A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Planeamento do Treino Francisco Alves Faculdade de Motricidade Humana Ciências do Desporto Teoria e Metodologia do Treino Desportivo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Planeamento do Treino Francisco Alves Faculdade de Motricidade Humana Ciências do Desporto Teoria e Metodologia do Treino Desportivo."— Transcrição da apresentação:

1 Planeamento do Treino Francisco Alves Faculdade de Motricidade Humana Ciências do Desporto Teoria e Metodologia do Treino Desportivo

2 Objectivos correntes Natureza: objectivos de preparação Sustentam o plano corrente Integrados no plano por etapas Podem estar subordinados à existência de plano estratégico Micro-estrutura do processo de treino Microciclo

3 Microciclo Estrutura que organiza e assegura a coerência das cargas ao longo de uma sequência determinada de sessões de treino Duração 3 a 14 sessões de treino Duração habitual: 1 semana Através da alternância entre: –Carga e recuperação –Natureza do estímulo Pretende-se: –Aplicação da quantidade óptima de estímulos –Repetição do estímulo em tempo útil (sobrecarga ou manutenção) –Activação dos processos de recuperação (heterocronismo dos processos de regeneração) –Lidar com a sobressolicitação e evitar o sobretreino A organização adequada do microciclo permite a aplicação de níveis elevados de carga sem ultrapassar os limites individuais do atleta

4

5 Orientação da sessão de treino Sessão de treino de orientação selectiva Sessão de treino de orientação complexa Influência sucessiva Influência paralela Micro-estrutura do processo de treino Sessão

6 Nível de carga (importância combinada do volume e da intensidade da carga) –Expressa o nível de exigência de uma sessão de treino –Representado quantitativamente por índices como o Indice de Solicitação (Bompa) ou o Trimps (impulso de treino – Banister, 1991) –Pode ser expresso qualitativamente: Níveis (exemplo): –Elevado –Importante –Médio –Fraco Micro-estrutura do processo de treino Sessão

7 Índice de solicitação (Is) Expressa o nível de exigência de uma sessão de treino Is = ( Ip. Ve) / (Ve) Ip = FCp. 100 / FCmax Ve = Volume do exercício

8 TarefasDescriçãoFCpIpVeIp. Ve 1Jogging Aq. Específico Combate simulado Combate simulado Elementos técnicos Salto à corda Saco Saco (n * 30) Flexibilidade Retorno à calma Is = 4910 / 77 = 63,8% Exemplo

9 Impulso de Treino (TRIMP) Contexto inicial: Objectivo de qualquer treinador é a obtenção de um pico de forma no dia ou no minuto de uma competição de importância relevante. Dose – resposta Resposta de um sistema a um estímulo e quantificação da duração desse estímulo Sucesso depende do grau de precisão na compreensão e especificação da dose de treino necessária para produzir um determinado efeito. Procura de uma unidade de medida do treino que possa quantificar o esforço físico. Banister (1991)

10 Impulso de Treino Impulso de Treino (unidades arbitrárias) = Duração da sessão (min) · razão FC exercício razão FC exercício = FC exercício / reserva de FC FC exercício = FC exercício – FC repouso reserva de FC = FC max – FC repouso ou seja, Impulso de treino (unidades arbitrárias) = T (min) · FC (adimensional)

11 Ondulação semanal da carga de treino Peak Performance 210 Impulso de Treino

12 Micro-estrutura do processo de treino Microciclo I. Variante possível de sequência (24 h) de sessões de orientação selectiva com objectivos diferentes e nível de carga importante ou elevado. Variação do efeito de sessões de treino no organismo, consoante a sua orientação, nível de carga e objectivos Platonov, 1986 Recuperação (h) Desempenho VA An V - Velocidade / força explosiva 2 - AN - Resistência láctica 3 - A - Resistência aeróbia

13 Micro-estrutura do processo de treino Microciclo Variação do efeito de sessões de treino no organismo, consoante a sua orientação, nível de carga e objectivos Platonov, 1986 II. Efeito de 2 sessões de orientação selectiva, a 1ª de nível de carga importante, a 2ª de nível de carga médio, aplicadas com 24 horas de intervalo, com: a) - objectivos semelhantes b) - objectivos diferentes a)b) Recuperação (h) 1 - V - Velocidade / força explosiva 2 - AN - Resistência láctica 3 - A - Resistência aeróbia Desempenho

