A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Manter Pessoas: Disciplina, Higiene, Saúde e Segurança no trabalho e Relações Sindicais Prof. Rudy de Barros Ahrens www.rudybarros.com.br.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Manter Pessoas: Disciplina, Higiene, Saúde e Segurança no trabalho e Relações Sindicais Prof. Rudy de Barros Ahrens www.rudybarros.com.br."— Transcrição da apresentação:

1 Manter Pessoas: Disciplina, Higiene, Saúde e Segurança no trabalho e Relações Sindicais Prof. Rudy de Barros Ahrens

2 Conjunto de normas e procedimentos voltado para a integridade física e mental do trabalhador, preservando-o dos riscos de saúde inerentes às tarefas do cargo e ao ambiente físico onde são executadas (Chiavenato, 1999). HIGIENE NO TRABALHO

3 1)Ambiente físico de trabalho Iluminação – suficiente, constante e uniformemente distribuída Ventilação- circulação de ar, ausência de gases, Temperatura – umidade, altas e baixas Ruídos – contínuos, intermitentes ou variáveis. Limite 85 decibéis 2) Ambiente psicológico de trabalho Relacionamentos agradáveis; Atividade laboral motivadora; Gerência participativa e democrática; Eliminação de stress. HIGIENE NO TRABALHO ENVOLVE

4 3) Aplicação do princípios de ergonomia Máquinas e equipamentos adequados; Mesas e instalações ajustadas; Ferramentas que reduzam o esforço físico.

5 A importância da QVT reside no fato de que passamos no ambiente de trabalho mais de 8 horas por dia, durante pelo menos 35 anos de nossas vidas. Fonte: Antônio Lázaro Conte

6 horas trabalhadas

7 O que significa um trabalho com QVT? Você trabalhar com disposição, alegria, sentindo que e útil e que o seu trabalho e valorizado pela chefia. Acordar pela manha e não ter vontade de chorar só de pensar em vir para o trabalho. Sentir muito prazer e pouco incômodo em trabalhar, sendo reconhecido e valorizado. Poder vir trabalhar com prazer. Se sentir bem mesmo tendo que fazer o que não esta com vontade.

8 É o equilíbrio nas atividades desenvolvidas, ambiente físico adequado e um bom relacionamento entre chefias, subordinados e colegas. Ter as condições básicas de trabalho satisfeitas: bom ambiente, limpeza, iluminação, equipamentos adequados, salário condizente, possibilidade de inovar, perspectiva de carreira. Ambiente de trabalho: limpo, mobiliário adequado, privacidade, sem ruídos. Relações no trabalho: bom relacionamento entre os diversos níveis, comunicação clara e objetiva, respeito as desigualdades, incentivo das chefias, elaboração de metas realistas.

9 O que é um trabalho sem QVT? O volume de trabalho é muito grande e muitas vezes a pressão é grande. Isto faz com que alguns trabalhem bem mais do que outros. Distribuição desigual de trabalho. Quem não quer trabalhar não trabalha, se encosta, deixa o trabalho para os outros, sobrecarrega quem quer trabalhar e fica por isso mesmo, ganha seu salário integral e tudo bem. Insuficiência de funcionários para o número de processos.

10 A individualidade exagerada de alguns colegas no ambiente de trabalho. Há uma enorme disputa de poder e, não raro, muita deslealdade Funcionários são divididos em castas para distribuição de serviços, cursos e privilégios. Alguns colegas não tem espírito coletivo e não cumprem o horário de trabalho.

11 Falta de comunicação e sensibilidade da diretoria com os problemas da instituição. Falta de envolvimento do mais alto escalão da casa com o corpo de servidores. Falta comunicação entre as equipes do departamento. Ruídos na comunicação e falta de autonomia. A comunicação dos objetivos é deficiente; não sabemos nosso papel adequadamente; muitos da chefia não possuem conhecimentos gerenciais.

