A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Deficiências Auditivas Elias Bezerra Leite OtorrinolaringologistaHUWC-UFC Clínica Otorhinos Elias Bezerra Leite OtorrinolaringologistaHUWC-UFC Clínica.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Deficiências Auditivas Elias Bezerra Leite OtorrinolaringologistaHUWC-UFC Clínica Otorhinos Elias Bezerra Leite OtorrinolaringologistaHUWC-UFC Clínica."— Transcrição da apresentação:

1 Deficiências Auditivas Elias Bezerra Leite OtorrinolaringologistaHUWC-UFC Clínica Otorhinos Elias Bezerra Leite OtorrinolaringologistaHUWC-UFC Clínica Otorhinos

2 Orelha – Visão Geral

3 Anatomofisiologia da Orelha Externa

4 Anatomofisiologia da orelha média

5 Anatomofisiologia da Orelha Interna

6 Anatomofisiologia da orelha interna

7 Fisiologia da Audição

8 Audição - Resumo

9 Deficiências Auditivas -15 milhões de pessoas afetadas por um determinado grau de DA no Brasil -Alteração na condução e/ou recepção do som -15 milhões de pessoas afetadas por um determinado grau de DA no Brasil -Alteração na condução e/ou recepção do som

10 Deficiências Auditivas Grau: -Leve: 21 a 40 dB -Moderada: 41 a 65 dB -Acentuada: 66 a 90 dB -Profunda: > 90 dB Grau: -Leve: 21 a 40 dB -Moderada: 41 a 65 dB -Acentuada: 66 a 90 dB -Profunda: > 90 dB

11 Deficiências Auditivas Topodiagnóstico: -Condutiva -Neurossensorial -Mista Topodiagnóstico: -Condutiva -Neurossensorial -Mista

12 Deficiências Auditivas Topodiagnóstico: -Acumetria Topodiagnóstico:

13 Deficiências Auditivas Topodiagnóstico: -Audiometria Topodiagnóstico:

14 Deficiências Auditivas Topodiagnóstico: -Imitanciometria -Emissões Otoacústicas -BERA Topodiagnóstico: -Imitanciometria -Emissões Otoacústicas -BERA

15 Deficiências Auditivas Imitanciometria -Timpanometria -Reflexo estapediano Imitanciometria -Timpanometria -Reflexo estapediano

16 Deficiências Auditivas Emissões Otoacústicas -São respostas de energia de audiofrequência da cóclea com origem nas CCE -Esta energia liberada na cóclea é transmitida pela cadeia ossicular e pela MT ao CAE, onde pode ser registradas Emissões Otoacústicas -São respostas de energia de audiofrequência da cóclea com origem nas CCE -Esta energia liberada na cóclea é transmitida pela cadeia ossicular e pela MT ao CAE, onde pode ser registradas

17 Deficiências Auditivas BERA -É a medição dos potenciais de ação formados nas vias neuronais auditivas -São registradas 7 ondas que correspondem a diferentes estações das vias auditivas -Localizam lesões nas vias auditivas BERA -É a medição dos potenciais de ação formados nas vias neuronais auditivas -São registradas 7 ondas que correspondem a diferentes estações das vias auditivas -Localizam lesões nas vias auditivas

18 Deficiências Auditivas PERDAS CONDUTIVAS

19 Deficiências Auditivas DA Condutiva

20 Deficiências Auditivas DA Condutiva: -Congênitas ou adquiridas -Orelha externa e/ou média DA Condutiva: -Congênitas ou adquiridas -Orelha externa e/ou média

