A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gerativismo e Gramática Funcional. A sintaxe Universidade de Vigo, 2008.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gerativismo e Gramática Funcional. A sintaxe Universidade de Vigo, 2008."— Transcrição da apresentação:

1 Gerativismo e Gramática Funcional. A sintaxe Universidade de Vigo, 2008

2 Noam Chomsky Noam Chomsky (1928) Noam Chomsky (1928) Forma-se no âmbito da tradiçom distribucionalista norte-americana Forma-se no âmbito da tradiçom distribucionalista norte-americana Doutora-se brilhantemente sob a direcçom de Zellig Harris em 1955, com a tese intitulada A estrutura lógica da teoria linguística. Doutora-se brilhantemente sob a direcçom de Zellig Harris em 1955, com a tese intitulada A estrutura lógica da teoria linguística. Incorpora-se ao MIT (Massachussets Institute of Technology) no mesmo ano. Incorpora-se ao MIT (Massachussets Institute of Technology) no mesmo ano. Em 1957 publica um extracto da sua tese, sob o título de Estruturas Sintácticas, que vai revolucionar a linguística teórica. Em 1957 publica um extracto da sua tese, sob o título de Estruturas Sintácticas, que vai revolucionar a linguística teórica. Actualmente é mui conhecido também polos seus escritos sobre política e economia. Actualmente é mui conhecido também polos seus escritos sobre política e economia.

3 A gramática gerativa Translada o seu foco de interesse para o campo da sintaxe Translada o seu foco de interesse para o campo da sintaxe Suporá umha reacçom contra o distribucionalismo Suporá umha reacçom contra o distribucionalismo Umha teoria deve explicar os fenómenos, nom só descrevê-los Umha teoria deve explicar os fenómenos, nom só descrevê-los Mentalismo (e, portanto, anticondutismo): existe um mecanismo ou dispositivo mental inato que permite a aquisiçom linguística. A linguagem é criativa e independente do esquema estímulo-resposta pressuposto polo condutismo. Mentalismo (e, portanto, anticondutismo): existe um mecanismo ou dispositivo mental inato que permite a aquisiçom linguística. A linguagem é criativa e independente do esquema estímulo-resposta pressuposto polo condutismo. O mentalismo implica um carácter psicológico e, em última instância, biológico para a linguagem. O mentalismo implica um carácter psicológico e, em última instância, biológico para a linguagem.

4 A gramática gerativa A gramática gerativa compreende na realidade um conjunto de modelos teóricos que tenhem em comum a sua intençom de estudar o dispositivo mental inato responsável pola produçom linguística. A gramática gerativa compreende na realidade um conjunto de modelos teóricos que tenhem em comum a sua intençom de estudar o dispositivo mental inato responsável pola produçom linguística. Cada um dos modelos propostos representa umha tentativa de formalizar esse conhecimento linguístico de jeito simples, exaustivo e geral. Cada um dos modelos propostos representa umha tentativa de formalizar esse conhecimento linguístico de jeito simples, exaustivo e geral.

5 A gramática gerativa Modelos teóricos transformacionais: Modelos teóricos transformacionais: Teoria Padrom (Standard theory) e Teoria Padrom Alargada – modelos propostos originalmente por Noam Chomsky que estiverom vigentes até fins dos anos setenta. Teoria Padrom (Standard theory) e Teoria Padrom Alargada – modelos propostos originalmente por Noam Chomsky que estiverom vigentes até fins dos anos setenta. Modelo de princípios e parâmetros. Compreende duas fases: Modelo de princípios e parâmetros. Compreende duas fases: Teoria de recçom e ligamento – vigente dos anos oitenta até meados dos anos noventa. Teoria de recçom e ligamento – vigente dos anos oitenta até meados dos anos noventa. Programa minimalista – desde meados da década de noventa até a actualidade. Programa minimalista – desde meados da década de noventa até a actualidade. Outros modelos gerativos forom propostos por outros autores desde a década de setenta, a partir dos postulados de Chomsky: Outros modelos gerativos forom propostos por outros autores desde a década de setenta, a partir dos postulados de Chomsky: Gramática Léxico-funcional Gramática Léxico-funcional Gramática de estrutura sintagmática generalizada Gramática de estrutura sintagmática generalizada Gramática sintagmática nuclear Gramática sintagmática nuclear Gramática relacional Gramática relacional