14 Micro-estrutura do processo de treino Microciclo EstratégiaCaracterização da sessão seguinte Aumentar o impacto da cargaObjectivos idênticos Nível de carga médio ou importante Estabilizar o nível de fadigaObjectivos idênticos Nível de carga fraco Facilitar processos de recuperaçãoObjectivos diferentes Nível de carga médio ou importante Após uma sessão de treino com nível de carga importante ou elevado:

15 Classificação Microciclo gradual Microciclo de desenvolvimento - de carga - de choque - de aproximação ou précompetitivo Microciclo de recuperação Microciclo de competição Micro-estrutura do processo de treino Microciclo

16 Microciclo

17

18 Micro-estrutura do processo de treino Microciclo Dias ObjectivosV Tec Aer VFVF Tec Aer V Aer V Ana Rec. activa OrientaçãoCs CpCsCpS- Nível de carga MIEMMEF Microciclo de carga (Ex.1)

19 Micro-estrutura do processo de treino Microciclo Dias ObjectivosVFVF Tec Aer F Aer Tec Aer Tec V AerRec. activa OrientaçãoCsS CpS- Nível de carga MIMFMIF Microciclo recuperação

20 Microciclo

21 Micro-estrutura do processo de treino Microciclo Dias ObjectivosVVFVF AerAna Aer VFVF Rec. activa OrientaçãoSSCsSCpS- Nível de carga EEMEME F Microciclo de choque

22 Micro-estrutura do processo de treino Microciclo Dias ObjectivosRec. activa T/Ta Aer T/Ta V Ana T/Ta Aer T/Ta V Ana Ta Modelo de jogo Aer Jogo / Competição preparatória Orientação_Cs _ Nível de carga F MEIEME Microciclo de carga / JDC

23 Micro-estrutura do processo de treino Microciclo Microciclo competitivo / JDC

24 Micro-estrutura do processo de treino Microciclo Dias ObjectivosRec. activa T/Ta Aer T/Ta V Ana T/Ta Aer T/Ta V Ana Ta Modelo de jogo Aer Jogo Orientação_Cs CpCs_ Nível de carga F MIMMFE Microciclo competitivo / JDC

25 Dia 1Dia 2Dia 3Dia 4Dia 5Dia 6Dia 7 MF.maxTécnica + Velocidade Força geral dominante F.res Velocidade Geral / especial FmaxTécnica + Velocidade Limiar Anaeróbio Exercícios especiais Pesos livres Exercícios de agilidade (técnica de competição) e sprints curtos CircuitoSprints, coordenação Exercícios especiais Pesos livres Exercícios de agilidade (técnica de competição) e sprints curtos Contínuo extensivo (90 min) TLimiar Anaeróbio Recuperação Limiar Anaeróbio Recuperação Limiar Anaeróbio Força geral, dominante F.res Contínuo variado (60 min) Sauna Massagem Contínuo extensivo (60 min) Sauna Massagem Contínuo variado (60 min) Circuito Microciclo gradual

26 Microciclo de carga / meio-fundo Dia 1Dia 2Dia 3Dia 4Dia 5Dia 6 M Objectivo / zona de intens. Limiar Anaeróbio Aeróbio regenerat. Aeróbio regenerat. Limiar Anaeróbio Aeróbio regenerat. Potência aeróbia Método de treino Contínuo extensivo (90 – 120 min) Contínuo extensivo (30 min) + TI longa duração (30 min) Contínuo extensivo (30 min) + TI longa duração (30 min) Contínuo extensivo (90 – 120 min) Contínuo extensivo (30 min) + TI longa duração (30 min) TI média duração T Objectivo / zona de intens. Tolerância láctica Potência aeróbia Tolerância láctica Método de treino TI Curta duração II (45 min) Contínuo variado (45-60 min) TI (45 min)


Carregar ppt "Planeamento do Treino Francisco Alves Faculdade de Motricidade Humana Ciências do Desporto Teoria e Metodologia do Treino Desportivo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google