dos meios (eticamente válidos) para obtenção de fins moralmente valiosos.

14 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.1 – Ética Empírica - B Ética Ceticista PRINCÍPIO BÁSICO: Não se pode dizer com certeza o que é certo ou errado, bom ou mau, pois ninguém jamais será capaz de desvendar os mistérios da natureza. CARACTERÍSTICAS: - Na dúvida, o cético não nega, nem afirma: não julga, abstém-se de tomar uma atitude (o que já é uma atitude). - Dizem que não crêem em nada (o que é falso, pois se fossem coerentes duvidariam até desta afirmação). - Na realidade os céticos históricos não pregavam o ceticismo absoluto: admitiam valores como a dignidade do trabalho, acolhimento das leis locais, satisfação moderada das necessidades. NOMES: Sexto Empírico, Protágoras (c a.C.), Carneades ( a.C.) (ver: Os 100 livros que mais influenciaram a humanidade). OBS.:

15 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.1 – Ética Empírica - B Ética Subjetivista PRINCÍPIO BÁSICO: O homem é a medida de todas as coisas existentes ou inexistentes (Protágoras). DIVISÃO: - B.1.4.a. - Ética Subjetivista Individual - B.1.4.b.- Ética Subjetivista Social ou Específica CARACTERÍSTICAS (B.1.4.a. - Ética Subjetivista Individual) - Nesta ética cada qual adota a conduta mais conveniente com sua própria escala de valores. - O certo e o errado devem ser avaliados em função das necessidades do homem. - Não existe um critério objetivo, seguro de avaliação pois esta varia com o sujeito: Todas as opiniões seriam verdadeiras ou falsas. Não haveria ciência. NOMES: Protágoras ( a.C.) OBS.:

16 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação CARACTERÍSTICAS (B.1.4.b. - Ética Subjetivista Social ou Específica) - Nesta ética o certo, bom, justo, verdadeiro etc. são obtidos por apreciação coletiva, por indicação da sociedade. - Não existe um critério objetivo, seguro de avaliação pois esta varia conforme o grupo focalizado. - Todas as opiniões seriam verdadeiras ou falsas. Não haveria ciência. NOMES: Durkheim, Bouglé (Sociólogos Franceses) OBS.: 1.- Como a sociedade define o que é bom, tem-se a possibilidade de que ela chancele um erro pois a verdade não é definida estatisticamente (as sociedades nazista, faxista, canibais convivem com seus erros éticos). 2.- O subjetivismo ético (individual ou específico) originam o relativismo

17 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.1 – Ética Empírica - B Ética Cínica (Ética do Barril) PRINCÍPIO BÁSICO: A verdadeira felicidade está na libertação das coisas efêmeras - Independe do prazeres do luxo, do poder, da boa saúde, etc. Corolário: Pode ser alcançada por todos (e uma vez alcançada não pode ser perdida?). NOMES: Antístenes (fundador) - Diógenes: Vivia em um barril, só tinha uma túnica, um cajado e um embornal de pão. Respondeu a Alexandre, o grande, que lhe pediu se tinha algum desejo: Sim, desejo que te afastes do meu sol. - (Sócrates: Inspirador - Vejam quantas coisas o ateniense precisa para viver (no mercado))

18 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.2 – Ética dos bens PRINCÍPIO BÁSICO: Existe um bem supremo a nortear os comportamento. Ele é o fim de todos os meios. Bens possíveis: a) A Felicidade (grego: eudemonia; (eu = bom) + demonia (= espírito) ). Originou a corrente dos eudemonistas, como Aristóteles. b) A Virtude ou a prática do bem: A finalidade última do homem está em ser bom, virtuoso e não em ser feliz. Originou os idealistas. c) O Prazer (sensual, intelectual, artístico, etc.). Originou a corrente dos hedonistas (ver cínicos). d) A Sabedoria. OBS.: Há correntes mistas como Eudemonismo idealista (virtude é o meio, felicidade o fim); Eudemonismo hedonista (o prazer é o meio) DIVISÃO DA ÉTICA DOS BENS: - B Ética Socrática - B Ética Platônica - B Ética Aristotélica - B Ética Epicurista - B Ética Estóica

