A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

JANELA ABERTA PARA O MUNDO AFRICANO: A LITERATURA E O CINEMA DE SEMBÈNE OUSMANE Expositor Victor Martins Pesquisador da Casa das Áfricas / Cecafro-Puc-SP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "JANELA ABERTA PARA O MUNDO AFRICANO: A LITERATURA E O CINEMA DE SEMBÈNE OUSMANE Expositor Victor Martins Pesquisador da Casa das Áfricas / Cecafro-Puc-SP."— Transcrição da apresentação:

1 JANELA ABERTA PARA O MUNDO AFRICANO: A LITERATURA E O CINEMA DE SEMBÈNE OUSMANE Expositor Victor Martins Pesquisador da Casa das Áfricas / Cecafro-Puc-SP

2 JANELA ABERTA PARA O MUNDO AFRICANO: A LITERATURA E O CINEMA DE SEMBÈNE OUSMANE Expositor Victor Martins Pesquisador da Casa das Áfricas / Cecafro-Puc-SP O VETOR GEOPOLÍTICO DA OBRA DE SEMBÈNE OUSMANE

3 Antecedentes do cinema africano: o olhar colonialista Na época colonial o cinema era uma distração para estrangeiros. O mundo africano, o mundo negro, só aparecia nele através de bananeiras e coqueiros, através de personagens de mensageiros ou domésticos fiéis. Mas, depois, os cineastas africanos passaram a levantar problemas reais – mal ou bem, mas de qualquer forma os levantaram. Então, as pessoas começaram a se identificar lentamente com sua história. E o cinema tornou-se uma realidade. (Sembène Ousmane, Correio da Unesco, ). Tarzan, 1918, Elmo Lincoln

4 Filmes colonialistas - Em sua maioria documentários, cinejornais (actualités franceses) e alguns filmes de ficção (décadas de 1890, 1910,20,30,40; - Espelhava o olhar colonialista; - A câmera, a exemplo de um microscópio, era uma ferramenta usada para dissecar o outro (o africano, o asiático, o oriental, o latino-americano).

5 Filmes colonialistas Desde fins do século XIX cinegrafistas europeus e sobretudo franceses são enviados à África.

6 O cinema em África: olhar colonialista Por objetivo celebrar as virtudes da civilização; O soft power das potências europeias (poder de influência por meio da cultura e na esteira ideológica, seg. Joseph Nye); Também contou com o apoio de particulares (o caso Citroën).

7 O olhar colonialista Em 1926, é filmado La croisière noire, uma travessia do Sahara com carros de trilha, patrocinado pelo magnata André Citroën e pelo Centro Africano de Paris. Filmado por León Poirier. O filme foi um sucesso. O cruzeiro negro, 1926, León Poirier.

8 La croisière noire (1926) Estilo pedagógico e ufanista; Turismo visual; Segundo Elisabeth Lequeret, trata-se de familiarizar os espectadores da metrópole com os habitantes dos territórios coloniais.

9 Cinema para educar No início dos anos 1930, as principais potências coloniais fazem uso de projeções cinematográficas para educar as populações locais (vide Femmes Demain, década de 1950); Em 1936, o Ministério da Informação inglês cria o Colonial Film Unit, para organizar a distribuição e difusão de filmes (Bouchard, p.149). O projeto encontra dificuldades mas é uma experiência pioneira. (cinema enquanto política de Estado). Em Gâmbia e no Senegal práticas como essa duraram até os anos 1950.

10

11 olonizador

12

13 tópico

14 tópico

15 tópico etrado

16 tópico etrado

17 tópico etrado oubab oubab

18 olonizador tópico etrado oubab oubab

19 olonizador tópico etrado oubab oubab Vamos por partes

20 Colonizador – um pensamento abissal a epistemologia ocidental dominante foi forjada na base das necessidades de dominação colonial e assenta na ideia do que designa por pensamento abissal ( Boaventura de Sousa Santos, Epistemologias do Sul, p.31-32; ). DEFINIÇÃO UNILATERAL DE LINHAS Divide experiências, saberes e atores sociais entre: -Úteis -Inteligíveis - Visíveis - Inúteis - Perigosos - Ininteligíveis

