A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ESTUDO DE CASO: Impactos da expansão de monocultivos no Brasil para a produção de agrocombustíveis Texto: Maria Luisa Mendonça Fotos: João Ripper.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ESTUDO DE CASO: Impactos da expansão de monocultivos no Brasil para a produção de agrocombustíveis Texto: Maria Luisa Mendonça Fotos: João Ripper."— Transcrição da apresentação:

1 ESTUDO DE CASO: Impactos da expansão de monocultivos no Brasil para a produção de agrocombustíveis Texto: Maria Luisa Mendonça Fotos: João Ripper

2 Expansão da fronteira agrícola O Brasil é o quarto país do mundo que mais emite gás carbônico na atmosfera. Isso ocorre principalmente em conseqüência da destruição da floresta amazônica, que representa 80% das emissões de carbono no país.

3 Expansão da fronteira agrícola De 1996 a 2006, o aumento da expansão agrícola na Região Norte foi de 275,5%. Entre 1990 e 2006, houve um aumento anual de 18% das plantações de soja e de 11% da criação de gado na Amazônia. Entre 2006 e 2007, a safra da soja na região Norte teve um aumento de 20%. (IBGE- Censo Agropecuário de 2006)

4 Expansão do monocultivo de cana no Brasil Em 2006: 4,5 milhões de hectares Em 2008: 8,5 milhões de hectares (Dados CONAB:

5 O monocultivo de cana não convive com outros tipos de vegetação

6 O etanol brasileiro é renovável? Entre 2007 e 2008 houve uma mudança significativa em relação a essa imagem. O problema de muitas pesquisas realizadas anteriormente foi excluir os impactos ambientais do modelo de produção, de utilização de recursos naturais (como terra e água) e da pressão sobre áreas de preservação ou de produção de alimentos.

7 Estudos sobre mudança no uso do solo É necessário levar em conta o impacto da implantação de monocultivos em áreas onde a vegetação e o solo acumulam uma quantidade maior de carbono, como florestas e até mesmo áreas de pastagem. Análises anteriores não consideraram as emissões de carbono que ocorrem quando agricultores, no mundo todo, respondem à alta dos preços e convertem florestas e pastos em novas plantações, para substituir lavouras de grãos que foram utilizadas para os biocombustíveis.[1][1] [1] Science Magazine, 28/2/2008, Use of U.S. Cropland for Biofuels Increases Greenhouse Gases Through Emissions from Land-Use change. [1]

8 Desmatamento para cultivo de cana / Vinhoto

9 Desmatamento na Amazônia para produção de diesel a partir da soja Resulta em uma dívida de carbono que levaria 319 anos para ser compensada. Florestas e pastos guardam muito carbono, portanto não há como conseguir benefícios ao transformar essas terras em cultivos para biocombustíveis. (Timothy Searchinger, Universidade de Princeton)

10 Estudo do Instituto de Pesquisas Tropicais Smithsonian A pesquisa alerta para a destruição ambiental no Brasil, causada pelo avanço das plantações de cana e soja na Amazônia, na Mata Atlântica e no Cerrado. De acordo com o pesquisador William Laurance, a produção de combustível, seja de soja ou de cana, também causa um aumento no custo dos alimentos, tanto de forma direta quanto indireta.[1][1] [1] Lusa, 09/01/2008, Estudo da Science diz que etanol pode ser mais nocivo ao Ambiente do que a gasolina,

11 Destruição ambiental

12 Brasil é campeão em concentração de renda e terra Apesar de todo o potencial agrícola do país,14 milhões de pessoas passam fome e mais de 72 milhões vivem em situação de insegurança alimentar. (IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)

13 Mito das terras degradadas Além da destruição ambiental causada pelo uso indiscriminado de recursos naturais, a expansão dos monocultivos ocupa as melhores terras agrícolas do país, substituindo a produção de alimentos e chegando a áreas de proteção ambiental na Amazônia e no Cerrado.

14 Desvio de água do Rio São Francisco para irrigação de cana no Cerrado

15 A usina de Lagoa da Prata A água do São Francisco é utilizada em todo o processo de produção - para irrigação durante o cultivo, para lavar a cana depois da colheita e para resfriar as caldeiras no processamento. Em um dos pontos de captação, o bombeamento é de 500 litros por segundo - quantidade de água suficiente para abastecer todo o município.