6 A gramática gerativa Princípios básicos do gerativismo: Princípios básicos do gerativismo: Existe umha gramática universal, responsável pola aquisiçom da linguagem, que fai parte da herdança genética da espécie humana. Existe umha gramática universal, responsável pola aquisiçom da linguagem, que fai parte da herdança genética da espécie humana. Diferença entre competência e desempenho: Diferença entre competência e desempenho: Competência: conhecimento linguístico inato de que disponhem os falantes. Será o objecto de interesse do linguista. ( ~ «língua» de Saussure, mas de carácter individual ) Competência: conhecimento linguístico inato de que disponhem os falantes. Será o objecto de interesse do linguista. ( ~ «língua» de Saussure, mas de carácter individual ) Desempenho: a execuçom da competência. ( ~ «fala») Desempenho: a execuçom da competência. ( ~ «fala») O papel da experiência: Os estímulos linguísticos contextuais interagem com a gramática universal para dar forma a cada língua particular. O papel da experiência: Os estímulos linguísticos contextuais interagem com a gramática universal para dar forma a cada língua particular.

7 A gramática gerativa Princípios básicos do gerativismo: Princípios básicos do gerativismo: Recursividade: umha gramática gerativa deve ser capaz de gerar um número infinito de construções sintácticas a partir dum número limitado de regras e unidades. Recursividade: umha gramática gerativa deve ser capaz de gerar um número infinito de construções sintácticas a partir dum número limitado de regras e unidades. Estrutura Superficial e estrutura profunda. É umha diferenciaçom própria dos modelos padrom. Supom que cada sentença dumha língua tem dous níveis de representaçom. Estrutura Superficial e estrutura profunda. É umha diferenciaçom própria dos modelos padrom. Supom que cada sentença dumha língua tem dous níveis de representaçom. Estrutura profunda: representa o núcleo das relações semânticas da oraçom. O significado seria umha série de traços mínimos: [+animado], [+animal], [+felídeo] a inserirem-se nos moldes da estrutura profunda. Estrutura profunda: representa o núcleo das relações semânticas da oraçom. O significado seria umha série de traços mínimos: [+animado], [+animal], [+felídeo] a inserirem-se nos moldes da estrutura profunda. Estrutura superficial: está mui próxima da forma fonológica da oraçom. A passagem da estrutura profunda à superficial faria-se por meio de certas regras de transformaçom. Estrutura superficial: está mui próxima da forma fonológica da oraçom. A passagem da estrutura profunda à superficial faria-se por meio de certas regras de transformaçom. Chomsky supunha também que as estruturas profundas seriam mui similares em todas as línguas e aproximariam-se da gramática universal. Existiriam, por sua vez, um número reduzido de regras básicas capazes de gerar todas as possíveis estruturas profundas. Estas seriam universais e inatas: Chomsky supunha também que as estruturas profundas seriam mui similares em todas as línguas e aproximariam-se da gramática universal. Existiriam, por sua vez, um número reduzido de regras básicas capazes de gerar todas as possíveis estruturas profundas. Estas seriam universais e inatas: Regras de base + léxico > estrut. prof. > regras de transformaçom > estrut. superf. Regras de base + léxico > estrut. prof. > regras de transformaçom > estrut. superf. Forma lógica e forma fonética. Som os níveis de representaçom do modelo minimalista, que vinherom substituir as estruturas profunda e superficial. Nas fases mais recentes do desenvolvimento deste modelo já nom som mais empregados. Forma lógica e forma fonética. Som os níveis de representaçom do modelo minimalista, que vinherom substituir as estruturas profunda e superficial. Nas fases mais recentes do desenvolvimento deste modelo já nom som mais empregados.