21 Deficiências Auditivas Perdas Condutivas Doenças da Orelha Externa Perdas Condutivas Doenças da Orelha Externa

22 Deficiências Auditivas CerumeCerume

23 Corpo estranho

24 Deficiências Auditivas Osteoma / Condroma

25 Deficiências Auditivas Otite Externa Estenosante

26 Deficiências Auditivas MalformaçõesMalformações

27 Perdas Condutivas Doenças da Orelha Média Perdas Condutivas Doenças da Orelha Média

28 Deficiências Auditivas Otite Média Aguda

29 Deficiências Auditivas Otite Média Crônica

30 Deficiências Auditivas Otite Média Secretora

31 Deficiências Auditivas Atelectasia de MT

32 Deficiências Auditivas OtoscleroseOtosclerose

33 TraumaTrauma

34 Paragangliomas (timpânico e jugular) Neoplasias e Malformações Paragangliomas (timpânico e jugular) Neoplasias e Malformações

35 Deficiências Auditivas PERDAS NEUROSSENSORIAIS

36 Deficiências Auditivas Perdas Neurossensoriais -Lesões das céls. ciliares e das estruturas neurais -Congênitas ou adquiridas Perdas Neurossensoriais -Lesões das céls. ciliares e das estruturas neurais -Congênitas ou adquiridas

37 Deficiências Auditivas Perdas Neurossensoriais

38 Deficiências Auditivas Anacusia ou Cofose

39 Deficiências Auditivas Presbiacusia -Principal causa de DA NS -DA do idoso: perda de céls ganglionares -Início em torno dos 65 anos (40 a 80) -Alterações degenerativas, e.g. associadas a distúrbios vasculares e metabólicos da OrI Presbiacusia -Principal causa de DA NS -DA do idoso: perda de céls ganglionares -Início em torno dos 65 anos (40 a 80) -Alterações degenerativas, e.g. associadas a distúrbios vasculares e metabólicos da OrI

40 Deficiências Auditivas Presbiacusia -E.g. bilateral e progressiva Presbiacusia

41 Deficiências Auditivas Ototoxicidade Medicamentosa -Alterações transitórias ou definitivas no neuroepitélio da OrI -Aminoglicosídeos: principais Ototoxicidade Medicamentosa -Alterações transitórias ou definitivas no neuroepitélio da OrI -Aminoglicosídeos: principais

42 Deficiências Auditivas Doença de Ménière -Hidropsia endolinfática -Etiologia desconhecida -Distúrbio de produção ou absorção? Doença de Ménière -Hidropsia endolinfática -Etiologia desconhecida -Distúrbio de produção ou absorção?

43 Deficiências Auditivas Doença de Ménière -Tétrade: hipoacusia, zumbido, plenitude aural e vertigem -Unilateral em 85% dos casos -A DA NS progride a cada crise, sendo flutuante no início Doença de Ménière -Tétrade: hipoacusia, zumbido, plenitude aural e vertigem -Unilateral em 85% dos casos -A DA NS progride a cada crise, sendo flutuante no início

44 Deficiências Auditivas Surdez Súbita -Perda de pelo menos 30 dB, em 3 frequências contíguas, instalada em até 72 horas -Etiologia: distúrbio microcirculatório, infecção viral inaparente, processo autoimune Surdez Súbita -Perda de pelo menos 30 dB, em 3 frequências contíguas, instalada em até 72 horas -Etiologia: distúrbio microcirculatório, infecção viral inaparente, processo autoimune

45 Deficiências Auditivas DA NS de origem infecciosa -CMV -Rubéola -Caxumba -Sarampo DA NS de origem infecciosa -CMV -Rubéola -Caxumba -Sarampo

46 Deficiências Auditivas DA NS de origem infecciosa -Varicela zóster -Vírus do herpes simples -Labirintite bacteriana e fúngica -Meningite bacteriana DA NS de origem infecciosa -Varicela zóster -Vírus do herpes simples -Labirintite bacteriana e fúngica -Meningite bacteriana

47 Deficiências Auditivas DA NS por doenças metabólicas: -Diabetes mellitus: distúrbio da microcirculação e neuropatia coclear -Hipo / hipertireoidismo -Hiperlipidemia e hiperuricemia DA NS por doenças metabólicas: -Diabetes mellitus: distúrbio da microcirculação e neuropatia coclear -Hipo / hipertireoidismo -Hiperlipidemia e hiperuricemia