16 Poluição das fontes de água A qualidade da água subterrânea, dos rios, do litoral e das nascentes pode ser impactada pelo crescente uso de fertilizantes e pesticidas usados nos biocombustíveis. Altos níveis de nitrogênio são a principal causa da diminuição do oxigênio em regiões conhecidas como ´zonas da morte, as quais são letais para a maioria dos seres vivos. A poluição sedimentada em lagoas e rios também pode causar erosão do solo.[1][1] [1] National Academies Press, Report Considers Impact of Ethanol Production on Water Resources, 10/10/07, [1]

17 O Cerrado brasileiro O cerrado é conhecido como "pai das águas", pois abastece as principais bacias hidrográficas do País. A região é tão importante por sua riqueza em biodiversidade quanto a Amazônia, pois abriga cerca de 160 mil espécies de plantas e animais, muitas ameaçadas de extinção.

18 O governo elegeu o Cerrado como prioritário para a expansão das lavouras de cana Essa região apresenta uma topografia favorável, com terras planas, de boa qualidade, e farto potencial hídrico. Dados do IBGE indicam que, na safra de 2007, as lavouras de cana ocupavam 5,8 milhões de hectares no Cerrado.[1][1] x.php?id01=2902&lay=mam

19 Expansão da cana gera desemprego O aumento da produção de etanol tem causado a expulsão de camponeses de suas terras e gerado dependência da chamada economia da cana, onde existem somente empregos precários nos canaviais. O monopólio da terra pelos usineiros impede que outros setores econômicos se desenvolvam, gerando desemprego, estimulando a migração e a submissão de trabalhadores a condições degradantes.

20 Trabalho no corte da cana

21 Exploração e morte de trabalhadores Os trabalhadores são remunerados por quantidade de cana cortada e não por horas trabalhadas. A meta de cada trabalhador é cortar entre 10 e 15 toneladas de cana por dia. Entre 2005 e 2007, o Serviço Pastoral dos Migrantes registrou 21 mortes de trabalhadores no corte da cana em São Paulo.

22 Cortadores de cana

23 Trabalho Escravo Em 2007 e 2008, mais da metade dos trabalhadores resgatados pelo Grupo de Fiscalização do Ministério do Trabalho estavam nas plantações de cana (cerca de 3 mil por ano).

24 Trabalho Degradante Sem registro trabalhista, sem equipamentos de proteção, sem água ou alimentação adequada, sem acesso a banheiros e vivendo em moradias precárias. Muitas vezes os trabalhadores precisam pagar por instrumentos como botas e facões. No caso de acidentes de trabalho, não recebem tratamento adequado.

25 Condições de saúde dos trabalhadores

26 PARECER TÉCNICO: Ministério Público do Trabalho Não cumprimento da legislação trabalhista Intoxicações dos trabalhadores por produtos químicos Morte dos trabalhadores por inalação de gás cancerígeno Incidência de problemas respiratórios, pois a queima libera gás carbônico, ozônio, gases de nitrogênio e de enxofre Fuligem da palha queimada (que contém substâncias cancerígenas). (REF.: OF/PRT24ª/GAB-HISN/Nº 134/2008)

27 Poluição Ambiental

28 Riscos de produção de matéria-prima para agroenergia por pequenos agricultores Dependência a grandes empresas agrícolas, que controlam os preços, o processamento e a distribuição da produção. Os camponeses são utilizados para dar legitimidade ao agronegócio, através da distribuição de certificados de "combustível social". A falta de uma política de apoio à produção de alimentos pode levar camponeses a substituir seus cultivos por agrocombustíveis e, com isso, comprometer a soberania alimentar. No Brasil, os pequenos e médios agricultores são responsáveis por 70% da produção de alimentos para o mercado interno.

29 Soberania Alimentar É preciso garantir políticas de subsídios para a produção de alimentos provenientes da agricultura camponesa e fortalecer as organizações sociais rurais, para construir um novo modelo alicerçado na produção diversificada, no sentido de garantir a soberania alimentar de nossos países.

30 Luta pela terra


Carregar ppt "ESTUDO DE CASO: Impactos da expansão de monocultivos no Brasil para a produção de agrocombustíveis Texto: Maria Luisa Mendonça Fotos: João Ripper."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google