8 A gramática gerativa Estrutura Superficial e estrutura profunda: Estrutura Superficial e estrutura profunda: Mesma estrutura superficial, mas diferentes estruturas profundas: Mesma estrutura superficial, mas diferentes estruturas profundas: Fijo cortar o cabelo ao seu filho Fijo cortar o cabelo ao seu filho Fijo cortar o cabelo ao cabeleireiro Fijo cortar o cabelo ao cabeleireiro Mesma estrutura profunda, mas diferentes estruturas superficiais: Mesma estrutura profunda, mas diferentes estruturas superficiais: O pequeno comeu o queijo O pequeno comeu o queijo O queijo foi comido polo pequeno O queijo foi comido polo pequeno

9 A gramática gerativa Valorizaçom: Valorizaçom: Na realidade, Jakobson já tinha procurado, no âmbito da Fonologia, as estruturas profundas -mais simples e de alcance mais geral- que geram mediante determinadas regras as complicações e ambiguidades das estruturas superficiais. Na realidade, Jakobson já tinha procurado, no âmbito da Fonologia, as estruturas profundas -mais simples e de alcance mais geral- que geram mediante determinadas regras as complicações e ambiguidades das estruturas superficiais. No entanto, o gerativismo supujo em seu dia umha importante e necessária reacçom contra o estéril distribucionalismo norte-americano, limitado à análise dos pequenos elementos da linguagem. No entanto, o gerativismo supujo em seu dia umha importante e necessária reacçom contra o estéril distribucionalismo norte-americano, limitado à análise dos pequenos elementos da linguagem. Actualmente é umha escola que continua a ter vigência e ser desenvolvida (mesmo por parte do próprio Chomsky), mas já nom conta com os apoios e entusiasmo que provocou aquando do seu aparecimento. Actualmente é umha escola que continua a ter vigência e ser desenvolvida (mesmo por parte do próprio Chomsky), mas já nom conta com os apoios e entusiasmo que provocou aquando do seu aparecimento.

10 A gramática gerativa Repercussões para a tradutologia: Repercussões para a tradutologia: Certos autores e escolas tradutológicas de base gerativa consideram que a traduçom é realizada através das estruturas mais simples comuns às duas línguas (p.ex. Nida): Certos autores e escolas tradutológicas de base gerativa consideram que a traduçom é realizada através das estruturas mais simples comuns às duas línguas (p.ex. Nida): Análise: reduçom do TF aos seus núcleos mais simples e semanticamente mais evidentes Análise: reduçom do TF aos seus núcleos mais simples e semanticamente mais evidentes Transferência: o significado da LF passa para a LA num nível estruturalmente simples Transferência: o significado da LF passa para a LA num nível estruturalmente simples Reestruturaçom: geraçom dumha expressom estilística e semanticamente equivalente na língua da traduçom Reestruturaçom: geraçom dumha expressom estilística e semanticamente equivalente na língua da traduçom

11 A Gramática Funcional

12 Simon Dik ocupou a cátedra de linguística geral da Universidade de Amsterdam desde 1969 a Simon Dik ocupou a cátedra de linguística geral da Universidade de Amsterdam desde 1969 a Nesse período desenvolveu o modelo conhecido como Gramática Funcional. Nesse período desenvolveu o modelo conhecido como Gramática Funcional. É discípulo de Michael Halliday, autor da denominada gramática sistémico-funcional. É discípulo de Michael Halliday, autor da denominada gramática sistémico-funcional. Simon C. Dik ( )

13 A Gramática Funcional A gramática funcional concebe a língua como um instrumento de comunicaçom, e admite que esta nom pode tratar-se dum objecto autónomo, mas dumha estrutura submetida às circunstâncias próprias das diversas situações comunicativas A gramática funcional concebe a língua como um instrumento de comunicaçom, e admite que esta nom pode tratar-se dum objecto autónomo, mas dumha estrutura submetida às circunstâncias próprias das diversas situações comunicativas A estrutura gramatical deve relacionar-se com a situaçom comunicativa no seu conjunto: o propósito do acto de fala, os seus participantes e o seu contexto discursivo. A estrutura gramatical deve relacionar-se com a situaçom comunicativa no seu conjunto: o propósito do acto de fala, os seus participantes e o seu contexto discursivo.

