A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS APLs: Crescimento Econômico e Sustentabilidade Sergio D. Castro Secretário de Desenvolvimento Regional.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS APLs: Crescimento Econômico e Sustentabilidade Sergio D. Castro Secretário de Desenvolvimento Regional."— Transcrição da apresentação:

1 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS APLs: Crescimento Econômico e Sustentabilidade Sergio D. Castro Secretário de Desenvolvimento Regional Ministério da Integração Nacional

2 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Crise e Transição da Ordem Financeira - Dificuldade de Regulação – Multipolaridade Preocupação crescente com a sustentabilidade do processo de crescimento Novo papel dos Emergentes na dinâmica econômica e na geopolítica global. Momento Mundial

3 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Fonte: IBGE/Contas Nacionais (elaboração Ipea) *Índice de Gini Momento Brasil

4 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Demanda e Preços – Relações de Trocas Favoráveis para Commodities (Minerais, Energia, ÁGUA e ALIMENTOS) Estrutural – próximos 20 ou 30 anos Momento Brasil - Oportunidade Em 2050 a população mundial deverá chegar a 9 bilhões de habitantes e 2/3 será urbana

5 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS OPORTUNIDADES Brasil tem condições excepcionais para liderar a expansão da produção de Alimentos e ampliar sua participação no mercado de Energia. Área Agricultável, Recursos Hídricos, Capacidade Empresarial e Tecnologia (Embrapa) Petróleo, Hidroeletricidade, Biomassa, Eólica e Solar Assim como de aproveitar as oportunidades decorrentes do crescimento da demanda por produtos verdes Diversidade – Biomas, externalidades associadas à produção de alimentos saudáveis (Substituição de fertilizantes e defensivos, otimização do uso de recursos Hídricos etc), à construção sustentável etc

6 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Primarização da pauta exportadora -> impactos da indústria Novo Quadro para o Brasil Exportações Brasileiras dos Setores Industriais por Intensidade Tecnológica 2000 e 2010 (%) Fonte: MIDIC/SECEX, Elaboração Própria Momento Brasil - Ameaças

7 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Momento para se repensar o Modelo de Desenvolvimento (Como transformar o crescimento em Mudança Estrutural?) Novo Paradigma Produtivo: Baseado no conhecimento e induzido pela inovação - Capacidade de geração de valor agregado Economia de baixo carbono Inclusivo => Redução das Desigualdades Sociais e REGIONAIS (Passivo). Modelo de Desenvolvimento

8 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS O Brasil é um país marcado por uma herança de profundas desigualdades sociais e regionais. Dívidas Históricas Gêmeas

9 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Temos avançado no resgate da dívida social Dívida Social 29,8 17,4 A redução da pobreza se converteu em prioridade da política pública. O percentual de brasileiros vivendo na pobreza extrema caiu de 22,6% em 1995 para 8,5% em 2010 e sua queda foi mais acelerada nas regiões menos desenvolvidas. O BSM tem como meta trazer esse percentual para níveis residuais até 2014.

10 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Mas ainda relegamos as Desigualdades Regionais Mantido esse ritmo o PIB per capita do Nordeste só chegaria à marca de 75% do valor nacional em Tornar mais denso e dinâmico o tecido produtivo das regiões menos desenvolvidas é condição para dar sustentabilidade ao próprio processo de inclusão social. Entre 1995 e 2008 o Sudeste passa de um PIB per capita de 39% para 33% acima da média nacional enquanto o Nordeste sai de 58% para 53% abaixo da média. Mas a reversão nas desigualdades regionais ainda é muito tímida

11 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Visão Sistêmica Pensar um Novo Paradigma de Desenvolvimento mais baseado em Conhecimento, na Sustentabilidade e na Inclusão requer um olhar e políticas publicas sistêmicas Visão Sistêmica

12 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Visão Sistêmica Remetem para a proximidade e necessidade de interação entre 3 famílias de políticas públicas: Industriais/Produtivas, de Inovação e Regionais/Territoriais APLs

13 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Visão Sistêmica Políticas coordenadas com as prioridades estratégicas do desenvolvimento brasileiro nas diferentes escalas e capazes de orientar e articular ações e instrumentos Missão do MI: promover a redução das desigualdades regionais - PNDR Alinhado com diretrizes do Governo Brasil Sem Miséria e Brasil Maior Redes Sinérgicas de APLs -> impacto regional Projetos Estratégicos de Longo Prazo Nova Geração de Políticas para APLs

14 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Redes de APLs em Cadeias Regionais selecionadas Estruturação da cadeia (da genética a comercialização) Inovação - difusão tecnológica – Denominação de Origem Sustentabilidade (forrageiras, capacidade de carga) Turismo, gastronomia, cultura, artesanato

15 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Rota do Mel Rota do Vinho Rede de APLs de Castanha do Brasil (Pará,Amazonas, Acre) Rede de APLs de Aquicultura e Pesca

16 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS APLs no mesmo território APL Vetor APL Produção APL Produção APL Serviços Compras Publicas APL Cultura/ Turismo APL Produção Sinergia no Territórioio

17 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Salgueiro - Entorno de Grandes Projetos Entroncamento Rodoviário - BR 116 com BR com 316 SINERGIA APLs: Logística, Turismo, Forró (Bandas Limão com Mel e Gatinha Manhosa, Zezito Doceiro, Val Xavier, Os Três do Cariri, Epitácio Pessoa), Artesanato,, Fruticultura (manga e banana).

18 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Suape – APL Regional Deseconomias de aglomeração em SUAPE Integração MPEs eco de base local nos grandes empreendimentos. Ampliação do raio dos pólos dinâmicos Infra-estrutura tem papel chave SUAPE

19 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Inovação – Economia de Baixo Carbono e DR Projetos Macro Regionais Estratégicos Norte: Economia da Biodiversidade (Cosméticos, Fitofármacos, Madeira e suas especialidades, Borrachas Especiais, Fruticultura, Castanha, Peixes Ornamentais) Nordeste: Energia Eólica e Solar, Tecnologias apropriadas para convivência com o semiárido Centro Oeste: Sucro Química (Biorefinarias, Química Fina), Especialidades a partir de Óleos Vegetais (Farmacêuticas, Cosméticas e Cosmecêuticas e de outras aplicações Industriais), Biodiesel (Equipamentos, Tecnologia e Serviços Técnicos e Tecnológicos - Biotec e TI -) Programas Estratégicos de P&D - > Centros de Excelência e Redes de Pesquisa Cooperativa (envolvendo o setor privado) – Forte Investimento em Recursos Humanos Prospecção Tecnológica & Negócios Orientação de Investimentos Produtivos (Brasil Maior)

20 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Inovação – Economia de Baixo Carbono e DR Regionalização Brasil Maior & APLs Petróleo e Gás – Investimentos Petrobrás Nova Onda de Investimentos na Automobilística

21 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Ed. Apex Brasil – SBN, Quadra 02, 2º subsolo – Brasília/DF Telefone (0xx61) Fax: (0xx61) OBRIGADO !


Carregar ppt "5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS APLs: Crescimento Econômico e Sustentabilidade Sergio D. Castro Secretário de Desenvolvimento Regional."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google