12 Efeitos sobre a organização Aumento do absentismo e dos acidentes no trabalho Diminuição da eficácia, da eficiência, da produtividade Déficit da qualidade dos produtos e serviços Deterioração da imagem da empresa Despesas com os afastamentos por problemas de saúde

13 Efeitos sobre a saúde Disfunções físicas, psicológicas e sociais essencialmente provocadas pelo confronto com determinados contextos de trabalho. Danos Psicológicos sentimentos negativos em relação a si mesmo e à vida em geral. Danos Sociais isolamento e dificuldades nas relações familiares e sociais. Danos Físicos dores no corpo e distúrbios biológicos

14 Efeitos sobre a saúde Doenças cardiovasculares, osteomusculares, distúrbios do sono, distúrbios digestivos, obesidade, diabetes, afecções dermatológicas, outras Depressão Fobias Síndrome do pânico Neuroses traumáticas Alcoolismo

15

16 Fracasso Cultura Organizacional Contexto de trabalho Condições de Trabalho Relações Socioprofissionais Organização do Trabalho Prazer- sofrimento no trabalho Custo humano do trabalho Estratégias de mediação Saúde e QVT Sucesso Modelo conceitual explicativo da QVT Diálogo entre a ergonomia e a psicodinâmica do trabalho (Mendes e Ferreira, 2003, 2007) Doenças ocupacionais Danos físicos e psicossociais

17 Condições de trabalho Ambiente Físico Sinalização, espaço, ar, luz, temperatura, som. Instrumentos Ferramentas, máquinas, documentação. Suporte Organizacional Informações, suprimentos, tecnologias. Matéria Prima Objetos materiais, simbólicos, informacionais. Equipamentos Materiais arquitetônicos, aparelhagem, mobiliário.

18 Vivências de prazer-sofrimento O Prazer é uma vivência de realização profissional e de liberdade de expressão, originado na ressonância simbólica e/ou no uso da mobilização coletiva. O Sofrimento é uma vivência de esgotamento profissional e falta de reconhecimento, originado angústia, medo e insegurança proveniente das contradições entre desejo/necessidades do trabalhador e realidade da produção.

19 Estratégias para mediar o sofrimento no trabalho São modos individuais e/ou coletivas de pensar, sentir e agir, utilizados pelos trabalhadores, para dar conta das adversidades do contexto de trabalho Defensivas – proteção, adaptação, patológicas Mobilização subjetiva Inteligência prática Reconhecimento Coletivo de trabalho = cooperação, espaço público da fala

20 Pressupostos para implantar um programa de QVT A superação de ações localizadas, dispersas e isoladas em qualidade de vida impõe a formulação de uma política de qualidade de vida no trabalho - QVT As ações em QVT são uma responsabilidade institucional e tarefas de todos O modelo de gestão organizacional deve primar pela compatibilidade entre bem-estar dos servidores, desempenho funcional e missão institucional. Os contextos de trabalho refletem modos de produtividade perversa e saudável, favoráveis ou não a QVT.

21 Importância de um programa de QVT Clientes Fator de exercício de cidadania, reduzindo indicadores negativos como queixas, reclamações e insatisfação. Empregados Satisfação no trabalho e impulsionadores de auto-estima, contribuindo para reduzir indicadores negativos como absenteísmo, acidentes, doenças do trabalho, licenças-saúde e aposentadorias precoces Empresas Fator de efetividade organizacional, contribuindo para reduzir indicadores negativos como erros, retrabalho, perda de material, danificação de equipamentos, queda de produtividade e perda de qualidade nos serviços prestados

22 QVT – MAX GEHRING

23 Algumas diretrizes para implantar um programa de QVT

24 Responsabilidades, comprometimento, parcerias e participação Um programa de QVT precisar envolver responsabilidade institucional, responsabilidade social, de comprometimento de dirigentes em todos níveis hierárquicos, de parcerias intersetoriais e da participação efetiva dos empregados.

25 Cultura organizacional do bem-estar coletivo Desenvolvimento de uma cultura organizacional do bem-estar coletivo ancorada na prevenção de riscos para a saúde, segurança e conforto dos empregados, no desenvolvimento profissional e na valorização da função social da empresa

26 Gestão organizacional voltada para integração entre produtividade e bem-estar As concepções e as práticas de gestão organizacional devem primar pela edificação de um ambiente de trabalho que promova a produtividade, realização profissional, motivação e o prazer dos empregados, bem como um clima de satisfação na convivência com os chefes, colegas e clientes.