14 A Gramática Funcional O sistema lingüístico, pois, está intrinsecamente ligado ao sistema social, ao uso: O sistema lingüístico, pois, está intrinsecamente ligado ao sistema social, ao uso:...everything that is said or written unfolds in some context of use (...) Language has evolved to satisfy human needs... (Halliday, 1985)...everything that is said or written unfolds in some context of use (...) Language has evolved to satisfy human needs... (Halliday, 1985) A gramática funcional estuda como som empregadas as palavras, sintagmas e orações, e a adequaçom desses elementos segundo o contexto e situaçom comunicativa em que se utilizarem A gramática funcional estuda como som empregadas as palavras, sintagmas e orações, e a adequaçom desses elementos segundo o contexto e situaçom comunicativa em que se utilizarem

15 A Gramática Funcional P.ex: Dik propom um modelo de interacçom verbal que tem lugar em torno de umha expressom linguística, mas esta tem só o papel de mediadora entre os falantes. Um falante deseja obter umha modificaçom na informaçom pragmática do outro, enquanto o outro antecipa e reconstrói essa informaçom, reactivando todo o modelo: P.ex: Dik propom um modelo de interacçom verbal que tem lugar em torno de umha expressom linguística, mas esta tem só o papel de mediadora entre os falantes. Um falante deseja obter umha modificaçom na informaçom pragmática do outro, enquanto o outro antecipa e reconstrói essa informaçom, reactivando todo o modelo:

16 A Gramática Funcional

17 A atençom ao contexto é um elemento comum às outras focagens próprias do funcionalismo linguístico, mas há uma diferença decorrente do conceito de funçom. Para a gramática funcional a funçom alicerça-se no conceito de relaçom, enquanto para as outras correntes se alicerça no contexto. A atençom ao contexto é um elemento comum às outras focagens próprias do funcionalismo linguístico, mas há uma diferença decorrente do conceito de funçom. Para a gramática funcional a funçom alicerça-se no conceito de relaçom, enquanto para as outras correntes se alicerça no contexto. Esta atençom às relações linguísticas fai-lhes criticar outras focagens, especialmente o gerativismo, dado que estas concediam maior importância às noções categoriais. A gramática funcional, no entanto, centra-se no componente funcional, ou seja,nas relações. Esta atençom às relações linguísticas fai-lhes criticar outras focagens, especialmente o gerativismo, dado que estas concediam maior importância às noções categoriais. A gramática funcional, no entanto, centra-se no componente funcional, ou seja,nas relações. Isto implica que umha mesma categoria (adjectivo, frase adjectiva, cláusula, etc) poderá desenvolver diferentes funções (núcleo, predicado, modificador...etc.) Isto implica que umha mesma categoria (adjectivo, frase adjectiva, cláusula, etc) poderá desenvolver diferentes funções (núcleo, predicado, modificador...etc.)

18 A Gramática Funcional Por outro lado, as diferentes funções acontecem em três diferentes níveis de estruturaçom: Por outro lado, as diferentes funções acontecem em três diferentes níveis de estruturaçom: semântico: refere-se ao papel semântico que desenvolvem os referentes: Agente, Paciente, Acçom... semântico: refere-se ao papel semântico que desenvolvem os referentes: Agente, Paciente, Acçom... sintáctico: inclui as funções sintácticas: Complemento Indirecto, Predicado, Modificador... sintáctico: inclui as funções sintácticas: Complemento Indirecto, Predicado, Modificador... pragmático: remete para o valor informativo dos componentes do enunciado: Tema, rema... pragmático: remete para o valor informativo dos componentes do enunciado: Tema, rema...

19 A Gramática Funcional Os esquemas sintácticos estarám relacionados com os esquemas semânticos subjacentes, ainda que nom biunivocamente. Umha mesma funçom semântica pode remeter para mais dumha funçom sintáctica, e vice-versa: Os esquemas sintácticos estarám relacionados com os esquemas semânticos subjacentes, ainda que nom biunivocamente. Umha mesma funçom semântica pode remeter para mais dumha funçom sintáctica, e vice-versa: Joam comprou um livro (Agente + Acçom + Termo) Joam comprou um livro (Agente + Acçom + Termo) O livro foi comprado por Joam (Termo + Acçom + Agente) O livro foi comprado por Joam (Termo + Acçom + Agente) Os esquemas semânticos, por sua vez, dependem das características semânticas (valenciais) do predicado: Os esquemas semânticos, por sua vez, dependem das características semânticas (valenciais) do predicado:

20 A Gramática Funcional O interesse da gramática funcional polo contexto e polo uso da língua, insere-a, a través de Halliday e Firth, numha tradiçom linguística britânica, de corte empirista, que constitui o quadro teórico que substenta actualmente a conhecida como linguística com corpora. O interesse da gramática funcional polo contexto e polo uso da língua, insere-a, a través de Halliday e Firth, numha tradiçom linguística britânica, de corte empirista, que constitui o quadro teórico que substenta actualmente a conhecida como linguística com corpora.