48 Deficiências Auditivas Outras DA NS -DA genéticas de manifestação precoce: -Aplasias de Michel, Mondini, Scheibe e Alexander -Sd de Waademburg, albinismo Outras DA NS -DA genéticas de manifestação precoce: -Aplasias de Michel, Mondini, Scheibe e Alexander -Sd de Waademburg, albinismo

49 Deficiências Auditivas Outras DA NS -DA genéticas de manifestação tardia: -Sd de Alport: DA NS + glomerulonefrite -Neurofibromatose: manchas café com leite e fibromas múltiplos. DA em 95% da NF 2 e em 5% da NF 1 Outras DA NS -DA genéticas de manifestação tardia: -Sd de Alport: DA NS + glomerulonefrite -Neurofibromatose: manchas café com leite e fibromas múltiplos. DA em 95% da NF 2 e em 5% da NF 1

50 Deficiências Auditivas Outras DA NS -DA congênitas não genéticas: -Drogas ototóxicas na gestação -Infecção: TORCH + sífilis -Prematuridade -Anóxia acentuada -Baixo peso ao nascer: < 1.500g Outras DA NS -DA congênitas não genéticas: -Drogas ototóxicas na gestação -Infecção: TORCH + sífilis -Prematuridade -Anóxia acentuada -Baixo peso ao nascer: < 1.500g

51 Deficiências Auditivas Outras DA NS -Doenças neoplásicas: -Schwanoma do VIII par -Leucemia: infiltração leucêmica e hemorragia Outras DA NS -Doenças neoplásicas: -Schwanoma do VIII par -Leucemia: infiltração leucêmica e hemorragia

52 Deficiências Auditivas PAIRPAIR

53 PAIR -Diminuição gradual da acuidade auditiva, decorrente da exposição continuada a níveis elevados de pressão sonora, relacionada principalmente ao trabalho -2ª maior causa de DA NS PAIR -Diminuição gradual da acuidade auditiva, decorrente da exposição continuada a níveis elevados de pressão sonora, relacionada principalmente ao trabalho -2ª maior causa de DA NS

54 Deficiências Auditivas Trauma Acústico - Perda auditiva súbita decorrente de uma única exposição a pressão sonora intensa ou devido a trauma físico do ouvido, crânio ou coluna cervical Trauma Acústico - Perda auditiva súbita decorrente de uma única exposição a pressão sonora intensa ou devido a trauma físico do ouvido, crânio ou coluna cervical

55 Deficiências Auditivas PAIR -Depende de: - suscetibilidade - tempo de exposição PAIR -Depende de: - suscetibilidade - tempo de exposição

56 Deficiências Auditivas PAIR - Suscetibilidade: -Ao final de uma vida de trabalho, para uma mesma exposição, diferentes trabalhadores irão apresentar os mais variados graus de perda e alguns não apresentarão perda alguma PAIR - Suscetibilidade: -Ao final de uma vida de trabalho, para uma mesma exposição, diferentes trabalhadores irão apresentar os mais variados graus de perda e alguns não apresentarão perda alguma

57 Deficiências Auditivas PAIR - Limite de segurança para a maioria: 85 dB, 8h por dia, sem proteção - Entre 75 e 85 dB: só os muito sensíveis - Abaixo de 75 dB: provavelmente ninguém PAIR - Limite de segurança para a maioria: 85 dB, 8h por dia, sem proteção - Entre 75 e 85 dB: só os muito sensíveis - Abaixo de 75 dB: provavelmente ninguém

