A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A REPRESENTAÇÃO E A QUESTÃO DO ESTILO. Estilo, do latim stillus: instrumento de escrita dos romanos. Categoria de expressões. O estilo é uma maneira de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A REPRESENTAÇÃO E A QUESTÃO DO ESTILO. Estilo, do latim stillus: instrumento de escrita dos romanos. Categoria de expressões. O estilo é uma maneira de."— Transcrição da apresentação:

1 A REPRESENTAÇÃO E A QUESTÃO DO ESTILO

2 Estilo, do latim stillus: instrumento de escrita dos romanos. Categoria de expressões. O estilo é uma maneira de representar, mas, principalmente, uma maneira de ver. As dificuldades que as artes plásticas tinham na era clássica não se resumiam à dificuldade de copiar a natureza, mas de vê-la. Diferentes estilos = diferentes formas de ver o mundo. 2

3 Plínio: a mente é o verdadeiro instrumento da visão e da observação. Logo, não se imita a natureza, ela é representada de acordo com os filtros de quem a representa. 3

4 Cada estilo busca uma tradução fiel da natureza, mas cada estilo tem sua própria percepção de natureza. O estilo tem a ver com o gosto e com a moda: movimentos de seleção da representação. Toda representação, logo todo estilo, se baseia em convenções. 4

5 As idéias de imitação da natureza, idealização ou abstração repousam sobre a premissa de que o que chega primeiro são impressões sensoriais, que depois são elaboradas, deformadas ou generalizadas. Jean-Étienne Lyotard: a pintura é a mágica mais assombrosa; sabe persuadir-nos mediante as mais evidentes falsidades, de que é a verdade pura. 5

6 PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO CULTURAL: DESAFIOS ESTÉTICOS DO SÉCULO XX 6

7 O advento dos meios de comunicação de massa representou uma mudança no universo artístico. Adorno e a crítica à reprodução da obra de arte: o valor estético deu lugar ao valor mercadológico. A reprodução mecânica de uma mesma obra empobrece o universo cultural – apenas as obras comerciáveis entram no circuito midiático. 7

8 A arte, em vez de emancipatória, torna-se ditatorial. Os padrões estéticos dominantes passam a ser aqueles midiatizados. A cultura erudita e a cultura popular perdem espaço e a autenticidade passa a ser descartada. Benjamin: uma vez copiada, a arte perde sua aura. Um maior número de pessoas têm acesso a obras culturais, mas nem todas são capazes de fruir seus significados porque não têm educação cultural. 8

9 O século XX viu uma série de mudanças estéticas, de valorização do que é belo. O belo passa a ser uma construção midiática, assim como a própria realidade social. Implicações para a produção artística: descartabilidade, padronização, pobreza estética. Isso não quer dizer que não haja produção de qualidade na era da arte midiática e nem que todas as experiências estéticas sejam inválidas. 9

10 O século XX trouxe para o espaço público a discussão sobre a qualidade e a validade estética. A arte deixou de ser funcional para ser diversional. 10

11 ANÁLISE ESTÉTICA

12 A análise estética procura identificar padrões de harmonia, legitimidade e atitudes na obra artística. O objeto da análise estética é a valoração da beleza. A análise estética é um exercício de interpretação e valoração de produtos artístico-culturais que envolve técnicas objetivas conjugadas com o subjetivismo do analista. Análise estética não é o mesmo que crítica cultural. A análise exige um aprofundamento do tema, do contexto produtivo, da intencionalidade, etc. 12

13 Contexto produtivo: escola ou movimento artístico, momento político, social e econômico, fase da vida artística do produtor cultural. Técnicas objetivas: avaliação das linhas, pontos, formas, materiais, cores, luz e sombra, texturas, movimento, espaço, estilo, tema, autor, data, contexto histórico de produção, influências. Também são analisadas a intertextualidade da obra (a produção dialoga com outras produções). A análise estética pode se resumir à análise técnica, mas nesse caso ela perde o caráter de indicação e de avaliação subjetiva que lhe é inerente. 13

14 A formação cultural do analista é determinante para a avaliação do que ele escreve sobre determinada obra. Até aqui prega-se a objetividade, mas como ser objetivo quando o assunto envolve gostos pessoais e a própria subjetividade do ato de avaliar? Elementos subjetivos da análise estética: ideologia, condição cultural, social e econômica do analista, conceitos e categorias de arte e de belo valorizados pelo analista, 14


Carregar ppt "A REPRESENTAÇÃO E A QUESTÃO DO ESTILO. Estilo, do latim stillus: instrumento de escrita dos romanos. Categoria de expressões. O estilo é uma maneira de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google