21 A Sintaxe

22 Gramática = Morfologia + Sintaxe (morfo- sintaxe) Gramática = Morfologia + Sintaxe (morfo- sintaxe) Análise gramatical: segmentaçom de umha sequência tantas vezes como seja preciso para chegar aos elementos mínimos que a constituem. Análise gramatical: segmentaçom de umha sequência tantas vezes como seja preciso para chegar aos elementos mínimos que a constituem. No caso da análise sintáctica, a análise detém-se ao atingir a unidade palavra. A partir daí começa a análise morfológica. No caso da análise sintáctica, a análise detém-se ao atingir a unidade palavra. A partir daí começa a análise morfológica.

23 A Sintaxe A análise dumha expressom pode ser realizada com critérios e factores que mudam segundo as diferentes aproximações. Para o funcionalismo, a funçom sintáctica a desempenharem os diversos elementos será o factor decisivo para a organizaçom das sequências A análise dumha expressom pode ser realizada com critérios e factores que mudam segundo as diferentes aproximações. Para o funcionalismo, a funçom sintáctica a desempenharem os diversos elementos será o factor decisivo para a organizaçom das sequências

24 A Sintaxe Na análise funcional o texto vai sendo dividido progressivamente nos elementos funcionais que se acham nele, tendo em conta que Na análise funcional o texto vai sendo dividido progressivamente nos elementos funcionais que se acham nele, tendo em conta que a) nom há implicaçom mútua constante entre tipo e subtipo de unidade e o valor funcional. As unidades definirám-se polos seus traços internos, nom pola sua funçom. a) nom há implicaçom mútua constante entre tipo e subtipo de unidade e o valor funcional. As unidades definirám-se polos seus traços internos, nom pola sua funçom. Nos esquemas de representaçom sintáctica de índole funcionalista costuma representar-se as funções em letra maiúscula e as unidades em letra minúscula. Nos esquemas de representaçom sintáctica de índole funcionalista costuma representar-se as funções em letra maiúscula e as unidades em letra minúscula. b) nom há axiomas binaristas na segmentaçom b) nom há axiomas binaristas na segmentaçom

25 A Sintaxe

26 Relações sintácticas Saussure estabelece umha primeira diferença: Saussure estabelece umha primeira diferença: Relações associativas (ou in absentia). Hjelmslev redefinirá o conceito e denominará-as paradigmáticas. Som as relações que se estabelecem entre umha unidade lingüística pertencente a umha cadeia e todas as unidades que poderiam desempenhar a sua mesma funçom Relações associativas (ou in absentia). Hjelmslev redefinirá o conceito e denominará-as paradigmáticas. Som as relações que se estabelecem entre umha unidade lingüística pertencente a umha cadeia e todas as unidades que poderiam desempenhar a sua mesma funçom Relações sintagmáticas (ou in praesentia). Relaçom que se estabelece entre os elementos copresentes pertencentes a umha mesma cadeia. Se os elementos nom pertencerem à mesma cadeia seriam, em todo o caso, relações sintagmáticas indirectas. Relações sintagmáticas (ou in praesentia). Relaçom que se estabelece entre os elementos copresentes pertencentes a umha mesma cadeia. Se os elementos nom pertencerem à mesma cadeia seriam, em todo o caso, relações sintagmáticas indirectas. Cadeia linguística: unidade constituída por outras de nível inferior e com um valor global unitário, global, na unidade superior em que se integra. Cadeia linguística: unidade constituída por outras de nível inferior e com um valor global unitário, global, na unidade superior em que se integra.