19 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.2 – Ética dos bens - B Ética Socrática PRINCÍPIO BÁSICO: As 2 máximas de Sócrates (c. 469 – 399 a.C.) Só sei que nada sei e Conhece-te a ti mesmo. Para ele o supremo bem, a virtude máxima é a sabedoria. CARACTERÍSTICAS: - Assim como Platão e Aristóteles, considerava o homem um ser social, político. - Para Sócrates, conhecendo o bem, por conseqüência o homem pratica-lo-á e será feliz. Quem faz o mal é porque não conhece o bem, pois conhecendo-o, não agiria contra o que tem no coração, para não ser infeliz (O mundo de Sofia, p. 84).

20 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.2 – Ética dos bens - B Ética Platônica (Filosofia do bosque) PRINCÍPIO BÁSICO: Para Platão (427 – 347 a.C), todos os fenômenos naturais são meros reflexos de formas eternas, imutáveis, as idéias, sugerindo o mundo das idéias. CARACTERÍSTICAS: - Discípulo de Sócrates, de quem registrou e desenvolveu as idéias, ensinava no bosque Academus procurando embasar a teoria da conduta em bases racionais, para serem sólidas, imutáveis. - Era dualista: os homens são formados por 2 naturezas: material (corpo, perecível) e espiritual (alma, imortal). - A lógica e a razão são os instrumentos para atingir a sabedoria. - O problema moral não é individual, mas coletivo, social e cabe ao estado providenciar educação aos cidadãos para conheçam e pratiquem as virtudes, o que torna-los-á felizes. - Em A República propõe o Estado modelo, utópico, com governantes filósofos, dividido em 3 castas: CORPO à CABEÇA PEITO BAIXO VENTRE - ALMA à Razão Vontade Desejo - VIRTUDE à Sabedoria Coragem Temperança - ESTADO à Governantes Segurança Trabalhadores

21 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.2 - Ética dos bens - B Ética Aristotélica (Filosofia peripatética: do passeio) PRINCÍPIO BÁSICO: Aristóteles (384 – 322 a.C.), aluno do Academus, diz que a felicidade só pode ser conseguida com a integração de suas 3 formas: prazer, virtude, sabedoria (ou: prazeres/satisfação + cidadania responsável + filosofia/ciência). CARACTERÍSTICAS: - A felicidade é um processo de busca constante da virtude, que é o desenvolvimento das faculdades naturais, e deve sempre obedecer a lei do meio termo, do equilíbrio (Virtus in medium est). - Contrariando Platão, propõe o estudo do mundo usando não só a razão (mundo mítico das idéias: visão racionalista) mas também os sentidos para observá-lo como ele é (visão empírica), criando a metodologia científica. - Sua famosa frase: O homem é um animal político por natureza, expõe seu pensamento quanto ao fato do agir social humano. OBS.: A mulher é passiva, inferior, mera receptora da semente de humanidade, fornecida pelo homem (idéia que vigorou até a idade média, no ocidente).

22 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.2 - Ética dos bens - B Ética Epicurista (Filosofia do jardim) PRINCÍPIO BÁSICO: Os seguidores de Epicuro (341 – 270 a.C.) tinham como bem supremo a felicidade, a ser atingido por meio dos prazeres (eudemonismo hedonista) e os do espírito são mais elevados que os do corpo. Seu objetivo maior era afastar a dor e os sofrimentos. CARACTERÍSTICAS: - Consideravam a prudência a virtude dos sábios. - A ética epicurista é individualista, com certo utilitarismo egoísta. - Admitiam 3 classes de prazer: Naturais e necessários (Ex.: satisfação moderada dos apetites); Naturais mas não necessários (Ex.: gula, ócio); Nem naturais nem necessários (Ex.: glória). Nomes:

