A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UFPA NPADC PPGECM Grupo de Estudo em Educação Amazônica e Cultura Amazônica Mestrando: Franciney Carvalho Palheta Seminário sobre o capítulo I (Natureza.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UFPA NPADC PPGECM Grupo de Estudo em Educação Amazônica e Cultura Amazônica Mestrando: Franciney Carvalho Palheta Seminário sobre o capítulo I (Natureza."— Transcrição da apresentação:

1 UFPA NPADC PPGECM Grupo de Estudo em Educação Amazônica e Cultura Amazônica Mestrando: Franciney Carvalho Palheta Seminário sobre o capítulo I (Natureza e Cultura) do livro As estruturas Elementares do Parentesco de Levi- Strauss. Referência LÉVI-STRAUSS, C. As estruturas elementares do parentesco. Tradução: Mariano Ferreira. Petropólis: Vozes, 1982.

2 Da Natureza à Cultura O estruturalismo e a antropologia A lingüística de Sausurre A estrutura da mente de Wilhelm Wund O Estruturalismo antropológico Onde acaba a natureza? Onde começa a Cultura? A natureza dos homens é a mesma, são os seus hábitos que os mantêm separados. Confúcio

3 Esta corrente usava a introspecção como metodologia para o estudo das estruturais mentais. A estrutura da mente de Wilhelm Wund A lingüística de Sausurre ( ) Para o lingüista Saussure seria importante encontrar a infra-estrutura da língua, aquilo que é comum a todos os falantes e que funciona em um nível inconsciente. Da Natureza à Cultura

4 O estruturalismo virou "moda" intelectual nos anos 60 e 70, graças a Levi-Strauss. Mesmo sabendo da indiferença deste pensador pela história ("o etnólogo respeita a história, mas não lhe dá um valor privilegiado", in O Pensamento Selvagem, 1970, pag.292), pode-se entender a antropologia estrutural como um método de tentar entender a história de sociedades que não a têm, como é o caso das sociedades primitivas.

5 Da Natureza à Cultura Por influencia do Positivismo e da ciência racionalista do século XIX havia um desprezo total pela mitologia, a magia, o animismo e os rituais fetichistas em geral. O trabalho de Lévi-Strauss foi justamente de entender isto como recursos de uma narrativa da história tribal, no qual se vê expressões legitimas de manifestações de desejos e projeções ocultas, todas elas merecedoras de serem admitidas no papel de matéria-prima antropológica.

6 Da Natureza à Cultura Para ele os mitos serviam muito para se entender o funcionamento da cultura que o gerou e perpetuou. A mesma coisa aplica-se com o totemismo, poderoso instrumento simbólico do clã para reger o sistema de parentesco, regulando os matrimônios com a intenção de preservar o tabu do incesto. Totem, um símbolo clânico.

7 Da Natureza à Cultura Com isso ele queria provar que os mitos têm uma estrutura idêntica em qualquer parte da Terra (mitema), como se houvesse uma estrutura mental da humanidade que é a mesma, independentemente da raça, clima ou religião adotada ou praticada. Cada totem está associado a um grupo social determinado, a uma tribo ou clã, e todo o sistema de casamentos é estabelecido pelo entrecruzar dos que filiam-se a totens diferentes.

8 Da Natureza à Cultura Assim como o marxismo e o freudismo, o estruturalismo diminui a importância do que é singular, subjetivo, individual, retratando o ser, a pessoa humana, como resultante de uma construção, a conseqüência de sistemas impessoais. No marxismo o indivíduo é marionete do sistema capitalista; Na psicanálise, mesmo amparado pelo ego, ele é regido pelos impulsos do inconsciente; Na antropologia estrutural pelas relações de parentesco determinadas pelo totemismo.

9 Claude Levi-Strauss no Brasil, em 1934.

10 Onde acaba a Natureza? Onde começa a Cultura? No capítulo I, do livro As estruturas do parentesco Levi- Strauss, faz um esforço para mostrar onde fica o natural e onde começa o cultural, o social. Assim como primeira tentativa ele propõe: O método mais simples consistiria em isolar uma criança recém-nascida e observar suas reações a diferentes excitações durante as primeiras horas ou os primeiros dias depois do nascimento. Poder-se-ia então supor que as respostas fornecidas nessas condições são de origem psicobiológicas, e não dependem de sínteses culturais ulteriores [Levi-Strauss:1982, p. 42].

