A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PORTUGAL - E DEPOIS DA CRISE? José Félix Ribeiro ALIMENTARIA LISBOA 2009 Seminário ADIPA A Conjuntura Económica Actual e a Dinâmica do sector da Distribuição.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PORTUGAL - E DEPOIS DA CRISE? José Félix Ribeiro ALIMENTARIA LISBOA 2009 Seminário ADIPA A Conjuntura Económica Actual e a Dinâmica do sector da Distribuição."— Transcrição da apresentação:

1 PORTUGAL - E DEPOIS DA CRISE? José Félix Ribeiro ALIMENTARIA LISBOA 2009 Seminário ADIPA A Conjuntura Económica Actual e a Dinâmica do sector da Distribuição Grossista Alimentar

2 AS DIFICULDADES CONTINUADAS, EXPERIMENTADAS POR PORTUGAL EM TERMOS DE CRESCIMENTO, EXIGEM - APÓS VÁRIAS TENTATIVAS DE ACERTOS PONTUAIS - UMA REDEFINIÇÃO DO SEU MODELO DE DESENVOLVIMENTO E DO MODO DE FUNCIONAMENTO DA SUA ECONOMIA. TAREFA QUE TERÁ QUE SE CONCRETIZAR NUM PERÍODO DE FORTES TURBULÊNCIAS NA ECONOMIA MUNDIAL

3 O PONTO DE PARTIDA PARA ESTA REFLEXÃO FOI O DE QUE A CRISE FINANCEIRA ACTUAL NÃO IRÁ POR EM CAUSA O PROCESSO DE GLOBALIZAÇÃO MAS VAI AFECTAR SERIAMENTE O CRESCIMENTO MUNDIAL NOS PRÓXIMOS ANOS, SENDO MUITO POSSÍVEL QUE A EUROPA VENHA SER UMA DAS REGIÕES MAIS AFECTADAS (CRISE FINANCEIRA + CRISES INDUSTRIAIS )

4 1. A CRISE MUNDIAL – DIFERENTES VELOCIDADES DE RESOLUÇÃO PARA OS PROCESSOS QUE A INTEGRAM

5 A CRISE ACTUAL- UMA VARIEDADE DE PROCESSOS EM ACÇÃO UM CHOQUE ENERGÉTICO que ocorreu em 2006 e 2007, traduzindo-se numa explosão nos preços dos petróleo cuja base assentou crescimento rápido do consumo da Ásia, declínio da produção nas províncias energéticas fora da OPEP e da ex URSS, quebra nas actividades de prospecção e desenvolvimento por parte das principais companhias privadas redução da capacidade excedentária da Arábia Saudita principal instrumento de regulação de curo prazo do mercado f (Este choque energético começou por travar o consumo das famílias nos EUA ) Face a esta certeza investidores institucionais em busca urgente de rendimentos, bem como fundos especulativos ampliaram este movimento altista fazendo crer as autoridades que se estava perante um sério risco de inflação, determinando um endurecer das políticas monetárias

6 O CONFRONTO CRESCIMENTO TENDENCIAL DA PROCURA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL COM O DECLÍNIO NA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DOS JAZIGOS EM EXPLORAÇÃO

7 A CRISE ACTUAL- UMA VARIEDADE DE PROCESSOS EM ACÇÃO UMA CRISE IMOBILIÁRIA, como outras verificadas em décadas anteriores em que o crescimento fora de comum das vendas e dos preços de habitações atinge um limite quando, por razões endógenas, os preços ultrapassam o que a procura tem condições para comprar e/ou se verifica uma contracção e encarecimento do crédito que ao precipitar uma vaga de defaults gera contracção na concessão de novos créditos e, desse modo, retrai a compra de novas habitações levando á acumulação de stocks de casas por vender; A crise do imobiliário nos EUA, como aconteceu anteriormente e por várias vezes, antecede uma recessão devido à quebra e actividade nos sectores directamente afectados e à retracção de consumo das famílias devido a um efeito riqueza negativo

8 EUA- Evolução da Construção Residencial EUA- Evolução dos Preços de residências

9 A CRISE ACTUAL- UMA VARIEDADE DE PROCESSOS EM ACÇÃO GRAVE CRISE NO CORAÇÃO DO SISTEMA BANCÁRIO DOS EUA– bancos de investimento e holdings bancários - em consequência do recurso maciço que estas entidades fizeram à emissão de obrigações garantidas por créditos hipotecários (nomeadamente subprime, como um dos principais negócio no período pós crash do NASDAQ (sendo que esta emissão respondeu à procura maciça de aplicações de elevado rendimento fixo por parte dos investidores institucionais e particulares; as obrigações garantidas por hipotecas funcionaram como principal garantia dos financiamentos a curto prazo que os bancos de investimento necessitaram para as suas outras esferas de actuação; (nomeadamente financiamento dos hedge funds e dos private equity funds, ambos fortemente alavancados nas sua operações); A crise imobiliária, e nomeadamente a quede abrupta e inesperadamente generalizada a quase todos os mercados imobiliários dos EUA, desencadeou prejuízos gigantescos nos bancos, uma fuga generalizada daqueles activos, considerados tóxicos, por parte dos fundos actuando no mercado monetário

