A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Walter Benjamin A obra de Arte na era de sua reprodutibilidade técnica (1935/1936)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Walter Benjamin A obra de Arte na era de sua reprodutibilidade técnica (1935/1936)"— Transcrição da apresentação:

1 Walter Benjamin A obra de Arte na era de sua reprodutibilidade técnica (1935/1936)

2 Introdução Modo de produção capitalista e seus reflexos na área da cultura Teses sobre as tendências evolutivas da arte, nas atuais condições produtivas Põem de lado numerosos conceitos tradicionais: criatividade e gênio; validade eterna e estilo; forma e conteúdo Formulação de exigência revolucionárias na política artística

3 Reprodutibilidade Técnica A obra de arte sempre foi reprodutível Novidade: reprodução técnica – Imprensa: reprodução técnica da escrita – Fotografia: reprodução da imagem – Cinema falado: reprodução da imagem e do som Reprodução do som – alto padrão de qualidade das técnicas de reprodução Para estudar esse padrão, nada mais instrutivo que examinar como duas funções – a reprodução da obra de arte e a arte cinematográfica – repercutem uma sobre a outra

4 Autenticidade Mesmo na reprodução mais perfeita, um elemento está ausente: o aqui e agora da obra de arte, sua existência única, no lugar em que ela se encontra. A história da obra está ausente na reprodução A autenticidade da obra é a quintessência de tudo o que foi transmitido pela tradição, a partir de sua origem, desde sua duração material até o seu testemunho histórico Desaparece a autoridade da obra

5 Aura O que se atrofia na era da reprodutibilidade técnica da obra de arte é sua aura A técnica da reprodução destaca do domínio da tradição o objeto reproduzido

6 A aura é a absoluta singularidade do aqui e agora

7 Aura A aparição única de uma coisa distante, por mais perto que ela esteja

8 Reprodução técnica Substitui a existência única da obra por uma existência serial Abalo da tradição Seu agente mais poderoso é o cinema

9 A destruição da aura No interior de grandes períodos históricos, a forma de percepção das coletividades humanas se transforma ao mesmo tempo que seu modo de existência Diferentes formas de percepção Crescente difusão e intensidade dos movimentos de massa Reprodução: – Fazer as coisas ficarem mais próximas – Possuir o objeto

10 Ritual e política Unicidade da obra de Arte – culto/ritual (religioso ou o culto do Belo)

11 Ritual e reprodução Com a reprodução técnica, a obra de arte se emancipa, pela primeira vez na história, de sua existência parasitária, destacando-se do ritual A obra de arte reproduzida é cada vez mais a reprodução de uma obra de arte criada para ser reproduzida

12 Autenticidade A fotografia pode ser feita em um grande número de cópias A idéia de autenticidade da cópia não faz sentido Mas, no momento em que o critério da autenticidade deixa de aplicar-se à produção artística, toda a função social da arte se transforma. Em vez de fundar-se no ritual, ela passa a funda-se em outra práxis: a política

13 O filme é uma criação da coletividade A reprodutibilidade técnica do filme tem seu fundamento imediato na técnica de sua produção. Esta não apenas permite, da forma mais imediata, a difusão em massa da obra cinematográfica, como a torna obrigatória. A difusão se torna obrigatória, porque a produção de um filme é tão cara que um consumidor, que poderia, por exemplo, pagar um quadro, não pode pagar um filme.

14 Valor de culto e de exposição A história da Arte está entre esses dois polos Pré-história – magia – valor de culto O que importa nessas imagens é que elas existam, e não que sejam vistas

15 Culto e exposição À medida que as obras de arte se emancipam do seu uso ritual, aumentam as ocasiões para que elas sejam expostas De Instrumento mágico para obra de arte Refuncionalização da arte

16 Técnica Nas sociedades primitivas a técnica se fundia com o ritual Na nossa sociedade a técnica se emancipa A técnica refuncionaliza a arte Exige um novo aprendizado Uma nova percepção Torna-se uma segunda natureza humana Exige uma nova percepção

17 Cinema O filme serve para exercitar o homem nas novas percepções e reações exigidas por um aparelho técnico cujo papel cresce cada vez mais em sua vida cotidiana. Fazer do gigantesco aparelho técnico do nosso tempo o objeto das inervações humanas – é essa a tarefa histórica cuja realização dá ao cinema o seu verdadeiro sentido.

18 Fotografia Com a fotografia, o valor de culto começa a recuar, em todas as frentes, diante do valor de exposição Retrato: último sopro do culto (culto da saudade) Fotos como autos da história – orientam a recepção num sentido determinado

19 Valor de eternidade Menor reprodução – obras eternas – menor perfectibilidade Cinemas – a arte mas perfectível (Chaplin) Cinemas

20 Fotografia e Cinema como Arte Discussão se a fotografai ahavia alterado a natureza da arte Retomaram a questão quando surgiu o cinema Para dar o caráter de arte ao cinema introduzem a idéia de culto É a tendência estéril de copiar o mundo exterior, com suas ruas, interiores, estações e restaurantes, automóveis e praças, que têm impedido o cinema de incorporar-se ao domínio da arte. O cinema ainda não compreendeu seu verdadeiro sentido, suas verdadeiras possibilidades....Seu sentido está na sua faculdade característica de exprimir, por meios naturais e com uma incomparável força de persuasão, a dimensão do fantástico, do miraculoso e do sobrenatural.

21 Cinema e manipulação 7y8&feature=related 7y8&feature=related AB8 AB8


Carregar ppt "Walter Benjamin A obra de Arte na era de sua reprodutibilidade técnica (1935/1936)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google