21 Colonizador – um pensamento abissal a epistemologia ocidental dominante foi forjada na base das necessidades de dominação colonial e assenta na ideia do que designa por pensamento abissal ( Boaventura de Sousa Santos, Epistemologias do Sul, p.31-32; ). DEFINIÇÃO UNILATERAL DE LINHAS Divide experiências, saberes e atores sociais entre: -Úteis -Inteligíveis - Visíveis - Inúteis - Perigosos - Ininteligíveis Peixe Lophiiformes Fonte: Dpto. De Botânica da Univ. de Coimbra, acesso em:

22 Utópico – As imagens fora do lugar Filmes de Tarzan – baseado nas histórias de Edgar Rice

23 Utópico – As imagens fora do lugar Filmes de Tarzan – baseado nas histórias de Edgar Rice

24 Utópico – As imagens fora do lugar Filmes de Tarzan – baseado nas histórias de Edgar Rice Dos filmes aos quadrinhos!

25 Utópico – As imagens fora do lugar Filmes de Tarzan – baseado nas histórias de Edgar Rice Dos filmes aos quadrinhos!

26 Letrado – um mundo moldado a partir da ditadura da escrita

27

28 Tal como a arma, ela [escola] possui a eficácia de instrumento de combate, sendo mais eficaz para perpetuar a conquista. A arma contrai os corpos, a escola fascina as almas. Onde a arma faz um buraco de cinzas e de morte, antes que o homem, de modo persistente, surja dentre as ruínas, a escola nova instala sua paz. A manhã da ressurreição será uma manhã abençoada pela virtude apaziguadora da escola – Cheick Hamidou Kane. Aventura ambígua. Paris, 1961, p.66..

29 Toubab Aprendi com o tio Diop, evitar de se toubabisar (ocidentalizar) (Sembène Ousmane, em entrevista cedida a Guy Henebelle) Predomina na consciência ocidental um estereótipo da África como continente escuro e obscuro, abrigando tribos primitivas, imóveis no tempo e espaço, com suas culturas arcaicas e estáticas. De acordo com essa imagem, não haveria comunicação ou troca de ideias entre as várias etnias africanas, e muito menos entre elas e o restante do mundo, sobretudo nos tempos antigos (Nascimento, Elisa Larkin, A matriz africana no mundo. SP: Selo Negro, p.80).

30 Toubab Aprendi com o tio Diop, evitar de se toubabisar (ocidentalizar) (Sembène Ousmane, em entrevista cedida a Guy Henebelle) Predomina na consciência ocidental um estereótipo da África como continente escuro e obscuro, abrigando tribos primitivas, imóveis no tempo e espaço, com suas culturas arcaicas e estáticas. De acordo com essa imagem, não haveria comunicação ou troca de ideias entre as várias etnias africanas, e muito menos entre elas e o restante do mundo, sobretudo nos tempos antigos (Nascimento, Elisa Larkin, A matriz africana no mundo. SP: Selo Negro, p.80).

31 O olhar do colonizador: o cinema de ficção e documentários No entreguerras, os africanos são apresentados como os filhos que a França deveriam educar; As especificidades de suas culturas são ignoradas em prol de um olhar folclórico e etnologizante.

32 A África enquanto espaço representado - Até os anos 1950, o lugar dos africanos na produção cinematográfica eram bem marcados – no écran (nas telas), sobretudo, enquanto figurantes. -Alguns africanos acabaram aprendendo o ofício de técnicos, mas em pequena escala, já que os patrões da direção restringiam a estética e a ideologia no processo de filmagem.

33 Jean Rouch ( ) Cineastas e etnólogo francês. Trabalha como engenheiro de obras públicas em Níger. Interessa-se pela cultura Songhay e decide estudar etnologia. Na década de 1940, organiza em Dakar campanhas de libertação. Trabalha como investigador do Centre National de la Researche Scientifique (CNRS), em Paris. Cria em 1953 com Henri Langlois, Levi-Strauss, dentre outros, o Comitê do Filme Etnográfico, com Sede no Museu do Homem. Ajuda a formar quadros junto a jovens cineastas africanos na França, ligados ao Museu do Homem.