10 Crise nos Mortgage bankers Crise nos CDO`S Crise nos Monolines Crise nos CDS Bear Stearns Crise na Fannie Mae e Freddie Mac Inversão na dinâmica dos Preços do Imobiliário Residencial Aumento dos defaults em hipotecas Lehman Brothers AIG

11 A CRISE ACTUAL- UMA VARIEDADE DE PROCESSOS EM ACÇÃO UM PROCESSO GENERALIZADO DE DESALAVANCAGEM que, começando no sistema financeiro, se vem repercutindo na esfera real pelas dificuldades de refinanciamento de dívidase pela retracção na concessão de novo crédito ao investimento e ao consumo ; este processo de desalavancagem, ao suceder a um processo de criação de excessos de capacidade em vários sectores á escala mundial no período de crédito fácil vai determinar uma redução inevitável desses excessos, com o impacto que terá no crescimento mundial – UMA RECESSÃO PROFUNDA

12 CRISE BANCÁRIA CRISE IMOBILIÁRIA CHOQUE ENERGÉTICO Crise segura doras ABSORÇÃO DE RISCOS DE CRÉDITO (Credit Default Swaps) QUEDA MERCADOS BOLSISTA S Restrições Crédito às Famílias & Empresas Quebras Património das Famílias Quebra Consumo Famílias Queda forte na actividade sector automóvel & associados CRISE SECTOR AUTOMÓVEL Elevação Taxas de Juro MBS & CDO Quebra Actividades No sector Construção & associados Quebra na actividade sector de Serviços Primeiro Impacto Segundo Impacto Terceiro Impacto Legenda Recessão Profunda e Prolongada?

13 ONDE PODEMOS ESTAR : UMA CRISE QUE COMEÇOU A SER DEBELADA NO SISTEMA BANCÁRIO DOS EUA MAS QUE UMA CRISE ECONÓMICA EM QUE SE ESTÁ LONGE DE TER ULTRPASSADO OS FACTORES DE RECESSÃO QUE SE ACUMULAM A NÍVEL MUNDIAL UMA CRISE ECONÓMICA QUE QUANDO FOR ULTRAPASSDA VAI ENCONTRAR AS MESMAS RESTRIÇÕES NA ÁREA ENERGÉTICA RENOVANDO AS PRESSÕES SOBRE AS ECONOMIAS

14 2. PORTUGAL PÓS – CRISE : UMA NOVA PRESENÇA NA GLOBALIZAÇÃO, PARA UM CRESCIMENTO SUSTENTADO

15 UMA NOVA PRESENÇA NA GLOBALIZAÇÃO PORTUGAL – TRÊS CONDIÇÕES PARA UM CRESCIMENTO SUSTENTADO E 1. A convergência de investimento directo estrangeiro e capacidade de inovação empresarial endógena de PME´S e centros de conhecimento nas Universidades para um conjunto de novos Pólos de Competitividade que se situem em áreas funcionais que tenham no longo prazo um crescimento garantido a nível dos países desenvolvidos e nos quais possamos desde já começar ou continuar a desenvolver.

16 PORTUGAL: UMA NOVA PRESENÇA NA GLOBALIZAÇÃO OCEANOS &ENERGIA MOBILIDADE SUSTENTÁVEL & FLEXÍVEL SAÚDE-SERVIÇOS, DISPOSITIVOS & EQUIPAMENTOS ENERGIAS RENOVÁVEIS &FUEL CELLS TURISMO, & ACOLHIMENTO - ACTIVIDADES MOTORAS EM 2020? PORTUGAL AGRICULTURA DE ESPECIALIDADES & AGROALIMENTAR COMUNICAÇÕES & MULTIMÉDIA

17 UMA NOVA PRESENÇA NA GLOBALIZAÇÃO 2. A melhoria da competitividade de sectores tradicionalmente exportadores assente na inovação e na internacionalização de um grupo significativo de empresas será, na maioria dos casos, e aconsolidação das actividades de serviços complementares desses sectores - O PAPEL CRUCIAL DAS PME´S PORTUGAL – TRÊS CONDIÇÕES PARA UM CRESCIMENTO SUSTENTADO

