A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Elementos Básicos da Linguagem Visual A variação da luz (tonalidade) constitui o modo como distinguimos a informação visual. Monet, Claude 1840, Paris.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Elementos Básicos da Linguagem Visual A variação da luz (tonalidade) constitui o modo como distinguimos a informação visual. Monet, Claude 1840, Paris."— Transcrição da apresentação:

1 Elementos Básicos da Linguagem Visual A variação da luz (tonalidade) constitui o modo como distinguimos a informação visual. Monet, Claude 1840, Paris , Giverny Rouen Cathedral,1894Rouen Cathedral,1894 Musee d'Orsay,Paris Elementos básicos da linguagem visual: Ponto; Linha; Contorno; Direcção; Tonalidade; Cor; Textura; Dimensão; Escala; Movimento Matéria prima de toda a informação visual

2 Ponto La Grande Jatte Georges SeuratGeorges Seurat Seurat só utilizava na sua paleta o amarelo, o vermelho, o azul e o preto É a unidade mais pequena e sem dimensão. A sua formulação mais corrente é a redondez. Qualquer ponto tem uma atracção visual. 2 pontos constituem uma sólida ferramenta para a medição de um espaço. Uma série de pontos pode guiar os nossos olhos numa direcção.

3 Ponto Helena Canotilho Série de Presidentes de Câmara 2002

4 Linha Quando os pontos estão tão próximos entre si que não é possível reconhecerem- se individualmente, aumenta sensação de direcção convertendo-se num outro elemento visual: A linha. A linha também pode definir-se como um ponto em movimento. Características da linha: - A linha não é um elemento vago – é um elemento preciso. - A linha tem uma direcção e um propósito. Vai a algum lado. - A linha pode ser rigorosa e técnica servindo como elemento primordial numa construção mecânica e na arquitectura e com grande precisão técnica. - A linha também pode ser flexível e experimental. - A linha serve também para a representação simbólica. - A linha na arte é o elemento essencial no desenho. Pode ser inflexível e indisciplinada Espontânea Expressiva Delicada, ondulada Vacilante, indecisa, interrogante Miguel Ângelo - sanguínea Picasso - Auto-retrato - Carvão e aguarela, 1902

5 Contorno O contorno é descrito pela linha. Na terminologia das artes visuais: A linha articula a complexidade do contorno Os três contornos básicos: Quadrado: Honestidade Rectidão Esmero Triângulo: Acção Conflito Tensão Círculo: Infinidade Calidez Protecção Os contornos básicos são fundamentais: São figuras planas e simples que se podem construir e descrever facilmente por procedimentos visuais e verbais. Quadrado – figura geométrica com quatro ângulos e quatro lados iguais e com a mesma longitude. Círculo – figura curva contínua cujo perímetro é equidistante de todos os pontos ao centro. Triângulo equilátero – figura geométrica com três lados e três ângulos iguais. É a partir destes três contornos básicos que se deriva através de combinações e variações para a representação de formas concretas e abstractas. Hinduismo Celtas Triângulo das Bermudas

6 Direcção Todos os contornos básicos expressam três direcções visuais básicas significativas Quadrado: direcção vertical direcção horizontal Triângulo: direcção diagonal Círculo: direcção curva Referência horizontal - vertical: Constitui a referência primária do homem no que respeita ao seu bem estar. Referência diagonal: Constitui a referência fundamental de instabilidade. Referência curva: Constitui o significado associado à repetição e ao calor. Círculo: sabedoria, igualdade, fraternidade Quadrado: diversidade do globo e das raças Triângulo: força em expansão

7 Entre a escuridade e a luz plena existem múltiplas graduações. A escala tonal não possui mais do que 13 graus. Exercício: Nas escolas de arte desafiam-se os alunos a realizar o maior número de tonalidades. Possuindo o estudante destreza técnica, consegue chegar a realizar até 33 tonalidades de cinzentos. Ao vivermos num ambiente tridimensional, a tonalidade é um dos maiores instrumentos para expressar essa dimensão TonalidadeTonalidade