34 Les Statues meurent aussi (1953) Rodado por Chris Maker, Alain Resnais e Ghislain Coquetet (franceses), o filme foi encomendado pela Revista Presénce Africaine, fundada em A tese do filme: o porquê da Arte africana não está representada no Louvre, mas sim no Museu do Homem; O filme ganhou o prêmio Jean Vigo, mas implicou em problemas aos idealizadores da obra. Trata também da museolização de objetos que são extraídos de uma cultura viva

35 Quadro cinematográfico pré- independência [1] [1] Fonte: acesso em: http://www.nollywood.com/ Gráfico 1: Independência das ex-colônias africanas e movimentos separatistas

36

37 Pós-independência Busca por autorepresentação; Luta pelo direito à imagem; Luta anticolonialista (nas diferentes esferas)

38 Song of Karthoum (Gadalla Gubara, Sudão – 1958) Obra de circulação restrita, mas considerado o primeiro filme africano (rodado no continente). Fonte: site Festival de Cannes, 2012.

39 Afrique-sur-Seine (África sobre o Sena, 1955 Paulin Soumanou Vieyra, filme de 21 minutos.

40 Produções de Vieyra Mol (1958): aventuras de um pescador para motorizar seu barco (Vieyra). Lamb (1963): documentário sobre uma luta senegalesa homônima (Vieyra). Sindiely (1964): protesto contra os casamentos forçados (Vieyra). Ndiongane (1965): drama familiar adaptado do romance do escritor Birago Diop

41 Outras produções Grand Magal (1962, Blaise Senghor), aborda a peregrinação a Touba – filme premiado no Festival de Berlim. Lafrique noir en piste (década de 1960, Yves Diagne, Delou Thyossane)

42 Nascimento do cinema africano (Nova forma de inventariar, narrar e ler o mundo) O Cinema africano é filho de dois cruzamentos: 1 – luta anticolonialista x busca por autorepresentação; 2 – a diáspora negro-africana x engajamento político. (Obs: cruzamento que se aproxima com o assinalado pelo crítico Ismail Xavier ao narrar o surgimento do Cinema Novo no Brasil) Com exceção da diáspora e da crítica colonial, o cinema novo brasileiro buscou intervir na agenda política a partir de uma nova estética (estética da fome) e da crítica a nacionalidade mal sedimentada, denunciando espaços ausentes do projeto nacionalista de ontem e do positivismo de anteontem.

43 Crítica anticolonial Encontro de escritores e artistas negros de Paris (1955). – questão diaspórica Colóquio de artes negras e estética (Dakar, 1974). – problematização da estética das artes negras e islâmica.

44 Columbianum – a ponte clandestina Resenha de Cinema em Gênova, Insituto Columbianum de Gênova – Padre Angelo Arpa. América Latina e Cuba, num primeiro momento, depois Ásia e África, permite afirmar que o Columbianum teve um papel pioneiro no que se refere ao diálogo entre tais filmografias.

45 Nova estética Estética da fome, da oralidade, da africanidade – busca por autorepresentação. Criação de homens novos. A farsa do multiculturalismo.

46 Filmes – primeira produção Borrom Sarret (1962, 19min) Longos planos seqüências e inúmeros planos gerais enunciam e denunciam as precariedades das periferias de Dakar. O olhar do carroceiro confunde-se com o olhar do cineasta, perspicazes observadores das mazelas sociais de um espaço desassistido. As imagens são intercaladas por reflexões. O filme narra um dia na vida de um pobre entre os pobres. Para além da pedagogia, Sembène busca dialogar com o povo

47 La noire de...(1966) Premiações: Jean Vigo-FR. Tani de Ouro (Cártago) Melhor Diretor (Festival de Artes Negras – Dakar)

48 La noire de... Diouana (Therèse Diop), uma doméstica senegalesa que sai de Dakar para servir seus patrões brancos na comuna de Antibes. Neste processo a personagem passa por uma constante perda de identidade, que a leva ao suicídio. Na sua obra prima, Sembene denuncia as formas mais sofisticadas do neocolonialismo - inclusive no âmbito doméstico -, além de demonstrar grande sensibilidade no trato de personagens femininas, aspecto que marcaria grande parte de sua filmografia e literatura

49 Cinema de autor x cinema industrial Trabalho de autoria versus o gênio do sistema. Autoria: marca confessadamente pessoal nas obras. Cinema industrial: modelo padronizado (direção executiva) As brechas do sistema !!!!