23 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.2 - Ética dos bens - B Ética Estóica (Filosofia do pórtico (Grego Stoa)) PRINCÍPIO BÁSICO: Zenon (de Chipre, c. 300 a.C.) fundou esta filosofia que ensina a ética da virtude como fim: o estóico não aspira ser feliz, mas ser bom. CARACTERÍSTICAS: - Propunham o direito (normas éticas) universalmente válido, atemporal: o direito natural. - Professavam o monismo: os seres têm apenas uma natureza (todas as pessoas são parte de uma mesma razão universal, o logos). - Ensinavam que se deve desligar-se das afeições, do mundo exterior e viver conforme a natureza concebida pela razão. - Eram fatalistas: Nada acontece por acaso e o destino de todos está traçado. - Tanto as coisas felizes como as desgraças são coisas naturais e devem ser aceitas com naturalidade (com estoicismo). - NOMES: O imperador romano Marco Aurélio ( ), Sêneca (4 a.C - 65 d.C.), Cícero ( a.C).

24 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.3 - Ética formal (Ética do dever ou ética da atitude) PRINCÍPIO BÁSICO: Immanuel Kant propôs diretriz formal a que chamou imperativo categórico (vale sempre e é uma ordem): Age sempre segundo aquelas máximas através das quais possas, ao mesmo tempo, querer que elas se transformem em lei geral (O mundo de Sofia, p. 356, 357). CARACTERÍSTICAS: - Aceita a premissa básica da ética empírica: E possível distinguir o certo do errado através da experiência, do resultado do procedimento, da observação sensorial do que de fato ocorre no mundo, mas Juntamente com a premissa da ética racional: A razão deve ser consultada na investigação do fim último da existência humana. - Definiu máxima como: princípio subjetivo, autônomo, interno (ligada à idéia do dever à ética do dever). Lei moral: princípio objetivo, universal (diz como conduzir-se). - Autonomia e Heteronomia: Kant diz que a atitude ética é proveniente da vontade do agente (autonomia) e não de outrem (heteronomia). Uma ação é correta se feita com boa vontade, pureza de intenção, independente de sua conseqüência (ética da atitude). Classificação das ações: - A à Contrárias ao dever - B à Conformes ao dever: - B.1.à Feitas por dever - B.2.à Não feitas por dever (mas por outro motivo) (Ex.: Conservar a vida (é um dever) por dever mesmo quando não há mais apego a ela).

25 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.4 - Ética dos valores PRINCÍPIO BÁSICO: Uma ação é boa (e conseqüentemente é um dever) se estiver fundamentada em um valor (Kant, de modo inverso, se baseia na idéia do dever: uma ação é boa, tem valor, deve ser feita, se obedece o princípio categórico). CARACTERÍSTICAS: - Os valores existem e devem ser descobertos, ensinados e aprendidos. - Axiologia: Ciência que estuda os valores, sobretudo os morais. - Os valores obedecem a uma escala hierárquica e podem ser classificados em: a) vitais; b) espirituais; c) religiosos, etc. Exs. de valores: Justiça, Caridade, Temperança, família, pátria, liberdade, fraternidade, igualdade,...

26 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.4 - Ética dos valores Moral cristã (= ocidental) Santo Agostinho (354 – 430) São Tomás de Aquino – Tomismo (1225 – 1274) Moral cristã (= ocidental) PRINCÍPIO BÁSICO: Cristo reafirmou a doutrina bíblica do Antigo Testamento (decálogo), mas ressaltou enfaticamente 2 mandamentos: (1) Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o coração, com toda a tua alma e com toda a tua força e (2) ao próximo como a si mesmo (Deuteronômio, VI, 5 e Levítico, XIX, 18). CARACTERÍSTICAS: - Cristo põe de forma pró-ativa a lei de ouro da ética Não faça ao outro o que não queres que o outro te faça, dizendo: Tudo que quereis que os outros vos façam, fazei primeiro a eles (Mateus, VII, 12). (Bastaria a sua observância para a desnecessidade de qualquer outro comando ético ou legal – J. R. Nalini).

