A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Educação como direito de todos (as) Medidas Socioeducativas e Educação Prisional Profª Míriam Pereira Lemos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Educação como direito de todos (as) Medidas Socioeducativas e Educação Prisional Profª Míriam Pereira Lemos."— Transcrição da apresentação:

1 Educação como direito de todos (as) Medidas Socioeducativas e Educação Prisional Profª Míriam Pereira Lemos

2 Expansão do direito à educação: O processo de expansão da Escola e a expansão degrada (Peregrino, 2005): Não se pode compreender esse processo a partir da idéia da perda de qualidade, porque essa expressão - perda de qualidade - supõe que a escola foi boa um dia para todos, incluindo os mais pobres. Para a população que recentemente conseguiu o acesso à escola, não há termos de comparação em relação a um passado em que esse direito não existia. Como poderia ter sido melhor uma instituição inexistente? Não é possível comparar períodos históricos que marcam públicos usuários diversos do sistema público de ensino.

3 Novos sujeitos da educação escolar A perda de qualidade se refere àqueles segmentos que já tinham acesso à escola pública (Beisiegel, 2006). Para os novos públicos trata-se de uma expansão importante, mas que se dá em condições de degradadas. (Sposito, 2006) Além de não saber lidar com estes sujeitos que antes estavam fora da escola e/ou não tem construída uma cultura escolar, a violência estrutural sobrecarrega a escola de novas atribuições se esta não buscar parcerias.

4 Juventude(s) e Violência Um estudo publicado no Boletim de Políticas Sociais do IPEA, de 2008, diz que "a vitimização fatal de jovens é alarmante" e vem crescendo, ao contrário do que acontece com a taxa de mortalidade do restante da população. As causas são externas e a principal delas é a de assassinatos por armas de fogo, com 37.8% do total de mortes nesta faixa etária, sendo que a concentração maior está no grupo de 18 a 24 anos de idade. Segundo o IPEA:As vítimas, em geral, são jovens do sexo masculino, pobres e não-brancos, com poucos anos de escolaridade, que vivem nas áreas mais carentes das grandes cidades brasileiras(IPEA, 2008). Em nível mundial, o Brasil é o terceiro, num ranking de 84 países, em que mais jovens entre 15 a 24 anos morrem por homicídios. (Lemos, 2008)

5 93% são homens; Mortes de jovens negros: 68, 4 mortes por 100 mil habitantes; de jovens brancos, de 39,3 por 100 mil; O índice de vitimização entre a população negra é 73,1% superior com relação à população branca; (in: Lemos, 2008) O perfil das vítimas do genocídio brasileiro:

6 Brasil-Pnad 2006

7

8

9

10

11 O surgimento do SINASE: final dos anos 90 a falência do Sistema FEBEM: - rebeliões e motins - violações de direitos dos internos - superlotação - baixa qualidade/custos elevados - a lentidão no reordenamento das instituições as pressões sociais e demandas punitivas

12 No. adolescentes em privação de liberdade no Brasil Região/Anos % Crescimento Norte % Nordeste % Centro- Oeste % Sudeste % Sul % Total % (SINASE, 2006)

13 Modalidade de atendimento CapacidadeNo. adolescentes Déficit de vagas Internação provisória Internação Semiliberdade (SINASE, 2006)

14

15 Marco situacional Foco nas medidas de meio fechado, mas sem reverter a tendência à crescente prisionalização, acompanhada da criminalização da adolescência pobre a privação de liberdade nem sempre tem sido usada em situação de excepcionalidade e por breve duração a privação de liberdade tem se constituído em privação de direitos dos adolescentes a nomeação de estabelecimento educacional se torna, muitas vezes, um eufemismo

16

17 Principais enfoques do SINASE Marco legal em normativas internacionais de direitos humanos O adolescente como sujeito de direitos, em condição peculiar de desenvolvimento Respeito à diversidade étnico-racial, gênero e orientação sexual Garantia de atendimento especializado para adolescentes com deficiência e em sofrimento psíquico Reordenamento das unidades mediante parâmetros pedagógicos e arquitetônicos Afirmação da natureza pedagógica e sancionatória da medida socioeducativa Primazia das medidas socioeducativas em meio aberto

18 MEDIDA DE PROTEÇÃO e MEDIDA SÓCIO-EDUCATIVA

19 DAS MEDIDAS DE PROTEÇÃO Art. 98. As medidas de proteção à criança são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I – por ação ou omissão da sociedade ou do Estado; II – por falta, omissão ou abuso dos pais ou responsável; III – em razão de sua conduta.

20 MEDIDAS SÓCIO-EDUCATIVAS ART Verificada a prática de ato infracional, a autoridade competente poderá aplicar ao adolescente as seguintes medidas: I- advertência; II - obrigação de reparar o dano; III - prestação de serviço à comunidade; IV - liberdade assistida; V - inserção em regime de semiliberdade; VI- internação em estabelecimento educacional; Qualquer uma das medidas prevista no art.101

21 Vulnerabilidade e Infração(PP Penal Educação escolar e ato infracional

22 DADOS CRIMINAIS No plano nacional não chegam a 10% do total de crimes os que são cometidos por adolescentes. Se considerarmos os crimes graves o número é muito menor. (CONANDA) Em 2006 os dados do Rio Grande do Sul são: 0,46% dos registros de ocorrência são praticados por crianças e adolescentes. (CEDICA)

23 Violência sofrida e violência exercida Determinismo histórico x distinção Determinismo psicológico x resiliência

24 Educação e a faculdade de pensar em Hannah Arendt O Julgamento de Eichmann em Jerusalém: Por mais monstruosos que fossem seus atos, o agente não era nem monstruoso, nem demoníaco; a única característica específica que se podia detectar em seu passado, bem como de seu comportamento durante o julgamento e o inquérito policial que o precedeu, afigurava-se como algo totalmente negativo: não se tratava de estupidez, mas de uma curiosa e bastante autêntica incapacidade de pensar. (Arendt, 1993)

25 Referências Bibliográficas ARENDT, Hannah. A dignidade da política: ensaios e conferências. RJ: Relumé-Dumará, LEME, José A. Gonçalves. A cela de aula: tirando a pena com letras. In: ONOFRE, Elenice. Educação escolar entre as grades. SP: EdUFSCar, LEMOS, Míriam P. Da responsabilidade pelo mundo: a escola como mediadora dos sentidos do saber. Tese (Doutorado em Educação). RS: PPGEDU/UFRGS, PPSC/NUPEEEVS/UFRGS. Relatório SINASE/ Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo. Brasília: Relatório SPOSITO, Marília. Juventude e educação: as interfaces entre a educação escolar e a educação não formal. Palestra proferida no II Simpósio sobre Juventude, Violência, Educação e Justiça. FACED/UFRGS, 2006.


Carregar ppt "Educação como direito de todos (as) Medidas Socioeducativas e Educação Prisional Profª Míriam Pereira Lemos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google