58 Deficiências Auditivas Tempo de exposição x Risco de PAIR (5d/semana) 85 dB - 8 h/dia 90 dB - 4 h/dia 95 dB - 2 h/dia 100 dB - 1 h/dia 105 dB - 30min/dia 105 dB - 30min/dia 110 dB - 15min/dia 110 dB - 15min/dia 115 dB - 7 min/dia 115 dB - 7 min/dia * NR 15 Tempo de exposição x Risco de PAIR (5d/semana) 85 dB - 8 h/dia 90 dB - 4 h/dia 95 dB - 2 h/dia 100 dB - 1 h/dia 105 dB - 30min/dia 105 dB - 30min/dia 110 dB - 15min/dia 110 dB - 15min/dia 115 dB - 7 min/dia 115 dB - 7 min/dia * NR 15

59 PAIRPAIR

60 PAIRPAIR Ruído Atividade metabólica cels sensoriais Atividade metabólica cels sensoriais Transtorno metabólico Ruído Atividade metabólica cels sensoriais Atividade metabólica cels sensoriais Transtorno metabólico

61 PAIRPAIR Com a manutenção do ruído Distúrbio metabólico prolongado Morte celular Morte celular 1 o CCE... 2 o CCI... 3 o Cels sust Com a manutenção do ruído Distúrbio metabólico prolongado Morte celular Morte celular 1 o CCE... 2 o CCI... 3 o Cels sust

62 PAIRPAIR Características: -Perda neurossensorial -Bilateral -Simétrica -Irreversível Características: -Perda neurossensorial -Bilateral -Simétrica -Irreversível

63 PAIRPAIR Características: -Início em 3, 4 e 6 kHz -Zumbido -Não progride sem o ruído -Raramente profunda: máximo de 40 dB nos graves e 75 dB nos agudos Características: -Início em 3, 4 e 6 kHz -Zumbido -Não progride sem o ruído -Raramente profunda: máximo de 40 dB nos graves e 75 dB nos agudos

64 PAIRPAIR Sintomas auditivos: -Zumbido -Dificuldade de entender a fala -Perda da audição Sintomas auditivos: -Zumbido -Dificuldade de entender a fala -Perda da audição

65 PAIRPAIR Efeitos extra auditivos - Problemas neurológicos - Problemas digestivos - Hipertensão - Distúrbios do sono - Transtornos comportamentais - Desordens vestibulares Efeitos extra auditivos - Problemas neurológicos - Problemas digestivos - Hipertensão - Distúrbios do sono - Transtornos comportamentais - Desordens vestibulares

66 PAIRPAIR Diagnóstico - Não é simples - Fatores como suscetibilidade individual, tempo de exposição e nível de exposição e de ruído fazem variar os resultados encontrados Diagnóstico - Não é simples - Fatores como suscetibilidade individual, tempo de exposição e nível de exposição e de ruído fazem variar os resultados encontrados

67 PAIRPAIR Diagnóstico - Anamnese ocupacional: história laborativa, função desempenhada, ambiente de trabalho, exposição ao ruído, substâncias ototóxicas, atividades ruidosas não- ocupacionais - Exame audiométrico Diagnóstico - Anamnese ocupacional: história laborativa, função desempenhada, ambiente de trabalho, exposição ao ruído, substâncias ototóxicas, atividades ruidosas não- ocupacionais - Exame audiométrico

68 PAIRPAIR Diagnóstico Diferencial (alteração auditiva nas altas freqüências) -Diabetes Mellitus -Presbiacusia -DA hereditária -Alterações Renais Diagnóstico Diferencial (alteração auditiva nas altas freqüências) -Diabetes Mellitus -Presbiacusia -DA hereditária -Alterações Renais

69 PAIRPAIR Diagnóstico Diferencial (alteração auditiva nas altas freqüências) -Esclerose Múltipla -Sífilis -Otosclerose -Ototoxicidade Diagnóstico Diferencial (alteração auditiva nas altas freqüências) -Esclerose Múltipla -Sífilis -Otosclerose -Ototoxicidade

70 PAIRPAIR Diagnóstico - Almeida: a multiplicidade de causas não implica na isenção do fator ambiental quando os casos forem analisados do ponto de vista médico-legal - Não se pode menosprezar o agente ruído. Diagnóstico - Almeida: a multiplicidade de causas não implica na isenção do fator ambiental quando os casos forem analisados do ponto de vista médico-legal - Não se pode menosprezar o agente ruído.

