A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Abolição da Escravatura. Como líder da Revolução Industrial a Inglaterra tinha bons motivos para pressionar o fim do comercio de escravos no Brasil.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Abolição da Escravatura. Como líder da Revolução Industrial a Inglaterra tinha bons motivos para pressionar o fim do comercio de escravos no Brasil."— Transcrição da apresentação:

1 Abolição da Escravatura

2

3 Como líder da Revolução Industrial a Inglaterra tinha bons motivos para pressionar o fim do comercio de escravos no Brasil. Suas indústrias necessitavam ampliar ao máximo os mercados consumidores sem receber salários os escravos não podiam ser compradores dos produtos ingleses

4 Os fazendeiros gastavam grandes somas de dinheiro na compra de escravos. Se o comércio de escravos fosse proibido esse dinheiro seria liberado para outras mercadorias como ferramentas agrícolas e produtos industrializados. A partir o século XIX tornou-se grande defensora da abolição

5 Com uma forte pressão ao Brasil promulgou uma lei, em 1831, proibindo o Brasil o tráfico negreiro. Mas como contrariava os interesses dos grandes proprietários de terras, essa lei ficou para inglês ver e na prática não foi cumprida. Os escravos continuavam a ser trazidos para o Brasil.

6 Em 1845, a Inglaterra tomou uma atitude enérgica e ousada, aprovou uma lei, conhecida como Bill Aberdeen, que permitia a marinha britânica aprisionar em qualquer parte do mundo e punir os traficantes juntos aos tribunais ingleses. O governo brasileiro protestava conta a invasão dos domínios territoriais, pois a marinha inglesa ingressava em águas e portos brasileiros.

7 Inglaterra mantinha inabalável sua violenta ação contra os traficantes e se fosse preciso, estava disposta a fazer guerra para atingir seus objetivos. Diante disso, o governo brasileiro foi obrigado a ceder. Em 4 de setembrode 1850 surgiu a Lei Eusébio de Queirós, que proibia o tráfico negreiro e autorizava a expulsão dos traficantes. Essa medidas reprimiu, definitivamente, a importação de escravos para o Brasil.

8 Leis que extinguiram a escravidão Depois de 1850, cresceu no país a campanha abolicionista, conquistando a adesão de vários setores da sociedade brasileira,entre os quais, parlamentares, militares, imprensa, intelectuais e artistas. Apesar de a escravidão ser um regime condenado ao desaparecimento, seus defensores ainda conseguiram sustentá-la por um bom tempo, extinguindo-a lentamente e de maneira a beneficiar os proprietários de escravos.

9 As principais leis nesse sentido foram: Lei do ventre livre 1871: Declarava livre todos os filhos de escravos nascidos no Brasil; Leis dos Sexagenários 1885: Declara livre os escravos com mais de 65 anos de idade, o que significava libertar também os donos de escravos da obrigação de sustentar alguns raros negros que conseguiam sobreviver à rude e desumana exploração.

10 Com leis desse tipo, que eram soluções absolutamente ineficazes para a escravidão, os proprietários de escravos conseguiam ganhar tempo e adiar, ao máximo, a abolição. Somente em 1888, com a lei Áurea promulgada pela princesa Isabel, no dia 13 de maio de, a abolição foi extinta no Brasil.

11 Quem fez a abolição? Participaram da campanha abolicionistas muitos intelectuais, jornais, políticos e escritores como: – Joaquim Nabuco; – José do Patrocínio; – Raul Pompéia; – Luis Gama; – Castro Alves; A escravidão não foi só obra desse elite e intelectuais. O fim da escravidão era uma exigência do Capitalismo industrial e do desenvolvimento econômico do país.

12 O negro, verdadeiramente livre??? Depois de 1888, depois de quase quatro séculos de escravidão, não tinham recursos financeiros para trabalharem por conta própria, não tinham educação para buscar boa posição na sociedade, nem contavam com qualquer tipo de ajuda do governo. Diante de tantos obstáculos, muitos negros continuaram desempenhando o papel de antes. Os antigos proprietários os tratavam de maneira cruel e desumana, tinham para com eles uma atitude de desdém, fruto de um intenso preconceito racial.

13 Queda da Monarquia e o início da República A crise do império brasileiro foi o resultado de vários fatores de ordem econômica, social e política que somando-se, conduziram importantes setores da sociedade a uma conclusão: A monarquia precisava ser superada para dar lugar a um outro regime mais adequado para a época.

14 Questões que desencadearam a proclamação da república. Questão abolicionista: Senhores de escravos, principalmente os do vale do Paraíba e da baixada fluminense não se conformavam com a abolição e por não terem sidos indenizados. Sentido-se abandonado pela monarquia, acabaram também abandonando-a e passaram a apoiar a causa republicana, os quais passaram a ser chamados de republicanos de 13 de maio.

15 Questão republicana: As idéias republicanas fizeram parte de diversos movimentos republicanos como Inconfidência Mineira, Conjuração Baiana, Confederação do Equador. Contudo somente em 1870 o movimento ganhou uma formação mais sólida e concreta.

16 Esse ano, que assinala a o fim da guerra do Paraguai, foi lançado no Rio de Janeiro o Manifesto Republicano que protestava contra a escravidão, a ligação da igreja com o estado, o senado vitalício, o poder Moderador, a falta de igualdade social e de oportunidades. No final concluía: Somos da América e queremos ser americanos. Isso significa que no continente americano o Brasil era o único que ainda estava sob regime monárquico.

17 Questão militar: Depois da Guerra do Paraguai, o exercito brasileiro foi adquirindo cada vez mais importância dentro da sociedade. O governo imperial teimava em não reconhecer essa importância relegando-o a posição secundária. O descaso que alguns políticos e ministros conservadores manifestavam pelo exercito levava-os a punir elevados oficiais por motivos qualificados como indisciplina militar.

18 É dentro desse contexto que em 1884 ocorre a revolta de importantes chefes do exército, como o marechal Deodoro, contra as punições conferidas ao tenente-coronel Antônio Sena Madureira e ao coronel Ernesto Augusto da Cunha Matos.

19 Três anos depois do aparecimento do Manifesto Republicano, foi fundado o Partido Republicano, na Convenção de Itu, em São Paulo Esse partido se tornou um dos principais núcleos das ideias republicanas, era apoiado dos importantes fazendeiros de café de São Paulo e contava com adeptos de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

20 Apesar das reformas, é proclamada a república O governo imperial, percebendo a difícil situação em que se encontrava como o isolamento da monarquia, apresentou à Câmara de Deputados um programa de reformas políticas, do qual constavam alguns itens: Liberdade de fé religiosa. Liberdade de ensino Autonomia das províncias Mandato temporário para os senadores.

21 As reformas chegaram tarde de mais. No dia 15 de novembro de 1889, o marechal Deodoro da Fonseca assumiu o comando das tropas revoltadas e ocupou o quartel-general do Rio de Janeiro. Na noite do dia 15, constituiu-se o Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil. D. Pedro II recebeu um respeitoso documento do novo e solicitado que se retirasse do país com sua Família.


Carregar ppt "Abolição da Escravatura. Como líder da Revolução Industrial a Inglaterra tinha bons motivos para pressionar o fim do comercio de escravos no Brasil."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google