18 UMA NOVA PRESENÇA NA GLOBALIZAÇÃO 3. Uma forte competição nos sectores de serviços virados para o mercado interno, que favoreça a inovação nos serviços às famílias- incluindo saúde e educação, nos serviços às empresas e nos serviços infra estruturais de toda a sociedade - telecomunicações e energia. PORTUGAL – TRÊS CONDIÇÕES PARA UM CRESCIMENTO SUSTENTADO

19 3. A IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA E DO AGRO ALIMENTAR

20 A ALIMENTAÇÃO ENTRE DOIS FOCOS: UMA POPULAÇÃO A ENVELHECER E UMA JUVENTUDE A ENGORDAR ECONOMIAS A EMERGIR, ALIMENTOS A ESCASSEAR

21 O QUE NOS PODE RESERVAR O FUTURO? ALIMENTAÇÃO E ABUNDÂNCIA – REIVENTANDO AS PLANTAS? –REDESCOBRINDO OS OCEANOS? ALIMENTAÇÃO E FARMÁCIA MAIORES INTERACÇÕES? ALIMENTAÇÃO E AMBIENTE –BIOTECNOLOGIA E QUÍMICA VERDE? –AGRICULTURA VERTICAL? -

22 A IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA E DO AGROALIMENTAR PARA PORTUGAL E O SEU TERRITÓRIO COMO REABSORVER O DESEMPREGO NOS SECTORES EXPORTADORES TRADICIONAIS DO NORTE E CENTRO LITORAL SEM REDESCOBRIR UMA AGRICULTURA DE ESPECIALIDADES COMPETITIVA?

23 A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA AGRÍCOLA E AGROALIMENTAR PARA PORTUGAL E O SEU TERRITÓRIO COMO VALORIZAR E TRAVAR DESERTIFICAÇÃO DO INTERIOR SEM UMA AGRICULTURA DE PRODUTOS DIFERENCIADOS E DE ALTA QUALIDADE E UMA APOSTA NOS BIOCOMBUSTÍVEIS VERDES

24 COMO APROVEITAR O INVESTIMENTO REALIZADO POR PORTUGAL EM TERMOS DE FORMAÇÃO E I&D EM BIOTECNOLOGIA SEM O UTILIZAR COMO ALAVANCA DE INOVAÇÃO NO SECTOR AGRO ALIMENTAR? A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA AGRICULTURA E DO AGROALIMENTAR PARA PORTUGAL E O SEU TERRITÓRIO

25 Uma forte competição nos sectores de serviços virados para o mercado interno, que favoreça a inovação nos serviços às famílias- incluindo saúde e educação, nos serviços às empresas e nos serviços infra estruturais de toda a sociedade- telecomunicações e energia. 4. UMA APOSTA NACIONAL NA EXPLORAÇÃO DOS OCEANOS

26 CONVERGÊNCIA ENTRE TRANSPORTE MARÍTIMO, AÉREO E FERROVIÁRIO PARA COLOCAR PORTUGAL NAS ROTAS POR ONDE CIRCULAM PRODUTOS COM FORTE DINÂMICA NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E EM CUJAS CADEIAS DE PRODUÇÃO GLOBAL PORTUGAL PODE VIR A OCUPAR UMA POSIÇÃO NO FUTURO; EXPLORAÇÃO DOS OCEANOS

27 CRIAÇÃO DAS MAIS FAVORÁVEIS CONDIÇÕES PARA A PROSPECÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO DEEP OFFSHORE DO PAÍS, CRIAÇÃO DE CONDIÇÕES PARA A TRANSFORMAÇÃO DA COSTA PORTUGUESA NUM CAMPO DE EXPERIMENTAÇÃO DE DIFERENTES TECNOLOGIAS DE APROVEITAMENTO DA ENERGIA DAS ONDAS; APOSTA NAS TECNOLOGIAS DE MICROALGAS PARA CAPTAÇÃO DE CO2 E PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEUIS EXPLORAÇÃO DOS OCEANOS

28 O APROVEITAMENTO DA POSIÇÃO GEOGRÁFICA DO PAÍS PARA COMPETIR NA ATRACÇÃO DE ACTIVIDADES DE MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO DE ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS PARA A EXPLORAÇÃO OFFSHORE DA BACIA ENERGÉTICA DA ÁFRICA OCIDENTAL, EXPLORAÇÃO DOS OCEANOS

29 APROVEITAMENTO DOS RECURSOS ALIMENTARES DOS OCEANOS - POLÍTICAS DE PRESERVAÇÃO DAS ESPÉCIES E APLICAÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS (AQUACULTURA), BEM COMO DOS RECURSOS BIOTECNOLÓGICOS EM FASE DE DESCOBERTA. EXPLORAÇÃO DOS OCEANOS