27 As concepções e as práticas de gestão do trabalho devem se orientar pelo exercício responsável da autonomia, cooperação, flexibilidade do processo de trabalho e valorização das competências e saber fazer dos empregados. Gestão do trabalho

28 O planejamento de tarefas, os critérios de produtividade e a avaliação de desempenho dos empregados devem ser concebidos em sintonia com a política de QVT. Tarefas, produtividade e avaliação de desempenho

29 A disponibilização de suporte organizacional aos empregados deve pautar-se por uma adequabilidade dos meios de trabalho que busque a compatibilidade entre as exigências do trabalho, as características dos ambientes e as necessidades / expectativas de servidores e clientes, contemplando, inclusive, as pessoas com necessidades especiais. Suporte organizacional

30 A política e ações de educação corporativa, em especial todas as iniciativas de desenvolvimento de competências individuais e coletivas, devem ser compatíveis com a concepção de qualidade de vida no trabalho – QVT. Educação corporativa

31 O monitoramento da incidência de doenças e a prevenção de riscos à saúde e à segurança dos empregados devem se apoiar em pesquisas científicas, na clinica do trabalho,ações de controle médico – com ênfase na realização sistemática de Exames Médicos Periódicos EMP – e nas ações de engenharia de segurança do trabalho no âmbito dos riscos físico-ambientais. Prevenção de riscos

32 Extensão das ações e parcerias A implementação de ações de qualidade de vida no trabalho - QVT deve abranger toda a comunidade, incluindo trabalhadores terceirizados, estagiários e aprendizes, em parceria com as empresas contratadas, com base nos princípios de eqüidade e co- responsabilidade e na legislação vigente.

33 As ações complementares de natureza assistencial, voltadas para atividades de combate à fadiga ou atenuação do desgaste proveniente da desmotivação e do ambiente de trabalho, devem ser consideradas nos programas de QVT. Desenvolvimento de ações assistenciais compensatórias

34 Assistência medica preventiva; Estatísticas de afastamento; Acompanhamento de doenças; Regras e procedimentos. SAÚDE OCUPACIONAL

35 PRINCIPAIS PROBLEMAS DE SAÚDE OCUPACIONAL Alcoolismo; Dependência química de drogas; Dependência medicamentos; Fumo; AIDS; Exposição produto químico.

36

37 SEGURANÇA NO TRABALHO Conjunto de normas técnicas, educacionais, médicas e psicológicas usadas para prevenir acidentes, seja instruindo/convencendo pessoas da implementação de práticas preventivas (Chiavenato,1999).

38 Áreas da Segurança do trabalho 1)Prevenção de acidentes Acidente – fato súbito, inesperado, sem intenção, que produz morte, lesão corporal ou dano material Acidente de trajeto = acidente de trabalho 2)Prevenção de roubos(Segurança patrimonial) Controle de entrada e saída de pessoas e veículos; Estacionamento fora da área da empresa; Ronda pelos terrenos e no interior da empresa; Registro de máquinas, equipamentos e ferramentas. Controles contábeis;

39 Áreas da Segurança do trabalho 3) Prevenção de incêndios TEMPERATURA OXIGÊNIO COMBUSTÍVEL

40 CLASSIFICAÇÃO TIPOS ACIDENTES a)Sem afastamento – analisado/ausente das estatísticas. b)Com afastamento Incapacidade temporária (- de 1 ano); Incapacidade permanente parcial (-3/4 da capacidade); Incapacidade total permanente (-3/4 ou + da capacidade) c) Morte

41 Condição insegura; Agente (Objeto); Parte do agente (Parte objeto); Ato inseguro; Fator pessoal de segurança. CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO

42

43

44

45

46

47

48

49

50

51

52

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62

63

64

65

66

67 SOLUÇÕES

68

69 CIPA – Comissão interna de prevenção de acidentes Imposição legal da CLT –NR 05; Representantes do empregado e empregador; Aponta condições e atos inseguros; Fiscaliza o que já existe.

70


Carregar ppt "Manter Pessoas: Disciplina, Higiene, Saúde e Segurança no trabalho e Relações Sindicais Prof. Rudy de Barros Ahrens www.rudybarros.com.br."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google