A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AGENTES TÉRMICOS Rafael Orcy. - O princípio básico que norteia qualquer modalidade térmica é a transferência de calor ao longo de um gradiente de temperatura.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AGENTES TÉRMICOS Rafael Orcy. - O princípio básico que norteia qualquer modalidade térmica é a transferência de calor ao longo de um gradiente de temperatura."— Transcrição da apresentação:

1 AGENTES TÉRMICOS Rafael Orcy

2 - O princípio básico que norteia qualquer modalidade térmica é a transferência de calor ao longo de um gradiente de temperatura (ou seja um objeto é + quente que o outro) - Mais quente mais Frio - Caloria = 1 o C- 1 g H 2 O - Calor específico

3 Frio Crioterapia – modalidade de frio 0 a 18,3 o C Efeitos locais da aplicação do frio: - Vasoconstrição - Redução do metabolismo celular – oxigênio diminuído - Redução da produção dos resíduos celulares - Redução da inflamação - Redução da dor - Redução do espasmo muscular

4 - Efeitos Terapêuticos – Temperatura da pele deve cair para aproximadamente 13,8 ºC, para que ocorra a redução ideal do fluxo sangüíneo local e para cerca de 14,4 ºc para que ocorra analgesia. - A temperatura da pele e a temperatura intra-articular estão em co-relação moderada (a temperatura da pele deve estar no mínimo em 2,2 ºC, para ser transmitida para a articulação). - A temperatura intra-articular pode cair até 8,3 ºC durante a aplicação de bolsa no joelho.

5 Efeitos Sistêmicos Gerais da Exposição ao Frio - Se a temperatura do sangue circulante diminuí em 0,2 ºC, o hipotálamo responde iniciando vários efeitos sistêmicos: - Vasoconstrição geral em resposta ao esfriamento do hipotálamo posterior - Redução das freqüências respiratória e cardíaca - Tremores e aumento do tônus muscular (não ocorre durante a aplicação de bolsa de gelo)

6 Indicações - Traumatismo ou inflamação aguda - Dor aguda ou crônica - Queimaduras de primeiro grau, pequenas e superficiais - Edema e dor pós-cirúrgica - Uso em conjunto com exercício de reabilitação - Espasticidade que acompanha distúrbio do sistema nervoso central - Espasmo muscular agudo ou crônico - Nevralgia

7 Contra-indicações - Envolvimento cardíaco ou respiratório - Ferimentos abertos - Insuficiência circulatória - Alergia ao frio - Pele anestesiada - Diabetes avançada - Fenômeno de Raynaud

8 Resposta Celular - Diminuição da taxa metabólica celular, conseqüentemente reduzindo a quantidade de oxigênio necessária para a sobrevivência das células. - Num tratamento de 20 min o metabolismo celular é diminuído em 19%. - Diminui o número de células mortas por hipóxia secundária, diminuindo assim, a quantidade de mediadores inflamatórios.

9 Dinâmica do Sangue e dos Fluídos - Ocorre vasoconstrição devido à estimulação dos receptores nervosos locais (simpático). - Aumenta a viscosidade sangüínea. - Diminuição do hematoma. - Resposta de busca (dedos e nariz). - Knight, descreveu uma vasodilatação induzida pelo frio. - Uma aplicação de gelo durante 20 min parece diminuir o fluxo sangüíneo para os tecidos em 26% e para o esqueleto 19%.

10 Os efeitos benéficos do frio em reduzir a formação do edema não estão esclarecidos (Baker e cols., 1991) pois a vasoconstrição arterial ocorre em concordância com a vasoconstrição linfática e venosa podendo levar a um aumento do membro (Cote e cols, 1988). Um efeito demonstrado em modelo animal (Smith e cols., 1993) e posteriormente em modelo clínico (Weston e cols., 1994) demonstrou vasodilatação das vênulas e manutenção do diâmetro das arteríolas ajudando assim na reabsorção do edema. Está bem fundamentado que gelo, elevação e compressão é o tratamento ideal para o edema. No edema

11 Efeitos sobre a Inflamação - As alterações na função celular e na dinâmica sangüínea servem para controlar os efeitos da inflamação aguda. A aplicação do frio suprime a resposta inflamatória ao: - Reduzir a liberação de mediadores inflamatórios. - Reduzir a síntese de prostaglandinas. - Diminuir a permeabilidade capilar.