30 TECNOLOGIAS DE EXPLORAÇÃO SUBMARINA COMO CAMPO TECNOLÓGICO EM QUE PORTUGAL SE PODERIA ESPECIALIZARNOS PRÓXIMOS VINTE ANOS, TORNANDO-SE NUMAPLATAFORMA RELEVANTE DO DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DESSAS TECNOLOGIAS; EXPLORAÇÃO DOS OCEANOS

31

32 5. INFRA ESTRUTURAS PARA A COMPETITIVIDADE FUTURA

33 CONSTRUÇÃO DO NOVO AEROPORTO INTERNACIONAL DE LISBOA EM ALCOCHETE COM CONDIÇÕES OPERACIONAIS ADEQUADAS AO DESENVOLVIMENTO DOS SEGMENTOS DE NEGÓCIOS ESTRATÉGICOS DE PASSAGEIROS E CARGA DEVENDO FUNCIONAR COMO PLATAFORMA DE TRÂNSITO DE UMA DAS ALIANÇAS MUNDIAIS DE AVIAÇÃO CIVIL OU DE UM GRANDE OPERADOR GLOBAL; INFRA ESTRUTURAS PARA A COMPETITIVIDADE FUTURA

34 AEROPORTO SÁ CARNEIRO COMO PRINCIPAL AEROPORTO DO NOROESTE PENINSULAR MELHORIA SIGNIFICATIVA DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO PARA CARGA AÉREA, APOSTANDO NUMA ÁREA LOGÍSTICA E INDUSTRIAL, ARTICULADA COM O PORTO DE LEIXÕES QUE CONSTITUA UMA ALAVANCA PARA DIVERSIFICAÇÃO DO TECIDO INDUSTRIAL DO NORTE E CENTRO DO PAÍS. ATRACÇÃO DE UM OPERADOR MUNDIAL LOGÍSTICO INFRA ESTRUTURAS PARA A COMPETITIVIDADE FUTURA

35 REFORÇO DOS PORTOS DE ÁGUAS PROFUNDAS E SUA LIGAÇÃO AO CENTRO DA EUROPA AMPLIAÇÃO DA CAPACIDADE DO PORTO DE SINES COM TRÊS VALÊNCIAS PRINCIPAIS – ENERGÉTICA, MOVIMENTAÇÃO DE CONTENTORES, ZONA DE LOCALIZAÇÃO INDUSTRIAL ASSOCIADA A INVESTIMENTO EXTRA EUROPEU INFRA ESTRUTURAS PARA A COMPETITIVIDADE FUTURA

36 INFRAESTRUTURAS PARA A COMPETITIVIDADEFUTURA LIGAÇÃO FERROVIÁRIA AO CENTRO DA EUROPA PARA CARGA CRIAÇÃO DE UM CORREDOR MULTIMODAL PARA MERCADORIAS QUE LIGUE OS PORTOS DE LISBOA, SETÚBAL E DE SINES NÃO SÓ AO PÓLO DE MADRID, MAS ATRAVÉS DE SARAGOÇA, BARCELONA E PERPIGNAN AO CENTRO DA EUROPA (VD. ALEMANHA DO SUL/ SUÍÇA).

37 Transporte Marítimo de Curta Distância (TMCD) ADAPTAÇÃO DE PORTOS QUE SIRVAM IMPORTANTES ZONAS DE ACTIVIDADE ECONÓMICA EXPORTADORA DO PAÍS, INCLUINDO UM PORTO A NORTE (VD. LEIXÕES) E OUTRO A SUL (SETÚBAL) CRIAÇÃO DE CONDIÇÕES PARA QUE OPERADORES LOGÍSTICOS PORTUGUESES ESTRUTUREM LIGAÇÕES RODO MARÍTIMAS E, NOS PRÓXIMOS ANOS, VENHAM A ENTRAR NO CAPITAL DE UM DOS GRANDES OPERADORES EUROPEUS DE TMCD INFRA ESTRUTURAS PARA A COMPETITIVIDADE FUTURA

38 PARA TERMINAR: UM PROGRAMA ARTICULADO DE REFORMAS ESTRUTURAIS

39 REDUÇÃO DA CARGA FISCAL SOBRE AS EMPRESAS E OS INVESTIDORES MUDANÇA SUBSTANCIAL NO SISTEMA FINANCEIRO MUDANÇA NO FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO MUDANÇA NO MODO DE GERIR AS RESPONSABILIDADES SOCIAIS DO ESTADO MELHORIA URGENTE DO SISTEMA DE JUSTIÇA,

40 FIM DA APRESENTAÇÃO


Carregar ppt "PORTUGAL - E DEPOIS DA CRISE? José Félix Ribeiro ALIMENTARIA LISBOA 2009 Seminário ADIPA A Conjuntura Económica Actual e a Dinâmica do sector da Distribuição."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google