11 Onde acaba a Natureza? Onde começa a Cultura? Só é possível pensar no desenvolvimento da criança a partir dos estímulos que ela recebe, pois sem isso ela não se desenvolve. Segundo a lenda, os irmãos Rômulo e Remo foram amamentados por uma Loba. Levi-Strauss analisa casos de crianças criadas isoladas da cultura humana.

12 Onde acaba a Natureza? Onde começa a Cultura? Como segunda tentativa ele propõe fazer uma comparação entre o comportamento humano e o comportamento animal, onde coloca o comportamento humano como cultural e o animal como biológico. Entretanto, hoje se discuti se os animais também fazem cultura.

13 Onde acaba a Natureza? Onde começa a Cultura? Assim ele procura o usar as relações sexuais (promiscuidade) entre os macacos antropóides. No qual ele observa que há tanto poligamia quanto monogamia e cita: Esta ausência de regra parece oferecer o critério mais seguro que permita distinguir um processo natural de um processo cultural [Levi- Strauss:1982, p. 46].

14 Onde acaba a Natureza? Onde começa a Cultura? Para ele a proibição do incesto é a regra que é comum a todas as sociedades. Porque a proibição do incesto apresenta, sem o menor equívoco e indissoluvelmente reunidos, os dois caracteres nos quais reconhecemos os atributos contraditórios de duas ordens exclusivas, isto é, constituem uma regra, mas uma regra que, única entre todas as regras sociais, possui ao mesmo tempo caráter de universalidade [Levi- Strauss:1982, p. 47]. Édipo e a Esfinge (pintura de Gustave Moreau)

15 Daí ele conclui que são as regras que definem onde termina a natureza e onde começa a cultura, de modo que se conhecermos qual a regra comum a todas as culturas podemos identificar a origem da cultura. Caso de poliandria, no Himalaia, como o casamento de Rudarsín (noivo) com Momdebí (noiva), um casamento de 2 mulheres com 5 maridos. É permitido o casamento avuncular, entre os Araweté. O mito do Pássaro com a jararaca = primos paralelos. O mito do Gavião-real = primos cruzados.

16 Onde acaba a Natureza? Onde começa a Cultura? Para ele a proibição do incesto envolve um elemento natural (o ato sexual), e outro social (a regra). Portanto, a regra é o que define onde começa cultura. A partir desta regra é que se estabelece o matrimônio e a forma como as mulheres serão distribuídas entre os homens. Mulher indiana ocupa posição inferior na sociedade, o que é motivo para famílias preferirem desestimular o nascimento de crianças do sexo feminino

17 Onde acaba a Natureza? Onde começa a Cultura? O estruturalismo nasceu para se opor ao existencialismo de Paul Sartre. "A existência precede a essência, ou seja: o homem é aquilo que faz. Ele destaca a liberdade individual, a responsabilidade e a subjetividade, de forma que no existencialismo se considera cada homem com um ser único que é mestre dos seus atos e do seu destino. ( ) Nos anos 90 o Pós-estruturalismo passou a ser destaque como visão antropológica.

18 Onde acaba a Natureza? Onde começa a Cultura? Entre alguns dos pós-estruturalistas mais importante está Michel Foucault. Os pós-estruturalistas continuam, de formas variadas, a sustentar a compreensão estruturalista do sujeito, concebendo-o, em termos relacionais, como um elemento governado por estruturas e sistemas. ( )

19 Onde acaba a Natureza? Onde começa a Cultura? Essa nova concepção nasceu em razão de alguns pontos críticos do estruturalismo, entre eles o de ser considerado anti-humanista (afinal tudo fica a mercê da cultura) e etnocentrista. Mas, até onde vai nosso livre arbítrio? E como a cultura nos afeta? Claude Levi-Strauss, com 98 anos de idade, é considera o último grande sábio do Sec. XX ainda vivo. Obrigado!


Carregar ppt "UFPA NPADC PPGECM Grupo de Estudo em Educação Amazônica e Cultura Amazônica Mestrando: Franciney Carvalho Palheta Seminário sobre o capítulo I (Natureza."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google