27 Relações sintácticas Há, primariamente, dous tipos de relações sintagmáticas: Há, primariamente, dous tipos de relações sintagmáticas: Relações todo-parte (ou parte-todo) Relações todo-parte (ou parte-todo) Relações parte-parte Relações parte-parte

28 Relações sintácticas Relações todo-parte (e parte-todo): tenhem lugar quando umha unidade está formada por outras unidades de nível inferior (ou seja, quando nom é umha unidade mínima). Relações todo-parte (e parte-todo): tenhem lugar quando umha unidade está formada por outras unidades de nível inferior (ou seja, quando nom é umha unidade mínima). Relações constitutivas (todo-parte) e relações integrativas (parte-todo): som de tipo geral e estám presentes sempre que nom se trata de unidades mínimas. Relações constitutivas (todo-parte) e relações integrativas (parte-todo): som de tipo geral e estám presentes sempre que nom se trata de unidades mínimas. Há elementos a manterem relações integrativas que som constantes e outros variáveis (prescindíveis). Há elementos a manterem relações integrativas que som constantes e outros variáveis (prescindíveis). P.ex: //O cam// COME// o osso(o 2º é constante) P.ex: //O cam// COME// o osso(o 2º é constante) Relações funcionais: o valor organizativo, de carácter formal (nom substancial), que adquire um elemento ao integrar-se numha unidade superior e que expressa um valor semântico determinado. Dam-se naquelas unidades cuja flexibilidade estrutural permite várias formas de integraçom (ou seja, nas unidades sintácticas). Relações funcionais: o valor organizativo, de carácter formal (nom substancial), que adquire um elemento ao integrar-se numha unidade superior e que expressa um valor semântico determinado. Dam-se naquelas unidades cuja flexibilidade estrutural permite várias formas de integraçom (ou seja, nas unidades sintácticas).

29 Relações sintácticas Relações parte-parte: Dam-se entre unidades do mesmo nível de estrutura hierárquica a fazerem parte dumha outra unidade superior. Relações parte-parte: Dam-se entre unidades do mesmo nível de estrutura hierárquica a fazerem parte dumha outra unidade superior. Relações sequenciais: tenhem lugar entre todos aqueles constituintes que, pola sua própria natureza sonora -ou gráfica- tenhem de ordenar- se sucessivamente. Só fai sentido falar em relações sequenciais entre constituintes directos dumha mesma unidade. Relações sequenciais: tenhem lugar entre todos aqueles constituintes que, pola sua própria natureza sonora -ou gráfica- tenhem de ordenar- se sucessivamente. Só fai sentido falar em relações sequenciais entre constituintes directos dumha mesma unidade. Relações conectivas: o valor concreto de cada elemento depende da necessidade que este apresenta da presença de outros elementos do seu mesmo nível (dentro dum mesmo sintagma). Há três tipos, definidos pola Glosemática: Relações conectivas: o valor concreto de cada elemento depende da necessidade que este apresenta da presença de outros elementos do seu mesmo nível (dentro dum mesmo sintagma). Há três tipos, definidos pola Glosemática: Interdependência (ou interordinaçom): relaçom entre duas (ou mais) unidades em que a presença de cada umha delas é necessária para a presença da(s) outra(s). Interdependência (ou interordinaçom): relaçom entre duas (ou mais) unidades em que a presença de cada umha delas é necessária para a presença da(s) outra(s). Determinaçom (ou subordinaçom): relaçom entre duas ou mais unidades em que a presença dumha delas é necessária para a presença das outras, mas nom ao contrário. Determinaçom (ou subordinaçom): relaçom entre duas ou mais unidades em que a presença dumha delas é necessária para a presença das outras, mas nom ao contrário. Constelaçom (ou coordenaçom): relaçom entre duas ou mais unidades em que a presença de cada umha delas nom é necessária para a presença das demais. Constelaçom (ou coordenaçom): relaçom entre duas ou mais unidades em que a presença de cada umha delas nom é necessária para a presença das demais.