12 No espasmo muscular -Diminui a dor, altera o limiar das terminações nervosas - Diminui a sensibilidade do fuso muscular ( queda de 12,7 0 C da pele reduz a sensibilidade do fuso) -A inibição do fuso e das vias aferentes, inibe o reflexo de estiramento reduzindo o espasmo muscular. - Quebra-se o ciclo dor- espasmo- dor. -Atenção! -20 min de frio no quadrícepes, diminui potência, força e resistência, concêntrica, excêntrica e isocinética por 30 min.

13 Sensações associadas à aplicação de frio -Queimação -Dor -Analgesia (18 a 21min, Ingersoll e cols., 1991)

14 Lesões por congelamento Quando a temperatura subcutânea cai abaixo de 12,7 0 C, ocorre dano tissular. Durante o tratamento de 20 min gelo+ água ocorre um resfriamento de 7,7 a 12,7 0 C Após 5 min = Hiperemia, cuidar se palidez ou cianose.

15 Sinais e Sintomas da lesão por Congelamento -Dor intensa - Desaparecimento do eritema – brilho branco - Bolhas - Edema

16 Efeitos do tratamento Imediato Repouso, gelo, compressão e elevação (RGCE) – neutraliza a resposta inicial do corpo à lesão. O repouso previne novos traumatismos O gelo diminui o metabolismo celular e dessa forma diminui a necessidade de oxigênio na área lesada, (gelo triturado é a forma ideal). Compressão impede futuros extravasamentos dos leitos capilares para o interstício e favorece a drenagem linfática.

17 A compressão pode ser aplicada: Compressão circunferencial A mesma pressão em torno de toda circunferência (enfaixamentos elásticos, pneumáticos ou manguitos preenchidos com água). Compressão co-lateral Pressão em apenas dois lados (suportes de estribo infláveis). Compressão focal Coxins em formas de U, pressão direta sobre o tecido mole envolvido, seguindo-se um enfaixamento.

18 A compressão e a elevação atuam para diminuir a pressão hidrostática no interior dos leitos capilares e induzem a absorção do edema pelo sistema linfático (em um ângulo de 45 ºC a gravidade é igual à 71%) Criocinética Elimina ou reduz a dor Aumenta a reação macrofágica Diminui hematomas Aumento do crescimento vascular Regeneração mais rápida do músculo e cicatriz Aumento da força tênsil do músculo

19 A criocinética pode ser iniciada quando não houver lesão ligamentar ou óssea, e a dor limita o grau de movimento funcional.

20 Calor

21 O calor é o aumento da vibração molecular e da taxa metabólica celular, podendo ser dividido de acordo com suas fontes: 1- Ação química associada com o metabolismo celular 2- Correntes elétricas ou magnéticas como encontradas nas diatermias 3- Ação mecânica como encontrada no ultra som

22 Calor Superficial Lâmpadas infra vermelhas Compressas quentes úmidas Banhos de parafina Turbilhão e ou imersão aquecidos Calor Profundo Diatermia de microondas Diatermia de ondas curtas Ultra som

23 Calor superficial – deve atingir 40 à 45 ºC, na superfície da pele, para produzir efeitos terapêuticos (Lehman e Cols., 1974). A transferência para os tecidos subjacentes é por condução com o limite de 2 cm.

