A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Cinética Microbiana Departamento de Engenharia Química e Engenharia de Alimentos Engenharia Bioquímica Maio/2006 Paulo Duarte Filho.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Cinética Microbiana Departamento de Engenharia Química e Engenharia de Alimentos Engenharia Bioquímica Maio/2006 Paulo Duarte Filho."— Transcrição da apresentação:

1 Cinética Microbiana Departamento de Engenharia Química e Engenharia de Alimentos Engenharia Bioquímica Maio/2006 Paulo Duarte Filho

2 Hidrólise Glicose Piruvato 8 ATP Ciclo de Krebs 30 ATP CO 2 O2O2 Produtos de Fermentação ( lactato, álcoois, ácidos, etc.) 6 ATP Respiração Aeróbia Respiração Anaeróbia (CO 2, SO 4 2-, NO 3 - ) Figura 1: Esquema simplificado de processos aeróbios e anaeróbios

3 Processos aeróbios: oxigênio como aceptor final de elétrons; Processos anaeróbios: Fermentativos: Utilizam produtos da degradação do substrato. Anóxicos: Utilizam compostos inorgânicos. Rendimento Energético Processos aeróbios > Processos anaeróbios

4 Estudo Cinético Processo obedece ao princípio de conservação da matéria Substrato SínteseManutenção Fonte de Nitrogênio Elementos minerais: Fósforo, enxofre, cobre, cácio, etc.

5 Métodos para avaliação de crescimento de microrganismos Fisiologia do microrganismo! Métodos Diretos Determinação da concentração celular Contagem no microscópio; Contagens com cultura; Contagem eletrônica. Não se aplicam a m.o. filamentosos

6 Figura 2: Contagem em Câmara de Neubauer

7 Figura 3: Contagem de Células Viáveis em placas

8 Determinação da biomassa microbiana Matéria seca; Medidas óticas. Figura 4: Separação de células por filtração

9 Métodos Indiretos Constituintes celulares (ATP, DNA, NADH); Dosagem de elementos do meio de cultura (substrato, consumo de O 2, propriedades reológicas do meio de cultura, entre outros.

10 Processo Fermentativo Fermentador Microrganismo Preparo do inóculo Nutrientes Preparo do meio Esterilização do meio Controles Esterilização do ar Recuperação do produto Ar Tratamento de efluente Produto Resíduo Figura 5: Etapas de um processo fermentativo

11 Obtenção de uma curva de crescimento para um M.O. Figura 6: Processo para obtenção de uma curva de crescimento

12 Curva de crescimento Condições favoráveis ao microrganismo Figura 7: Curva típica de crescimento bacteriano

13 Fase lag Rearranjo do sistema enzimático (síntese de enzimas); Traumas físicos (choque térmico, radiação, entre outros); Traumas químicos (produtos tóxicos, meio de cultura). Não há variação da concentração de biomassa no tempo, portanto: Xo = concentração celular no tempo t =0 Fase intermediária Aumento gradativo da concentração celular

14 Fase log ou exponencial Células plenamente adaptadas; Velocidades de crescimento elevadas; Consumo de substrato; Interesse prático. Fase de redução de velocidade Diminuição da concentração de substrato limitante; Acúmulo de produto(s) no meio Fase estacionária Término do substrato limitante; Acúmulo de produtos tóxicos; Concentração celular constante em seu valor máximo.

15 Fase de declínio Redução do crescimento celular; Consumo de material intracelular (lise). Não só para a concentração celular se dispõe de gráficos, mas também para o consumo de substrato e formação de produto.

16 Concentração (g/L) Tempo de Cultivo (h) Biomassa Produto Substrato Figura 8: Curvas de biomassa, substrato e produto

17 Dispondo de um conjunto de dados experimentais de X, S e P em função do tempo tem-se: Crescimento ConsumoFormação Não são os melhores parâmetros para se avaliar o estado em que se encontram o sistema.

18 Velocidades específicas: Crescimento: Consumo de substrato: Formação de produto: Distribuindo os dados da fase exponencial em coordenadas semilogarítmicas, tem-se:

19 Como essa fase tem a distribuição de uma reta a velocidade específica de crescimento é constante e máxima. X 0i = Concentração celular no instante de início da fase exponencial Rearranjando a equação anterior: Ou, re-escrevendo de outra forma, tem-se:

20 Assim, pode-se obter o tempo de duplicação da biomassa, onde X=2X 0i : Fator de conversão de substrato a células X 0 = Concentração celular inicial X= Concentração celular no instante t S 0 = Concentração inicial do substrato S= Concentração residual do substrato no instante t.

21 Este parâmetro é importante para a determinação de X em cultivo de fungos filamentosos e em processos de tratamento de efluentes. O fator de conversão pode ser obtido também através de: Coeficiente de Manutenção Velocidade específica de consumo de substrato para manutenção da viabilidade celular

22 Produtividade X 0 = Biomassa inicial; X F = Biomassa final; T F = Tempo total de cultivo. Exercícios 1.Candida utilis cresce em glicerol com velocidade específica de crescimento máxima de 0,095 h -1. Qual o tempo necessário para esse microrganismo duplicar a sua massa na fase exponencial de crescimento de um processo batelada?

23 2. Qual a diferença entre respiração e fermentação? 3. Quais os principais elementos químicos de que é composta a célula? 4. Cite exemplos práticos de aplicação industrial de leveduras, bactérias e mofos. 5. Quais os principais substratos utilizados na indústria para processos fermentativos? 6. Em uma fermentação batelada a volume constante foram obtidos os seguintes dados experimentais: T(h) X(g/L) Pede-se:

24 Identificar as diversas fases de crescimento do microrganismo; O tempo que o microrganismo leva para duplicar a sua massa na fase exponencial de crescimento; A produtividade máxima em células que pode ser obtida desse processo


Carregar ppt "Cinética Microbiana Departamento de Engenharia Química e Engenharia de Alimentos Engenharia Bioquímica Maio/2006 Paulo Duarte Filho."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google