27 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.4 - Ética dos valores - Moral cristã (= ocidental) Lei de ouro da ética (Não faça ao outro o que não queres que o outro faça a ti) vista por outras religiões - Hinduísmo: O dever é, em suma, isto: não faças aos outros aquilo que se a ti for feito, tecausará dor. Mahâbhârata, 5, Budismo: Não atormentes o próximo com o que te aflige. Udanavarga, 5, Confucionismo: Não faças aos outros aquilo que não desejas que te façam. Analecto, 15, Zoroastrismo: Só terás boa índole quando não fizeres aos outros o que não for bom para ti próprio. Dadistani-dinik, 94,5. - Taoísmo: Considera o lucro do teu vizinho como se fora o teu próprio e o prejuízo do teu vizinho como se fora teu próprio prejuízo. T ai Shang Kan Ying P ien. - Judaísmo: Se algo te fere, não o use contra o próximo. Isto é todo o Torah; o mais simples comentário. Talmude. - Islamismo: Ninguém será um crente enquanto não desejar para o seu próximo aquilo que desejaria para si mesmo. Tradições.

28 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.4 - Ética dos valores Moral cristã (= ocidental) Santo Agostinho (354 – 430) PRINCÍPIO BÁSICO: Ama e faça o que quiseres. CARACTERÍSTICAS: - Os atos humanos serão bons ou maus conforme o for o objeto do seu amor. - O mal é a ausência de Deus e o bem Sua presença. - Seguiu, quando jovem, a doutrina maniqueísta (Mani, seu idealizador, pregava um mundo dividido de modo estanque em bem e mal, luz e trevas, etc.). - Após conversão ao cristianismo adotou o ideário platônico, cristianizando-o. Atribuiu a Deus as idéias eternas: antes de ter criado o mundo Ele já as tinha em Sua cabeça

29 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação B.4 - Ética dos valores Moral cristã (= ocidental) São Tomás de Aquino – Tomismo (1225 – 1274) PRINCÍPIO BÁSICO: O tomismo é considerado uma adaptação do aristotelismo e do cristianismo. (Tomás cristianizou Aristóteles - Ver Agostinho) CARACTERÍSTICAS: - É a doutrina que mais influenciou a Igreja Cristã. - Ensinou que, assim como existem 2 caminhos para a revelação de Deus, i. é, as verdades reveladas na Bíblia (Teologia revelada) e as descobertas na natureza (Teologia natural), o mesmo vale para o campo moral: Existe o caminho mostrado pela consciência, natural, e dos mandamentos bíblicos. - (Aristóteles também propunha a visão do mundo com 2 lentes a racional e a empírica). - Aceitou o equívoco de Aristóteles da inferioridade da natureza (não da alma) da mulher, o que se alastrou pela civilização ocidental.

30 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação Conclusão (J. R. Nalini) - Ética pode ser ensinada e aprendida. - Os estudos dos cursos de direito são adequados quanto à extensão e profundidade, mas negligentes quanto aos aspectos da ética. - O primeiro compromisso do profissional deve ser o de bem conhecer a ética e praticando-a (uma de suas normas propõe o aperfeiçoamento profissional contínuo) crescerá nas disciplinas que caracterizam sua profissão.

31 31/12/ ÉTICA Conceito e Classificação Temas para último trabalho (Entrega em ___.___.03) 1.- A república (Platão) 2.- Ética a Nicômaco (Aristóteles, Ed. Martin Claret) 3.- Ética demonstrada à maneira dos geômetras (Baruch Spinoza, Ed. Martin Claret) 4.- Crítica da razão pura (Immanuel Kant) 5.- Fundamentos de ética geral e profissional (Marculino Camargo, Ed. Vozes) 6.- O mundo de Sofia (Jostein Gaarder, Ed. Cia. das Letras) (Pontos 7 a 11 do livro: Ética geral e profissional - José Renato Nalini, Ed. Revista dos tribunais, 7.- Bioética 8.- Ética e sociedade 9.- Deveres éticos na família 10.- A ética do estudante (de direito) 11.- A ética e a vida Obs.: Em forma de monografia, em equipe (3 ou 4), avaliado com entrevista no dia da entrega.


Carregar ppt "31/12/2013 1 ÉTICA Conceito e Classificação 1. Definições: a) Definição1: Ética é a ciência do comportamento moral dos homens em sociedade b) Definição2:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google