A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto-avaliação. Auto-avaliação – Sentido? Um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto-avaliação. Auto-avaliação – Sentido? Um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria."— Transcrição da apresentação:

1 Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto-avaliação

2 Auto-avaliação – Sentido? Um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria contínua da BE. Permitir que cada escola conheça o impacto que esse contributo poderá trazer ao processo de ensino e aprendizagem, bem como o grau de eficiência dos serviços prestados e de satisfação dos utilizadores. Avaliar a qualidade e eficácia da BE e não o desempenho individual do/a coordenador/a ou elementos da equipa. Baseia-se em modelos de auto-avaliação organizacional como, por exemplo, a CAF.

3 Objectivos Desenvolver uma abordagem essencialmente qualitativa, orientada para uma análise dos processos e dos resultados, numa perspectiva formativa. Identificar os pontos fortes e fracos e, a partir deles, desenvolver planos de melhoria. Mobilizar toda a escola, melhorando através da acção colectiva as possibilidades oferecidas pela BE. Contribuir para a afirmação e reconhecimento do papel da BE.

4 As etapas do processo Recolher evidências Seleccionar o domínio Perfil da BE Identificar perfil de desempenho Registar a auto- avaliação Comunicar à escola Desenvolver um plano de melhoria

5 Domínios e subdomínios A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular A.1 Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes A.2. Desenvolvimento da literacia da informação B. Leitura e Literacias C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade C.1. Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular C.2. Projectos e parcerias D. Gestão da Biblioteca Escolar D.1. Articulação da BE com a Escola/ Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços D.3. Gestão da colecção

6 Recolher evidências - Fontes diversas: Documentos já existentes e que regulam a actividade da escola (PEE, PCT, etc.) ou da BE (Plano de Actividades, regulamento, etc.); Registos diversos (actas de reuniões, relatos de actividades, etc.); Materiais produzidos pela BE ou em colaboração (planos de trabalho, planificações para sessões na BE, documentos de apoio ao Trabalho na BE, material de promoção, etc.); Estatísticas produzidas pelo sistema da BE (requisições, etc.); Trabalhos realizados pelos alunos (no âmbito de actividades da BE, em trabalho colaborativo, etc.); Instrumentos especificamente construídos para recolher informação no âmbito da avaliação da BE (registos de observação, questionários entrevistas, etc.).

7 Recolher evidências - instrumentos específicos Perfil da Biblioteca Escolar A. Apoio ao desenvolvimento curricular – QP1 – Questionário aos professores A. Apoio ao desenvolvimento curricular – QP1 – Questionário aos alunos A. Apoio ao desenvolvimento curricular - O1 – Grelha de observação da utilização da biblioteca em contexto lectivo A. Apoio ao desenvolvimento curricular – T1 – Grelha de análise de trabalhos escolares dos alunos B. Leitura e literacia – QP2 – Questionário aos professores B. Leitura e literacia – QA2 – Questionário aos alunos B. Leitura e literacia – O2 – Competências a seleccionar ou adaptar para observação, tendo em conta o nível de ensino e percurso escolar dos alunos C. Projectos, parcerias e actividades livres e de abertura à comunidade – Grelha de observação da utilização da biblioteca pelos alunos em contexto livre C.1 – Actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular – QA3 – Questionário aos alunos B. Leitura e literacias / C2 – Projectos e parcerias – Questionário aos Pais e Enc. de Educação D. Gestão da BE – QA4 – Questionário aos alunos D. Gestão da BE – QP3 – Questionário aos professores D. Gestão da BE – CK2 – Desenvolvimento da colecção

8 Identificar perfil de desempenho IndicadoresFactores Críticos de Sucesso Recolha de Evidências Acções para melhoria/Exemplos Apontam para as zonas nucleares de intervenção em cada domínio e permitem a aplicação de elementos de medição que irão possibilitar uma apreciação sobre a qualidade da BE. Exemplos de situações, ocorrências e acções que operacionalizam o respectivo indicador. permite compreender melhor as formas de concretização do indicador, tendo simultaneamente um valor informativo / formativo e constituindo um guia orientador para a recolha de evidências. Para cada indicador são igualmente apontados possíveis instrumentos para a recolha de evidências que irão suportar a avaliação. Sugestões de acções a implementar no caso de ser necessário melhorar o desempenho da BE, em campos específicos.

9 Perfis de desempenho NívelDescrição 4 (Excelente) A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho desenvolvido é de grande qualidade e com um impacto bastante positivo. 3 (Bom)A BE desenvolve um trabalho de qualidade neste domínio mas ainda é possível melhorar alguns aspectos. 2 (Satisfatório) A BE começou a desenvolver trabalho neste domínio, sendo necessário melhorar o desempenho para que o seu impacto seja mais efectivo. 1 (Fraco) A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio, o seu impacto é bastante reduzido, sendo necessário intervir com urgência.

10 Registar a auto-avaliação Sub - domíniosEvidências recolhidas Nível Acções para a melhoria Domínio ___ – quadro - síntese Motivo da escolha deste domínio: ______________________________________________________________

11 O envolvimento dos diferentes tipos de utilizadores Colaboração, Recolha de evidências, Comunicação Coordenador e equipa BE Alunos Enc. de educação Professores Órgãos pedagógicos intermédios Direcção executiva

12 O impacto da Auto-Avaliação na biblioteca Permite melhorar o desempenho da BE. Promove o desenvolvimento do trabalho colaborativo entre a BE e os professores. Contribui para a valorização e reconhecimento da BE. Conhecimento sustentado dos pontos fortes / fracos e áreas de melhoria. Construir um plano de melhoria.

13 Impacto da Auto-Avaliação da BE nos Professores Promove a mudança de práticas. Diversificação das estratégias de ensino e aprendizagem. Promove a utilização de recursos de aprendizagem diversificados. Motiva o desenvolvimento de um trabalho colaborativo com a BE. Estimula o uso das novas tecnologias.

14 Impacto da Auto-avaliação da BE nos alunos Desenvolvimento de competências ao nível da leitura. Desenvolvimento de competências nos vários domínios das diferentes literacias. Desenvolvimento de competências de cooperação e de comunicação. Contribuir para o sucesso escolar evidenciado pelos seus resultados.

15 A comunicação e a integração dos resultados no relatório de avaliação da escola Elaboração do relatório e plano de melhoria Análise e aprovação em Conselho pedagógico Integração no processo da auto - avaliação da escola. Avaliação externa deverá referenciá-la

16 Biblioteca Escola As relações que se estabelecem entre a escola e a biblioteca escolar podem assumir-se como determinantes ou inibidoras do seu sucesso in texto da sessão

17 Muito obrigada Adelina Fonseca


Carregar ppt "Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto-avaliação. Auto-avaliação – Sentido? Um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google