A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gerenciamento em UTI Enfº Esp. Alvaro S. Silva Mestrando em Terapia Intensiva SOBRATI.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gerenciamento em UTI Enfº Esp. Alvaro S. Silva Mestrando em Terapia Intensiva SOBRATI."— Transcrição da apresentação:

1 Gerenciamento em UTI Enfº Esp. Alvaro S. Silva Mestrando em Terapia Intensiva SOBRATI

2 2 História das UTIs: surgiu da necessidade de prestar cuidados especializados no pós-operatório sala adjacente: cirurgião; anestesista; cuidados: enfermeiro e equipe anos 50: devido epidemias; atualmente centros de cuidados especializados específicos: - UTI neonatal; - unidade coronariana.

3 3 Admissão de pacientes na UTI: critérios e níveis de prioridade I- Pacientes instáveis que necessitam de tratamento intensivo como ventilação mecânica, uso de drogas vasoativas. II- Pacientes estáveis que necessitam de monitorização constante e que possam necessitar de intervenção imediata. III- Pacientes instáveis cujo estado funcional prévio, doença de base ou patologia aguda, diminuam a possibilidade de cura e de benefício com o tratamento intensivo (paliativo).

4 4 Admissão de pacientes na UTI: critérios e níveis de prioridade IV- Pacientes sem indicação ou indicação duvidosa: IV- Pacientes sem indicação ou indicação duvidosa: Evidência clínica e exames complementares de morte encefálica (admitido se for um potencial doador de órgãos); Evidência clínica e exames complementares de morte encefálica (admitido se for um potencial doador de órgãos); Pacientes conscientes que recusam tratamento; Pacientes conscientes que recusam tratamento; Pacientes em coma não traumático, estado vegetativo persistente; Pacientes em coma não traumático, estado vegetativo persistente; Paciente com doença terminal, irreversível e com previsão de morte iminente. Paciente com doença terminal, irreversível e com previsão de morte iminente.

5 5 UTI: projetada por pessoas com experiência na área necessidades dos pacientes; avaliar a demanda a ser atendida; recursos humanos disponíveis; disponibilidade de profissionais de suporte; disponibilidade de serviços de apoio. médico; enfermeiro; arquiteto; administrador; engenheiro.

6 6 Recursos materiais: escolhida pela equipe multidisciplinar; teste de avaliação prévia na unidade: eficiência; operacionabilidade; ofereça segurança na assistência; assistência técnica contínua; treinamento da equipe na instalação. se possível padronizar os equipamentos: - reduz custos; - simplifica o treinamento da equipe.

7 7 Monitorização a beira do leito: facilita a visualização tanto do pacte quanto dos SSVV; eletrocardiograma/ monitor cardíaco; PVC; PAM; PAP; PIC; CCIH. opção de medir a pressão por termodiluição; Pressão arterial por método não invasivo. Central de monitorização: situar-se no posto de enfermagem (ampla visibilidade); monitores ligados à central; concentra em área única os parâmetros de diversos pacientes; permite supervisão contínua e segura.

8 8 Informatização: desenvolvimento de atividades assistenciais e de pesquisa; melhora a qualidade do atendimento; pedido de materiais; maior controle; prontuário eletrônico.

9 9 Operacionalização de equipamentos: monitor cardíaco (multiparâmetros); oxímetro de pulso; aparelho de PA ; respirador (2 circuitos completos); aparelho cardioversor; carro de urgência equipado com drogas e materiais de emergência; bombas de infusão; gerador de marcapasso; balança antropométrica;

10 10 glicosímetro; martelo de reflexos; maca de transporte c/ cilindro de oxigênio (1 por unidade); balão de pressão positiva com reservatório de oxigênio.

11 11 Manuseio, auxílio e organização de materiais e medicamentos: acesso venoso profundo (intracath); Implante de marca passo; flebotomia; traqueostomia; pressão intracraniana; drenagem de tórax; diálise peritoneal; curativo; sondagem vesical; Medicamentos diversos.

12 12 Cateteres e sondas: - cateter duplo e tripo lúmen; - cateter de balão de fluxo dirigido (Swan Ganz); - cateter de balão intra-aórtico; - cateter de PIC; eletrodo de marca passo; - kit para drenagem de tórax; - sonda nasoenteral.

13 13 Gerência de recursos humanos: As UTIs foram criadas para concentrar 3 componentes: pcts mais graves; equipamentos sofisticados; profissionais altamente qualificados e treinados. Delimitados pelo dimensionamento de pessoal: COFEN 293/2004

14 14 A qualidade da assistência prestada envolve a cooperação de uma equipe multidisciplinar: maior parcela de responsabilidade; maior autoridade. Médicos e Enfermeiros? A atuação da equipe é melhor qdo todos trabalham para um objetivo comum Papel de cada integrante deve ser bem delimitado.

15 15 Função do enfermeiro: 1)Gerente: Planejar e analisar as atividades do serviço de enfermagem nos seus aspectos: - técnicos; - administrativos; - educativos. 2) Supervisor: Orienta e supervisiona a equipe de enfermagem na assistência direta aos pacientes. 3) Enfermeiro: Lidera a equipe sendo o responsável por planejar os cuidados sistematizados:

16 16 prevenção da doença; manutenção da saúde; recuperação da saúde. 4) Téc/Auxiliares de enf: Presta cuidados aos pactes de acordo com a sistematização de enfermagem; Segue normas e rotinas da instituição. Enfermeiro deve: atuar nas emergências; no contexto de apoio à vida Abordagem ampla (estima e integridade)

17 17 Necessário que o profissional tenha: ampla base de conhecimentos; seja especialista; integre as suas habilidades técnicas e intelectuais à prática diária; dê ênfase ao desempenho das habilidades técnicas de sua equipe; recepcione e/ou supervisione a admissão do paciente - montando o leito; - sistematizando o cliente.

18 18 O sucesso de uma UTI depende: espaço físico; tecnologia; nº de profissionais qualificados; trabalho realizado em equipe: - planejamento e execução; - avaliação de resultados; - ROUND esforços direcionados: - à assistência ao cliente; - administração; - pesquisa e educação.

19 19 CONCLUÍNDO compete ao enfermeiro da UTI à coordenação da equipe de enfermagem, sendo que isto não significa distribuir tarefas e sim o conhecimento de si mesmo e das individualidades de cada um dos componentes da equipe. (SILVA, 2008)

20 20 MUITO OBRIGADO!


Carregar ppt "Gerenciamento em UTI Enfº Esp. Alvaro S. Silva Mestrando em Terapia Intensiva SOBRATI."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google