24 Formas de transferência de calor Condução – dois objetos em contato, colisão de moléculas (compressas úmidas quentes) Convecção – o transporte de calor se dá por um meio (água ou ar), (turbilhões) Radiação – todas as modalidades terapêuticas térmicas produzem energia radiante

25 O uso do calor é indicado nos estágios inflamatórios subagudos e crônicos de uma lesão Indicações e contra indicações Indicações Inflamação subaguda e crônica Redução da dor crônica e subaguda Espasmo muscular crônico e subaguda Redução da amplitude de movimento Resolução de hematomas Redução de contraturas articulares

26 Contra indicações Traumatismos agudos Circulação insuficiente Regulação térmica insuficiente Áreas anestésicas Neoplasia

27 Efeitos sistêmicos Aumento da temperatura corporal Aumento da pulsação Aumento da freqüência respiratória Redução da pressão arterial

28 Efeitos locais da aplicação do calor Vasodilatação Aumento da taxa do metabolismo celular Aumento da liberação de leocócitos Aumento da permeabilidade capilar Aumento da drenagem venosa e linfática Formação de edema Remoção de resíduos metabólicos Aumento da elasticidade dos ligamentos, cápsulas e músculos Analgesia e sedação dos nervos

29 Redução do tônos muscular Redução do espasmo muscular Transpiração Aumento da velocidade de condução nervosa

30 Efeitos sobre o processo de resposta à lesão Apesar de o calor e frio produzirem muitos resultados semelhantes, o momento de começar a usar o calor é mais crítico. O aumento do metabolismo celular e da taxa de inflamação poderá levar a um aumento do número de células lesadas e aumentar a dor

31 Resposta celular O metabolismo celular aumenta em resposta à elevação da temperatura, para um aumento de 7,7 ºC na temperatura do tecido o metabolismo aumenta de duas à três vezes (Cox e Cols., 1989) O aumento da temperatura aumenta a taxa metabólica celular que aumenta a temperatura tissular. Ocorre dilatação arteriolar e aumento do fluxo capilar

32 Dinâmica do Sangue e dos Fluídos Fatores locais promovem vasodilatação periférica. Aumenta o edema mas, aumentam também as trocas com interstício. (com a estimulação do retorno venoso pode se diminuir o edema)

33 Efeitos sobre a Inflamação Aumento de liberação de leocócitos aumentando a fagocitose Aumento do suprimento sangüíneo com maior retirada de restos celulares e metabólitos inflamatórios Espasmo Muscular e Elasticidade Reduz sensibilidade dos fusos musculares ou estiramento diminuindo o grau de espasmo muscular O aumento do fluxo sangüíneo e a redução local dos metabólitos diminuem ainda mais o espasmo

34 Aumenta a extensibilidade do colágeno e a viscosidade e de formação plástica dos tecidos (Swenson e Cols., 1996). (É necessário alongar o músculo e os tecidos cápsulares para obter ganho de flexibilidade)

35 Controle da Dor A deformação mecânica e ou a irritação química estimulam a dor. Em lesões agudas o dano mecânico é o responsável. Nos estágio subagudo e crônico a isquemia e a irritação química causam a dor. A dor mecânica é causada por pressão tissular (edema) e espasmo muscular e hipóxia. A dor mecânica é diminuída quebrando-se o ciclo do espasmo dor. O calor leva a um estado de analgesia e sedação com um efeito contra-irritante. (whitney e Cols., 1989)

36 Comparação entre os Tratamentos com Frio e Calor Efeito Profundidade Duração dos efeitos Fluxo sangüíneo. Taxa metabólica Consumo de O2 Resíduos celulares Viscosidade dos fluídos Permeabilidade. Capilar Inflamação Dor Espasmo muscular Veloc. Contração muscular. Frio 5 cm Horas Diminuído Diminuída Diminuído Diminuídos Aumentada Diminuída Diminuído Diminuída Calor 1-2 cm (sup), 2-5 cm (prof) Após o tratamento dissipa-se Aumentado Aumentada Aumentado Aumentados Diminuída Aumentada Diminuída Diminuído Aumentada

37


Carregar ppt "AGENTES TÉRMICOS Rafael Orcy. - O princípio básico que norteia qualquer modalidade térmica é a transferência de calor ao longo de um gradiente de temperatura."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google