50 Le Mandat (Mandabi, 1968) (o encontro com Glauber) Prêmio Especial do Juri, em Veneza Primeiro filme a possuir diálogos em wolof. Dramatiza a experiência de Ibrahima Dieng, um morador de Dakar, que não sabe ler francês e recebe do sobrinho, residente em Paris, uma ordem de pagamento a ser descontada em um banco. As burocracias locais são as grandes barreiras que impedem Dieng de sacar o dinheiro deixado pelo sobrinho. Em Mandabi, percebe- se um olhar crítico em relação às instituições senegalesas, mostrando igualmente como os valores das classes dirigentes são incompatíveis com os da população, em que há uma estrutura criada para dirimir a participação do povo neste processo representativo. – Sembène apresenta o filme para Glauber Rocha em sua visita a Dakar.

51 Sobre Mandabi Com Le Mandat [Mandabi], rodado em 1968, quis denunciar a burguesia senegalesa, de uma maneira brechtiana. Burguesia de um tipo um pouco especial, composta de intelectuais e de quadros administrativos que utilizam o saber para esmagar o povo (Entrevista concedida a Guy Henebelle)

52 Mandabi Le Mandat (Mandabi) existe em versão francesa e em versão wolof. Particularmente, prefiro não projetar a versão francesa, visto que a outra é mais autêntica (Sembène Ousmane)

53 Wolof – a língua enquanto instrumento de nova consciência política. Xala (1975) Ele faz da língua uma imagem, no sentido em que preenche a imagem de palavras, ficando a cargo da montagem coreográfica a dinâmica do discurso (Busch & Annas). Assim, Sembene inaugura um debate em torno da língua enquanto um instrumento de uma nova consciência política, proposta que foi mais aprofundada no filme Xala.

54 Xala O Presidente da associação calou- se. Os seus olhos brilhavam de satisfação. Detinham-se em cada um dos assistentes: uma dezena de pessoas, ricamente vestidas. O corte dos fatos, de tecido inglês, feitos por medida, e as impecáveis camisas brancas exprimiam bastante bem as suas ambições (Xala, romance, p.10, 1973).

55 Filmes Xala (1975): El Hadji Abdou Kader Bèye, contrai o xala, (que em wolof significa impotência sexual, induzida e temporária), no exato momento em que desposa a jovem NGoné, sua terceira esposa... El Hadji é obrigado a voltar- se para tradição, tendo em vista a cura da enfermidade. Contudo, ao longo da trama é revelada a raiz do drama da personagem. A impotência de El Hadji é uma punição por ele ter se afastado da tradição e usurpado seu povo. Wolof x Francofonia Ancestralidade x toubab Critica uma burguesia infértil, que não produz riqueza

56 Os vetores geopolíticos de Sembène Ousmane Há na obra do cineasta-escritor uma relação entre processo político e mudança social. Sembène capta os imperativos do momento, Isso visível em sua obra. Estabelece estratégias, tendo em vista a projeção de cenários futuros. Suas personagens encenam experiências de grupos, são sujeitos históricos em busca de justiça, via de regra, indo de encontro ao colonialismo (conflito).

57 Filmes Camp de Thiaroye (1988) Análise de trechos.

58 Diálogos cinematográficos

59 Diálogos em imagens: o cinema do dito terceiro mundo (qual caminho?). Vento do Leste (Godard e Gorin, 1969).

60 Os vetores geopolíticos de Sembène Ousmane Literatura; Cinema; Militância; Luta sindical. Emitai, 1971, sobre a II GM.

61 Ceddo (1976)

62 Ceddo

63 Sembène Ousmane – os três pês Polêmico Político Popular Em que medida?

64 Referências Bibliográficas AMODA, M. Functionalistic art:black esthetics and the dialetic of esthetic judgment. In: Colloque sur Litterature et Esthetique negro-africaines. Dakar: Les Nouvelles Editions Africaines, ANTONACCI. Culturas da voz em circuitos África/Brasil/Áfricas. P.2. In: Congresso Luso-Brasileiro de Ciências Sociais. Coimbra, AVELLAR, José Carlos Avellar. A ponte clandestina - Teorias de Cinema na América Latina. RJ/SP: Ed. 34 / Edusp, AZIZA, Mohamed. (org) Patrimoine culturel et création contemporaine en afrique et dans le monde árabe. Dakar: Les nouvelles Editions Africaines, BAMBA, Mahomed. O cinema africano: no singular e no plural. In: Baptista, Mauro; Mascarello, Fernando (org). Cinema mundial contemporâneo. Campinas, SP: Papirus, BÂ, Amadou Hampâté. Amkoullel, o menino fula. Tradução: Xina Smith de Vasconcellos. SP: Casa das Áfricas; Palas Athena, ____________________. A Tradição viva. In: Ki-Zerbo (org.) História Geral da África, SP: Ática, 1982.

