A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Linhas de força e desenvolvimento da nova situação – o modelo europeu A Regeneração 1 2013 /01/16.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Linhas de força e desenvolvimento da nova situação – o modelo europeu A Regeneração 1 2013 /01/16."— Transcrição da apresentação:

1 Linhas de força e desenvolvimento da nova situação – o modelo europeu A Regeneração /01/16

2 2 2 A Regeneração foi mais uma das tentativas nacionais, em busca de uma contemporaneidade possível, restando saber se novamente malograda Victor Sérgio Quaresma, A Regeneração Economia e Sociedade; Publicações D. Quixote, Lisboa, 1988 – pág. 16

3 /01/16 3 A inserção na contemporaneidade exigia: Um país : - politicamente estável; - ancorado na ideologia liberal. Um país : - inserido na economia europeia; - acompanhando o desenvolvimento tecnológico da época Implicava investimento financeiro Conseguiu-o a Regeneração? - novos códigos: - penal – civil

4 Fontes Pereira de Melo – in Decreto de 30 de Agosto de /01/16 4 Neste decreto Portugal é apresentado como: país de povoações que não se comunicam, de habitantes que não convivem, de produtos que não circulam, de manufaturas que não se transportam e até de riquezas e de maravilhas que se não conhecem

5 Rede viária 2013 /01/16 5

6 Construção de Estradas Macadamizadas durante a Regeneração 2013 /01/16 6

7 As Diligências 2013 /01/16 7

8 Estrada macadamizada e técnica de construção 2013 /01/16 8

9 Rede viária - financiamento /01/16 Entidade financiadora da construção viária? - O Estado Entidade financiadora da construção viária? - O Estado Como financiou? - Receitas próprias - Empréstimos Como financiou? - Receitas próprias - Empréstimos

10 Rede Ferroviária 2013 /01/16 10

11 Primeira linha de Caminho-de-Ferro do Mundo 2013 /01/16 11 Setembro de 1825 – inicia-se, em Inglaterra, a circulação ferroviária regular, entre Manchester e Liverpool; Locomotiva Rocket – Georges Stephenson

12 Vapor e circulação - França 2013 /01/16 12 Século XVII – França Marmita de Dennis Papin e primeira tentativa de aplicação do vapor à navegação fluvial Século XVII – França Marmita de Dennis Papin e primeira tentativa de aplicação do vapor à navegação fluvial Século XVIII – França François Cognot e a primeira tentativa de aplicação do vapor à circulação terrestre Século XVIII – França François Cognot e a primeira tentativa de aplicação do vapor à circulação terrestre

13 Vapor e circulação - Inglaterra 2013 /01/16 13 Aperfeiçoamentos ao longo do século XVIII – James Watt e outros; William Murdoch - aplicação da máquina a vapor às vagonetes das minas de carvão. Século XIX – Stephenson - aperfeiçoamentos introduzidos nas caldeiras – locomotiva Rocket e surge a primeira linha comercial, em 1825.

14 Expansão do caminho-de-ferro 2013 /01/ – Itália; Holanda Dinamarca Suíça Espanha

15 O Caminho-de-ferro em Portugal 2013 /01/16 15 Maio de 1852 – criada em Londres a Companhia Central Peninsular de Caminhos-de-ferro de Portugal; 28 de Outubro de 1856 – inauguração do primeiro troço de caminho-de-ferro português, ligando Lisboa ao Carregado.

16 Imagens da Inauguração do primeiro troço de caminho-de-ferro em Portugal 2013 /01/16 16 A locomotiva Portugal que puxava o comboio real e não conseguiu concluir a viagem

17 Continuação dos trabalhos 2013 /01/16 17 Avanço dos trabalhos em duas direcções; Rumo à fronteira espanhola – chega à fronteira em 1863 Rumo ao Porto – chega a Gaia, em 1864 A Companhia Central Peninsular de Caminhos- de- ferro de Portugal faliu em 1865 e foi criada uma outra, a Companhia Real dos Caminhos-de-ferro Portugueses, em 1865, em Paris.

18 Porto – de – a questão das pontes 2013 /01/16 18 Ponte das Barcas Ponte Pênsil D. Maria II (anos 40 e 50)

19 2013 /01/16 19 Porto – de – a questão das pontes – ponte D. Maria Pia Eng. Theóphile Seyrig – Empresa Eiffel

20 Pilares da Antiga Ponte Pênsil, junto à ponte D. Luís I 2013 /01/16 20

21 Outros Percursos 2013 /01/ – A Companhia de Caminhos de Ferro do Sul do Tejo (CFS) iniciou a construção da linha Barreiro - Vendas Novas; 1864 – a Companhia do Sueste (também chamada Companhia Inglesa) conclui a linha Vendas Novas – Beja. Problema – os dois troços tinham bitola diferente

22 Rede Ferroviária - financiamento Através de Companhias Privadas Alguns capitais estatais /01/16 O Estado viu-se obrigado a fazer frequentes injecções de capital nas Companhias.

23 Outros meios de comunicação 2013 /01/16 23

24 O Larmanjat 2013 /01/ – Linha Lisboa / Lumiar 1873– Prolongamento da linha até Torres Vedras 1873 – Linha Lisboa / Sintra 1869 Saldanha funda a Lisbon Steam Tramways CompanyLisbon Steam Tramways Company 1869 Saldanha funda a Lisbon Steam Tramways CompanyLisbon Steam Tramways Company

25 Telegrafia eléctrica 2013 /01/16 25 Inauguração em – 2000 Km de rede 1857 – ligação a Espanha 1870 – inauguração do cabo submarino com a Inglaterra 1871 – ligação com a Madeira, Cabo Verde e Pernambuco 1893 – ligação aos Açores

26 Ligações telefónicas 2013 /01/16 26 Primeiras experiências em 1879; 1882 – contrato com a Companhia Edison/Bell para instalação de rede telefónica em Lisboa, Porto e Braga, ficando a sede da Companhia na Rua do Alecrim; A empresa tomará o nome de Anglo Portuguese Telephone Company Ltd Maio de 1882 – publicação da primeira lista telefónica portuguesa, com 22 nomes; Foram inauguradas cabines pública.


Carregar ppt "Linhas de força e desenvolvimento da nova situação – o modelo europeu A Regeneração 1 2013 /01/16."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google