71 SURDEZ OCUPACIONAL - Definição mais ampla: não se resume á PAIR - Pode se dar por alguns agentes químicos ototóxicos de uso industrial, como solventes de uso comum em ambientes de trabalho (dissulfeto de carbono, tolueno, estireno, xileno e tricloroetileno) - Definição mais ampla: não se resume á PAIR - Pode se dar por alguns agentes químicos ototóxicos de uso industrial, como solventes de uso comum em ambientes de trabalho (dissulfeto de carbono, tolueno, estireno, xileno e tricloroetileno)

72 PAIRPAIR EXAMES AUDIOLÓGICOS

73 PAIRPAIR PARA A REALIZACAO DOS EXAMES Pré-requisitos (para o trabalhador) Meato acústico livreMeato acústico livre 14 horas de repouso acústico: a 1 a manifestação decorre de fadiga pós-estímulo, transitória.14 horas de repouso acústico: a 1 a manifestação decorre de fadiga pós-estímulo, transitória. PARA A REALIZACAO DOS EXAMES Pré-requisitos (para o trabalhador) Meato acústico livreMeato acústico livre 14 horas de repouso acústico: a 1 a manifestação decorre de fadiga pós-estímulo, transitória.14 horas de repouso acústico: a 1 a manifestação decorre de fadiga pós-estímulo, transitória.

74 PAIRPAIR PARA A REALIZACAO DOS EXAMES Pré-requisitos (para os equipamentos) Calibração eletrônica anual dos equipamentosCalibração eletrônica anual dos equipamentos Cabina acústica com aferição anualCabina acústica com aferição anual PARA A REALIZACAO DOS EXAMES Pré-requisitos (para os equipamentos) Calibração eletrônica anual dos equipamentosCalibração eletrônica anual dos equipamentos Cabina acústica com aferição anualCabina acústica com aferição anual

75 PAIRPAIR

76 PAIRPAIR

77 PAIRPAIR

78 PAIRPAIR

79 PAIRPAIR

80 PAIRPAIR

81 PAIRPAIR

82 PAIRPAIR

83 PAIRPAIR

84 PAIRPAIR Tratamento: - A PAIR é uma lesão irreversível - A prevenção é a principal medida a ser tomada antes de sua instalação. - Reabilitação = AASI Tratamento: - A PAIR é uma lesão irreversível - A prevenção é a principal medida a ser tomada antes de sua instalação. - Reabilitação = AASI

85 AASIAASI

86 AASI Retroauricular

87 AASI Retroauricular com receptor no canal

88 AASI Intra-auricular

89 AASI Intracanal

90 AASI Microcanal

91 Deficiências Auditivas Implante Coclear - Prótese eletrônica que gera estimulação auditiva em pacientes com perda neurossensorial profunda Implante Coclear - Prótese eletrônica que gera estimulação auditiva em pacientes com perda neurossensorial profunda

92 Deficiências Auditivas Perdas Mistas + +

93 Deficiências Auditivas Perdas Mistas

94 Deficiências Auditivas Perdas Mistas -Sequelas de OM agudas e crônicas -Otosclerose -Trauma do osso temporal Perdas Mistas -Sequelas de OM agudas e crônicas -Otosclerose -Trauma do osso temporal

95

96 Muita Paz a Todos !!!


Carregar ppt "Deficiências Auditivas Elias Bezerra Leite OtorrinolaringologistaHUWC-UFC Clínica Otorhinos Elias Bezerra Leite OtorrinolaringologistaHUWC-UFC Clínica."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google