65 BAMONTE, D. Afinidades eletivas: o diálogo de Glauber Rocha com Píer Paolo Pasolini ( ). Tese de Doutorado. ECA/USP, BARRY, Boubacar. Senegâmbia: o desafio da história regional. Tradução: Ângela Melim, RJ: Sephis. _______________. Expressões da Negritude na política, na poética, nas artes. Revista Projeto História, n.26, SP: Educ/PUC, BAXANDALL, M. Padrões de intenção: a explicação histórica dos quadros. SP: Cia das Letras, BENJAMIN, W. O narrador. In: BENJAMIN, W. Obras escolhidas – magia e técnica, arte e política. V.I. SP: Brasiliense, BHABHA, Homi K. O local da cultura. BH: UFMG, BOULANGER, Pierre. Le cinéma colonial, de l´Atlantide à Lawrence d´Arabia. Préface de Guy Hennebelle. Paris: Seghers, CESAIRE, Aimé. Discours sur le colonialisme. Paris: _____________. Carta a Maurice Thorez. Paris, In: Présence Africaine, _____________. Discours sur la Négritude. Paris: 1950.

66 COLLOQUE SUR LITTERATURE ET ESTHETIQUE NEGRO-AFRICAINES. Dakar: Les nouvelles Editions Africaines – Abidjan CONVENTS, Guido. A la recherche des images oubliées: préhistoire du cinéma em Afrique Bruxelles: OCIC, CONNERTON, Paul. How societies remember. Cambridge: Cambridge University Press, COSTA, Antonio. Saber ver el cine. Barcelona/Buenos Aires/Mexico: Ediciones Paiidós, CHAM, Mbye. História oficial, memória popular: reconfiguração do passado africano nos filmes de Ousmane Sembène. Trad. Victor Martins de Souza. In: The historical film: history and memory in media / edited and with as introduction by Marcia Landy. USA: Rutgers University Press, DIAGNE, Ismaïla. Les sociétés africaines au miroir de Sembène ousmane. Paris:L´Harmattan, DIENE, D. La création audiovisuelle en Afrique, In: DIOUF, M. Histoires et actualités dans CEDDO dousmane Sembene et HYENES de Dijibril Diop mambéty. In: Littérature et cinema em Afrique francophone. Paris: LHarmattan, DONMEX-COLIN, Gonul (org). The cinema of North Africa and the Middle East. London: Wallflower Press, FANON, Frantz. Racisme et culture. Presence Africaine. Juin-nov, _____________ Os condenados da terra. SP: Brasiliense, _____________. Pele Negra, Mascáras Brancas. Tradução: Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, ______________. Lan V de la révolution algérienne. Paris: Cahiers libres, n.3, 1959.

67 FEDRY, Jacques. Anthropologie de la parole en Afrique. Paris: Karthala, 2010, p.75. FERRAZ, Abdu. Contos e Tradições Orais em Culturas Africanas. Revista Projeto História, SP, n.26, Educ, GADJIGO, S. Ousmane Sembene – une conscience africaine. Paris: Homnisphères, GILROY, Paul. The Black Atlantic. Boston: Harvard University Press, GLISSANT, Édouard. O Mesmo e o Diverso. Tradução Normélia Parise. In: E. Glissant. Le discours antillais. Paris: Seuils, _________________. Introdução a uma poética da diversidade. Juiz de Fora: Editora UFJF, GOMES, Paulo Emílio Salles. Cinema: trajetória no subdesenvolvimento. SP: Paz e Terra, ____________________. Uma situação colonial? In: Crítica de Cinema no Suplemento Literário. Vol.II, RJ: Paz e Terra, HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Tradução: A.G. Resende; A. Escosteguy; C. Álvares; F. Rudiger; S. Amaral. BH/Brasília: Unesco/UFMG, HENNEBELLE, Guy. Les cinémas africains em Dakar: Societé Africain d´Édition, _____________(org). Le Tiers Monde em films. In: Cinémaction, s/no. Tricontinental, HONDO, Med. Le rôle du cinéaste africain. In: Rencontres Internationales poeur un nouveau cinema, 1974, Montréal. Cahiers. Montréal: Comité d´Action Cinématographique, 1975.