30 Modelos de análise sintáctica Constitutivos: o seu fim é a descriçom da estrutura constitutiva das unidades sintácticas Constitutivos: o seu fim é a descriçom da estrutura constitutiva das unidades sintácticas Dependenciais: partem do estudo das relações entre as partes para estabelecer a estrutura das unidades Dependenciais: partem do estudo das relações entre as partes para estabelecer a estrutura das unidades Mistos: participam de algumha das características dos outros dous Mistos: participam de algumha das características dos outros dous

31 Unidades sintácticas Definem-se pola sua organizaçom interna e pola sua capacidade para formarem enunciados Definem-se pola sua organizaçom interna e pola sua capacidade para formarem enunciados Critérios: Critérios: a) Unidades endocêntricas e exocêntricas a) Unidades endocêntricas e exocêntricas Unidades endocêntricas: um dos seus elementos pode desenvolver o papel da unidade de que fai parte. Denomina-se Núcleo. O outro chama-se modificador. Unidades endocêntricas: um dos seus elementos pode desenvolver o papel da unidade de que fai parte. Denomina-se Núcleo. O outro chama-se modificador. Unidades exocêntricas: nengum dos seus elementos pode desenvolver o papel da unidade de que fai parte. Unidades exocêntricas: nengum dos seus elementos pode desenvolver o papel da unidade de que fai parte. b) Unidades simples e complexas: b) Unidades simples e complexas: Unidades simples: Estám formadas por unidades de níveis inferiores Unidades simples: Estám formadas por unidades de níveis inferiores Unidades complexas: Estám formadas por umha ou mais unidades de nível igual ou superior Unidades complexas: Estám formadas por umha ou mais unidades de nível igual ou superior C) Unidades dependentes e independentes: C) Unidades dependentes e independentes: Unidades independentes: podem formar enunciados por si mesmas Unidades independentes: podem formar enunciados por si mesmas Unidades dependentes: som incapazes de formar enunciados Unidades dependentes: som incapazes de formar enunciados

32 Unidades sintácticas Unidade palavra: Unidade mínima da análise sintáctica. Unidade palavra: Unidade mínima da análise sintáctica. Problemas para a sua definiçom Problemas para a sua definiçom

33 Unidades sintácticas Unidade frase: Carece dum elemento obrigatório Unidade frase: Carece dum elemento obrigatório Com conexom de subordinaçom (carácter endocêntrico): Com conexom de subordinaçom (carácter endocêntrico): Frase substantiva: o núcleo é um substantivo Frase substantiva: o núcleo é um substantivo Frase adjectiva: o núcleo é um adjectivo Frase adjectiva: o núcleo é um adjectivo Frase adverbial: o núcleo é um advérbio Frase adverbial: o núcleo é um advérbio Com conexom de interordinaçom (carácter exocêntrico): Com conexom de interordinaçom (carácter exocêntrico): Frase nominal: Um dos elementos desenvolve a funçom de determinante e o outro age como um nominal. Frase nominal: Um dos elementos desenvolve a funçom de determinante e o outro age como um nominal. Frase preposicional: sintagma constituído por umha preposiçom e um outro elemento, que desenvolvem as funções de director e termo. Frase preposicional: sintagma constituído por umha preposiçom e um outro elemento, que desenvolvem as funções de director e termo.

34 Unidades sintácticas

35 Unidade cláusula: Unidade caracterizada por possuir um elemento a desenvolver a funçom de Predicado. Nos casos mais claros será um verbo em forma pessoal. Unidade cláusula: Unidade caracterizada por possuir um elemento a desenvolver a funçom de Predicado. Nos casos mais claros será um verbo em forma pessoal. Compreende as chamadas orações simples da gramática tradicional e as compostas por subordinaçom que apresentam um esquema de elementos funcionais agrupados em torno a um predicado (Trata-se só de recursividade). Compreende as chamadas orações simples da gramática tradicional e as compostas por subordinaçom que apresentam um esquema de elementos funcionais agrupados em torno a um predicado (Trata-se só de recursividade).

36 Unidades sintácticas

37 Unidade oraçom: Carece dum elemento obrigatório. Possui umha estrutura bipolar, com umha relaçom de interordinaçom entre os seus membros Unidade oraçom: Carece dum elemento obrigatório. Possui umha estrutura bipolar, com umha relaçom de interordinaçom entre os seus membros


Carregar ppt "Gerativismo e Gramática Funcional. A sintaxe Universidade de Vigo, 2008."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google