8 A SATURAÇÃO e o ESCURECIMENTO são tão importantes para a percepção do que nos rodeia que até aceitamos a representação monocromática como forma de representação artística: Fotografia; Cinema; Televisão; Agua forte; Media tinta; Desenho. TonalidadeTonalidade Empire of Lights Rene Magritte Rene Magritte

9 Relação directa com todos os aspectos ligados à nossa sobrevivência As três dimensões da cor: TONALIDADE SATURAÇÃO BRILHO TONALIDADE COR CorCor Relação directa com as emoções CHRISTIAN KROGH ( ) BRILHO SATURAÇÃO TONALIDADE

10 As três dimensões da cor: CorCor BRILHO SATURAÇÃO Tem a ver com a pureza da cor em relação aos cinzentos TONALIDADE cores primárias e secundárias. Qualidades fundamentais: AMARELO – É a cor mais próxima da luz e do calor VERMELHO – É cor mais emocional e activa e tende a expandir-se AZUL – É a cor que tende a contrair-se Cores Valores SATURAÇÃO e ESCURECIMENTO

11 Sistemas fundamentais de divisão cromáticas A roda das cores foi criada por Johannes Itten. Líder do movimento Bauhaus dispõe as cores em forma de círculo (The Art of Color) Sistema ADITIVOSistema SUBTRACTIVO

12 Luís Canotilho. O exército do Santo Estêvão (2003) óleo sobre tela (130 cm x 97 cm 1ª fase: Estudos para a realização da Composição Definição da TONALIDADE As três dimensões da cor: TONALIDADE SATURAÇÃO BRILHO 2ª fase: Aperfeiçoamento das diferentes tonalidades nas formas, plano geometral e atmosfera Definição o conceito de profundidade Contraste das complementares 3ª fase: SATURAÇÃO e ESCURECIMENTO das formas 4ª fase: BRILHO Contraste claro / escuro

13 Festas de Inverno em Trás-os-Montes. Mascarado de Ousilhão (2003). A textura é o elemento visual que tem uma dupla qualidade: A visual e a táctil. A textura está relacionada com a composição de uma superfície através de variações diminutas. A maior parte da nossa experiência textual é óptica e não táctil. A textura é possível falsear nos plásticos, nos elementos impressos, nas peles sintéticas e nas artes visuais (Pintura, Fotografia e cinema). Textura

14 Ducatti A escala utiliza-se em planos e mapas para a representar uma medição proporcional real. No modelismo. Na arquitectura. Escala Le Corbusier's 'Modulor' Toda a arquitetura clássica produzida entre os anos 500 e 300 a.C., caracteriza-se por um senso absoluto de organicidade e equilíbrio, subordinando-se suas proporções à ordem matemática. Nessa época, que se estende do término do templo dos Alcmeônidas, em Delfos, ao início do "século de Péricles", quando se empreendeu o embelezamento da acrópole de Atenas, os esforços dos arquitetos concentraram-se particularmente no aperfeiçoamento da ordem dórica.

15 A dimensão só existe no mundo real. Contudo, em nenhuma das representações bidimensionais da realidade (desenho, pintura, fotografia, cinema, televisão), existe um volume real; apenas está implícito. Cria-se a ilusão através da perspectiva. Dimensão Na fotografia predomina a perspectiva. A lente normal tem o ângulo de visão muito parecido ao da fotografia.

16 Movimento Jackson Pollock, 44, um pioneiro da pintura moderna, que colocava a tela no chão, pingava tinta na mesma, terra e pedaços de vidro; nomeava suas telas com números...; Dirigindo seu conversível em uma estrada perto de East Hampton, N.Y. -Time Magazine August 20, Oil, enamel, and aluminum paint on canvas; Neuberger Museum, State University of New York


Carregar ppt "Elementos Básicos da Linguagem Visual A variação da luz (tonalidade) constitui o modo como distinguimos a informação visual. Monet, Claude 1840, Paris."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google