68 INTERVIEW WITH OUSMANE SEMBENE. In: GABRIEL, Teshome H. Third cinema in the third world: the aesthetic of liberation. Ann Arbor, Michigan: UMI Research Press, IROBI, Esiaba. O que eles trouxeram consigo: o Carnaval e a Persistência da Performance Estética Africana na Diáspora. Tradução: Victor Martins de Souza. In: Journal of Black Studies, v.37, n.6, jul/2007. KODJO, F.Les cinéastes africains face à lavenir du cinema em Afrique. In: Tiers- Monde. 1979, tome 20 n.79. LEQUERET, Elisabeth. Le cinema africain: un continent à la recherche de son propre regard. Collection dirigée par Joel Magny et Frédéric Strauss. Paris: N´DIAYE, Samba Felix. Africa, Ozu, Cinema Novo e camera no chão. In: Cinemais, n.8, nov-dez NIANE, Djibril Tamsir. Sundjata ou A Epopéia Mandinga. Trad. Oswaldo Biato. SP: Ática, OUSMANE, Sembène – O griot do cinema africano, Correio da Unesco, Fundação Getúlio Vargas, março de __________________. Cinemaction, n.17, __________________. Interview. Emission RFI, Catherine Ruelle/Sophie Ekoue – 75º anniversaire du realisateur. PEREIRA, M. O Columbianum e o cinema brasileiro. In: Revista Alceu, v.8, n.15, jul./dez

69 PEREIRA, M. Columbianum: na contramão do colonialismo cinematográfico. Cinemais, n.12, jul-ago, ROBERT, Stéphane. From body to argumentation: grammaticalization as a fractal property of language (the case of Wolof ginnaaw). In: Berkeley Linguistics Societ 23S, SEMBÈNE, Ousmane. Intervention orale à la Rencontre Internationale de Poetes à Berlin du 12 au 27 Septembre SEMBENE, Ousmane. Cinemaction, n.17, SERCEAY, Michel (org). Cinémas du Maghreb. In: Cinémaction, n.111, SHOHAT, E; STAM, R. Crítica da imagem eurocêntrica. Trad: Marcos Soares. SP: Cosac naify, 2006.

70 SCHIPPER, Mineke. Oral literature and written orality. In: Beyond the boundaries: African Literature and Literary Theory. London: Allison & Busby, SYLA, Assane. La philosophie morale des Wolof. Dakar: Ifan/Université de Dakar, THIONGO, Ngugi wa. A descolonização da mente é um pré-requisito para a prática criativa do cinema africano?. In: Cinema no Mundo – indústroa, política e mercado. África, v.1, Alessandra Meleiro (org). SP: Escrituras Editora, TORRES, Nelson Maldonado. La topologia Del ser y la geopolítica Del saber. Modernidad, Império, Colonialidad. Buenos Aires: Ediciones del signo, VANSINA, Jan. A tradição oral e sua metodologia. In: Ki-Zerbo (org.) História Geral da África, São Paulo, Ática, VERGER, P. Exu promove uma guerra em família. 1954, p.183. In: PRANDI, R. Mitologia dos orixás. SP: Companhia das Letras, VIEYRA, Paulin Soumanou. Africa: la historia em imágines amenazada. In: El Correo de la UNESCO, n.8, v.37, ago-1984.

71 WILLIAMS, Patrick; MURPHY, David. Postcolonial African cinema: tem directors. NY: Manchester University Press, XAVIER, Ismail. Alegorias do subdesenvolvimento. SP: Brasiliense, ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. SP: Hucitec-Educ, 1997.


Carregar ppt "JANELA ABERTA PARA O MUNDO AFRICANO: A LITERATURA E O CINEMA DE SEMBÈNE OUSMANE Expositor Victor Martins Pesquisador da Casa das Áfricas / Cecafro-Puc-SP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google